Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Deixem os velhinhos raspar à vontade!

Kruzes Kanhoto, 19.05.22

Esta mania, tão apreciada pelos portugueses, de o Estado se meter em todos os aspectos da nossa vida aborrece-me profundamente. Hoje é um organismo qualquer – oficial, presumo, dado que tem como líder um destacado militante socialista – que vem propor uma comissão para analisar o impacto social das raspadinhas. Podia ser para estudar uma coisa séria. Como a influência do IRS no miserabilismo dos salários, por exemplo. Mas não. A preocupação tem antes a ver com o alegado vício de reformados e outros desfavorecidos em relação aquele jogo de azar da Santa Casa. O que, para além das maleitas de carácter social, até faz com que os coitados estejam a ser sujeitos a uma espécie de imposto, alegam os especialistas em vícios de pobrezinhos, velhinhos e outros coitadinhos.

Esta perspectiva acerca do comportamento dos cidadãos que investem em lotaria instantânea cheira-me, entre outras coisas, a discriminação no âmbito da jogatina e do comportamento em geral. Pode haver - e provavelmente haverá - muita gente a esturrar a reforma ou o rendimento mínimo em raspadinhas. Tal como outros esbanjarão o que têm e não têm no casino, nas apostas on-line, nas putas, em viagens, em carros ou naquilo que a imaginação lhes ditar. Ninguém quer saber. Só, pasme-se, os velhinhos e os pobres é que não podem fazer o que bem lhes apetece dos seus rendimentos sem que venha logo alguém apontar-lhes o dedo e criar comissões que estudem a maneira de os impedir de raspar em busca da sorte. Se isto não é discriminação, então, temos de rever o conceito do que se entende por discriminar. Ou, se calhar, é ainda pior. Quiçá a ideia seja, um dia destes, generalizar aquela cena do “Regime do Maior Acompanhado” às pessoas a quem o PS o Estado acha que andam a raspar em demasia...

4 comentários

Comentar post