Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

E aquilo de não cobiçar a mulher do próximo?

por Kruzes Kanhoto, em 23.10.17

A indignaçãozinha do dia anda hoje à volta daquela cena de um tribunal qualquer achar legitimo que o marido encornado chegue a roupa ao pêlo à mulher adultera. Diz, ao que rezam as crónicas, que o acórdão onde é reconhecido esse direito marital até mete citação da bíblia e tudo.

Nada disto me parece bem. Logo a começar pelo enxerto de porrada que a vitima levou. Dos dois – o amante e o marido – segundo os relatos. Mesmo que a senhora chegue para ambos, não é coisa que se faça isso de ir à figura da criatura com aqueles modos.

Também a decisão judicial não merece apreço nenhum. Ainda que perceba tanto de direito como de cozinha polaca, desconfio que é capaz de existir ali algo de contraditório. Se o marido viu a sua pena atenuada com base nas sagradas escrituras, então, já que a bíblia terá sido a referência moral, o amante devia ter sido severamente punido. É que o tal best-seller recomenda vivamente que não se cobice a mulher do próximo. Mesmo que o próximo até nem se importe. O que, pelos vistos, não seria o caso.

Compartilhar no WhatsApp

Noutro tempo a mãe ter-lhe-ia arranjado um motivo suficientemente bom para se queixar...

por Kruzes Kanhoto, em 24.03.17

Que a loucura tomou conta dos habitantes deste planeta, não constitui nenhuma espécie de novidade. Tanto assim é que noticias tão idiotas, que à primeira vista tomamos por pantominice ou brincadeira de um ou outro piadista mais desinspirado, são, afinal, o retrato fiel de acontecimentos reais. É o caso de uma cidadã espanhola, relatado pela comunicação social lá do sitio, para quem o equivalente ao nosso ministério público pediu uma pena de prisão de nove meses. Presumo que este prazo, dado o motivo da acusação, envolva algo de simbólico. A senhora era acusada de um delito de maus tratos ao filho de quinze anos. O pirralho, parece, ter-se-a queixado ao tribunal por a mãe lhe ter retirado o telemóvel com o intuito de o obrigar a estudar. Coisas que, obviamente, irritaram o fedelho. Não bastava o confisco do aparelho, foi ainda submetido à tortura do estudo. Uma violência, de facto. Não se faz. Nomeadamente a um filho.

Mas, apesar de tudo, a senhora teve sorte. O juiz era uma pessoa normal e tratou de a mandar em paz. E é assim, ao aceitar queixinhas bizarras como esta, que se esbanjam recursos, prejudica a vida das pessoas e, em última análise, contribui para o descrédito das instituições públicas e de quem as representa. Mas é a isto que nos temos de habituar. Será, cada vez mais, esta a realidade com que temos de conviver. Por mim, confesso, sinto uma imensa pena. Da mãe, por ter uma besta daquelas em casa, dos pais do gajo que decidiu levar o caso a julgamento, que não deve ter sido para ver o filho fazer figura de urso que lhe pagaram os estudos, e, por fim, de todos os que aturam passivamente as manias de uma escassa minoria que pretende obrigar as pessoas normais a seguirem as suas alucinações.

Compartilhar no WhatsApp