Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Brincar ao PREC

por Kruzes Kanhoto, em 11.01.16

IMG_20160110_120110.jpg

 

Muita da rapaziada do governo e da maioria que o apoia não terá grande ideia do que foi o PREC. Terão, quando muito, ouvido da boca dos progenitores algumas historietas mais ou menos romanceadas e lido crónicas inflamadas sobre os acontecimentos da época escritas por gente que colocou bombas, roubou bens aos legítimos proprietários ou fez um infindável conjunto de sacanices. Sem que disso, ainda hoje, se arrependa.

A recriação desses tempos vai sair-nos cara. Muito cara. Muito mais barato nos sairia se a cada um dos meninos – e mesmo aos outros com idade para terem juízo - fosse oferecido este jogo educativo. Eles brincavam, ficavam a saber o que foi o PREC - sem necessidade de rebentar com o resto disto tudo - e no fim dávamos todos umas boas gargalhadas.

Compartilhar no WhatsApp

Estranho conceito de democracia...

por Kruzes Kanhoto, em 31.10.15

Captura de ecrã - 31-10-2015 - 16:42:31.jpg

 

Bastou um grupo de três indivíduos, cada um por si, ter a ideia de sugerir a realização de uma manifestação em frente à Assembleia da República contra um eventual governo de esquerda, para deixar os comunistas e outros esquerdalhos à beira de um ataque de nervos. Pelos vistos a rua é da esquerda. O direito ao protesto é da esquerda. O direito à liberdade de expressão só pode ser exercido se for para exprimir opiniões favoráveis à esquerda. Apenas a esquerda se pode manifestar nas ruas. Tem o exclusivo, devem achar as criaturas. Era assim em setenta e cinco. Pelos vistos querem que assim continue em dois mil e quinze. E isto ainda sem estarem no governo...

Compartilhar no WhatsApp

Já vi este filme...

por Kruzes Kanhoto, em 20.10.15

A ideia de um governo à esquerda, constituído pelos derrotados das ultimas eleições, começa a agradar-me. É que isto de ser governado por comunistas e radicais de extrema-esquerda não é coisa que muitos europeus ocidentais já tenham vivenciado. Por cá os portugueses com menos de cinquenta anos nem sonham o divertimento que constitui ver o país gerido por essa malta. Por mim – que já vi este filme na versão a preto e branco – começo a estar em pulgas para assistir a esta nova reprise da tramóia. Vai ser divertido, isso garanto. E, sem pretender ser spolier, deve durar mais ou menos o mesmo tempo da outra vez e o final também não deverá ser substancialmente diferente.

Presumo que as diferenças estarão nos personagens. Todos eles mais cultos e com melhor aspecto que os originais. Desde os principais aos secundários. E, até mesmo, os figurantes apesar de igualmente parvos são um pouco melhor apessoados e menos brutamontes. Desta vez não haverá Libórios a organizar barricadas nem a disparar sobre automóveis. O resto vai ser igual. Uma comédia patética que rebenta com o orçamento mas que se revela um fracasso de bilheteira.

Compartilhar no WhatsApp

A culpa (também) é do PREC!

por Kruzes Kanhoto, em 14.03.15

 

Há quem goste de culpar o Cavaco por tudo e mais um par de botas. Nomeadamente os que não reconhecem a responsabilidade dos governos socialistas por este triste estado de coisas. Para esses tristes quem rebentou o país não foram nem o Sócrates nem o Guterres mas sim Cavaco Silva que, dizem, terá destruído a agricultura, a pesca, a indústria e mais umas quantas cenas que, dependendo do que fumaram antes, na ocasião lhes ocorram.

Não gosto do Cavaco e odeio as politicas socialistas. Mas estes três estarolas, por mais trágica que se tenha revelado a sua governação, não passam de meninos de coro quando comparados com a tragédia provocada pelo Partido Comunista e seus sequazes durante o chamado PREC. Um processo criminoso contra a economia do país, que teve inicio em onze de Março de 1975 e acabou em 25 de Novembro do mesmo ano, cujas sequelas chegam até hoje. Disso, curiosamente, ninguém fala. Deve ser falta de memória. Ou ignorância.

 

Compartilhar no WhatsApp