Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

A esquerda rabeta e a liberdade de expressão

por Kruzes Kanhoto, em 25.02.10
Por mais que alguns pretendam fazer crer o contrário, existe mesmo em Portugal um défice de liberdade de expressão. Não propriamente aquele em que Sócrates e os seus boys, de forma quase sempre patética, pretendem silenciar as vozes que lhes são críticas - com os resultados que se conhecem - mas outro muito pior. A que poucos, de tão interiorizado que está em cada um de nós, reconhecem existência. É, como digo há largos anos, a ditadura do politicamente correcto. Uma espécie de pensamento único. Algo muito mais perigoso e que pode conduzir-nos a situações muitíssimo mais delicadas do que as que resultariam se os planos maquiavélicos do abominável engenheiro e seus pérfidos sequazes fossem concretizados.
A responsabilidade de termos chegado a este ponto é, em grande parte, de uma certa intelectualidade urbano deprimida não raras vezes conotada com uma certa esquerda rabeta. É essencialmente gente dessa laia que não tolera opiniões diferentes da sua. Quem não pensa como eles não tem direito a expressar as suas ideias e é frequentemente alvo de insultos, ameaças e vítima de tentativas públicas de achincalhamento. Tudo porque ainda vai havendo um ou outro perigoso mentecapto que tem o desplante de pensar de maneira diferente daquilo que certos vermes intelectualóides consideram ser a verdade suprema.
São esses macacos esquerdistas e apaneleirados que me enchem a caixa de comentários sempre que me refiro aqui à malta invertida. Contra a qual aliás, estou cansado de dizer, nada me move. Entendo é que esse grupo social não constitui nenhuma espécie de vacas sagradas acerca do qual não se podem fazer piadas, contar umas larachas ou criticar o comportamento que exibem em público. Era o que mais faltava. Quem não gosta ou não concorda com o que escrevo que vá navegar para outro lado!
Como penso ter já ficado amplamente demonstrado ao longo dos quase cinco anos de existência do KK, escrevo aqui o que muito bem entender sobre aquilo que me apetecer, independentemente de um ou outro parvo – tadinho – pensar que, através de comentários mais ou menos ameaçadores, pode influenciar o que vou publicando. É, como já deviam saber, tempo perdido. Esse tipo de comentários é de imediato apagado sem sequer me preocupar em tentar identificar, através do IP, os seus autores. Não vale a pena. Prosseguir com a mesma “linha editorial” já lhes deve causar aborrecimento suficiente.
Compartilhar no WhatsApp

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.