Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Coisas da "covida"...

por Kruzes Kanhoto, em 31.05.20

100_6353.JPG

(Imagem escolhida aleatoriamente para ilustrar o texo e que nada tem a ver com o mesmo)

Com o confinamento o país descobriu o teledescanso. Nalguns sectores – públicos, está bem de ver – foi um fartote. Bom, fartote é uma maneira de dizer. Muitos daqueles – e daquelas que eu não sou de discriminações – que estiveram largas semanas de boa-vida não estarão especialmente fartos. Nem, se calhar, reconhecidos aos que tiverem de continuar a bulir para que, entre outras coisas, o vencimento lhes continuasse a cair na continha no final de cada mês.

O resultado da mandriice colectiva é o que hoje, numa passeata qualquer, podemos observar. Até os gajos que cortam ervas estiveram, alegadamente, a trabalhar à distancia. A partir de casa, provavelmente. Outros – há quem garanta, mas eu disso nada sei – terão estado a teledescansar “teletrabalhar” nas suas profissões, mas terão feito as “horinhas extra do costume”, num “trabalho” presencial fora da sua especialidade, para arredondar o ordenado. O mesmo ordenado que, apesar de não bulirem uma palha, nunca lhes foi cortado. Nem num cêntimo.

Compartilhar no WhatsApp

Pobreza bloquista

por Kruzes Kanhoto, em 30.05.20

Haverá, certamente, muitas formas de pobreza. Tantas quantas quisermos, a bem dizer. O BE descobriu – ou inventou – mais uma. A pobreza menstrual. Seja lá isso o que fôr. Vai daí, propôs na AR que os produtos de saúde menstrual sejam distribuídos gratuitamente.

Não me vou pôr para aqui a divagar acerca da pertinência do assunto. Nem, tão-pouco, quanto à parte do gratuito. Não vale a pena. Até o meu gato imaginário percebe que nada daquilo que o Estado faculta aos cidadãos é à borla. Alguém o paga. Só gente ignorante ou intelectualmente manhosa pensará o contrario.

O meu desacordo é, mais uma vez, em relação à discriminação. E esta ideia do Bloco é manifestamente discriminatória em relação a outros tipos de pobreza. E, assim de repente, ocorrem-me vários. A começar pela pobreza fiscal, sem que o BE proponha a redução do IRS sobre os trabalho; A pobreza auditiva, não consta que o SNS distribua aparelhos para melhorar a audição; A pobreza oftalmológica, a comparticipação nos óculos é ridícula; A pobreza dentária, num país de gente desdentada próteses ou implantes dentários são quase inacessíveis a quem tem menos posses. Entre muitas outras pobrezas que agora não me ocorrem. Nem ao BE.

Compartilhar no WhatsApp

Dantes chamava-se censura. Exame prévio, ou lá o que era...

por Kruzes Kanhoto, em 29.05.20

o-nazismo-de-esquerda.jpg

Em nome do combate às noticias falsas, da defesa da democracia e do que mais calha têm sido muitos os cartilheiros, maioritariamente de esquerda que pululam pelos meios de comunicação social, a insurgirem-se pela falta de controlo das redes sociais. A liberdade de expressão é muito bonita mas cada um escrever o que pensa, nomeadamente quando não concordamos, é uma chatice. Mata os regimes democráticos, dizem. Parece que até alimenta monstros que todos gostaríamos estivessem definitivamente enterrados, também já ouvi dizer.

Donald Trump, na sequência de uma birra com o Twitter, acaba de assinar um decreto que permite às agências federais norte-americanas regularem o conteúdo publicado em plataformas das redes sociais. Em defesa da liberdade de expressão, conforme garantiu. Não espero que os notáveis comentadores das nossas televisões venham a público manifestar o seu entusiasmo por esta iniciativa. Hão-de arranjar um argumento qualquer para se contradizerem. Já estamos habituados a isso. Afinal, como sempre escrevi, a diferença entre eles e Donald Trump é muito pouca. Está apenas no poder, no dinheiro e, concedo relativamente a alguns, na educação. No resto são iguais. 

Compartilhar no WhatsApp

Algibeiras rotas e marmitas vazias

por Kruzes Kanhoto, em 28.05.20

Esta pode ser um crise diferente da anterior. Para pior, provavelmente. Por muitas razões. Na outra, pelo menos, havia para onde emigrar. Bazar daqui para fora não será, desta vez, opção com muita viabilidade.

O que me parece exactamente igual é a inconsciência de muita gente. De algumas vitimas da crise, nomeadamente. Percebo que perder o emprego é um drama. Tal como é dramático, assim de repente, ver os rendimentos mensais diminuírem ou deixarem de existir de todo. Mas, c’um caraças, assim de um momento para o outro, só pela falta de um terço do ordenado, já não haver dinheiro para comer parece-me um bocadinho de mau governo.

Ao fim de menos de um mês – que isto não é de agora - já havia gente a garantir que passava fome. Das mais variadas profissões. Desde artistas sem poder exercer a sua arte a gente que nem desempregada está. Apenas em lay off. Compreendo que, para o nível de vencimentos praticados por cá, fazer poupanças não é fácil. Mas, que diabo, para quem passou há tão pouco tempo por uma crise, não era para ser ligeiramente mais precavido? Menos viagens, menos comida encomendada ou menos tecnologia de última geração eram capazes de ter dado uma ajuda.

Compreendo e lamento, reitero, todos os azares e dificuldades que muitos portugueses estão a passar. Mas, como também escrevi na outra crise, um pacote de massa custa vinte e dois cêntimos e um frango mal chegará a dois euros. Tomara eu, aqui há cinquenta anos, apanhá-los.

Compartilhar no WhatsApp

Afinal... o tamanho importa!

por Kruzes Kanhoto, em 27.05.20

IMG_20200527_143530.jpg

Screenshot_20200527-143637.jpg

Em matéria de Covid – e nas outras também - os especialistas da especialidade são gajos para dizerem uma coisa agora e o seu contrário daqui a bocado. Por isso o melhor é aproveitar já, antes que outro estudo venha desmentir este ou provar exactamente o oposto.

Parece que isto dos dedos é uma cena muito importante. Nomeadamente no que diz respeito ao tamanho. Diz que, no caso do vírus chinês, importa. Mas, apenas, relativamente aos homens. Estaremos, se calhar, na presença de um vírus sexista. Seja como for, neste ponto, cumpro o requisito. Aguardemos, ansiosamente, o desenvolvimento de novos estudos que analisem a relação entre o risco e outras características físicas...

 

Compartilhar no WhatsApp

Calosidades populistas

por Kruzes Kanhoto, em 26.05.20

Tenho pouco apreço por populistas. Detesto, igualmente, práticas discriminatórias. Mesmo quando esta manigância da discriminação é praticada em relação aos populistas. Por estas e por outras, de tanto manejar o comando para mudar de canal televisivo, estou prestes a ficar com o polegar mais calejado do que o cú de um macaco velho. Aquilo não se aguenta. Populistas como Trump, Bolsonaro e Marcelo dominam os noticiários. Nenhum deles pode largar um peido sem que as televisões gastem incontáveis minutos a analisar o traque. Concluindo, inevitavelmente, pelo odor insuportável dos primeiros e o aroma refrescante do último.

Também a procura de noticias provenientes de outras paragens está a contribuir para a dita calosidade. Não é por nada em especial, mas tenho alguma curiosidade em saber como está aquilo na Bélgica. Onde, diz, a mortalidade devido ao covid, por milhão de habitante, bate todos os recordes e, ao contrário do que dos querem fazer crer, supera largamente os EUA e Brasil juntos. Tal como me sinto levemente curioso em relação a Espanha. Que, embora não pareça, é aqui mesmo ao lado e não do outro lado do mar. Até porque, parece, há cada vez mais gente com vontade de ver o governo socialista/comunista pelas costas. A menos que os detentores da verdade que interessa tenham decretado que tudo isso não passa de fakenews.

Compartilhar no WhatsApp

O ecoporco

por Kruzes Kanhoto, em 25.05.20

IMG_20200525_124356.jpg

 

Disse um dia um homem sábio – eu, hoje pela hora de almoço – que nenhum porco é feliz sozinho. Precisa de outros porcos. Daí que o melhor é ter atitudes a atirar para o javardote, para que outros o imitem e contribuam para aumentar a porcaria. Nem que sejam forçados a isso.

É o caso da foto. O eco-ponto está praticamente vazio mas, ainda assim, há quem insista em colocar o lixo no chão. Pior, bloqueando o acesso ao contentor e forçando a que outros tenham de, também eles, deixar os resíduos fora do dito.

A criatura que tem este comportamento – reiterado, já não é a primeira vez – manifesta ainda uma total desconsideração pelas pessoas que fazem a recolha dos resíduos. Deve pensar que são criados dele e que têm obrigação de aturar as suas javardices pseudo-ecologicas.

Compartilhar no WhatsApp

É o bicho, é o bicho...

por Kruzes Kanhoto, em 23.05.20

Estudos há muitos e inquéritos também. Sobre assuntos sem interesse nenhum, a maioria e que não servem para coisa nenhuma, quase todos. A não ser, como um publicado um dia destes, que conclui serem os portugueses um povo com notória carência de juízo. Embora isso não constitua novidade. A popularidade do professor Marcelo já é sintoma mais do que evidente que gente ajuizada não abunda por estas bandas.

Segundo o tal estudo – inquérito, ou lá o que era – mais de sessenta por cento dos inquiridos – portugueses, com capacidade eleitoral e tudo – entendem que matar uma borboleta ou uma cobra é motivo suficiente para ir parar à prisão. Quanto a uma mosca ou uma minhoca, não sei qual a douta opinião manifestada pelos auscultados. O que sei é que, neste ponto, essa gentinha não difere muito de um tal Ventura. O que me faz espécie é que estas conclusões não causem nenhum nível de preocupação. Nomeadamente entre os que se preocupam com o radicalismo e a intolerância do discurso do outro espécime.

Longe vai o tempo em que um determinado partido – o PS, de Guterres - tinha por slogan “as pessoas primeiro”. Hoje, repeti-lo, seria condenável. Depois queixem-se.

Compartilhar no WhatsApp

Teletrabalho, o limite é a imaginação. Ou talvez mais além...

por Kruzes Kanhoto, em 22.05.20

EWH8tF_WoAA7EAw.jpeg

Longe mim – lagarto, lagarto, lagarto, ai Jesus cruzes canhoto, t’arrenego Belzebu – estar para aqui a congratular-me com o surgimento do Covid-19. Era o que mais faltava. Isso é coisa para malucos como Lula da Silva e, se calhar, para a sua vasta legião de seguidores. Admito, no entanto, que desta pandemia sairão inúmeras inovações, oportunidades e soluções que poderão constituir motivo para nos congratularmos. Nomeadamente no sector tecnológico e no modo como nos relacionamos com o trabalho.

Se calhar serei demasiado optimista mas, acredito piamente, o número de trabalhadores em teletrabalho terá um aumento exponencial. Com os ganhos daí resultantes. Para todos. Pode ser, embora aí o meu nível de optimismo seja ligeiramente inferior, o principio da recuperação dos territórios do interior. Muitos não terão necessidade de viver nas mega-aglomerações do litoral e poderão rumar a outras paragens. Menos caras, nuns casos, e com mais qualidade de vida, noutros.

Os cépticos não partilharão do meu entusiasmo com a possibilidade de colocar meio mundo em teletrabalho. Terão as suas razões. Muitas e todas legitimas, concedo. Mas concordo com poucas. Se a administração pública, durante esta pandemia, até conseguiu colocar jardineiros, canalizadores, eletricistas, empregadas de limpeza, pedreiros e mais um sem fim de outros misteres em teletrabalho, melhor conseguirá qualquer outra instituição que utilize a tecnologia como ferramenta de trabalho.

Compartilhar no WhatsApp

Que mal tem um ordenado chorudo?

por Kruzes Kanhoto, em 20.05.20

Tendo a apreciar aumentos salariais. É cá uma mania minha. E se a melhoria for significativa então, por maioria de razão, ainda gosto mais. Se chegar a valores como, por exemplo, setenta e cinco por cento, aí, é o delírio. O êxtase, até.

Daí ter imensa dificuldade em assimilar o motivo que leva tanta gente a indignar-se com o vencimento dos gestores do Novo Banco e, nomeadamente, o acréscimo de que terão beneficiado nos últimos anos. Ainda bem que os cavalheiros têm um ordenado jeitoso. Pena que não haja mais gente a ganhar o que eles ganham ou, pelo menos, a beneficiar de idêntica generosidade da entidade patronal na hora de decidir os aumentos.

Se calhar o que falta neste caso, atendendo ao que a opinião pública julga saber, é a penalização adequada. Mas resolver isso até está nas mãos de alguns que se indignam com os valores que aqueles senhores auferem. Não me parece que seja difícil incluir, em sede de IRS, uma taxa – de noventa por cento, vá, que hoje estou bem disposto – a incidir sobre prémios, aumentos de ordenado ou outras liberalidades atribuídas a gestores de empresas beneficiadas, directa ou indirectamente, por apoios do Estado. Há anos que o deviam ter feito. Nunca houve, nem há agora, é vontade para isso. É que isto ora se é governante, ora se é gestor...

Compartilhar no WhatsApp

No melhor cartaz cai a nódoa...negra!

por Kruzes Kanhoto, em 18.05.20

Screenshot_20200518-104542.jpg

 

São raras as circunstâncias em que concordo com aquela tropa fandanga. Mas, desta vez, tem o Bloco de Esquerda toda a razão naquilo propala num dos seus mais recentes cartazes. Ninguém pode ficar para trás. A menos, claro, que não tenha grande vontade de seguir em frente.

Só há naquele cartaz uma coisa que me incomoda. Uma coisinha de nada, diria, mas que me está cá a moer. Não aprecio nadinha o facto da figura que, aparentemente, será uma técnica de limpeza ser representada por uma mulher negra. Não havia necessidade de contribuir para a perpetuação do estigma. Fosse aquilo um cartaz do Chega e quase me cheirava a racismo, discriminação, machismo e outros odores a atirar para o pestilento.

Compartilhar no WhatsApp

São impostos fofinhos, de certeza...

por Kruzes Kanhoto, em 17.05.20

XXXXXXXXXXXX.jpg

 

Manifestações a exigir a demissão de governos apoiados por partidos de esquerda nunca constituem noticia na comunicação social lusitana. Excepto, mas isso é por outras razões, se ocorrerem na Venezuela. Tirando essa excepção, para os jornaleiros portugueses o povo pretender deitar abaixo um governo de esquerda é uma impossibilidade prática.

Esta ausência de noticias já foi assim em relação à Grécia e é agora relativamente a Espanha. As manifestações populares – acho que é assim que se designam usualmente – de protesto contra o governo socialista/comunista espanhol sucedem-se, mas, por cá, nem um pio. Tal como se multiplicam os actos de protesto da população contra o confinamento. Sem que, deste lado da fronteira, isso seja noticiado. Nem, sequer, ridicularizado. Já as manifestações dos que exigem o mesmo no Brasil e nos States, essas sim, é que não passa telejornal sem que nos sejam exibidas. Critérios. De alto rigor jornalístico, presumo.

Compartilhar no WhatsApp

O sábado do nosso contentamento

por Kruzes Kanhoto, em 16.05.20

IMG_20200516_075404.jpg

 

Diz que o primeiro ministro andou hoje pelas ruas de Lisboa a incentivar os portugueses a sair de casa. Fez bem, o homem. Há que voltar rapidamente e em força à normalidade antes que seja a cura a matar-nos. É que, a não ser assim, ainda nos arriscamos ouvir ao Costa algo parecido àquela frase do ditador Oliveira, nos tempos que se seguiram à segunda guerra mundial. “Livrei-vos da guerra, mas não vos posso livrar da fome”, garantia, nessa época, o Botas. No caso presente, do vírus chinês.

Por cá foi o segundo sábado de relativa normalidade, com parte do mercado reaberto. Por enquanto ainda não é o mesmo. Estão lá as frutas, os legumes e tudo o resto. Faltam os visitantes que transformavam a manhã deste dia no mais movimentado da semana. E as rotinas, também. Ir ao mercado e não beberricar o costumeiro cafezinho é mais doloroso do que uma semana de confinamento. 

Compartilhar no WhatsApp

Hipocondríacos seletivos

por Kruzes Kanhoto, em 15.05.20

IMG_20200421_140138.jpg

 

Acho piada aquela malta que faz cenas esquisitas com os bichos. Entenda-se - por cenas esquisitas – dormir com eles, dar-lhes beijos, partilhar comida e outras patetices modernas. Gente que, ao mesmo tempo, manifesta um pavor de morte – próximo da paranoia, diria – com o vírus chinês que anda por aí. O medo é tanto que, pasme-se, algumas dessas criaturas se acham no direito de ficar em casa, sem trabalhar, mas mantendo o direito ao ordenado. Nomeadamente funcionários públicos, que aos privados o patronato capitalista e explorador trata de acertar o passo a quem se dá a esses devaneios.

Mas, escrevia, há quem passe o tempo a desinfetar-se, só retire a máscara para comer e mude de passeio ao vislumbrar outro transeunte. Depois, se calhar, dorme com o bichano que passou o dia a escarafunchar no caixote do lixo. Que é, de certeza, um sitio onde vírus e outras cenas igualmente maléficas não entram.

 

Compartilhar no WhatsApp

Chega...de "pides" na internet!

por Kruzes Kanhoto, em 12.05.20

Uma publicação do grupo Cofina, essa referência do jornalismo nacional também conhecida por esgoto a céu aberto, resolveu cavalgar a onda do “Chega”. Diz-nos, alarmada, que um jovencito candidato a um lugar qualquer naquela agremiação, terá dito que os “portugueses são brancos e europeus”. Uma frase racista, determina o jornaleiro.

Ora o tal jove – de quem nunca ninguém ouviu falar antes nem, provavelmente, irá ouvir falar depois – não terá dito nenhum disparate. O que, obviamente, não invalida que haja muitos – e bons – portugueses negros. Europeus ou de outra origem qualquer. Mas isso, naturalmente, não torna a tirada do fulano num dito racista. É, apenas, um facto. Tal como os alemães, os eslovacos e os sérvios são brancos e europeus. Ou os quenianos são negros e africanos.

Não têm conta as vezes que vi muita reacção indignada por os estrangeiros, mormente os americanos, nos confundirem com um país qualquer do norte de África. Presumo que, daqui para a frente, indignar-nos com essa confusão também constituirá um acto de racismo, ou isso.

Compartilhar no WhatsApp

Discriminação no âmbito do confinamento

por Kruzes Kanhoto, em 10.05.20

A proposta de André Ventura de promover um confinamento especial para os ciganos é, convenhamos, uma palermice. O que não admira, vinda de onde vem. Já a resposta do futebolista cigano – que, se calhar, alguém deve ter escrito por ele – diz, foi muito bem dada. Diz, que eu não perco tempo com discursos de ódio, venham eles de onde vierem. O que julgo saber é que o jogador da bola em questão já terá tido, ao longo da vida, mais problemas com a policia do que o outro sujeito. Estão bem um para o outro, portanto.

Mas, ainda quanto a confinamentos, anda uma cena a moer-me o sentido relativamente a esta polémica. É que estou farto de ver gente indignada com a proposta – parva, reitero – de confinar os ciganos. Mas, assim de repente, tenho a impressão que ninguém se tem importado muito com o confinamento dos velhos que estão nos lares. Nem mesmo quando alguém sugeriu que todos os velhotes fossem confinados até ao final do ano, houve tamanho alarido. Se calhar isto, para além de andar tudo ligado, está também cheio de velhofobicos. Ou, como sugere o meu corrector ortográfico, de velhacos.

Compartilhar no WhatsApp

Pular a cerca

por Kruzes Kanhoto, em 09.05.20

1.jpg

A presença de quem nada faz só prejudica quem trabalha. São os chamados empatas. Daí que a colocação de sinalética a vedar o acesso a “pessoas estranhas ao serviço”, seja mais ou menos comum. É, por norma, afixada à entrada das instalações onde se pretende condicionar a circulação a quem ali não labora. Seja em portas, portões ou outros locais que usualmente são usados para aceder ao espaço que se pretende seja reservado aos trabalhadores.

No caso da foto - vá lá saber-se porquê, mas podemos desconfiar - a opção foi diferente. O sinal foi colocado no topo de um muro, longe de qualquer abertura por onde seja possível entrar de uma maneira convencional. O que me leva a duvidar da eficácia do aviso. Quem por ali passar não ligará nenhuma à proibição. Nem, acho eu, vai prejudicar quem trabalha. Até porque escolherá uma altura em que aquilo esteja sossegado. Para não importunar.

Compartilhar no WhatsApp

Extremosamente preservada

por Kruzes Kanhoto, em 07.05.20

IMG_20200507_185455.jpg

 

Depois de um dia inteiro fechado em casa, a teletrabalhar, nada como uma bela de uma caminhada pela natureza. Para espairecer. E a natureza, no meu caso, é logo ali. Mesmo ao pé da porta. Este percurso, por exemplo, é um dos meus preferidos. Uma vegetação luxuriante, que substitui com inegáveis vantagens os passeios inexistentes, estende-se pelo alcatrão deixando uma estreita faixa negra por onde dá gosto caminhar. Não fossem as sucessivas tangentes dos espelhos retrovisores e era um cenário quase idílico. Nem preciso desejar que assim se conserve. Conservará, decerto. Tirando o corte anual da dita vegetação, assim continuará. Extremosamente preservada.

Compartilhar no WhatsApp

Agricultura da crise

por Kruzes Kanhoto, em 06.05.20

IMG_20200504_103839.jpg

Não é, de certeza, a produção mais lucrativa que podia ter no meu quintal. Outras ervas – dizem, que eu dessas cenas nada sei – proporcionam um retorno muitíssimo mais significativo. Dão mais “graveto”, digamos assim. Até porque estas só dão despesa e dores no lombo. Mas, na falta de melhor, são um regalo. Ma mesa e para a vista. Que os olhos também "comem", os marotos.

Compartilhar no WhatsApp

Um alentejano foi a Lisboa...

por Kruzes Kanhoto, em 04.05.20

Captura de ecrã de 2020-05-04 16-12-11.jpg

Por mais que me esforce não consigo ficar indiferente a “noticias” como esta. Mais ainda quando até merecem uma chamada à primeira página. Qual é, afinal, o motivo para tanta irritabilidade?! Será aquilo da “visão estereotipada”? A sério que os indignados com as piadolas contadas pelos brasileiros, acerca dos portugueses, querem mesmo falar disso? Se calhar é melhor não, antes que alguém os recorde de outros estereótipos que tanto apreciam…

Não me parece que as anedotas de portugueses contadas no Brasil constituam uma afronta. Pelo contrário. Rir de nós próprios é um sinal de sentido de humor e, também, de inteligência. Logo duas coisas que eu não tenho, conforme me estão sempre a lembrar os contadores de anedotas de alentejanos. E que agora, vai-se a ver, eles também não. Mas disso há muito que eu já desconfiava.

Compartilhar no WhatsApp

Pág. 1/2