Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Governo, amigo, o povo está contigo!

por Kruzes Kanhoto, em 13.10.16

Já falta pouco para ficarmos a saber todas as fantásticas medidas – algumas, desconfio, poderão até atingir o nível de sublime - com que a geringonça se propõe melhorar a nossa vida no próximo ano. Sabemos – sempre o soubemos, obviamente – que aquela trempe de esquerdistas apenas pretende o bem do povo. Ao contrário dos malvados da direita, que estão sempre a maquinar coisas para lixar a malta.

Não são, por isso, de esperar propostas que nos provoquem aborrecimento. Tal como subidas de impostos, cortes de salários ou baixar as reformas. Nada disso. Quando muito aumentarão umas quantas tretas que os ricos fazem questão possuir. Casas e assim. Ou, se isso não ameaçar a consistência da geringonça, um ou outro imposto sobre uns itens que provoquem problemas ao nível da saúde. Tipo o açúcar ou as gorduras. Nada que seja de primeira necessidade. O que, parece, fica de fora é o papel higiénico. Ainda não é desta que lhe é aplicada uma taxa. Ou um imposto, sei lá. Uma derrama, quiçá. Mas devia, já que se trata de um artigo de última necessidade.

Compartilhar no WhatsApp

Taxa de corrida

por Kruzes Kanhoto, em 09.05.16

200550641-001.jpg

 

Grande ideia. Nem sei como é que ainda ninguém se tinha lembrado disso. Mas - alguém havia de ter a ideia primeiro - um autarca inglês lembrou-se de cobrar uma taxa a quem pratica corrida num parque da sua cidade. É que isso de andar por aí a correr tem custos e alguém os tem de pagar. Aquilo a que se chama o utilizador pagador, portanto.

Por cá também temos taxas dentro do mesmo género. A taxa de dormida ou a de desembarque no aeroporto é mais ou menos a mesma coisa. O que me está a deixar ligeiramente preocupado. Não que ande por aí a correr e mesmo que o fizesse posso ficar descansado que o presidente cá do sitio não é gajo para fazer uma barbaridade dessas. Mas convém recordar que a paternidade das taxas e taxinhas de Lisboa é do fulano que, sabe-se lá como, chegou a primeiro ministro. Ora, sabendo a apetência que a criatura demonstra para taxar coisas, quem sabe se o plano B para equilibrar as contas do Estado não inclui uma taxa a aplicar a todos os que correm ou praticam caminhada pelos espaços públicos deste país? E se não quiserem pagar fiquem no sofá!

Compartilhar no WhatsApp