Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

E as gajas nuas?! Por que raio é que não há gajas nuas, porra?!

por Kruzes Kanhoto, em 07.02.16

100_4518.JPG

 

 

Está tudo muito bom, muito bonito, muito jeitoso e tudo o mais que se queira. Concordo com tudo e mais o resto que se diga, escreva ou murmure. Mas falta a sátira. E, principalmente, as moçoilas desnudadas. Há, portanto, que cortar no apoio público. O dinheiro dá para demasiada farpela...

Compartilhar no WhatsApp

O "Orçaminto" da geringonça

por Kruzes Kanhoto, em 06.02.16

1424349862.jpg

 

O governo decretou guerra total à poupança. Consumir é, para o Costa e seus sequazes, a nova palavra de ordem. Assim tipo desígnio nacional. Algo que, desconfio, Jerónimo nos virá descrever, mais dia menos dia, como um acto patriótico e de esquerda.

Esta intenção está, em todo o seu esplendor, esparramada pela proposta de Orçamento para 2016. A ideia parece simples e eficaz. Estimula-se o consumo e, simultaneamente, aumentam-se os impostos sobre o mesmo. Dá-se mais rendimento às pessoas, espera-se que estas o esturrem fazendo, assim, crescer a receita fiscal. E ainda que gastem o mesmo ou um pouco menos o fisco ficará na mesma a ganhar graças ao enorme aumento de impostos que o governo promove com este Orçamento. O que, diga-se, não acho mal. É sempre preferível taxar o consumo do que o rendimento. Pelo menos o primeiro, ainda que parcialmente, é sempre mais fácil de controlar por depender da nossa vontade.

Não me importo de ser considerado de direita e pouco dado a nacionalismos agora tão do agrado da esquerda. Mas ainda que a ideia não me seja de todo desagradável, salvo qualquer acontecimento que escape à minha vontade, não entrarei nessa batalha. Estarei sempre do outro lado da barricada. O da poupança. E a minha arma será apenas uma simples folha de excel.

Compartilhar no WhatsApp

Como é que se chama agora aquilo que ficou no lugar da austeridade?!

por Kruzes Kanhoto, em 03.02.16

Parece que foi decretado o fim da austeridade. Não noto nada de diferente, mas pronto se eles dizem que sim não sou eu que os vou contrariar. Para mim está tudo rigorosamente na mesma. Há, vá lá, aquela coisa manhosa da sobretaxa de IRS. Uns quantos – poucos - euros a mais no vencimento liquido. Estou a guardá-los. Dão jeito para pagar o aumento do imposto sobre a gasolina e da taxa do áudio-visual, ou lá o que é.

Onde estou convencido que vou poupar a sério é nas despesas com os serviços de restauração. Dez por cento a menos no IVA já dá para constituir um pecúlio apreciável. Capaz, até, de me fazer cometer uma pequena loucura. Comprar um carro novo, ou assim. Isto se chegar para o aumento do imposto automóvel, claro. Não posso é pagar o popó com cartão de crédito ou multibanco, senão lá se vai a poupança para o imposto de selo que, diz, irá incidir sobre os pagamentos com dinheiro de plástico. Ainda bem que a austeridade acabou, ufa!

Compartilhar no WhatsApp

Discriminaçãozinha do mais positivo que há

por Kruzes Kanhoto, em 02.02.16

A discriminação é uma coisa que me aborrece. Toda. Seja ela de que espécie for. E então aquilo a que uns tontos resolveram chamar discriminação positiva tira-me do sério. Dá-me, até, vontade de partir para a violência sobre os seus mentores. Não fora eu um gajo pacifico – um pacato cidadão, por assim dizer – e já tinha dado um par de tabefes àqueles que usam o dinheiro dos contribuintes para discriminar. E, já que era para esmurrar, de caminho iam igualmente aqueles que defendem estas coisas como algo muito positivo.

Discriminações promovidas por autarquias locais, então, é um nunca mais acabar. Ele é desconto por ser jovem ou por ser velho. Ele é comes e bebes à borla. Ele são livros e mantinhas. Ele são viagens à pala para criancinhas e velhinhos. Sejam ricas ou pobres, não interessa nada. Há é que manter os eleitores mais velhos e tentar conquistar os mais novos. Já os do meio é melhor deixá-los de fora. São muito imprevisíveis.

No âmbito da discriminação diz que, lá para o norte que aqui não há disso, uma autarquia se terá lembrado de conceder descontos na recém construída casa mortuária. Apenas aos portadores do cartão jovem e do cartão de idoso, claro está. Os outros que paguem e não bufem. Mas é tudo legal, obviamente. E constitucional, também. Aquilo de sermos todos iguais perante a lei está, nestes casos, devidamente salvaguardado. É que estas discriminações estão todas previstas em regulamentos...

Compartilhar no WhatsApp

Pág. 2/2