Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Fervor comercial

por Kruzes Kanhoto, em 14.10.07
Nunca apreciei muito um certo fervor nacional que ciclicamente parece afectar os portugueses, nem os símbolos nacionais me fazem ir às lágrimas. Frases como "contra os canhões marchar..." não me dizem muito e não tenho dúvidas que perante qualquer coisa que disparasse faria uma apressada retirada estratégica.
Obviamente que os respeito e gosto de ver respeitados. Desagrada-me por isso vê-los associados à promoção de produtos ou espaços comerciais e que um símbolo colectivo seja usado em beneficio próprio e de interesses que não são os da comunidade que representa e neles se vê representada.Pior ainda quando usados da forma que esta imagem, captada hoje dia 14 de Outubro de 2006, demonstra. É que não me consta que seja dia de luto nacional.
Compartilhar no WhatsApp

Fervor comercial

por Kruzes Kanhoto, em 14.10.07
Fervor comercial
Compartilhar no WhatsApp

Transgressão

por Kruzes Kanhoto, em 12.10.07
Se olharmos com atenção para a fotografia constatamos a existência de uma flagrante violação às normas de trânsito. A viatura branca, do lado esquerdo, está a virar para o centro da cidade sem sinalizar a manobra. Uma vergonha!
Compartilhar no WhatsApp

Transgressão

por Kruzes Kanhoto, em 12.10.07
Transgressão
Compartilhar no WhatsApp

Consumidor protegido

por Kruzes Kanhoto, em 11.10.07

Os consumidores portugueses estão cada vez mais exigentes e atentos, fazendo valer os seus direitos sempre que se sentem lesados. Há até mesmo quem, não sendo atendido da forma que lhe parece mais correcta, parta o equipamento do comerciante, destrua a mercadoria exposta, dê uma sova no empregado, um enxerto de porrada no patrão, distribua uns valentes tabefes pela restante clientela e, antes de sair, no uso dos seus direitos de cidadania, exiga o livro de reclamações.

É claro que o pacato consumidor pode sempre contar com o apoio da familia e das autoridades, caso o comerciante se arme em parvo e se lembre de recalcitrar.

Compartilhar no WhatsApp

Consumidor protegido

por Kruzes Kanhoto, em 11.10.07
Consumidor protegido
Compartilhar no WhatsApp

Rivalidades

por Kruzes Kanhoto, em 10.10.07

A rivalidade entre vizinhos, sejam pessoas, localidades ou instituições, sempre existiu e, a menos que surge uma significativa mudança no comportamento humano provocada pelas alterações climáticas ou qualquer outro problema da moda, continuará a existir enquanto o homem povoar o planeta.

Argumentarão alguns que essa rivalidade é salutar e mostra que as pessoas amam aquilo que é seu e valorizam-no aos olhos dos outros. Pode ser. No entanto o passado ensina-nos que esse sentimento nunca trouxe nada de bom.

Não faz por isso qualquer sentido que se fomentem estas rivalidades, principalmente quando os motivos para rivalizar são pouco mais que ridículos e não vão além da mercearia que fia mais que a outra, da tasca da esquina que tem os melhores coiratos dos arredores ou do campo de berlinde que tem os buracos mais fundos.

Compartilhar no WhatsApp

Rivalidades

por Kruzes Kanhoto, em 10.10.07
Rivalidades
Compartilhar no WhatsApp

Abaixo o irs

por Kruzes Kanhoto, em 09.10.07

Numa iniciativa aparentemente simpática, alguns municípios tem vindo a reduzir a sua participação no irs, aliviando assim os contribuintes residentes na sua área de jurisdição de algumas dezenas ou, conforme os rendimentos ou o valor da redução, centenas de euros.

Esta medida não se deve ao facto de os cofres municipais estarem sem espaço para acomodarem mais notas nem, ao que se sabe, à situação financeira das autarquias ter evoluído de tal forma que exista um excedente de receita.

O argumento mais frequentemente utilizado é o do combate à desertificação e à necessidade de fixar população ou, até mesmo, chamar novos habitantes seduzidos com uma redução do imposto que pode chegar até ao cinco por cento.

A bondade desta medida não poderá ser constatada a curto prazo. Parece no entanto pouco provável que os jovens, terminados os estudos, se fixem na sua terra se esta em vez de emprego apenas tiver para lhes oferecer uma redução de impostos. Ou que um trabalhador, daqueles que pagam impostos, faça a sua opção profissional em função dessa variante.

Arrisco-me a prever que esta medida nos municípios onde for tomada, contribuirá para fazer retornar à sua terra, pelo menos em termos de morada oficial, muitos dos recém reformados que, em busca de melhores condições de vida ou, simplesmente, porque lhes apeteceu, a abandonaram enquanto jovens. O que até nem é necessariamente mau.

Compartilhar no WhatsApp

Abaixo o irs

por Kruzes Kanhoto, em 09.10.07
Abaixo o irs
Compartilhar no WhatsApp

Os não derramados

por Kruzes Kanhoto, em 07.10.07
Alguns municípios anunciam como pretenso incentivo ao investimento privado, na área do seu território, a não cobrança do imposto municipal conhecido como derrama. É uma opção política legitima devidamente enquadrada em termos legais. No entanto seria bom que, em nome da transparência das decisões dos órgãos autárquicos, prestassem contas no ano seguinte do impacto que essa medida teve, não só nas finanças da autarquia mas também e principalmente da relação custo beneficio que daí resultou para as populações que os autarcas servem.Possivelmente seria pedir muito, mas também era bom sabermos quem, e quanto, é que deixou de pagar.PS (De post scriptum) - Não me estou a referir a nada nem a ninguém em particular e estas considerações são apenas feitas em termos gerais e abstractos.
Compartilhar no WhatsApp

Os não derramados

por Kruzes Kanhoto, em 07.10.07
Os não derramados
Compartilhar no WhatsApp

O "atravessamento"

por Kruzes Kanhoto, em 06.10.07
O "Brados do Alentejo" faz capa na sua última edição com um tema que, infelizmente, ainda não mereceu da parte das autoridades que superintendem estas coisas a atenção que merecia. O acesso à Fonte do Imperador. Já foram algumas as mortes e inúmeros os acidentes que ali ocorreram e a imagem que é publicada no jornal é bem elucidativa do perigo constante que quem ali mora enfrenta diariamente. Repare-se que, para obviar a exposição ao risco que representa ter quase colado à sua traseira um veiculo daquelas dimensões, o automobilista é obrigado a cometer uma transgressão.
(Foto de Bruno Calado Silva - Publicada no Jornal Brados do Alentejo e que pode ser vista aqui)
É inacreditável que num país onde se constroem rotundas nos locais mais inesperados não haja mais um bocadinho de défice para construir a porra de um cruzamento!
Compartilhar no WhatsApp

O "atravessamento"

por Kruzes Kanhoto, em 06.10.07
O "atravessamento"
Compartilhar no WhatsApp

A separação

por Kruzes Kanhoto, em 06.10.07
Durante alguns meses, mais propriamente desde a migração do Sapo para o Blogspot, que este blog teve um clone. Como medida de segurança fui fazendo uma espécie de backup aqui. No entanto, por razões que não vale a pena dissecar, de agora em diante os dois blogs vão separar-se. O outro vai adoptar o nome de KontraFactos & KontraFeitos, terá conteúdo próprio mas manterá o mesmo endereço.Apesar desta mudança representar trabalho a dobrar vou - é uma ameaça - tentar que ambos se mantenham regularmente actualizados. E desinteressantes como até aqui.
Compartilhar no WhatsApp

A separação

por Kruzes Kanhoto, em 06.10.07
A separação
Compartilhar no WhatsApp

Os cultos...Ou não!

por Kruzes Kanhoto, em 04.10.07
Desde o seu inicio que este blogue tem vindo a publicar imagens da má educação e do elevado grau de estupidez de muitos estremocenses. Quase todas elas foram recolhidas num raio que não excede os cinquenta metros a contar da minha porta. O que quer dizer que os javardos moram por perto. No Bairro da Salsinha, Quinta das Oliveiras e Monte da Razão. Estes locais são habitados, maioritariamente, por pessoas de bem, pretensamente educadas e com um nivel social médio ou médio elevado. Apesar disso fazem às ruas da sua cidade o que as imagens, mais uma vez, demonstram. Possivelmente nem no Bairro das Quintinhas se encontrará tamanha javardice. O que não surpreende. A cultura cívica está ao mesmo nível.
Compartilhar no WhatsApp

Os cultos...Ou não!

por Kruzes Kanhoto, em 04.10.07
Os cultos...Ou não!
Compartilhar no WhatsApp

Uma questão de tamanho

por Kruzes Kanhoto, em 03.10.07

Pela primeira vez em vinte anos a taxa de desemprego em Portugal é superior à verificada em Espanha. O que vem dar crédito à teoria que, para além dos preservativos, em Portugal há outras coisas maiores que as existentes do outro lado da fronteira.

E não só maiores, mas também melhores. Atente-se no caso em apreço, o desemprego. O nosso é bem melhor. Dura muito mais.

Compartilhar no WhatsApp

Uma questão de tamanho

por Kruzes Kanhoto, em 03.10.07
Uma questão de tamanho
Compartilhar no WhatsApp