Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Segurança relativa

por Kruzes Kanhoto, em 01.11.09
Estremoz ainda é uma cidade relativamente segura. E sublinho a parte do relativamente. Mesmo assim o melhor é não facilitar a vida aos amigos do alheio – uma expressão curiosa que lamentavelmente está a cair em desuso – e, tal como o proprietário deste meio de transporte, tomar as devidas cautelas para evitar o desaparecimento dos bens que, por qualquer teimosia burguesa ou insensibilidade social, recusamos partilhar com alguns “desprotegidos”, “marginalizados”, “excluídos” ou outros conceitos modernaços que agora se usam para designar aqueles a quem sempre chamámos ladrões.
Desconfio, apesar de tudo, que não é necessário ir tão longe. Prender o veículo com uma corrente de espessura assinalável, que dá duas voltas ao troco de uma árvore, é capaz de ser um pouco exagerado. Até porque qualquer ladrãozeco, por mais desfavorecido que seja, não estará disposto a circular numa coisa destas. Seria cobrir de ridículo a classe da ladroagem e, ao mesmo tempo, revelador de um claro insucesso nesse cada vez mais competitivo ramo de actividade.
Compartilhar no WhatsApp

Segurança relativa

por Kruzes Kanhoto, em 01.11.09
Segurança relativa
Compartilhar no WhatsApp

Pág. 4/4