Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Costa, a serpente.

por Kruzes Kanhoto, em 30.10.15

images.jpg

Toda a gente já reconheceu que o actual impasse na vida politica portuguesa se deve a uma birra do individuo que chefia o PS. O homem – em termos políticos, evidentemente – não presta. O seu percurso fala por si. Mas não o culpo em exclusivo a ele. Todos os que viram – ou, apesar de tudo, ainda veem - ali um Messias, uma espécie de salvador da pátria, também são culpados. Em termos pessoais o senhor até pode ser uma jóia de criatura mas politicamente não vale nada. É pior do que as cobras. Daqueles que nem a história julgará. Não vai lá ter lugar. Terá, isso sim, um lugar destacado no anedotário nacional.

Compartilhar no WhatsApp

Que façam um longo caminho até ao socialismo...e não voltem!

por Kruzes Kanhoto, em 16.10.15

Começo a ficar sem paciência para a cambada de comentadores da treta que pululam pelas televisões e para as conversas acerca de quem deve ou não governar. Menos ainda para os exercícios parvos, geralmente reveladores de elevado grau de demência, dos que procuram demonstrar que quem perdeu as eleições, afinal, as ganhou. Vão todos bardamerda. Decidam-se mazé a formar governo e a dar um rumo a isto. Num país a sério vinte e quatro ou quarenta e oito horas após as eleições os governos estão em funções. A bem dizer nem só nos países a sério é assim. Até naqueles onde a bandalheira é apenas relativa estas coisas são feitas mais depressa.

Já estou por tudo. Só para deixar de os ouvir. Constituam lá o vosso governo socialista-comuno-bloquista. Só espero que não me decepcionem. Comecem a tratar da reforma agrária nos campos do sul, a construir o TVG, o novo aeroporto de Lisboa, a terceira ponte sobre o Tejo e a dividir o país em regiões administrativas. E, já agora, não se esqueçam de regulamentar o trabalho sexual e enquadrar os respectivos profissionais num quadro legal que os proteja na sua actividade. E, também, os faça pagar impostos. Ah, e comecem a caminhar para o socialismo. Sem parar, de preferência. Ou, se pararem que seja quando estejam bem longe...

Compartilhar no WhatsApp

Vem aí a verdadeira troika?

por Kruzes Kanhoto, em 07.10.15

20130302-Troika_government_out-Bloco.jpg

 

Chapelada. Não vejo outra forma de qualificar a eventual coligação PS-PCP-BE. Assim uma espécie de vitória na secretaria após, cada um deles, ter levado uma coça dentro do campo. A tramóia até pode ter cobertura constitucional. Pode, também, argumentar-se que o conjunto daqueles partidos recolheu o maior número de votos expressos. Pode isso tudo. Não pode é afirmar-se, sem fintar a verdade, que foi esse o projecto escolhido pelo eleitorado. Pelo contrário. O que se pode argumentar, com uma assinalável dose de certeza, é que caso se tivessem apresentado a eleições em coligação a votação que obteriam estaria muito longe de ser aquela. Mais. A maioria dos votantes do PS não se revêem nessa hipotética troika. Nem tão pouco os do Partido Comunista.

Tenho, apesar de tudo, uma enorme expectativa relativamente a este cenário. Nomeadamente em ver como vai ser justificado este acordo por algumas criaturas e, quando a coisa começar a azedar nas ruas, como será defendido o eventual governo dessa estranha coligação. Vai ser uma fartote de rir. Terá imensa piada ver, cá na minha terra, destacados dirigentes e militantes locais de PS e PCP que toda a vida se odiaram – em termos políticos e muitas vezes não só - do mesmo lado da barricada e a defenderam a mesma dama. Só por isso já valia a pena ver essa troika no poder...

Compartilhar no WhatsApp

As eleições não se ganham no Facebook

por Kruzes Kanhoto, em 06.10.15

transferir.jpg

 

Parte do país está em negação. Nunca equacionou que a coligação pudesse vencer as eleições e, desde domingo à noite, não faz outra coisa que mal dizer os portugueses que optaram por confiar o seu voto aos vencedores. Um lamentável exercício de falta de cultura democrática, de arrogância, de ausência de civismo, de educação e, também, de notória indigência mental.

Por muito que custe a esse pagode existe vida e existe gente fora do Facebook. Pessoas que, como eles, fazem as suas opções politicas. Que – não me interessa se mal ou bem – estão de acordo com o caminho que o governo escolheu para conduzir o país. Gente que, por pensar diferente, não é ignorante. Fez as suas opções, votou e o quadrado onde assinalou a sua intenção de voto foi o que recolheu mais cruzinhas. É a vida. De outra vez calhará a outros.

O curioso é que muita dessa gente que agora usa os maiores impropérios para ofender os votantes do PAF, gosta de citar Voltaire – Jorge Jesus também podia ter dito algo parecido – recitando aquele chavão do “não concordo com o que dizes mas defendo até à morte o direito de o dizeres”. Por aquilo que vejo, ouço e leio parece que esta vontade de sucumbir defendendo o direito à discordância não se aplica naquela coisa da liberdade de voto, ou lá o que é.

Compartilhar no WhatsApp

A importância do copo menstrual

por Kruzes Kanhoto, em 05.10.15

Captura de ecrã - 05-10-2015 - 19:55:45.jpg

tiposcabos.jpg

Como era de esperar as eleições trouxeram poucas novidades. Só uma a bem dizer. Aquela coisa do Pessoas-Natureza-Animais ou lá o que é. Contra as expectativas quase gerais conseguiram enfiar um deputado no Parlamento. Ainda bem que uns quantos portugueses introduziram na urna o seu voto com a cruzinha inserida no quadrado fronteiro ao símbolo do PAN e, assim, contribuíram para tornar mais animada a programação do canal televisivo AR TV.

Só hoje fui ler as linhas programáticas com que se coze aquela nova força politica. Fiquei, reconheço, manifestamente agradado. Deparei com uma panóplia de intenções geralmente boas – as minhas preferidas – e que depois de beber umas bejecas até era capaz de subscrever. Destaco aquela dos copos menstruais. Não estando, naturalmente, habilitado a pronunciar-me quanto às vantagens ou desvantagens do bem reutilizável em causa, saliento apenas a pertinência da questão. Ainda bem que alguém trouxe a menstruação para o debate politico. Era, admitamos, o tema fracturante que faltava.

Compartilhar no WhatsApp

Mais umas horas e isso passa...

por Kruzes Kanhoto, em 04.10.15

O desespero é tanto, mas mesmo tanto, que não resistem a apelar ao voto. Ainda que de forma subtil. Ou que lhes parece a eles subtil. Caricaturas, frases feitas palermas e idiotices diversas ilustram hoje muitos “murais” do fuçasbook. Tempo perdido. Se querem ainda influenciar o sentido de voto de alguém vão a uma casa de banho pública, limpem o cú ao programa eleitoral e escrevam na parede uma palavra de ordem a apelar ao voto. É capaz de produzir mais efeito e ninguém fica a saber que andam a fazer figuras tristes.

Compartilhar no WhatsApp

Motivos de reflexão

por Kruzes Kanhoto, em 03.10.15

pistola.jpg

 

Mas para que raio serve este revolver? Quem pode estar interessado na sua compra? Que utilização pode um eventual comprador – ou compradora – dar aquela coisa? Que espécie de tara levou alguém a transformá-lo naquilo? Será que alguma vez foi utilizado num assalto? Ou, sei lá, noutra qualquer actividade lúdica? Terá sido com o seu precioso auxilio que os auto-rádios mudaram de lugar? Tudo questões deveras inquietantes. Apropriadas para um dia de reflexão acerca das promessas – falaciosas ou não – que ouvimos e lemos nos últimos dias.

Compartilhar no WhatsApp

Sondagens que valem o que valem

por Kruzes Kanhoto, em 28.09.15

Há reacções a isto das sondagens que me conseguem deixar ainda mais perplexo que o seu próprio resultado. Argumentam alguns experts que os estudos baseados em entrevistas telefónicas – telefone fixo, no caso - desvirtuam a análise influenciando, dizem, o resultado da coligação de direita. Por acaso também acho. Principalmente se os ditos inquéritos forem feitos em horário laboral. Neste caso os sondados serão, maioritariamente, reformados e desempregados. Dois grupos sociais onde, segundo os que desconfiam das sondagens, o descontentamento com o governo será maior. Ora se, ainda assim, o PAF tem uma vantagem de meia dúzia de pontos percentuais é, de facto, caso para desconfiar. Outra hipótese é o país dos comentadores, jornaleiros e intelectualidade urbano-deprimida pouco ter a ver com o país real. Mas isso já não é novo. Tem sido, pelo menos nestes últimos quarenta e um anos, quase sempre assim.

Compartilhar no WhatsApp

Um mau comunicador estraga sempre uma boa ideia...

por Kruzes Kanhoto, em 25.09.15

Custa-me a acreditar que António Costa e a sua trupe consigam perder as eleições. Se isso acontecer será um caso de estudo. Algo que servirá de exemplo durante muitos anos sempre que se pretenda demonstrar o que não deve fazer um politico, um partido ou uma candidatura que, de facto, pretenda ser eleito. Nomeadamente quando o adversário é daqueles a quem até o Pato Donald dava uma coça.

Aquilo é cada tiro cada melro. A começar pela tralha que gravita à volta do homem. Gente que cada vez que abre a boca convence cem eleitores a votar noutro partido. Qualquer que ele seja. Depois a maneira de comunicar. Absolutamente incapaz de transmitir uma ideia com clareza, de forma convincente e que faça os ouvintes acreditar que a proposta é séria, exequível e justa.

Veja-se, a titulo de exemplo, aquela coisa das prestações não contributivas ficarem sujeitas à condição de recurso. Uma excelente intenção e, acrescente-se, uma medida da mais elementar justiça. No entanto até mete dó a incapacidade - ou o medo, talvez - dos socialistas explicarem isto de forma a que o eleitorado perceba. Teria a sua piada se uma boa proposta, como esta é, fosse um dos principais motivos para a derrota do seu proponente. Ou, talvez, apenas revelador da qualidade do eleitorado.

Compartilhar no WhatsApp

Outra vez a moenga dos cofres cheios

por Kruzes Kanhoto, em 23.09.15

METRALHAS1.jpg

 

Continua a haver quem insista em bater na tecla dos “cofres cheios”. Uma ofensa aos portugueses, garantem. Assim de repente não estou a ver porquê. E mesmo sem ser de repente também não. A mim o que me ofende – e muito – é existirem políticos que parecem apenas entender a actividade politica como a missão de esvaziar os cofres.

Compartilhar no WhatsApp

Há muita falta de memória...

por Kruzes Kanhoto, em 12.09.15

Escrevi em inúmeras ocasiões que os portugueses nada aprenderam com a crise. Nada. Nadinha. Népia. A maioria não percebe a ponta de um corno de politica, são iletrados em matéria financeira e, quase todos, uns perfeitos ignorantes da nossa história. Mesmo da mais recente. Além de que padecem de outro problema. São terrivelmente esquecidos e apenas conseguem reter na memória as recordações de curtíssimo prazo.

Tanto assim é que se preparam para colocar outra vez o PS no poder e eleger toda a tralha de incompetentes que nos levou à falência. Outro sinal – tão preocupante como o primeiro - é que, a julgar pela amostra de hoje, se puderem vão às trombas ao Parvus Coelho. Já não se lembram que o último politico que levou nas fuças foi Presidente da República durante dez anos quando, na campanha em que foi escovado, não tinha mais de oito por cento das intenções de voto...



Compartilhar no WhatsApp

As sondagens valem o que valem. Nomeadamente quando não nos agradam.

por Kruzes Kanhoto, em 20.06.15

Uns ingratos estes eleitores. Promete-se-lhes tudo e mais um par de botas e, mesmo assim, os patifes preferem votar nos outros. Não se faz. Se calhar, digo eu que não sou de intrigas, o melhor é calarem-se. Fazerem-se de morto. Talvez assim subam nas sondagens. Experimentem, já que a fazerem-nos de parvo não está a resultar.

Entretanto a opinião publicada continua a esforçar-se por convencer a opinião pública que um empate é melhor do que uma vitória por poucochinho. Já agora, diga-se, é uma chatice isto de ser a segunda e não a primeira a escolher quem governa. Ou, até mesmo, a ser auscultada numa simples sondagem.

Compartilhar no WhatsApp