Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Impostos?! Isso não interessa nada.

Kruzes Kanhoto, 21.09.20

O IRS é um assunto que desinteressa profundamente à maioria dos portugueses. Não admira. Metade não pagam e uma grande parte dos outros não quer saber. Têm outras preocupações. Coisas sérias e importantes como fascismo, racismo, Ventura, Trump, Bolsonaro, extrema-direita, o que cada um faz com o rabo, as diatribes do Vieira ou seja lá o que for que a comunicação social resolva promover como assunto do dia. Isso sim, é que é de preocupar. Agora cá impostos...que perda de tempo.

Pois a mim, que tenho um prazer imenso em ser do contra, é o que mais importa. E aborrece, principalmente. Não gosto nada de olhar para o meu recibo de vencimento e constatar que os valor dos “descontos” representam cerca de cinquenta por cento da coluna do “vencimento liquido”. Ou seja, em termos práticos, em cada mês trabalho vinte dias para mim e dez para o Estado. Isto deixando de lado que do “liquido” que escorre para a minha conta ainda vai verter uma parte significativa para IVA, ISP, IMI, IUC, mais todas aquelas taxas e taxinhas das facturas da luz e da água ou incluidas no preço de muitos outros bens.

Este é um tema que não me traz leitores. Pouco me interessa. Vou escrever sobre ele toda a semana. É que aquela frase que ouvi ontem pronunciada por um dirigente – deputado, ou lá o que é – do Bloco de Esquerda, não me sai da cabeça. “O IRS é o imposto que mais contribui para a eliminação da desigualdade salarial”. Pudera. Até o meu gato imaginário, o Bigodes, sabe porquê.

A esquerda é invejosa.

Kruzes Kanhoto, 04.09.20

Precisamos de uma carga fiscal mais baixa, a começar pelo IRC. Este é um problema ideológico da esquerda, que, no fundo, é o problema cultural da inveja, porque somos um país pobre”. Quem assim fala é Álvaro Beleza, um dos raros militantes do PS que, na actual deriva esquerdista e populista daquele partido, ainda parecem manter uma razoável sensatez.

Impostos a um nível que ultrapassa em muito o esbulho, nomeadamente o IRC e o IRS, são o principal problema do país. Daqui derivam quase todas as maleitas que, colectivamente, nos atormentam. Mas os portugueses não entendem isso. Não é por mal. É só porque, genericamente, são burros e também, como refere aquele socialista, invejosos. O facto de metade deles não pagarem impostos directos e uma larguíssima faixa da população beneficiar de apoios sociais do Estado, contribuirá igualmente para que este tema não conste das nossas preocupações colectivas.

Entretanto vamos discutindo, como se isso interessasse para alguma coisa, problemas imaginários que apenas existem nas mentes delirantes dos malucos que nos governam, respectivos camaradas, subsidio-dependentes do sistema, beto-urbano-depressivos e activistas das causas que os doidos varridos vão inventado. O racismo, o fascismo e a canzoada são, hoje, as da moda. Amanhã será o que calhar. Enquanto isso, nós, os que pagamos, vamos sustentando toda esta fauna.

São impostos fofinhos, de certeza...

Kruzes Kanhoto, 17.05.20

XXXXXXXXXXXX.jpg

 

Manifestações a exigir a demissão de governos apoiados por partidos de esquerda nunca constituem noticia na comunicação social lusitana. Excepto, mas isso é por outras razões, se ocorrerem na Venezuela. Tirando essa excepção, para os jornaleiros portugueses o povo pretender deitar abaixo um governo de esquerda é uma impossibilidade prática.

Esta ausência de noticias já foi assim em relação à Grécia e é agora relativamente a Espanha. As manifestações populares – acho que é assim que se designam usualmente – de protesto contra o governo socialista/comunista espanhol sucedem-se, mas, por cá, nem um pio. Tal como se multiplicam os actos de protesto da população contra o confinamento. Sem que, deste lado da fronteira, isso seja noticiado. Nem, sequer, ridicularizado. Já as manifestações dos que exigem o mesmo no Brasil e nos States, essas sim, é que não passa telejornal sem que nos sejam exibidas. Critérios. De alto rigor jornalístico, presumo.

E os impostos, porra, os impostos?!

Kruzes Kanhoto, 01.05.20

Pode ter sido apenas impressão minha mas, assim de repente, fiquei com a ideia que o país inteiro se babou com aquela converseta do Pedro Nuno Santos – o ministro mais bloquista que o próprio BE – acerca da TAP, do dinheiro dos portugueses e do povo mandar naquilo. Conversa da treta, aquela. Demagogia e populismo do mais rasca que já ouvi da boca de um governante. Basta ter um bocadinho de noção – como diz o outro – para perceber o disparate. O povo vai mandar tanto na TAP como manda na Caixa Geral de Depósitos. Quando muito já sustenta uma e passará a sustentar a outra.

A irritabilidade tuga em relação aos holandeses está hoje, outra vez, em alta. Em causa o patife de um trabalhador local, que se lembrou de pedir – frente às televisões, o que ainda é pior – ao primeiro ministro daquele país, para não "dar" mais dinheiro à Espanha e Itália. Trata-se, parece-me, de um cidadão preocupado com o destino dos seus impostos. Assim estivéssemos nós. É que, por cá, não vejo ninguém horrorizado por mais de metade de um ordenado médio se esvair em impostos. Nós, já dizia Jorge Sampaio, queremos é “sacar à Europa”. Que é como quem diz, aos impostos dos outros.

E por falar em impostos. Foi impressão minha ou a senhora da CGTP não falou em reduzir os impostos sobre o trabalho?

Inconstitucional? Depende...

Kruzes Kanhoto, 16.12.19

Ando há não sei quantos anos – uns trezentos, no mínimo – a reclamar benefícios fiscais, nomeadamente no IRS, para quem reside e trabalha no interior do país. Que não, não pode ser. Seria inconstitucional, por violar o principio da igualdade ou outro principio qualquer que ocorra a quem manda nestas cenas. Esta, ou outra parecida, é a justificação que mais frequentemente leio ou ouço em reação a esta ideia.

Coisa que, pelos vistos, não se verifica no caso dos jovens. No próximo ano os que saírem de casa dos pais vão ter uma bonificação de vinte por cento no IRS. Mesmo que se mudem para o prédio ao lado. Ou seja. Dois jovens que até podem ser vizinhos, trabalhar na mesma empresa e ganhar o mesmo ordenado, pagarão IRS diferentes. É tudo constitucional. Não deixar uma vastidão de território desertificar, através de incentivos fiscais a sério como é o imposto sobre o trabalho, é que contraria a constituição.

Como não sou constitucionalista não sei se assim é ou deixa de ser. Nem me interessa. O que sei é que um país que despreza três quartos do seu território e quem neles vive, nunca valerá grande coisa.

Pobretanas (Pobres o tanas)

Kruzes Kanhoto, 25.11.19

Diz que ocorreu a um esperto qualquer elaborar um estudo onde relaciona o parque automóvel de cada um dos concelhos do país com o rendimento dos seus habitantes. Não estou, confesso a minha ignorância, a ver a relação. Nem, por consequência, justificação nenhuma para o espanto por o referido estudioso ter concluído – abismado com as suas próprias conclusões, ao que consta - que existe um inusitado número de automóveis de luxo em concelhos com rendimentos declarados ao fisco ao nível do miserável.

Não tardaram os maledicentes do costume a concluir que isto é coisa de quem foge aos impostos e, afinal, existirá por aí muita gente fiscalmente pobre mas, vai-se a ver, leva uma vida de luxo. Ainda bem que assim é. O dinheiro é de quem o ganha, não é do Estado. E se a todos compete contribuir para o bem comum na medida das suas possibilidades, já chegámos ao ponto em que essa medida foi em muito ultrapassada.

Mesmo não conhecendo os dados do tal estudo, acredito que cá pela terrinha não será muito diferente. Sei é que o número de automóveis está a aumentar quase ao mesmo ritmo que a população diminui. O que, desconfio, é capaz de ser um dado interessante para analisar. Haja quem o faça.

Veiculos.JPG

 

Vão roubar para a praça...

Kruzes Kanhoto, 17.10.18

humorfiscalidadeverde.jpg

 

Por mais que me esforce continuo sem enxergar as fantásticas melhorias anunciadas pela geringonça a cada orçamento. Deve ser defeito meu, certamente. Entre reversões, reposições, devoluções e outros palavrões não vejo aquilo que me parece essencial, lógico e mais justo. A reposição dos impostos sobre o rendimento nos níveis pré-troika. Antes daquele enorme aumento de impostos, se é que ainda há quem se lembre. Sem isso qualquer aumento de rendimentos - sejam salários, pensões ou benesses diversas - parece-me uma enorme injustiça.  Dar a alguns sem antes devolver o que se continua a roubar a outros, não se me afigura coisa de gente séria.   

Por falar em roubar. Os proprietários de prédios urbanos devolutos bem localizados e com algum valor, que se cuidem. Para os manterem na sua posse deixará de ser suficiente um contrato de água e luz. Terão de ter um consumo mínimo, a definir pelos pró-comunas que nos governam, se não os quiserem ver confiscados. Seja pela via do saque fiscal ou, até mesmo, pela apropriação estatal ou municipal. A solução é ir lá de vez em quando e deixar, durante umas horas, todas as luzes acesas e as torneiras abertas. Costuma resultar para afastar os ladrões. 

 

 

Dia da libertação de impostos

Kruzes Kanhoto, 16.06.18

escravidao.jpg

 

Hoje, dezasseis de Junho, assinala-se o dia da libertação dos impostos. Não é que os tributos tenham acabado. Nada disso. Significa apenas que, para o contribuinte médio, todo o rendimento do seu trabalho, desde o principio do ano até ao presente dia foi direitinho para o Estado.

A julgar por algumas reacções, expressas nas caixas de comentários a esta noticia, há quem não veja nisto nada de especial. Pelo contrário, não desdenhariam mesmo que o dia em que o Estado deixa o nosso bolso em paz fosse lá mais para diante no calendário. Deve ser gente que não paga impostos. Daquela, provavelmente, para quem isso é um conceito desconhecido. Mas, desconfio, para aqueles que estão sujeitos ao saque fiscal em vigor, o dia ainda não terá chegado hoje. É que isso das médias é uma coisa lixada.

Lixados – ainda mais – estaremos também se, como tudo indica, vier a ser aprovada uma nova lei das finanças locais. O objectivo, entre outros, é pôr ponto final nos poucos constrangimentos ao despesismo autárquico e reforçar os meios financeiros das autarquias, para que os caciques possam voltar a esturrar à tripa forra. Nomeadamente dar emprego aos eleitores das respectivas circunscrições. É que existem localidades onde ainda nem todos os habitantes trabalham para a respectiva autarquia. Uma injustiça a que urge pôr cobro, reconheço.

Imposto é roubo? A este nível e nestas circunstâncias, sim!

Kruzes Kanhoto, 30.05.18

imposto.jpg

Apesar da carga fiscal estar ao nível do esbulho, o primeiro-ministro já garantiu que não é sua intenção diminui-la. Nem mesmo, ao menos, ligeiramente. Ainda que, convém lembrar, o fardo dos impostos, das taxas, taxinhas e derivados seja mais pesado agora do que na altura em que foi preciso pagar a bancarrota deixada pelos socialistas. É necessário baixar a divida, alega. Aquela que, apesar da imensa roubalheira fiscal promovida pela geringonça, não para de crescer. O que não admira, diga-se. O dinheiro nas mãos da esquerdalha é como manteiga em focinho de cão.

Eles roubam tudo...eles roubam tudo...

Kruzes Kanhoto, 23.05.18

0012f60c884daf83b7a27a7682a74212.jpg

 

Anda por aí muita gente indignada com a constante subida do preço dos combustíveis. Tudo porque, a juntar à alta do crude, a carga fiscal sobre o sector é manifestamente – descaradamente, vá - elevada. Eu também estou ligeiramente aborrecido. Mas, garanto, estou muito mais arreliado com o roubo que o Estado ladrão pratica ao nível de outros tributos. Até porque tenho sempre a opção de andar a pé e, assim, reduzir o meu involuntário contributo.

Já no que diz respeito ao IRS pouco – nada, a bem dizer – posso fazer. Há que pagar – e muito – para a metade que não contribui. Apenas beneficia. O mesmo para, por exemplo, o IMI. Um dos impostos mais estúpidos que se paga e que tem como finalidade subsidiar os desvarios autárquicos.

Por se tratar de impostos que todos pagam – até a metade que não contribui de outra forma não lhes consegue escapar – é que esta carestia dos combustíveis apenas me causa um ligeiro aborrecimento. E se, como devia, isso servisse para diminuir os restantes, então, até seria motivo para me regozijar. Assim apenas lamento não os poder mandar ir roubar para a estrada. Isso é actividade que eles já praticam com entusiasmo.