Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

As eleições do "poucochinho"

por Kruzes Kanhoto, em 07.10.19

Todos os resultados eleitorais se prestam às mais variadas interpretações. Como toda a gente também faço a minha mas, nem outra coisa seria de esperar, discordo da maioria das análises que, até agora, tenho lido ou ouvido.

Logo, a começar, pela vitória do PS. Foi por poucochinho. Teve, inclusivamente, uma votação menor – quer em termos percentuais quer em número de votos expressos - do que a da “PAF” em 2015. O que, convenhamos não abona muito a favor de um governo que, garantem, traz contente tanta gente.

O PSD, apesar das previsões catastróficas e de ter tido uma das piores votações da sua história, não teve a hecatombe que se anunciava. De recordar, por exemplo, que o PS teve 20,77% em 1985 e 22,24% em 1987. Ridicula foi a prestação do lider. Ontem, por momentos, pareceu-me estar a ouvir um qualquer dirigente do PCP quando ao Rio só faltou dizer que tinha ganho.

Mesmo a ser levado ao colo pela comunicação social o Bloco de Esquerda perdeu quase sessenta mil votos, caiu percentualmente e não ganhou um único deputado. Assim de repente não vislumbro motivo nenhum para ser considerado um dos vencedores nem, ainda menos, vejo razão para os guinchos das esganiçadas e companhia.

O PCP, esse, prossegue a sua gloriosa marcha em direcção à extinção. Um dia destes é ultrapassado pelo PAN. A menos que, quando menos se espere, os cientistas descubram uma maneira de prolongar a esperança média de vida em muito para lá dos cem anos.

O mesmo acontecerá ao CDS. Só que mais cedo.

Quanto ao PAN nem vale a pena massacrar o teclado. Aquilo é gente perigosa que nem respeito merece. A serem verdadeiras as suspeitas que pairam sobre aquela organização – um candidato de “Os Verdes” mencionou umas quantas – aquilo não é um partido. Será, antes, um caso de policia.

Quanto aos novos partidos são curiosas as reacções que a sua entrada no parlamento está a provocar. Nomeadamente as preocupações com o “Chega”. Até porque parece estar toda a gente muito feliz com a entrada da outra senhora que, sem gaguejar, confessou o seu radicalismo relativamente a diversas causas e manifestou a intenção de defender os interesses de minorias. Pensava eu, mas ninguém me manda ser alarve, que os deputados tinham como missão defender os interesses de todos os portugueses. Sem excepção.

Compartilhar no WhatsApp

2 comentários

Comentar post