Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

À politica o que é da politica...e à gastronomia o que é da gastrononia!

por Kruzes Kanhoto, em 30.09.19

Comer é um acto político”, proclamou o líder do PAN. Nunca tinha, confesso a minha ignorância e lastimável falta de perspicácia, visto a coisa nessa perspectiva. Cuidava eu que era mais um acto de sobrevivência e, dependendo das circunstâncias, com uma vertente social.

Mas sim, vendo bem o gajo tem razão. Morfes e política são unha com carne. Ou são como o tacho e a panela. Embora, quanto a estes utensílios de cozinha, a apreciação do ponto de vista político possa ser ainda mais abrangente.

Mas, voltando à vaca fria, o acto de comer é do mais político que há. Se não veja-se, por exemplo, a campanha eleitoral. Sucedem-se os jantares comício. Ou, a pretexto de tudo e de nada, os almoços e jantares de homenagem a este e àquele, as comezainas para comemorar isto ou aquilo, os comes e bebes sempre que se inaugura seja o que for ou as refeições que desbragadamente, por esse país fora, os autarcas pagam aos eleitores mais idosos.

Cada um terá a política gastronómica que muito bem entender. Mas, como sempre dizia a minha avó, quem não é para comer não é para trabalhar. Ora que trabalho se pode esperar de um fulano que só come verduras e merdas esquisitas?

Compartilhar no WhatsApp

Agricultura da crise

por Kruzes Kanhoto, em 29.09.19

IMG_20190928_124704.jpg

IMG_20190928_112654.jpg

Está oficialmente aberta a época de plantações Outono-Inverno. Hoje foram as primeiras alfaces, bróculos e outra cena que não sei ao certo o que são. Assim o tempo ajude e o Saturnino – o gato zarolho que caga três vezes por dia no quintal – permita.

Menos mal que, por enquanto, o bichano ainda não descobriu maneira de contornar a paliçada de garrafas de água e as tábuas com pregos que lhe barram o caminho. Uma solução demasiado precária e pouco estética, reconheço. Haverá soluções melhores. Como “dar-lhe um tiro”, que é a mais sugerida. Era, de facto, o mais barato, eficaz e com menos danos para o ambiente. Mas que, obviamente, não vou seguir. Trata-se de uma opção que enferma de dois problemas. Não tenho espingarda e, mesmo que tivesse, com a minha falta de pontaria nem a um metro de distância lhe acertava.

Compartilhar no WhatsApp

Javardice global

por Kruzes Kanhoto, em 28.09.19

IMG_20190928_095127.jpg

Activista da luta contra a merda de cão, eu? É pá, não me desgracem. Não me apetece mesmo nada ir a Nova York aturar o Guterres.

 

Compartilhar no WhatsApp

E a patada ecológica?!

por Kruzes Kanhoto, em 27.09.19

Os apanhados do clima escolheram as vacas como um dos seus principais alvos a abater. Não se cansam de marrar com as coitadas. Excepto, claro, as da Índia. Essas não padecem de flatulência. São umas vaquinhas ecológicas e amigas do ambiente, as fofinhas.

Quem, segundo um estudo de uma universidade da Califórnia vá lá saber-se porquê pouco divulgado, também deixa uma enorme pegada ecológica são os cães e os gatos. Produzir ração para alimentar tanto bichano e tanto canito emite uma quantidade absolutamente parva de gases com efeito de estufa. Sendo que, ao contrário das vacas, esta bicharada na sua imensa maioria não serve para nada. A não ser para alimentar o ego de gente solitária, urbano-depressiva ou simplesmente idiota. E também, convém não esquecer, alimentar negócios de muitos milhões. Embora, disso, os ambientalistas de pacotilha que agora andam preocupados com o planeta prefiram não falar. Vão ver, quando toca a cães e gatos, o capitalismo sempre é um bocadinho verde.

Compartilhar no WhatsApp

O medo de ganhar...por muitos!

por Kruzes Kanhoto, em 26.09.19

Constou-se-me – ou então foi eu que inventei, já não sei ao certo – que um tal de António Costa, um fulaninho que desta vez é capaz de ser o mais votado, terá alertado os portugueses para a possibilidade de o PSD, caso ganhe as eleições, voltar a cortar nos vencimentos e reformas, bem como aumentar os impostos.

Não sei se sou só eu que acho estas declarações um bocado parvas ou, pelo contrário, elas são absolutamente idiotas. E nem sequer estou a pensar no histórico de cortes de rendimentos e de aumentos de impostos. Que isso, aos que não têm memória curta, podia recordar aquele governo chefiado pelo Mário Soares que, aquando da anterior falência igualmente provocada pelo PS, cortou o subsídio de Natal e desvalorizou fortemente o escudo. Nada disso. Só acho essa possibilidade – o PSD ganhar as eleições - tão irrealizável que apenas um lunático a consegue, sequer, imaginar. E mesmo que num golpe de asa como nunca visto os eleitores lhe deem a vitória, desconfio que havia gente suficiente entre os derrotados para fazer uma geringonça. Como daquela vez, nos idos de 2015, em que levaram uma banhada eleitoral.

Compartilhar no WhatsApp

Greta, o rebanho e as premonições

por Kruzes Kanhoto, em 25.09.19

Longe de mim duvidar das alterações climáticas e disso. Não tenho conhecimentos científicos, técnicos ou de outra natureza que me permitam grandes dissertações acerca destas matérias. Mas, confesso, sou muito céptico relativamente às premonições de alguns cientistas. Nomeadamente desde que ouvi conceituados académicos da área considerar o Alqueva um elefante branco pois, na sua douta opinião, jamais encheria. Ou, condescendiam outros, demoraria pelo menos uns vinte anos a encher. Um ano depois estava cheio...

É por outras, mas principalmente por estas, que acho existir demasiado histerismo em torno da menina Greta. Não vejo, assim de repente, motivo para tanto. A coisa resume-se apenas a uma gaiata que quer é aparecer, órgãos de informação a ver se ganham “algum” e políticos a aproveitar a onda. O habitual, portanto. Entretanto pelas redes sociais é ver uma multidão tecer loas à catraia e a proclamar juras de amor eterno ao ambiente. Nada de especial, também. É o habitual comportamento de rebanho. Ou a bovinidade do ser humano, como escrevia o outro.

Pouco, ou mesmo nada, na pirralha é genuíno. Quem, naquela ou noutra idade, proclama que os lideres mundiais lhe roubaram a infância e o futuro, não pode bater lá muito bem da moleirinha. Fosse ela síria teria toda a razão. Assim fala de barriga cheia.

Compartilhar no WhatsApp

Meninos rabinos…

por Kruzes Kanhoto, em 24.09.19

Parece que um motorista se deparou, face a facínora, com um grupo de meliantes a assaltar-lhe a viatura. Não terá, a fazer fé no que se sabe acerca do acontecimento, sido particularmente simpático para com os patifes e, pasme-se, até os terá impedido de continuar a exercer a sua actividade. O que, naturalmente, os deixou indignados levando a que tenham recorrido à GNR para que a normalidade fosse reposta. Esta, chegada ao local da altercação, tomou conta da ocorrência e tratou de deter o motorista. Bem feita, que isto de prejudicar quem trabalha bem bastou no tempo do governo da direita.

Identificados pela PSP também foram uns quantos militantes, simpatizantes ou lá que eram, do PNR que pintaram uma parede onde antes um grupo de BE tinha rabiscado uns gatafunhos. Uma ilegalidade, isso de limpar o que outros sujam. Diz que em tempo de eleições pode-se sujar à vontade e quem se atrever a reparar os estragos arrisca-se a ir de cana. O mesmo princípio, presumo, aplica-se a todas as paredes. Sejam elas de edifícios públicos ou de prédios do Robles. Embora desconfie – mas isso é o meu mau feitio – que nem o Bloco ia fazer javardices para os prédios daquele gajo nem, se o fizesse, o PNR lá ia pintar por cima.

O que têm estas duas historietas em comum? Pouca coisa, se calhar. Eu é que ando com a impressão - vá lá saber-se porquê - que os legisladores tugas são grandes apreciadores da obra do Ary dos Santos. Aqueles versos, cantados pelo Fernando Tordo, onde se proclama a páginas tantas “detesto os bonzinhos, adoro os malvados” fazem cada vez mais sentido.

Compartilhar no WhatsApp

A Madeira ainda é um jardim

por Kruzes Kanhoto, em 23.09.19

Andam por aí umas alminhas com a secreta esperança de que os resultados das próximas eleições serão bastante diferentes daqueles que as sondagens apontam. Tanto gente de direita como de esquerda. Os primeiros porque se tentam convencer a si próprios que o PSD e o CDS podem escapar à hecatombe anunciada e os segundos porque têm quase tanto medo de uma maioria absoluta do PS como de um novo governo daqueles partidos. Desenganem-se. As sondagens são o que são, mas não andarão longe de acertar. Se não em cheio, pelo menos na aproximação.

Atente-se no caso da Madeira. Mesmo após quarenta e três anos – irra! - no poder o PSD lá ganhou outra vez. O PS apesar das expectativas dos tais que não gostam de sondagens, teve uma votação como nunca mas perdeu como sempre. O BE foi corrido do parlamento. Que os madeirenses não estiveram para aturar palhaços - nem palhaças - e quase nenhum eleitor e nenhuma eleitora estiveram para dar o voto aqueles trambolhos. Ou trambolhas. A CDU, à rasquinha, lá meteu um deputadozinho. Entre os trabalhadores e o povo – que é feito do povo trabalhador, se mal pergunto? - ainda arranjou votos suficientes para manter um dos dois eleitos que tinha antes.

Será mais ou menos o mesmo nas legislativas. Em termos de sondagens, claro. Que, quanto a números a comparação com a Madeira ficar-se-á apenas pela indómita vontade dos socialistas se apegarem ao pote. Se não conseguirem sozinhos qualquer um lhes servirá para não o deixarem escapar. Até o Chega, se preciso fôr.

Compartilhar no WhatsApp

Negócios da China

por Kruzes Kanhoto, em 22.09.19

Captura de ecrã_2019-09-22_14-58-27.jpeg

Captura de ecrã_2019-09-22_14-55-29.png

 

Existirão certamente motivos de sobra para estes dois itens - que, no caso, até são o mesmo produto – custarem preços diferentes. Ou, para além da vontade do vendedor, pode até nem existir motivo nenhum. É o mercado. Cada um vende ao preço que quer e o comprador só compra se quiser. Ainda bem que é assim que a coisa funciona.

O que é mais difícil de entender, pelos menos para mim que de negócios percebo pouco, é a diferença entre os custos de envio. Um deles, aquele em que a loja física se situa em Portugal, cobra 7,80 euros. Pelo outro, vindo da China, não são cobrados portes. Mais ainda quando um deles, até ficar à mesma distância a que o primeiro já se encontra do local de entrega, terá de percorrer meio mundo. Deve ser da globalização ou isso.

Compartilhar no WhatsApp

Apanhados do clima!

por Kruzes Kanhoto, em 21.09.19

A comunicação social e os seus escribas avençados lamentam a fraca adesão dos portugueses, nomeadamente dos estudantes, às acções de luta, protesto ou seja lá o que for, contra as alterações climáticas. Diz que nem cinquenta chegavam a ser. Mas, justificam, a culpa foi do tempo. Faz sentido. É, de facto, uma justificação bem esgalhada.

Mas para a próxima é que é, asseguram. Se o tempo ajudar, digo eu. Ou seja, se as alterações climáticas aparecerem, ao contrário de hoje, que o clima resolveu voltar a ser o sempre foi. A coisa mete uma espécie de greve global e tudo. A uma sexta-feira. Sabe-a toda, esta malta.

Presumo que as vacas constituirão, para os promotores do evento, um alvo a abater. Tal como, ao que sugere um dos grupelhos que se associa à iniciativa, o fim da importação de combustíveis fósseis. Com ideias destas como é que querem que estejam mais de cinquenta alminhas nas manifestações?

Compartilhar no WhatsApp

Usar capachinho é gozar com os carecas?

por Kruzes Kanhoto, em 20.09.19

Esta parvoíce que se passa agora no Canadá, com aquela história do Trudeau se ter mascarado de preto, não é nada de surpreendente. Pelo contrário. Já era de esperar. E é até muito bem feito que lhe tenha calhado a ele. Afinal o gajo anda há anos a estimular e a pregar o politicamente correcto. Não é, por isso, de estranhar. Está apenas a provar da sua própria idiotice.

Há uns tempos atrás, nomeadamente pelo Carnaval, abordei aqui o assunto. Foi na sequência de uns patetas terem tentado armar um escândalo por causa de miúdos mascarados de africano. Profetizei, então, que isso do Entrudo teria os dias contados. Não devo ter errado muito. Não tardará, homens - excepto se forem larilas - travestidos de mulher, foliões disfarçados de ciganos ou seja lá o que calhe a atravessar-se nas mentes retorcidas dos novos guardiões da nova moral e modernos costumes, serão banidos dos corsos carnavalescos sob a acusações de racismo, xenofobia ou o do que calhe. A mim, quando acontecer, não me surpreenderá. O que me surpreende já hoje é que aceitemos tudo isso. Espanta-me quase tanto como o facto desses novos inquisidores ainda terem dentes.

Compartilhar no WhatsApp

De um "Alf" - lembram-se? - é que eu precisava...

por Kruzes Kanhoto, em 19.09.19

IMG_20190919_084206.jpg

Pelo que me é dado observar não haverá aqui pelas redondezas um número significativo de gatos. Cagam é muito. Todos os vizinhos se queixam. Os que não têm gato, obviamente. Que os donos, do alto da sua pretensa moralidade de amiguinhos dos animais, não querem saber.

O meu quintal foi escolhido por um deles como cagadouro. Um bichano cegueta de um olho, a perder pêlo por todo o lado e que mete nojo aos porcos. Durante algum tempo tive a casa cercada por garrafões de água e armadilhas diversas que o mantiveram afastado. Contudo, mal retirei a cerca, o filho da puta do bicho voltou ao seu wc preferido. O resultado, em poucos dias, é o que se vê.

Tratar bem a bicharada, nomeadamente acolher os animais vadios, até poderá constituir uma acção muito nobre. Recolhi e tratei muitos. Quando, noutras circunstâncias, tinha condições logísticas para o fazer. Fazê-lo não as tendo constitui uma enorme falta de respeito para com os outros. Que, naturalmente, não têm de ser obrigados a aturar merdas destas.

Compartilhar no WhatsApp

"Deslarguem" o meu bife!

por Kruzes Kanhoto, em 18.09.19

protesto-vegetariano.jpg

Cada um é tão parvo quanto muito bem quiser. Ninguém tem nada a ver com isso. Nem, tão pouco, com as parvoíces que cada qual entende dizer, fazer ou, simplesmente, pensar. Desde que, obviamente, não as imponha aos demais. Chama-se a isso liberdade, ou lá o que é.

Mas isso era dantes. A liberdade individual é um conceito ultrapassado que, actualmente, apenas se aplica às causas valorizáveis, definidas como tal pelos novos guardiões da nova moral e dos novos costumes. Gente inteligente, bem pensante, urbana e que sabe o que é bom para o mundo em geral e todos em particular. Malta de esquerda, em suma.

A causa valorizável do momento é o ambiente. Ou, desconfio, a alimentação. Um grupo ridiculamente pequeno de gente ridícula, pretende impor a toda a sociedade os seus pontos de vista acerca daquilo que devemos ou não comer. Em nome, querem que acreditemos, do ambiente.

Aborrecem-me estes maníacos. Se querem tanto preservar os recursos do planeta arranjem uma gruta e mudem-se para lá. Deixem o conforto dos vossos lares, não façam outro tipo de deslocações ou viagens que não a pé, encontrem um buraco qualquer no meio do mato e vivam de forma sustentável daquilo que a tal mãe natureza lhes oferecer. Se as vossas teorias estiverem certas seremos todos muito mais felizes. Principalmente nós.

Compartilhar no WhatsApp

O menino fez cócó...

por Kruzes Kanhoto, em 16.09.19

100_6318.JPG

E pronto, é isto. Canzoada em todo o lado e merda em toda a parte. Levam os seus meninos – filhos, como alguns anormais lhes chamam – a passear para os sítios mais inconvenientes, incomodam quem não tem nada a ver com a vida animalesca e promiscua que levam e nem sequer os dejectos do seu amiguinho se dignam recolher.

Muitos têm ainda a distinta lata – o topete, diria – de resmungar do transtorno causado pela irrequietude das criancinhas, alegadamente mal comportadas. As crianças até se podem portar mal. Faz parte da sua condição de criança. Muito pior é o comportamento e as cenas patéticas a que os donos – tutores, agora são tutores – dos cães nos obrigam a assistir. E a aturar. Isto só com um gato morto pelas trombas até o bichano gritar Benfica.



Compartilhar no WhatsApp

Ganhar por poucochinho é que é bom...

por Kruzes Kanhoto, em 16.09.19

Parece que todas as sondagens dão a vitória ao PS nas próximas eleições legislativas. Com maioria absoluta umas e à beira da dita outras. Nada de surpreendente, seja qual for o cenário. Nem, em matéria de resultado eleitoral, algo que desperte em mim um interesse por aí além.

Nisto dos votos – ou das intenções, vai dar ao mesmo – o que me chamou a atenção foi, ao que diz um inquérito qualquer, que os eleitores que afirmam ir votar no Partido Socialista não desejam que o partido em que votam ganhe por maioria absoluta. Confesso que fiquei baralhado. Com um nó ao nível do cérebro, quase. Não consigo perceber. Esta ideia é tão parva quanto eu, benfiquista de todos os costados, desejar que o Glorioso ganhe apenas por um – ou dois, vá – ao Porto e ao Sporting em vez de lhes enfiar uma goleada.

Presumo que para esse pagode a escolha do partido em quem votar seja um drama. Podem ser acometidos daquela coisa que costuma dar aos comunistas na noite eleitoral onde, apesar dos resultados sempre miseráveis, reclamam invariavelmente uma estrondosa vitória. Neste caso seria o contrário. Sentir-se-iam derrotados apesar do partido em que votaram ter obtido uma retumbante vitória.

Se calhar o melhor é organizarem-se. Fazerem uma escala, ou assim. De manhã votam todos no PS e da parte da tarde - ali pelo meio-dia, não vá o Diabo tecê-las – votam no PCP, BE e no PAN.

Compartilhar no WhatsApp

Desprezível, esta gente...

por Kruzes Kanhoto, em 14.09.19

Captura de ecrã no 2019-09-14 11-31-18.jpg

Há muita falta de memoria na política e nos políticos. E nos eleitores, principalmente. Se houvesse memória, proclamações como a do camarada Jerónimo a gabar-se do seu partido ser um acérrimo defensor do ambiente, destruído pelo capitalismo está bem de ver, teriam o merecido tratamento. É que eu ainda sou do tempo em que os comunistas portugueses consideravam as noticias acerca do acidente nuclear em Chernobyl como propaganda anti-comunista. Coerente, esta malta.

Compartilhar no WhatsApp

Vá, ide lá investigar se é ou não uma noticia falsa...

por Kruzes Kanhoto, em 12.09.19

IMG_20190819_232455.jpg

 

Não tenho grande apreço por jornalistas. Nomeadamente em relação aos que em vez de noticiarem os factos nos transmitem a sua visão acerca dos ditos. Como se isso, a opinião de um jornalista, nos interessasse para alguma coisa.

Ultimamente, talvez ameaçados pela concorrência das redes sociais ou por cada vez menos necessitarmos deles para sabermos as noticias, iniciaram uma nova cruzada. O combate ao que chamam “fake news”. Que, parece, proliferam pelo Twiter, Facebook e blogosfera. A fazer fé naquela malta, em cada português haverá um pantomineiro sempre disposto a divulgar uma mentira que, obviamente, colocará em causa a democracia, fomentará populismos e visará a honorabilidade de um político qualquer. Desde que de esquerda, claro. Que os outros, como todos sabemos, há muito que a não têm. Coisa que, naturalmente, não escapa aos justiceiros dos polígrafos desta vida. Por falar nisso. Já investigaram o rabo do Marega?

Compartilhar no WhatsApp

O preconceito é lixado

por Kruzes Kanhoto, em 11.09.19

images.jpeg

Um destes dias, num edifício público, duas criaturas indagaram-me acerca da localização da casa de banho. Estavam, pareceu-me, um bocadinho a atirar para o aflito e com urgência em encontrar um local onde pudessem aliviar a presumível aflição. Talvez por isso, por notar a premência da resposta, não ponderei devidamente e respondi sem pensar nas hipotéticas - eventualmente desagradáveis - consequências. Confesso que me deixei levar pelo preconceito, por estereótipos arcaicos associados a uma sociedade heteropatriarcal e, baseado apenas numa observação simplista das características físicas e por ambas serem portadoras de vestimentas que identifiquei como femininas, indiquei-lhes o wc das senhoras. Devia, evidentemente, ter indicado as duas opções. Elas depois escolhiam consoante o género com que, quando chegadas ao local, se identificassem na altura. Penitencio-me por não o ter feito. Fica para a próxima.

Compartilhar no WhatsApp

Trombalazanas!

por Kruzes Kanhoto, em 10.09.19

IMG_20190909_085356.jpg

Lamento vizinhança, mas assim não dá. Sois uns barrascos. Porra pá, a merda do eco-ponto está mesmo ali – a cinco metros de distância – e vocês faz-me isto?! Depois venham para cá com cenas de proteger o ambiente, salvar o planeta e que os políticos são todos uns patifes que não querem saber das alterações climáticas para nada. Tá bem, tá. 

Compartilhar no WhatsApp

Colectivização do gato vadio

por Kruzes Kanhoto, em 09.09.19

il_794xN.1983038497_tan5.jpg

Há um conceito muito modernaço – existente nos países mais avançados, nomeadamente no Brasil – que uma certa malta pretende importar. Nem sei se, com tanta legislação acerca da bicharada, não terá mesmo já importado. Uma coisa a que chamam “gato comunitário”. Ou seja, um gato vadio que é alimentado e pode até receber abrigo numa moradia de determinado bairro, mas não possui um dono oficial. Algo que evite a coimazinha da ordem, por alimentar animais vadios, que os serviços competentes nunca aplicam.

Não é que me importe com mais esta ideia parva. Já vejo disso a toda a hora e em todo o lado. Só não gosto é que os gatos, comunitários ou não, caguem no meu quintal. É, imagine-se, uma cena que me aborrece. Até porque, não sendo eu tutor – agora é assim que se diz – de nenhum bichano, não tenho que ficar com essa parte. É por isso que a devolvo sempre ao espaço comum. Se o gato é da comunidade, então a merda é igualmente comunitária.

Compartilhar no WhatsApp

Pág. 1/2