Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Olha se a austeridade não tivesse acabado, a página virada e a esperança devolvida...

por Kruzes Kanhoto, em 07.05.16

IRS[1].jpg

 

Acabar com a austeridade. Virar a página. Devolver a esperança. Disto e muito mais nos têm falado os geringonços. Promessas em que apenas os tontinhos e os apoiantes – passe o pleonasmo – da coligação esquerdelha acreditam.

Continuo a ver a mesma austeridade – chamem o que quiserem ao brutal aumento de impostos que a geringonça promoveu – e a única página que vi virar foi a do regresso a um livro já lido. Quanto à devolução da esperança, só se foi devolvida ao lobi do betão ou às empresas de crédito fácil e rápido. Quem tiver dúvidas que veja as tabelas de retenção de IRS para 2016. E surpreenda-se...ou não!

Garantia um destes dias um insuspeito e entusiástico apoiante do governo em funções, que estávamos numa espécie de bonança que antecede a tempestade. Não sei se concorde com a parte da bonança, mas que a borrasca vai bater forte lá isso vai...

Compartilhar no WhatsApp

Bravatas à tuga...

por Kruzes Kanhoto, em 07.05.16

velinha-no-tribunal.jpg

Agora a sério. Continuo a achar parvo que mais de mil pessoas tenham apresentado queixa contra o idiota que publicou o vídeo do canito no Facebook. Até porque, parece-me, a esmagadora maioria dessas almas desconhece o sarilho em que se meteu. A bravata vai sair-lhes cara. Terão de prestar depoimento num posto policial qualquer e, se a coisa chegar a julgamento, estar presente em audiência para testemunhar acerca da ocorrência. O que, garanto por experiência própria, não é das situações mais agradáveis. Principalmente pelo tempo perdido e as inúmeras deslocações ao tribunal onde os factos serão julgados – sim que o julgamento não deverá ser despachado numa única sessão – com todas as consequências, de toda a ordem, daí decorrentes. E se pensam que aquilo da vídeo-conferência e outras modernices podem minimizar os transtornos que descrevi, esqueçam. Ou melhor, tirem o cavalinho da chuva não vá ele constipar-se e alguém queixar-se que andam a mal-tratar a alimária.

 

Compartilhar no WhatsApp

Morangos da crise

por Kruzes Kanhoto, em 06.05.16

IMG_20160505_185312.jpg

 

Podem os amiguinhos dos animais ficar descansados que, para produzir estes morangos – acabei de os comer e estavam fantásticos – não foram infligidos maus tratos a animais de nenhuma espécie. Excepto, talvez, a umas quantas lesmas. Havia por aqui muitas. Havia, mas já não há. Derretem-se por sal. Literalmente.

Compartilhar no WhatsApp

Mais uma indignaçãozinha...

por Kruzes Kanhoto, em 05.05.16

bea7426ae6549c7600572f3226aad618.jpg

 

De louvar o espírito de cidadania dos portugueses. Mas, apenas, quando em causa estão os cães ou a bicharada em geral. No resto o vizinho pode malhar à vontade na mulher, ofender a sogra ou abusar dos filhos que poucos se importam. O presidente da respectiva junta de freguesia, câmara municipal ou clube de futebol podem ser corruptos que quase nenhuns se aborrecem com isso. Crimes da mais diversa natureza e gravidade podem ocorrer mesmo debaixo dos respectivos narizes mas todos preferem olhar para o lado. Pior. Caso alguém se atreva a denunciar publicamente situações de flagrante violação da lei é esse atrevido que acaba por ser socialmente mal-visto.

É esse tipo de cidadania imbecil que tem acontecido nos últimos dias em resposta ao comportamento absolutamente reprovável de um idiota qualquer que se filmou a fazer patifarias a um canito. Nem sei quem é mais parvo. Se o tal palerma do filme, se as centenas de patetas que se apressaram a apresentar queixa. Devem ser, todos estes últimos, cidadãos exemplares. Tudo gente que, presumo, intervém sempre em defesa dos mais fracos, denuncia os corruptos, não foge aos impostos, pede sempre factura, cumpre as regras de trânsito e jamais bateu, humilhou ou tratou mal quem quer que fosse. Pessoas, nomeadamente.

Compartilhar no WhatsApp

Milagres

por Kruzes Kanhoto, em 05.05.16

images (1).jpg

 

No âmbito dos milagres os últimos dias têm sido férteis em ocorrências. Por cá diz que o Sol rodopiou que nem um maluco ali para a zona de Ourém. Parece que já não é a primeira vez que faz isso, o maroto. Do outro lado do mundo, na Indonésia, foi um alegado anjo que deu um trambolhão e cai do céu.

Fenómenos esquisitos estes. Por um lado a estranha tendência do astro-rei rodopiar perante uma assistência que acredita piamente que a estrela que nos ilumina possui capacidade para o fazer. Do outro o aparecimento de uma boneca insuflável numa comunidade remota, quase isolada do mundo e que dificilmente percebe que alguém precise de uma coisa daquelas para satisfazer determinadas necessidades. Ou manias, sei lá.

Mas é uma pena que estes milagres não sejam geralmente aceites como tal. Como outros, em tempos idos, já foram. São acontecimentos destes que geram riqueza, criam emprego, dinamizam a economia e fazem prosperar as localidades onde acontecem. De resto, se há para aí tanta gente a acreditar em falsos profetas e nas coisas mais esquisitas, por que raio não havemos de acreditar que o Sol bailou ou que uma boneca de plástico pode ser um anjo?!

Compartilhar no WhatsApp

Um par de tabefes nos pais era capaz de ajudar...

por Kruzes Kanhoto, em 03.05.16

tdah-transtorno-de-deficit-de-atencao-e-hiperativi

 

Tem sido noticia nos últimos dias a quantidade de calmantes que, diz, as crianças portuguesas estarão a ingerir. Prescritos por médicos e ministrados pelos pais, presumo. Parece que é tudo hiper-activo, ou lá o que chamam agora aos gaiatos que têm bichos carpinteiros. Uma maleita cujo principal sintoma é uma intensa comichão no lombo e que em tempos tinha um tratamento muito mais rápido, eficaz e bastante menos dispendioso. Sim, que as drogas para tratar doenças de ricos, de pobres com a mania que são abastados e de gente convencida da genialidade do seu intelecto não devem ser baratas.

A ser verdade é coisa para me deixar basbaque. Não se pode dar um tabefe num puto malcriado. É crime, dizem eles. E elas, que não pretendo discriminar os parvos em função do género. Contudo ninguém vê nenhum inconveniente em fazê-los engolir drogas. Quiçá criando dependências e provocando sabe-se lá que outros efeitos secundários. Tudo porque é mais fácil enfiar um comprimido pelas goelas abaixo à criança do que dar-lhe um sopapo. Bonito, sem dúvida. E estúpido, também.

Compartilhar no WhatsApp

"Um vintém é um vintém e um cretino é um cretino"

por Kruzes Kanhoto, em 02.05.16

salario+minimo.jpg

 

O facto de António Costa fazer apelos não terá nada de especial. E apelar aos portugueses para se mobilizarem na luta contra os baixos salários também não. Tirando, talvez, aquela coisa de ser – ainda que isso pareça estranho até a ele – primeiro-ministro. E, convenhamos, vindo de alguém que chefia o governo, que pode decidir acerca do assunto e nada faz para alterar a situação que pretende ver combatida é manifestamente parvo.

Ele que lidere o combate. Vá à luta. Dê o exemplo. Comece por aumentar o vencimento dos funcionários públicos. Que, presumo talvez a criatura saiba, são os únicos salários baixos que pode aumentar. Ah, e tal não pode aumentar a despesa...Não?! De certeza?! Não estou tão seguro disso. Se o Estado – em todas as suas componentes – deixasse de recorrer a empresas de trabalho temporário, outsourcing, avenças manhosas e esquemas esquisitos para “ajudar” amigos, conhecidos, camaradas, companheiros e palhaços diversos era capaz de a poupança chegar e sobrar para pagar ordenados dignos a quem o serve. Digo eu, que gosto muito de dizer coisas e tenho a mania de fazer contas...

Compartilhar no WhatsApp

Agora já não faz mal o comércio abrir no 1º de Maio?!

por Kruzes Kanhoto, em 01.05.16

1º-de-Maio-por-Cazo.jpg

Não sei se sou só eu que me lembro destas coisas mas, até ao ano passado, os supermercados abrirem no dia primeiro de Maio constituía uma escandaleira monumental. Um horror. Um drama. Uma tragédia. Um atentado aos direitos arduamente conquistados pelos trabalhadores. Garantiam a CGTP, o PCP e outros esquerdelhos. Tudo culpa do famigerado governo de direita que então nos governava.

Hoje, curiosamente também primeiro de Maio e igualmente feriado, apesar de todas as grandes superfícies comerciais estarem abertas ao público ainda não ouvi um único protesto. Nem da CGTP, do PCP ou de outros bandalhos esquerdistas. O comércio aberto no dia do trabalhador deve ser, agora, uma coisa muito valorizável, patriótica e constituir uma enorme conquista civilizacional. Tudo graças, claro, ao fantástico governo de esquerda que está, finalmente, a colocar o país no caminho de Abril. Admirável a coerência desta gentinha.

Compartilhar no WhatsApp

Só eu sei porque não fico em casa...

por Kruzes Kanhoto, em 01.05.16

 

 

IMG_20160430_235547.jpg

 

Mais uma FIAPE e mais um enorme sucesso. Para todos. Organização, concelho e contribuintes em geral nomeadamente. Nada de surpreendente. É, salvo uma outra rara excepção, o que se repete há trinta anos.

Duas questões inquietantes, no entanto. Que, reconheço, apenas a mim inquietam, não interessam a mais ninguém e apenas as menciono porque este espaço é meu e aqui faço menção às inquietações que muito bem entender. Têm ambas a ver com os espectáculos musicais. A primeira: Que faço eu ali?! A segunda: Que fazem ali bebés com poucos meses de vida?! Uma multidão de largos milhares de espectadores num espaço onde, em caso de emergência, dada a elevada concentração de pessoas não será propriamente fácil sair ou entrar e decibéis muito acima daquilo que os meus ouvidos toleram não constituem o cenário onde me sinto mais confortável. Nem, acho eu, o mais recomendável para criancinhas pouco mais que recém-nascidas. Mas isto, como é óbvio, tem sempre a ver com a falta de juízo de cada um. Minha e dos alegados pais dos ditos bebés.

Compartilhar no WhatsApp

Pág. 2/2