Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Nova PIDE

por Kruzes Kanhoto, em 30.12.18

Parece que um cidadão - membro de uma Assembleia Municipal, embora para o caso essa condição pouco importe – foi notificado para pagar uma multa no valor de umas centenas de euros por, no seu discurso, juntar na mesma frase palavras como “ciganos, romenos e meliantes”, a que terá acrescentado expressões como “incomodar residentes” e “causar desacatos”. A sanção pecuniária terá sido aplicada por uma dessas novas organizações criadas para vigiar a linguagem, os comportamentos e as atitudes de pessoas e instituições. Uma nova PIDE, no fundo. O dito cidadão irá, certamente, recorrer à justiça de tão grave atentado à sua liberdade de expressão. Será, muito provavelmente, absolvido desta acusação. Ficam, no entanto, o incómodo, o aborrecimento e, principalmente, o procedimento pidesco de que foi alvo.

Andam há anos a impingir-nos o papão da extrema-direita, do regresso do fascismo e dos perigos que isso representa para democracia. Temeram, primeiro, a propagação destes ideais pela Europa e começam agora a recear a sua chegada a Portugal. O que, face a ocorrências desta natureza, não constituirá motivo para grande surpresa, diga-se. A PIDE não era propriamente uma organização apreciada pelos portugueses. Nem, tão-pouco, a bufaria é algo que suscite a nossa simpatia. Por mais justificações que procurem encontrar.

Compartilhar no WhatsApp

Sois uns crentes, vós...

por Kruzes Kanhoto, em 29.12.18

Ainda que fugazmente e de forma pouco convicta, cheguei a acreditar que depois de três bancarrotas em quarenta anos os portugueses arrumariam os políticos que nos conduziram à ruína no caixote do lixo da história e adoptariam um tipo de vida que nos precavesse de repetir aquelas tragédias. Esperava esta atitude, por maioria de razão, daqueles que as viveram em idade adulta. Parvoíce a minha. Não só não aprendemos com os erros, como aqueles que passaram por elas estão, agora, entre os que menos parecem ter aprendido. Vamos, alegremente, a caminho do quarto estouro do país e ninguém se importa com isso. Vá lá saber-se porquê acreditamos que quem rebentou com isto das outras vezes desta nos vai conduzir à glória eterna. Ou, então, confiamos apenas que a sorte está do nosso lado. No fundo somos como aqueles ladrõeszecos que roubam raspadinhas. Acreditam que têm prémio e que o conseguem levantar impunemente. Normalmente corre mal. A nós também.

Compartilhar no WhatsApp

Pelo fim dos animais nas aldrabas

por Kruzes Kanhoto, em 26.12.18

IMG_20181225_162601.jpg

Gostar de animais é algo natural. Digamos que o cidadão médio é, de alguma forma, alguém que nutre de uma outra outra maneira uma qualquer espécie de afecto pela bicharada. Nem que seja quando os vê no prato que degusta. Ou, vá, gosta deles mas prefere vê-los ao longe. A histeria que nos últimos anos tem vindo a crescer em torno dos ditos direitos – se não têm deveres não sei como podem ter direitos – dos animais é que não faz nenhum tipo de sentido. Desde ideias parvas, comportamentos aberrantes e, até, prática de crimes parece valer tudo quando se alega o bem estar animal. Ou aquilo que os urbanitas alucinados entendem como tal.

No âmbito do ridículo os amiguinhos dos animais não param de nos surpreender. E, depois dos provérbios, desconfio que mais dia menos dia arranjarão outra imbecilidade qualquer para nos divertirem. Sugiro-lhes as aldrabas. Se consideram má a referência a animais nos ditados populares, nem quero imaginar o que pensarão da representação de animais em objectos. Como no caso da imagem acima, em que o desgraçado do pato, mesmo sem dentes, tem de segurar pelo bico o peso de um tartaruga que, coitada, por sua vez é usada, em muitas circunstancias de forma violenta, para matraquear uma porta. Tá mal, pá. Há que pôr fim a estes costumes bárbaros, em nome do progresso, da civilização e coiso…

Compartilhar no WhatsApp

Ainda bem que cá não há essa coisa das fake news...

por Kruzes Kanhoto, em 24.12.18

Captura de ecrã de 2018-12-24 12-12-48.jpg

Esta gente podia fazer um intervalo. Não era pedir muito. Mas não. Insistem no disparate, na burrice e, desconfio, a alimentar causas parvas. Sei, não é preciso que me ensinem, que os números quando torturados dizem o que quisermos que eles digam. Mas há limites. Até para, quando os divulgarmos, não ofendermos a inteligência dos outros. Esta manchete de um jornal de hoje constitui um excelente exemplo. Os funcionários públicos não são aumentados há uma porrada de anos, viram o desconto para a ADSE duplicar, nestes anos o SMN que tem um peso muito maior no privado do que na função pública passou de 485 para 580 euros mas, ainda assim, encontraram uma maneira de promover a ideia que os funcionário públicos viram os seus vencimentos crescer o dobro dos restantes. Brilhante. Ainda bem que os jornais se esforçam tanto a combater o populismo. Pena que não façam o mesmo em relação à demagogia e à pantominice em geral.

 

Compartilhar no WhatsApp

Brutamontes

por Kruzes Kanhoto, em 23.12.18

Esta época natalícia é dada a exageros. Nomeadamente no âmbito do consumismo. O que, por estes dias, faz de uma ida ao supermercado, nem que seja só para ir comprar um item em falta na despensa, um acto quase heroico revelador de uma coragem inaudita. Mesmo nestas paragens desertificadas são hordas de gente por todo o lado a encher carrinhos de compras – com morfes, muitos morfes - como se não houvesse amanhã ou a transformação de Portugal num gloriosa republica socialista estivesse por horas. O que, apesar da quadra, não deixa de ser estranho dado que as famílias são cada vez mais pequenas. Andamos a comer que nem uns alarves, parece-me licito concluir.

Compartilhar no WhatsApp

Ter smartphone deve ser um novo direito humano

por Kruzes Kanhoto, em 20.12.18

Sair de casa sem telemóvel constitui, nos dias de hoje, um verdadeiro drama. Daqueles mesmo dramáticos. Causadores de elevados níveis de stress, até. Daí que perceba que o telefone portátil seja um objecto de primeira necessidade. Para toda a gente. Para os refugiados, por exemplo. Diz que fogem à fome, à miséria e que nos seus países de origem tudo lhes falta. Tudo menos, pelos vistos, telemóveis daqueles carotes. Atendendo ao que se diz ser o rendimento per capita dos países de onde essa malta é oriunda, faz-me espécie como é que conseguem ter dinheiro para comprar aparelhos daqueles. Mais ainda quando, quase todos, argumentam não ter trabalho ou não ganhar o suficiente para o seu sustento e das famílias. Às tantas anda por aí uma – ou mais, sei lá – uma organização mafiosa qualquer a financiar estas movimentações de massas. De todos os tipos, as massas.

Compartilhar no WhatsApp

Sejam parvos à vontade...mas não aborreçam!

por Kruzes Kanhoto, em 18.12.18

Ainda sou do tempo em que chamar comunista a alguém constituía uma ofensa da pior espécie. Veio o 25 do A e a injúria passou a ser apelidar alguém de fascista. Anti-comunista também servia. Era, aliás, quase o mesmo. Depois a coisa estabilizou. Até, mais ou menos, ao final dos anos noventa do seculo passado. Por essa altura ser cavaquista era uma cena do piorio. Seguiu-se a fase em que neoliberal foi uma opção a evitar, por ser demasiado mal-vistaMas hoje, no âmbito do insulto, superamos tudo isso. O delírio impera e quem não alinha com a cartilha oficial, ditada quase sempre pela esquerda e outra gente com manias esquisitas, é de extrema-direita, possuidor de inúmeros defeitos quase sempre terminados em “ista” ou “fóbico”. Qual deles o mais parvo, ridículo e demonstrativo da quantidade de imundície acumulada na cornadura de quem assim cataloga todos os que divergem da moral vigente, imposta por meia dúzia de malucos urbano-deprimidos.  

Por mim quero que eles vão todos bardamerda. Não sabem o que dizem nem o que querem.  Usem eles suástica, foice e martelo ou bandeira em arco iris são todos uns filhos da puta. Sem ofensa para as meretrizes.  

 

Compartilhar no WhatsApp

Os amarelos do colete

por Kruzes Kanhoto, em 17.12.18

Como referi noutro post, não acredito nisso dos coletes amarelos à portuguesa. Pode, até, haver um ou outro bloqueio – basta um camião para bloquear uma estrada – mas uma coisa em grande, como em França, não creio ser possível de replicar por cá. Embora, pelo que leio no Trombasbook que é onde estas coisas “acontecem”, o pagode que alegadamente aderiu à causa propõe-se bloquear tudo e mais alguma coisa. Pontes, portagens e rotundas, nomeadamente. Fazem bem, os valentes.  

Pena é que por aqui não haja disso. Nem, sequer, uma ameaçazita de cortar o trânsito no Rossio, nem nada. Se calhar também não adiantava. O pessoal ia à volta e pronto. Talvez melhor mesmo seja bloquear as zonas de acesso a cafés, restaurantes e afins. Isso é que era transtorno à séria. Fica a ideia. Parva, claro. Como as dos outros, afinal.

Compartilhar no WhatsApp

O gangue, as cabras e as outras

por Kruzes Kanhoto, em 15.12.18

IMG_20181215_163525.jpg

IMG_20181215_163534.jpg

O gangue das pichagens continua ao ataque. São uns engraçadinhos, eles. Desta vez deu-lhes para borrar as placas de indicação de localidade situadas na entrada – e na saída, também - mais deplorável da cidade. Do mal o menos, portanto. Nas outras, que estão devidamente arranjadas, seria pior. 

Desconheço se isto é ou não uma terra de putas. Dessas coisas não sei nada. Mas posso confirmar que se trata de um caminho de cabras. Tal como sei – eu e toda a gente, diga-se - que não constitui a melhor maneira de receber quem chega e tampouco de dizer “adiós” a quem parte. 

Compartilhar no WhatsApp

Diz que vão parar Portugal...

por Kruzes Kanhoto, em 14.12.18

Está em curso nas redes sociais uma tentativa de arremedar aquilo dos coletes amarelos. Não me parece que resulte. Nem, sequer, que valha a pena a campanha de descredibilização do alegado movimento, por parte da comunicação social, conotando-o com a extrema direita. Tal conotação, para além de ridícula, é absolutamente desnecessária. Quase apostava as minhas barbas em como a iniciativa não mobilizará muitos mais do que a do outro maluco que promoveu aquela pseudo-manifestação, em frente ao parlamento, contra a corrupção.  

Bem visto quem é que vai protestar e, ao certo, contra o quê? Dos combustíveis caros?  Mas ninguém dá a porra de um passo a pé... Dos impostos elevados? Como assim, se toda a gente exige cada vez mais ao Estado?! Do salário mínimo que é baixo? Sim, talvez, mas se aumentar depois queixam-se do preço da bica, do pastel de nata e de uma infinidade de serviços básicos. 

De resto, desconfio, aos itens das várias listas reivindicativas que por aí circulam, qualquer um pode acrescentar o que muito bem lhe dê na real gana. Assim do tipo carta ao Pai Natal. Há sempre quem acredite.

Compartilhar no WhatsApp

PETA que os pariu!

por Kruzes Kanhoto, em 12.12.18

Ao contrário do que tem sido divulgado, o PAN – aquele partido esquisito, constituído por gente esquisita com ideias igualmente esquisitas – não será o responsável pela iniciativa de retirar as referências a animais nos provérbios e ditos populares. Parece que os mentores da ideia serão um grupo de idiotas encartados que se auto-intitulam de PETA. Faz sentido. Até porque se fosse o PAN – acrónimo de pessoas, animais, natureza - a proposta teria de envolver, além da bicharada, os seres humanos e os vegetais. Ou seja, acabar também com expressões como, por exemplo, “vote nas putas porque nos filhos delas não deu certo” ou “de pequenino é que se torce o pepino”. Dichotes atentatórios contra pessoas e natureza, está bem de ver.

Podemos, pois, estar descansados. Pelo menos por enquanto. O melhor é aproveitar para continuar a “afogar o ganso”, a “apanhar uma cadela” ou tirar “macacos do nariz” enquanto as “vozes de burro não chegam ao céu”.

Compartilhar no WhatsApp

Antes na cadeia que no hospital...

por Kruzes Kanhoto, em 11.12.18

Acho muito bem esta coisa das greves. Que isto, já dizia a minha avó, quem não chora não mama. E agora, ao que parece, todos querem mamar. Coisa que, diga-se, nem é nada de surpreendente. Afinal foi a geringonça, ao propagandear o fim da penúria, que colocou as tetas do Estado à disposição das corporações, das elites, da tropa de choque da extrema-esquerda e de todos que estão de acordo com o governo embora simultaneamente se reservem o direito de exprimir opinião contrária. 

O que acho muito mal é aquilo dos serviços mínimos. Ou, na maior parte dos casos, da falta deles. Nos transportes e na saúde não há disso. Já nas prisões a coisa fia mais fino. Aí os grevistas têm de assegurar o bem-estar dos reclusos. O que não me causa admiração. Nunca tive dúvidas que, para quem governa isto, os criminosos são muito mais importantes do que os trabalhadores e os doentes. Deve ser para dar razão àquele velho provérbio "antes na cadeia do que no hospital". Desde que não vá de transporte público, claro.  

Compartilhar no WhatsApp

Género?! Sexo, porra, sexo!

por Kruzes Kanhoto, em 07.12.18

Cuidava eu, na minha imensa alarvidade, que essa cena do Follow Friday era coisa que ocorria religiosamente a cada sexta-feira. Pois que não. Diz que é só quando o Sapo quer, ou isso. Está um gajo para aqui a programar um post para sair altas horas da madrugada – tipo dez e vinte e oito da madrugada - e depois afinal não há cá Follow Friday, nem o camandro. Bem-feita, que isto já dizia a minha avó que as cadelas apressadas parem os cães cegos.

Espero que hoje seja dia disso. É que tenho um blogue mesmo jeitoso para recomendar. O Ideologia de Género [Sexo]. Haja quem tenha coragem de escrever o que a esmagadora maioria da população pensa, mas que não diz por receio de não parecer modernaça. Parabéns à autora.

Compartilhar no WhatsApp

O algodão, o recibo e os pantomineiros

por Kruzes Kanhoto, em 06.12.18

Confidenciaram-me um dia destes que estou mais rico do que nunca. Céptico como sou, duvidei da fartura e, acto continuo, fui verificar o meu recibo de vencimento de um longínquo mês do ano da chegada da troika. Aquele conjunto de entidades manhosas que nos resgataram da falência provocada pelos governos do Partido Socialista. A confirmação chegou de imediato. Continuo pobre como sempre. O pequeno pedaço de papel não engana. Aufiro menos umas dezenas de euros do que então.

Calculo que seja este tipo de fake opiniões, também conhecidas como propaganda oficial, que tanto andam a irritar a malta da política e de todos os que gravitam à sua volta. Podem repetir as vezes que quiserem. Podem propagandear e mandar os papagaios de serviços espalhar aos quatro ventos o quanto esta geringonça melhorou a minha vida mas, lamento, o meu recibo de vencimento é como o algodão. Não engana. O resto são fake’s qualquer coisa.

Compartilhar no WhatsApp

Bestas à solta

por Kruzes Kanhoto, em 05.12.18

IMG_20181205_085250.jpg

Coisas de gaiatos, dirão. Serão. Mas não apenas. Logo, por não serem costumeiras por aqui. Em mais de trinta anos é o primeiro acto de vandalismo que vejo por perto. Depois, porque os papás dos meninos que fazem estas coisas não são inocentes relativamente ao comportamento dos filhos. Uma besta, por norma, aprende com outra. E, parece-me, há por aí muitas com comichão no lombo...

Compartilhar no WhatsApp

Coletes amarelos

por Kruzes Kanhoto, em 04.12.18

Colete.jpg

Há por cá uma grande simpatia pelos chamados “coletes amarelos”. Aquela trupe de desordeiros que tem espalhado a confusão, provocado desacatos, vandalizado bens públicos e destruído a propriedade de quem nada tem a ver com os motivos que causaram a ira daquela malta. Pois não concordo nada com as reivindicações - nem, muito menos, com as acções - dessa pandilha. Verdade que a carga fiscal é, lá como cá, sufocante. Agora, como dizia a minha avó, não podemos querer sol na eira e água no nabal. Ou, no caso, ter um Estado social que dá tudo a todos e, simultaneamente, impostos baixos. Pensar que isso é possível é como acreditar no Pai Natal. Mesmo que muita gente acredite em ambas as coisas, não é essa crença que as torna verdadeiras.  

O Macron tem muito a aprender com o Costa. O franciú, para alegadamente combater as alterações climáticas, propunha-se aumentar o ISP lá do sítio. O nosso primeiro propõe-se diminuir o número de vacas. Está bem visto. As bufas do gado vacum podem não produzir o mesmo efeito, mas os protestos dos touros serão muito mais pacíficos

Compartilhar no WhatsApp

Uns chatos, estes eleitores.

por Kruzes Kanhoto, em 03.12.18

O drama. O horror. A tragédia. Tudo isso, em simultâneo, aqui mesmo à nossa porta. Os patifes da extrema-direita chegaram ao parlamento regional da Andaluzia. Um escândalo. Uma afronta aos valores da democracia e isso. Desta vez foram os incultos, iletrados, fascistas e mais trezentas coisas acabadas em “ista”, homofóbicos, islamofobicos  e portadores de todas as fobias já inventadas e por inventar que retiraram a maioria ao PSOE e votaram maioritariamente na direita e nos extremistas ainda mais à direita. Não se faz, de facto.  

Ainda assim, o actual chefe de governo espanhol – que por acaso até nem ganhou as eleições gerais – considera que, no caso da Andaluzia, deve ser o partido mais votado a governar. Mesmo sem ter maioria parlamentar. Deve ser uma espécie de direito divino dos socialistas. Ou, então, aquilo da geringonça só é legitimo se for de esquerda.  

Aguardo - com um nível de expectativa bastante reduzido, reconheço -  as reacções de jornalistas, comentadeiros e paineleiros diversos. Todos, presumo, bastante preocupados por, mais uma vez, o eleitorado optar pelas forças populistas ou lá o que chamam a tudo o que escapa aos ditames da doutrina oficial. Que não percebam o que leva os eleitores a estas opções, também não me surpreende. É o que acontece quando em lugar de se ouvir o povo se pretende doutriná-lo. 

Compartilhar no WhatsApp

Eles "andem" aí...

por Kruzes Kanhoto, em 01.12.18

100_6083.JPG

Uns mais conhecidos do que outros, causando maior ou menor histeria entre os basbaques, isto por aqui, nomeadamente aos sábados de manhã, é um corropio de gente alegadamente famosa. Vagamente conhecida, vá. Com o estranho padrão de, em número significativo e segundo consta, revelarem tendência para a homossexualidade. Coisa que, obviamente, é lá com eles. Nem essa parte os faz menos bem vindos. Estou só a constatar. Que continuem a andar por aí a gastar o dinheiro deles. Assim como assim, com os que cá estão e com os que para cá vêm, já não deve faltar muito para esta terriola se transformar numa espécie de San Francisco à escala do Alentejo. Podia ser pior. Uma Chinatown, por exemplo.

Compartilhar no WhatsApp