Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Indignação selectiva

por Kruzes Kanhoto, em 19.09.20

O presidente do Benfica será, segundo a comunicação social, um crápula da pior espécie. Entre outros crimes que lhe são imputados estará o de dever uma pipa de massa ao antigo BES. A ser paga pelos contribuintes, alegadamente. Coisa que deixa indignada uma multidão gente. Se até eu, que pago impostos e já estou habituado a pagar os desmandos destes figurões, sou gajo para me aborrecer, mais ainda se indignarão os que não sabem o que é ser tributado e não contribuem para tapar estes buracos. E têm, naturalmente, toda a razão em estarem lixados com o homem. Uma pessoa não anda a fugir ao fisco para isto.

A diferença entre mim e essa legião de indignados é apenas uma. A minha já vem de longe. Do tempo em que a banca, incluindo o herdeiro do banco acima mencionado, perdoou noventa e cinco milhões de euros a um certo clubezeco de futebol cujo nome aqui não será mencionado mas, sempre digo, veste de verde e branco. Milhões esses que, por mais que me esforce, nem sou capaz de adivinhar quem estará a pagar.

Também me causou uma certa comichão – mas, lá está, foi só a mim – aquela coisa de uma certas SAD’s não terem reembolsado os obrigacionistas na data em que era suposto. As pessoas, veja-se bem a parvoíce, investiram as suas economias naquilo à espera de, na data acordada, terem o seu dinheiro de volta acrescido dos juros contratados. Mas não. Com uma enorme cara podre foi-lhes dito apenas, “agora não, que não temos quito”. Isto perante a indiferença geral. Até das manas Mortágua.

Por mim, reitero, o Vieira será tudo o quiserem mais um par de botas. Acho bem toda a indignação por causa dele, do Costa e de todos os outros. Não suporto é a indignação selectiva. Principalmente porque ajuda sempre o prevaricador.

Compartilhar no WhatsApp

Burlar também é trabalhar

por Kruzes Kanhoto, em 17.09.20

Captura de ecrã_2020-09-10_19-35-40.jpg

Esta malta das burlas tem uma capacidade empreendedora notável. Um espírito de iniciativa ao alcance de poucos, diria. Merecem o meu respeito, tenho de confessar. É que isto de burlar dá muito trabalho. Dizem, que eu nunca estive envolvido no meio. Mas acredito que engendrar esquemas para ganhar a vida a ludibriar os demais não será coisa fácil. Nem que se consiga fazer assim sem mais nem menos. Será necessário, presumo, ultrapassar diversas etapas. Desde o surgimento da ideia até à sua concretização será um longo percurso. Plano de acção, aquisição de equipamento, formação profissional, escolha do público-alvo e outras que provavelmente nem desconfio envolvem decerto muito esforço, dedicação, empenho e, se calhar, um avultado investimento.

O MB Way tem sido um dos alvos preferenciais. Até, consta, os primos aqui da região terão estado envolvidos numa tramoia irritantemente simples de sacar dinheiro aos mais incautos utilizadores daquele meio de pagamento, a que entretanto as autoridades puseram fim. Mas, esses ou outros dinâmicos empreendedores do ramo da burla, já maquinaram outro esquema. Igualmente simples. Há, contudo, que melhorar a comunicação. É que os e-mails que ando a receber, assim como estão, parecem-me demasiado descarados. Devem ser obra de burlão estagiário.

Compartilhar no WhatsApp

Okupas e a oportunidade de negócio

por Kruzes Kanhoto, em 15.09.20

Humor de Álvaro _detail.jpg

Os portugueses nunca foram muito de ocupar coisas. Tirando aquele curto período de tempo que se seguiu ao 25 do A, em que uns quantos oportunistas e desmiolados diversos invadiram e se aboletaram em prédios e terras como se fossem suas, nunca por cá se assistiu a um movimento mais ou menos organizado de ocupação da propriedade alheia. Embora, de vez em quando, surja uma ou outra tentativa isolada.

Já em Espanha o chamado movimento Okupa constitui um problema. E dos sérios. Segundo o Sistema Estatístico da Criminalidade, em 2019 foram ocupados quase quinze mil imóveis e em 2020, com dados disponíveis apenas em relação ao primeiro trimestre, os delitos desta natureza estão prestes a atingir os sete mil e quinhentos. Perante, diga-se, a permissividade das autoridades espanholas que pouco ou nada fazem para apoiar os legítimos proprietários ou, no mínimo, fazer cumprir a ordem e a lei. Embora esta última tenha vindo, principalmente desde que o esquerdume chegou ao poleiro, a estar cada vez mais do lado dos marginais que tomam de assalto o património alheio.

Mas o país vizinho, tal como nós, ainda é um regime capitalista. Por enquanto. E o capitalismo baseia-se na livre iniciativa, na economia de mercado e noutras maravilhas a que apenas daremos o devido valor quando a escumalha comunista da moda conseguir acabar com elas. Daí que em Espanha tenham surgido várias empresas que se dedicam ao negócio da desocupação. Com elevadíssima taxa de sucesso, parece. O que não admira. Os seus métodos, documentados em inúmeros vídeos partilhados em diversas redes sociais, para além de legais são tremendamente eficazes. E, sobretudo, convincentes. Qualquer okupa pensará duas vezes antes de reagir para o pessoal daquelas empresas da mesma maneira que o faz com a policia. São “freak’s” mas não são parvos.

Compartilhar no WhatsApp

Populismo valorizável

por Kruzes Kanhoto, em 13.09.20

FB_IMG_1599944230470.jpg

A cada dia os populistas fofinhos arranjam um novo motivo para indignar a populaça. Foi o Novo Banco onde, nos últimos cinco anos com o apoio do BE e PCP, o governo injectou milhares de milhões de euros mas agora nenhuma das partes da geringonça parecem nada ter a ver com o assunto e até se mostram indisponíveis para cumprir o contrato que assinaram com o comprador daquilo. Mudaram de ideias, pelos vistos. Coisa muito comum em políticos.

A indignação seguinte – se calhar para fazer esquecer a anterior, que estava a começar a virar-se contra os promotores – é por António Costa e Fernando Medina fazerem parte da comissão de apoio à recandidatura de Luís Filipe Vieira à presidência do Benfica. Confesso que, no caso, também me sinto ligeiramente indignado. Gente desta só dá mau nome ao Glorioso.

Já por destacadas figuras do aparelho socialista manifestarem publicamente a intenção de dar o seu voto às candidaturas comunistas à presidência da Republica, ninguém se aborrece. Mas devia aborrecer. É que se este apoio diz muito acerca do estado lamentável a que chegou o Partido Socialista e na circunstância o país, a ausência de indignação dos socialistas que apreciam a democracia – presumo que ainda existam uns quantos – diz muito mais.

Compartilhar no WhatsApp

Anjinhos de quatro patas...patudinhos m'ai lindos...donos m'ai porcos!

por Kruzes Kanhoto, em 11.09.20

IMG_20200.jpg

 

Admiro a cortesia do autor deste recado. Deve ser alguém dotado de uma paciência de santo e de uma educação de fino recorte. Pedir por favor – em dose dupla – e no final ainda deixar um obrigado, não são palavras que um javardo mereça.

A rua onde a mensagem está afixada é o principal acesso a uma das mais afamadas unidades hoteleiras cá da terra. Além do lixo e da sujidade habitual, tem os passeios, como outras, frequentemente decorados com várias bostas de cão. Não é que me incomode com a imagem que os turistas levam de cá. Se calhar na terra deles acontece o mesmo e, provavelmente, alguns também não recolhem o cocó do seu canito. O que me chateia é que passo ali a pé todos os dias e ainda me lesiono por causa dos desvios repentinos de trajectória que sou forçado a fazer para evitar os montes de merda. Os verdadeiros.

Compartilhar no WhatsApp

Profunda é a tua tia...

por Kruzes Kanhoto, em 10.09.20

Screenshot_2020-09-10-20-42-34-643_com.facebook.ka

Alentejo profundo. Outra vez. Porra pá, estes gajos aborrecem. Agora é Arraiolos a receber a distinção. Não sei se a besta que redigiu a noticia sabe, mas aquela localidade fica a cento e vinte e três quilómetros de Lisboa. Que será, presumo eu, o ponto que serve de referencia para calcular a profundidade às alimárias que não se conseguem referir ao Alentejo sem acrescentar o adjectivo profundo. Isto partindo do principio que a distância até à superfície se mede de lá para cá. Por mim prefiro pensar – só para os contrariar, senão era igual a eles – que a profundidade se devia medir de cá para lá. É que, parecendo que não, nós estamos muito mais perto do centro da Europa do que Lisboa. No meu caso, uns cento e setenta quilómetros mais próximo. Ora toma, ó estagiário.

E, já agora, rotular qualquer terra desta região como sendo do Alentejo profundo parece-me configurar assim uma espécie de estereotipo. De preconceito, até. Uma afirmação de alguém que pensa habitar num lugar mais elevado, com um cheirinho a discriminação e que revela um sentimento de superioridade. Se fosse o Ventura a dizer tal disparate era coisa para classificar como discurso de ódio, ou isso. Assim é só mais uma bacorada do jornalismo fofinho.

Compartilhar no WhatsApp

Anedotas de alentejanos

por Kruzes Kanhoto, em 08.09.20

Nunca tive jeito para contar anedotas. Nem sou, sequer, especial apreciador desse tipo de humor. Muito menos quando ridicularizavam os alentejanos. Aí, então, sentia vontade de partir os cornos aos cabrões que as contavam. Vá lá que esta coisa do politicamente correcto, apesar de todos os defeitos, acabou com esse suplicio e, de maneira geral, com os contadores de anedotas. Sim, porque isto a bem dizer não se podem fazer piadas. Há sempre alguém que fica ofendido.

No anedotário nacional o alentejano foi o mandrião e o idiota que era permanentemente enganado pelo lisboeta sabido e espertalhão. E a malta ria-se. Muito engraçado, isso. Até os alentejanos adoram, só tu é que te ofendes, cansei-me de ouvir. Saber rir de si próprio é sinal de inteligência diziam-me, que era uma maneira de me chamarem parvo.

Mas hoje sou eu que conto a anedota. De alentejanos, obviamente. De um que tinha uma vinha com uma adega lá no meio. Como o Alentejo não tem gente, o homem não arranjava quem lhe fizesse a vindima e pisasse as uvas. Daí que o risco daquilo se estragar, causando-lhe um avultado prejuízo, fosse grande. Até que, assim do nada, surgiu-lhe uma ideia brilhante. Tão brilhante que mesmo ele ficou visivelmente impressionado com o seu brilhantismo. Criou um programa turístico. Uma experiência, resolveu chamar-lhe, a ver se os maganos iam na conversa. E não é que foram? Agora os turistas visitam a adega, passeiam pela vinha, colhem uns cachos, pisam as uvas, no fim bebem um trago de um vinho manhoso e pagam (!!!) cem euros cada um ao alentejano. O que eu me tenho rido. Afinal as anedotas de alentejanos até têm a sua piada...

Compartilhar no WhatsApp

E a aquela cena do “é proibido proibir”, camaradas activistas?!

por Kruzes Kanhoto, em 07.09.20

Captura de ecrã_2020-09-07_08-17-34.jpg

Cuidava eu, na minha imensa alarvidade, que os actuais activistas das causas fossem assim uma espécie de herdeiros espirituais do movimento estudantil de Maio de 68. Até porque a generalidade do pagode envolvido nestas lutas provém dos sectores mais esquerdistas da sociedade, é jovem, urbano e com formação académica. Características mais ou menos coincidentes com os estudantes franceses que fizeram aqueles desmandos em Paris. Mas não. Enganei-me. Não são nada disso. Do léxico deles fazem parte dois verbos que usam com inusitada frequência. “Proibir” e “obrigar”. Linguagem que deixaria horrorizados os estudantes franceses que protagonizaram aquele movimento e, julgo eu, todos quantos nele participaram. Para quem, recorde-se, "era proibido proibir”. Mas estes novos “revolucionários” são o contrário. Querem proibir tudo o que não apreciam e obrigar-nos a seguir todos os seus devaneios. Mas isto, a bem dizer, nem é o que mais me surpreende. O que verdadeiramente me espanta é o silêncio - ou mesmo a concordância - da imensa legião de adoradores do Maio de 1968 perante tanta vontade de obrigar e de proibir.

Compartilhar no WhatsApp

Arte, cultura e cenas assim...

por Kruzes Kanhoto, em 05.09.20

mb.jpg

Já devo ter visto centenas de fotografias do Museu do Berardo. Sinal que muita gente gostou daquilo. Ainda bem. O espaço está catita e merece uma visita. Versejei e é verdade. O que, constando deste blogue, nem sempre acontece.

Tal como muitas outras criaturas também eu tirei umas quantas fotos. Mais a quem me acompanhava e a mim próprio do que à azulejaria. Até porque pode ser tudo muito bonito mas, olhando para aquilo dos mais diversos angulos, não capto dali grande mensagem. Excepto – tudo na vida tem a sua excepção – numa ou noutra obra. Como nesta que serve de ilustração ao texto. Percebo tudo. Mesmo não estando familiarizado com isto das artes. Não admira, está por demais explicita. Até um maneta percebe.

Compartilhar no WhatsApp

A esquerda é invejosa.

por Kruzes Kanhoto, em 04.09.20

Precisamos de uma carga fiscal mais baixa, a começar pelo IRC. Este é um problema ideológico da esquerda, que, no fundo, é o problema cultural da inveja, porque somos um país pobre”. Quem assim fala é Álvaro Beleza, um dos raros militantes do PS que, na actual deriva esquerdista e populista daquele partido, ainda parecem manter uma razoável sensatez.

Impostos a um nível que ultrapassa em muito o esbulho, nomeadamente o IRC e o IRS, são o principal problema do país. Daqui derivam quase todas as maleitas que, colectivamente, nos atormentam. Mas os portugueses não entendem isso. Não é por mal. É só porque, genericamente, são burros e também, como refere aquele socialista, invejosos. O facto de metade deles não pagarem impostos directos e uma larguíssima faixa da população beneficiar de apoios sociais do Estado, contribuirá igualmente para que este tema não conste das nossas preocupações colectivas.

Entretanto vamos discutindo, como se isso interessasse para alguma coisa, problemas imaginários que apenas existem nas mentes delirantes dos malucos que nos governam, respectivos camaradas, subsidio-dependentes do sistema, beto-urbano-depressivos e activistas das causas que os doidos varridos vão inventado. O racismo, o fascismo e a canzoada são, hoje, as da moda. Amanhã será o que calhar. Enquanto isso, nós, os que pagamos, vamos sustentando toda esta fauna.

Compartilhar no WhatsApp

O cúmulo da intelectualidade

por Kruzes Kanhoto, em 03.09.20

Houve uma época em que o pessoal gostava de fazer piadolas acerca do “cúmulo” disto ou daquilo. O cúmulo da rapidez, por exemplo, seria fechar uma gaveta à chave e meter a chave lá dentro. Algo impossível, está bem de ver. Hoje, depois de anos sem ouvir graçolas a propósito de cúmulos, alguém escrevia “imaginem serem estúpidos ao nível de ainda acharem que o comunismo funciona”. Imaginar algo assim, ou ainda que vagamente parecido, é capaz de ser um bom cúmulo para a estupidez. O pior é que há muitos que acreditam nisso. Só no parlamento estão trinta e um. Ou mais, se contarmos com uns quantos que militam no PS mas que evidenciam todos os sinais de quem padece dessa maleita psicológica.

Por falar em comunistas. Na composição do comité central – que está disponível no site do pcp – há gente de inúmeras profissões. Uma delas deixou-me profundamente intrigado. Há três ou quatro camaradas que exercem a profissão de “intelectual”. Deve ser ignorância minha – ou distração, se calhar – mas não me lembro de ter ouvido falar numa greve dos intelectuais. Nem, sequer, num sindicato de intelectuais. Sinal que será uma actividade profissional onde não existem problemas laborais e, provavelmente, bem paga. Apesar de ter feito uma busca exaustiva, não encontrei empresas a recrutar intelectuais. Uma chatice. Será que já não há vagas?

Compartilhar no WhatsApp

A bicha ridicula

por Kruzes Kanhoto, em 02.09.20

Nenhuma das superfícies comerciais cá da terra adoptou o sistema de fila única. Mas, por alguma razão que me escapa, numa delas tenho reparado que alguns clientes insistem em formar uma fila nos arredores das caixas de pagamento em lugar de se dirigirem a qualquer uma que esteja em funcionamento. Este comportamento é ainda mais bizarro por não existir no local nenhuma indicação de que esse é o procedimento a adoptar, nem fitas balizadoras a delimitar o espaço ou, ainda menos, monitores com a informação da caixa a que os clientes se devem dirigir na sua vez.

Ver gente aparentemente normal fazer esta triste figura é coisa que me deixa para lá de perplexo e me suscita uma série de inquietantes questões. Nomeadamente – talvez a mais pertinente – a estranheza por pessoas que não conseguem seguir regras simples e devidamente estabelecidas, como respeitar o distanciamento em relação aos outros ou ceder a vez a clientes verdadeiramente prioritários, cumprirem bovinamente outras inventadas na hora por um maluco qualquer. Pior. Que apenas complicam o atendimento, causam atritos desnecessários com quem não segue a manada e que, no caso, são absolutamente ridículas.

Compartilhar no WhatsApp

O barato sai caro. Nos ordenados também...

por Kruzes Kanhoto, em 31.08.20

Diz que o número de aposentações na função pública terá aumentado, face ao período homologo do ano anterior, vinte sete por cento nos primeiros sete meses de 2020. Nada de surpreendente, convenhamos. A miserabilidade dos vencimentos dos funcionários públicos é gritante. Daí que a motivação de quem se pode aposentar - mesmo com todos os cortes - para continuar a trabalhar seja praticamente nula. Nomeadamente aqueles, como por exemplo um operário especializado, que ao fim de trinta e seis anos de trabalho ganham 740,26 euros brutos e levam para casa 673,09 líquidos. O salário mínimo, sensivelmente.

Não admira, por isso, que na função pública quem saiba fazer qualquer coisa opte, assim que pode, por se reformar. Um pedreiro, canalizador ou eletricista que antecipadamente se aposente ficará com uma pensão a rondar os 440 euros. Pouco e, ainda assim, com uma perda substancial de rendimentos. Mas que facilmente será compensada e até largamente ultrapassada se fizer meia dúzia de pequenos biscates. Com a inegável vantagem de aí o fisco não meter a unha.

Obviamente que, a longo prazo, este será mais um problema. Para todos. Ou, pelos menos, para a metade dos portugueses que pagam impostos. Dos muitos que se aposentam com estes valores, poucos terão no futuro recursos para viver uma velhice digna. Terão, naturalmente, de ser os contribuintes a resolver o problema. Que, ao contrário do que muitos possam pensar, existe, não será barato e alguém terá de pagar.

Compartilhar no WhatsApp

A inocuidade do perdigoto comunista

por Kruzes Kanhoto, em 29.08.20

Aug-18-19-Commie-Circle.jpg

Faz-me espécie esta nacional-subserviência para com o Partido Comunista. Ele é a festa do avante, que ninguém é capaz de proibir ou, entre outras, aquela alarvidade da dita agremiação de adoradores de ditadores criminosos ser imprescindível à democracia. Mais estranha ainda esta reverência perante os comunistas quando os seguidores dessa ideologia constituem apenas um insignificante e meramente residual número de eleitores ou, quanto a isso da imprescindibilidade do pcp à democracia, ninguém conseguir explicar a necessidade de tolerar a sua existência. É apenas porque sim. Por mim, se como faria sentido fosse ilegalizado, não lhe achava a falta. Ou melhor, faz cá tanta falta como a fome. Ou como o Chega.

Igualmente estranho é que não faltem alarves a reclamarem da influência do futebol na política, na justiça e sabe-se lá mais onde. Não raras vezes com razão, diga-se. Contudo poucos se incomodam com a influência dos comunistas nos meios de decisão. Nomeadamente, no caso presente da festarola, em instâncias que, cuidava eu, se preocupavam com a saúde pública. Afinal parece que não. Ou, então, já algum especialista da especialidade concluiu, após mais um aturado e financiado estudo, que um adepto a gritar golo manda muito mais perdigotos do que um comunista aos berros num comício do Jerónimo.

Compartilhar no WhatsApp

Um "perro maricon" seria ainda mais valorizável...

por Kruzes Kanhoto, em 25.08.20

images.jpeg

Leio que em Espanha um indivíduo, interceptado pela policia local em virtude de não usar máscara, terá começado a andar “de quatro” imitando um cão. Não evitou, ainda assim, a multa aplicável nestas circunstâncias.

A ocorrência está a ser noticiada, pela generalidade da imprensa, na secção de noticias insólitas, bizarras ou simplesmente parvas. O que se me afigura profundamente reprovável e suscita umas quantas questões inquietantes. O senhor tem o direito a identificar-se com aquilo que muito bem lhe apetecer. Se foi um ser canino, todos, policia e jornalistas incluídos, temos de aceitar a sua condição e não desatar a zombar das suas opções. E aqui reside a segunda inquietação. O que terá levado os presentes a considerar que a criatura em causa era um homem e não uma mulher? Ou um transexual? Ninguém, ao que é relatado, o que terá interrogado quanto a isso. Outra questão pertinente é o género do animal. Porquê um cão? Alguém lhe perguntou se ele – ou ela – se identificava com um cão e não com uma cadela? Ou, até, um canito transexual? Pelo sim pelo não, de maneira a evitar equívocos e tratar a coisa de forma inclusiva, a noticia podia resumir-se a isto: “Ser humane interceptade pele policix identifica-se como ume cachorre”. Todes percebíamos e não havia cá discriminações.

Compartilhar no WhatsApp

Gente à beira de um ataque de nervos

por Kruzes Kanhoto, em 23.08.20

camisa-de-forcas.jpg

Costa chama cobardes aos médicos. O Expresso, que noutras ocasiões terá publicado conversas privadas a envolver o Trump obtidas à socapa, insurge-se contra a divulgação das declarações do primeiro-ministro, obtidas igualmente à sorrelfa, durante uma conversa privada com um jornalista daquele pasquim. Tudo porque a ordem dos médicos, atente-se na ousadia, lembrou-se de fazer um inquérito às circunstâncias que envolveram as mortes no lar de Reguengos. Como se o Estado pudesse ser fiscalizado por alguém que não dependa do próprio Estado. Ou como já dizia Mussolini, esse grande socialista, “tudo no Estado, nada contra o Estado e nada fora do Estado”.

Deve ser por também pensar assim que o BE manifesta a sua incompreensão por a rede de lares de idosos se encontrar, quase exclusivamente, entregue aos sectores privado e social. Daí que pretenda mandar de volta para casa – ou dos familiares, certamente - muitos dos velhotes que se encontram “institucionalizados”. Para a Segurança social tratar deles, propõe. Só falta, mas não deve tardar, sugerirem a nacionalização de todas as instituições e empresas do sector. Das duas uma. Ou é a ideologia que os deixa cegos para a realidade da vida ou é inveja de não conseguirem criar uma teia como a do PS.

É por estas e por outras que preciso urgentemente que alguém me garanta que o louco sou eu...só para me tranquilizar quanto à sanidade mental de quem manda nesta choldra.

Compartilhar no WhatsApp

Ter cão é coisa de facho

por Kruzes Kanhoto, em 22.08.20

IMG_20200821_141032.jpg

Nem sei mais o que lhes chamar. Porcos, seria claramente vexatório para os suínos. Burros, era capaz de constituir uma ofensa para os asnos. Bestas, ofendia a bicharada em geral. O melhor, desta vez, é apelidá-los de pessoas extremamente mal-educadas e com uma relação deveras conflituosa com o asseio. Talvez, só assim para reforçar a ideia, pouco dadas à higiene e sem noção de respeito pelos demais. Embora o que me apeteça seja lançar a ideia que ser dono de um cão é coisa de facho. De gente da extrema-direita, vá. Só por causa daquilo de tirar a liberdade e de impor a sua vontade, quase sempre de forma ditatorial, a um ser senciente…

Compartilhar no WhatsApp

Sete recomendações para fazer a 69

por Kruzes Kanhoto, em 19.08.20

69 2020.png

Podia ser apenas uma piadola. Ou uma daquela fake news, ou lá o que chamam às pantomimices publicadas nas redes sociais ou na comunicação social. Mas não. É mesmo a sério. No meio da maior crise por que já passaram as actuais gerações é com isto que os deputados da nação se entretêm. Depois queixam-se das críticas depreciativas que lhes são dirigidas.

Desemprego? Impostos? Fome? Velhos a morrer à sede? Que raio importa isso? Nada, como é óbvio. Há coisas muito mais importantes para resolver. Nomeadamente recomendar a distribuição de dinheiro público em função das actividades que os cidadãos praticam na cama, wc´s públicos ou seja lá onde fôr.

Se toda a gente merece ser apoiada neste momento difícil? Claro que sim. Mas, quando se passa por dificuldades e necessita de apoio, o que cada um faz com o respectivo rabo ou com qualquer outra parte do corpo interessa para quê e a quem?!

 

 

 

Compartilhar no WhatsApp

Pragas urbanas

por Kruzes Kanhoto, em 18.08.20

animais.jpg

 

Nem devia ser necessário o dono do estabelecimento dar-se ao trabalho de escrever este aviso. Bastava bom-senso por parte dos clientes. Senso, apenas, também chegava. Mas não. As pessoas insistem em alimentar a bicharada. E o pior é julgarem que estão a praticar uma acção muito meritória.

Já não basta aos maluquinhos dos animais dar comida a cães e gatos errantes ou distribuir milho aos pombos nas ruas e praças das cidades. Agora é vê-los nas esplanadas, todos ternurentos, a oferecer migalhas e restos das refeições ou do que estiverem a comer, a pombos, pardais ou gaivotas. Sem perceberem o quão estúpidos estão a ser.

A loucura desta gente é de tal ordem que vi em certa ocasião, numa esplanada à beira-rio, um destes indivíduos quase bater num idoso que tentava afastar, agitando a bengala, as gaivotas que cirandavam à volta da sua mesa em busca de comida. E o pior é que malucos destes são cada vez mais. Uma praga, também eles.

Compartilhar no WhatsApp

A calculadora, a metralhadora e o azulejo

por Kruzes Kanhoto, em 17.08.20

museu1.jpg

Quando ouço falar em cultura puxo imediatamente da calculadora. Virtual, quando estou de folga. Ou seja, desato a fazer contas de cabeça. Por norma, poucos segundos depois, apetece-me puxar da metralhadora. Imaginária, está bem de ver.

Apesar de relutante, dado o pouco interesse que tenho por estas cenas, visitei um destes dias o novel museu cá da terra. O do Berardo, ou sabe-se lá de quem. O entusiasmo dos licenciados em revestimento de paredes e dos doutorados em azulejaria, manifestado exuberantemente nas redes sociais, foi determinante para me convencer. Em boa hora o fiz. Ando a pensar em fazer umas obras cá em casa e aquilo deu-me umas ideias. Quanto ao mais, digo como a maioria dos visitantes. Tá bonito, lá isso está...



Compartilhar no WhatsApp