Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Estranhos conceitos de patriotismo

Kruzes Kanhoto, 16.10.11

Acho piada aos que criticam quem, residindo pertoda fronteira, opta por fazer a maioria das suas compras em Espanha. A sério. A crítica,que normalmente envolve falta de patriotismo e outros epítetos verdadeiramenteofensivos, vem, maioritariamente, de quem vive mais perto do litoral e onde,por consequência, a despesa a suportar com a deslocação não seria compensadapor eventuais ganhos nas compras a preços menos elevados. Provavelmente muitosdos que censuram tem por hábito fazer férias no estrangeiro. Mas isso, secalhar, não é anti-patriótico. Talvez seja apenas uma espécie de novo-riquismo pedante.

Consumo minimo

Kruzes Kanhoto, 16.10.11
Não hádinheiro. Dizem eles. Não há dinheiro para a vida que queremos fazer, digo eu.Um princípio que gostaria de ver aplicado à vida pública – e já agora àprivada, também, mas aí depende da honestidade de cada um – é que não se faz,nem compra nada, para além do estritamente essencial, sem que tudo o quecomprámos, fizemos ou manda-mos fazer anteriormente, esteja pago. Continuar afazê-lo, sem antes liquidar as contas antigas ou não pagar ordenados, mesmo quesejam os chamados subsídios de férias e natal, é próprio de um qualquercaloteiro ou vigarista.

Parvus Coelho dixit

Kruzes Kanhoto, 15.10.11

Alguém que me explique – de preferência muitodevagarinho e com alguns desenhos à mistura, a ver se eu percebo – porque razãoé que, segundo  PC, o corte do subsidiode natal e de férias dos trabalhadores do sector privado prejudicaria aeconomia e o mesmo corte aplicado aos funcionários públicos é benéfico para amesma. Então se as empresas não pagassem, não ficariam com mais dinheiro disponívelpara investir e criar novos empregos? Não seria uma ajuda, ainda que pequena, écerto, para a tão prometida desvalorização fiscal, em que se inseria a reduçãoda taxa social única e que se pretende obter com o acréscimo de meia hora detrabalho? E, finalmente, como é que o corte de metade do subsídio de nataldeste ano ajuda no défice e a totalidade no próximo não ajudaria nada?! Dasduas, uma: Ou Parvus Coelho anda baralhado ou quer-nos baralhar a nós…

Diz umas piadas giras, o gajo.

Kruzes Kanhoto, 15.10.11
Estou a contorcer-me de riso e já me começam adoer a barriga e os queixos de tanto rir. O motivo para esta incontrolávelrisota são as declarações, que acabo de ouvir, proferidas pelo primeiro-ministrodurante um encontro de autarcas social-democratas, em que o homem agradeceu oesforço dos eleitos locais na disciplina financeira que estes estão a implementarnas autarquias. Enalteceu mesmo a sua actuação, salientando inclusivamente quecomeçaram a tomar medidas nesse sentido ainda antes do Estado central o fazer.Um exemplo a seguir, considerou.
Não sei se PC falava a sério ou não. Se era a sérioo melhor que tem a fazer, antes que a coisa se agrave, é falar já com oministro da saúde e tentar arranjar uma consulta com a máxima urgência. Se erauma piada que tinha por objectivo fazer-nos rir, então, está de parabéns. Conseguiu.Eu é que ainda não consegui parar de rir.

O lobbie mau

Kruzes Kanhoto, 14.10.11
Eu sabia. Ou, pelo menos, desconfiava. Aexistência de um lobbie era mesmo dada como adquirida por quase toda a gente.Menos, claro está, pela entidade reguladora que, coitada, ao contrário do que onome sugere, não regula lá muito bem. Foi preciso vir outra entidade, desta vezda Europa e a regular ligeiramente melhor, para concluir aquilo que quase todossuspeitámos: Que andava por aí um alegado lobbie. Podemos, portanto, dormir muitomais descansados de agora em diante. Enquanto consumidores estaremos muito maisprotegidos. O lobbie foi descoberto, aniquilado e colocado um ponto final nassuas tenebrosas práticas pouco concorrenciais. Graças à autoridade que regulaligeiramente melhor do que a outra que não regula nada de jeito, o mercado dabanana vai passar funcionar como deve ser.