Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Dia das bruxas?! Isso, ao certo, é o quê?

Kruzes Kanhoto, 01.11.14

Ontem à noite andaram uns quantos gaiatos a fazer barulho aqui pela rua. Na altura estranhei. Assim, aparentemente, não me parecia haver motivo para festejar. Ainda pensei que fosse por causa da vitória do Benfica. Ou de outra coisa com um grau de importância quase parecido. Afinal não. Diz que era o dia das bruxas. Nem sei como me fui esquecer desta ancestral tradição portuguesa...

Putas jihadistas

Kruzes Kanhoto, 01.11.14
Tenho o maior respeito pelo sofrimento dos pais das moçoilas jihadistas. Compreendo que movam este mundo e o outro para as trazerem de volta. Posso, até, concordar que o seu regresso seja permitido pelas autoridades nacionais. Mas, apesar desta pouco vulgar abertura de espírito, será absolutamente intolerável que o seu eventual retorno ao país não tenha consequências. Para elas, evidentemente. A sua viagem terá de ter como destino a prisão e, de preferência, mantidas longe da restante população prisional. Coisa que se afigura muito pouco provável atendendo à justiça que por cá se pratica.
Ao que se sabe estas jovens foram para aquele fim do mundo – para lá de onde Judas perdeu as botas – de livre vontade. Porque lhes apeteceu. Agora que a coisa, para elas, terá perdido a graça quererão voltar. Os pormenores desta súbita mudança ainda não são publicamente conhecidos – talvez sejam revelados na próxima entrevista do ministro dos negócios estrangeiros ou Marques Mendes os divulgue na SIC – mas seria de todo o interesse que fossem divulgados. Até para desmotivar outras de seguir o mesmo caminho. 

Coisas aparentemente não relacionadas. E sublinho aparentemente.

Kruzes Kanhoto, 01.11.14

Não tenho por hábito dissertar sobre assuntos desta natureza, mas o drama que um casal português está a viver no Dubai recorda-me duas coisas. Que o serviço nacional de saúde não é tão mau como insistem em pintá-lo e que, num passado assim não tão distante, um governo socialista pagou a trasladação para Portugal de uns quantos empresários que, em viagem privada, tinham ido ao Brasil dar, portanto, uma volta. Ou mais, que de ir tão longe para dar só uma é manifestamente pouco. 

Pág. 4/4