Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Liberdade para não vacinar?! A sério?!

por Kruzes Kanhoto, em 20.04.17

Acho assaz curiosa esta cena da discussão acerca da vacinação dever ou não ser obrigatória. Ah, e tal, eu não quero o Estado a meter-se na minha vida, argumentam uns quantos alarves. Era o que faltava eu não ter liberdade para optar acerca do que é melhor para o meu filho, espumam outros idiotas. Assim, à primeira vista e se o assunto for outro qualquer, até posso concordar com uns e com outros. Também considero que o Estado não tem nada de se meter na minha vida. Nomeadamente naquela parte do sal, do açúcar ou do tabaco. Já quanto a eu conduzir bêbado ou adoptar outro qualquer comportamento que possa prejudicar terceiros – assim tipo não me vacinar e depois andar a contagiar pessoas que, não estando vacinadas, até podem falecer – já é capaz de não ser má ideia o Estado arranjar uma maneira de impor o bom senso onde ele não existe.

Também o argumento da liberdade me é especialmente caro. Mas, neste caso, evocá-lo é do mais estúpido que se pode imaginar. Eu não me importo que eles faleçam. Não quero é que eles tenham a liberdade de me matar. Não tarda ainda estamos a admitir que, em nome da liberdade religiosa, um pateta - tão pateta como os anti-vacinas - trepe a uma montanha e asse o próprio filho, alegando que uma divindade qualquer lho terá ordenado, tal como ao outro da bíblia.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:42

A superioridade moral dos comunistas e isso...

por Kruzes Kanhoto, em 15.04.17

Captura de ecra de 2017-04-15 15:19:12.jpg

 

Ninguém espera – a não ser, talvez, os próprios – que os comunistas sejam pessoas equilibradas e dotadas de bom senso. Nem precisam de ser. Ninguém - neste caso nem mesmo os próprios – se importa com isso. A menos, como infelizmente está acontecer em Portugal, cheguem ao poder. Aí é o nosso destino que está em causa. E vê-lo nas mãos desses malucos é uma coisa que me aborrece. Trata-se de uma gente que vive numa espécie de realidade paralela, cega pela ideologia, que não admite a tragédia que sempre ocorre nos países onde chegam ao poder, mas que consegue vislumbrar e anunciar ao mundo dramas que apenas eles conhecem.

O pior é que a generalidade dos meios de informação e dos opinion makersamparam-lhe o jogo”. Não os desmascaram. São, ao não o fazer, cúmplices da suas mentiras, manipulações e propaganda obscena. Como, por exemplo, esta noticia. Publicada, refira-se, em Novembro de 2015 e reproduzida até à exaustão em sites e blogues de propaganda comunista. Como ainda não a vi desmentida nem gozada, à semelhança do que acontece quando são outras áreas politicas a fazer declarações parvas, presumo que não falte quem a considere verdadeira. Assim sendo, um ano e meio depois, calculo que os cemitérios americanos estejam pejados de criancinhas que sucumbiram à fome. A Venezuela é que podia ter ajudado. O Maduro, se fosse realmente solidário, tinha enviado uns quantos contentores da comida que sobra na Venezuela.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:35

Figuras tristes

por Kruzes Kanhoto, em 08.04.17

Triste figura a daquele secretário de estado a quem o Costa e o Centeno ordenaram que exigisse um pedido de desculpas ao presidente do eurogrupo. Coitado. As coisas a que um individuo se tem de sujeitar. Para nada. O outro, obviamente, não pediu – nem tinha de o fazer – e, ainda por cima, teve de ouvir mais umas bocas do holandês. Bem-feita.

Há, por cá, uma vasta legião de ofendidos com aquilo dos copos e mulheres. Gente que, vá lá saber-se porquê, está a tomar as dores dos políticos. Foi a eles, como toda a gente minimamente informada percebe, que aqueles “piropos” foram dirigidos. Com toda a razão, diga-se. Até porque continuam a fazê-lo. Só um tolo não percebe que o festim continua. Basta olhar em redor. Se não vêem, então, é um problema clínico. E não me venham, como faz ciclicamente um alarve qualquer, com aquela cena do deficit e outros dados que alegadamente revelam que tudo está no melhor dos mundos. É que, como alguém escrevia hoje, “A melhoria da confiança dos portugueses acaba por não se refletir no índice de bem-estar”. Ou seja, estamos a viver num cenário de fantasia e ofendemos-nos com quem nos recorda isso.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:26

Florzinhas

por Kruzes Kanhoto, em 05.04.17

Diz que, no âmbito de um protesto qualquer contra aquilo a que o politicamente correcto designa de homofobia, aquele maluco que lamenta a nossa propensão para esturrar o guito todo em "gajas e copos"  se terá passeado pela rua de mão dada com outro individuo. Já os vi começar por menos, diria a minha avó. Ou, então, é uma maneira de se redimir tentando ganhar simpatias entre uma franja dos indignados pela outra conversa. Seja como for é lá com ele, dirão. Pois, será. Mas eu também o posso achar parvo. É cá comigo. Até porque nem ele nem a esmagadora maioria dos idiotas uteis conseguem perceber a razão do crescente número de ataques às pessoas que exibem aquelas tendências esquisitas. Por mais que lhes custe a aceitar, o aumento exponencial de gente a viver na europa oriunda de zonas do globo onde essa prática é vivamente repudiada, é capaz de ter alguma relação com o aumento das agressões. Coisas do multiculturalismo com que temos de conviver. Habituem-se.  

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:51

Remate kruzado

por Kruzes Kanhoto, em 26.03.17

lambe-cus.jpg

 

Haverá na comunicação social muita gente séria e honesta. Na prateleira, provavelmente. É que, a julgar por aquilo que diariamente vamos lendo, entre os que reúnem pelo menos uma daquelas qualidades não serão muitos os que estão no activo. Vejamos dois casos ilustrativos. Só, que não me apetece ser exaustivo.

 

“Pontuar na Luz costuma dar título ao dragão” garante hoje, em plena primeira página, um pasquim que se publica na cidade do Porto. Costuma pois. Ora se costuma. Basta ver o exemplo do ano passado. Ou, se não chegar, o do ano anterior. Estamos, portanto, conversados em termos de qualidade informativa.


Por seu lado “A Bola”, logo na capa, recorda aos seus leitores que “Maxi nunca perdeu contra o Benfica”. Grande feito. Ao alcance de poucos, convenhamos. Principalmente por causa dessa coisa do nunca. Seria, de facto, uma proeza assinalável não se desse o caso desse nunca corresponder a três jogos. Já agora - e até nem custava muito - poderiam ter acrescentado que o uruguaio caceteiro, desde que deixou o Glorioso nunca mais foi campeão. Mas isso, enfim, sou eu que tenho algum apreço pelo rigor terminológico. Coisa que, obviamente, não se pode esperar dos lambe-cús da actual comunicação social tuga.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:23

Que a loucura tomou conta dos habitantes deste planeta, não constitui nenhuma espécie de novidade. Tanto assim é que noticias tão idiotas, que à primeira vista tomamos por pantominice ou brincadeira de um ou outro piadista mais desinspirado, são, afinal, o retrato fiel de acontecimentos reais. É o caso de uma cidadã espanhola, relatado pela comunicação social lá do sitio, para quem o equivalente ao nosso ministério público pediu uma pena de prisão de nove meses. Presumo que este prazo, dado o motivo da acusação, envolva algo de simbólico. A senhora era acusada de um delito de maus tratos ao filho de quinze anos. O pirralho, parece, ter-se-a queixado ao tribunal por a mãe lhe ter retirado o telemóvel com o intuito de o obrigar a estudar. Coisas que, obviamente, irritaram o fedelho. Não bastava o confisco do aparelho, foi ainda submetido à tortura do estudo. Uma violência, de facto. Não se faz. Nomeadamente a um filho.

Mas, apesar de tudo, a senhora teve sorte. O juiz era uma pessoa normal e tratou de a mandar em paz. E é assim, ao aceitar queixinhas bizarras como esta, que se esbanjam recursos, prejudica a vida das pessoas e, em última análise, contribui para o descrédito das instituições públicas e de quem as representa. Mas é a isto que nos temos de habituar. Será, cada vez mais, esta a realidade com que temos de conviver. Por mim, confesso, sinto uma imensa pena. Da mãe, por ter uma besta daquelas em casa, dos pais do gajo que decidiu levar o caso a julgamento, que não deve ter sido para ver o filho fazer figura de urso que lhe pagaram os estudos, e, por fim, de todos os que aturam passivamente as manias de uma escassa minoria que pretende obrigar as pessoas normais a seguirem as suas alucinações.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:32

A malta quer é copos e gajas boas!

por Kruzes Kanhoto, em 21.03.17

jABTE2Y.jpg

 

E pronto, já cá faltavam as virgens ofendidas com as declarações do presidente do Eurogrupo. Aquilo do gajo ter considerado que nós, a malta do sul, esturramos o guito todo em bebida e com as gajas, caiu mesmo mal às alminhas mais sensíveis. O homem, coitado, estava apenas a usar uma metáfora para salientar o quão mal gastamos o dinheiro que os outros nos emprestam. Nós também podíamos, por exemplo, dizer que os holandeses estoiram demasiado graveto com marroquinaria. Metaforicamente falando, também. Poder, podíamos. Mas não era a mesma coisa. É que eles gastam-no, mas é deles. Convinha, digo eu, percebermos estas nuances.

Isto é mais ou menos como aquela cena do pedinte a quem damos uma esmola porque, afiança-nos, não tem dinheiro para comer mas, depois e já com as moedas na mão, vai comprar tabaco ou beber um copo. Ou como aquele amigo a quem desenrascamos umas massas e, em vez de orientar a vida, vai esbanjá-las em inutilidades. Todos, nestas circunstâncias, não se coibiriam de mandar o seu bitaite. Tal como o fez este socialista holandês.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:12

E urinar sentado, também...

por Kruzes Kanhoto, em 18.03.17

feminazas.jpg

 

A Internet está cheia de noticias falsas e aquela a que hoje me refiro pode ser apenas mais uma. Espero que sim, mas temo que não. Ao que é relatado por uns quantos sites espanhóis, diversas organizações feministas estarão a preparar uma proposta, para apresentar ao parlamento do país vizinho, visando obter “a igualdade real entre sexos, géneros e identidades sexuais”. Seja lá o que for que isso queira dizer. Assim, entre outras parvoíces, pretende-se que os “médicos, durante a gravidez, fiquem proibidos de revelar aos progenitores se o bebé que aguardam é menino ou menina. Devem, isso sim, informar que tem órgãos sexuais de masculinos ou femininos.”

Todo o rol de disparates – e são muitos - constitui um excelente motivo para umas boas gargalhadas. Se, como tenho esperança, não passar apenas de uma piadola com o intuito de ridicularizar as feministas e restante a gentalha do politicamente correcto. Há, no entanto, uma ideia preocupante. Daquelas que, de alguma forma, já é defendida, e em alguns países aplicada, relativamente a outros tipos de doutrinas. Querem “impor sanções legais aos pais que inculquem ou permitam que inculquem aos seus filhos estereótipos machistas”. Se assim fosse a educação das crianças ficaria entregue aos valores e crenças de gente destravada, completamente doida e, em muitas circunstâncias, com conceitos de vida repugnantes ao comum dos mortais.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:31

Captura de ecra de 2017-03-15 22:26:49.jpg

 

Com o aproximar das eleições autárquicas presumo que comecem a surgir ideias para esturrar dinheiro. Novas umas, velhas outras e parvas a maioria. O habitual, portanto. Que nisto de gastar o que temos e, principalmente, o que não temos poucos conseguem fazer melhor do que nós. E, a bem dizer, nem é coisa que me preocupe. Esturre-se tudo. Não faz mal. Agora somos poucos, dentro de alguns anos seremos muito menos e num futuro não muito distante não restará ninguém para pagar a conta. Não estou particularmente pessimista. Nada disso. Limito-me a acreditar nas estatísticas. Quando nascem menos de metade do que aqueles que morrem, o futuro não parece muito difícil de adivinhar. É por isso que, quase de certeza, todos os candidatos à autarquia vão incluir nos seus programas eleitorais a construção de novos cemitérios. Parece-me o mais ajuizado. Ou mais escolas, que isto há visionários para tudo.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:53

Qualquer coincidência será pura semelhança

por Kruzes Kanhoto, em 14.03.17

olitico.jpg

 

Se tivesse o meu dinheiro depositado no Montepio teria ficado, após ouvir as explicações dos entendidos acerca da situação do banco, muito mais descansado. Ainda assim, não sendo depositante, os meus níveis de traquilidade atingem valores bastante elevados no que se refere ao futuro da instituição. Mesmo enquanto contribuinte escuso de me preocupar. Garantem-me os gajos que sabem destes assuntos que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Assim tipo o BES, estão a ver? Aquele banco que, como toda a gente ficou a saber, nada tinha a ver com o GES, ou lá o que era, como não se cansaram de nos explicar, em tempos, os gajos que sabem mesmo destas matérias.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:03

Mais confiantes do que nunca. Outra vez.

por Kruzes Kanhoto, em 06.03.17

adoro_shopping.jpg

 

Diz que os consumidores estão mais confiantes do que nunca. Ou quase. Estarão, até, prestes a entrar num estado de euforia como raramente se viu por cá. Ainda bem. Eles lá saberão porquê. Por mim, que gosto de ver as pessoas felizes, fico satisfeito. Isto apesar de ter alguma dificuldade em lobrigar motivos – só um, que seja – para tanta animação de índole consumista. Deve ser aquela coisa das expectativas. O Marcelo e o Costa têm distribuído tantas – expectativas – que o pessoal começou a acreditar que era mesmo a sério.  

Não é que queira ser do contra, mas, se calhar, sou o único a reparar no recibo de vencimento. Mania minha, isso. Se não o fizesse talvez estivesse também mais confiante do que nunca e com vontade de gastar o que não ganho. Não reparava, entre outras coisas,  que recebo menos este ano do que recebia no ano passado. E, já avisaram, para o ano ainda vou receber menos do que neste. Pelos vistos devo ter sido só eu a ouvir. Não fora isso e uma estranha sensação de "déjà vu" que me ocorre sempre que vejo os telejornais, era gajo para estar optimista.   

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:52

Um grande bardamerda também para ti, Grunho!

por Kruzes Kanhoto, em 05.03.17

Frogs+used+to+be+normal+then+obama+allowed+for+che

"Bardamerda para todos aqueles que não são do Sporting Clube de Portugal" terá regurgitado ontem o sapo Grunho de Carvalho após a reeleição para a presidência daquela agremiação verde às riscas sedeada ali para os lados do Campo Grande. Fica-lhe bem. Nem, de uma criatura daquelas, é de esperar outra coisa. Assim tipo um discurso ligeiramente acima de boçal, vá. Daí que não vá aqui desfiar aquele rosário de, por se tratar de uma grande instituição, o clube merecia melhor e outras tretas do género. Nada disso. Estão todos bem uns para os outros. A começar nos sócios, por terem escolhido um coiso daqueles. Mas ainda bem que o escolheram. O reles batráquio inchado, agora reeleito, constitui uma garantia de fracasso desportivo e um quase certo ainda maior descalabro financeiro. 

Estranho é a comunicação social não dar o merecido destaque a tão erudita declaração. Ou, então, não. Dos pequenos e dos fracos não reza a história. Já se fosse o presidente de um clube daqueles à séria - dos que ganham coisas e isso - teríamos conversa para umas quantas semanas. Melhor assim. Ele, todos, que vão para a santa senhora que os concebeu à beira de uma estrada qualquer.  

 

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:24

Maioria silenciosa é um conceito que parece não estar a ser muito bem entendido por alguns génios auto-proclamados. Eu explico. Com o exemplo nacional, que é para não ir mais longe. Nos idos do pós-25 de Abril o PCP fazia grandes comícios. Mobilizava magotes de gente. Centenas de milhares em cada manifestação, segundo as próprias contas. Na rádio, televisão e jornais as posições amplamente dominantes eram as do partido comunista. Nem sequer havia contraditório, que isso da democracia pluralista era coisa de reaccionários e burgueses. Mesmo nas ruas poucos eram os que se atreviam – como hoje, quase – a exprimir opiniões contrárias à verdade vigente. O politicamente correcto da época, portanto. Criou-se, por causa disso, no país a sensação que as eleições dariam uma estrondosa vitória aos comunistas. Até porque, nessa altura, ainda não havia sondagens. O pior foi aquilo do voto. Tiveram doze por cento. Uma minoria esmagadora. Por mais esganiçados que tivessem sido os seus arautos.

A história é uma coisa lixada. Mostra uma preocupante tendência para se repetir, a marota. Embora, por mais que se repita, haja sempre burros que não a entendem.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:12

Ainda sou livre de discordar?!

por Kruzes Kanhoto, em 03.03.17

ScreenHunter_5470-Jan.-18-09.21.jpg

 

De repente toda a gente começou a discutir política. Bom, discutir é uma maneira de dizer. Insultar quem não comunga dos mesmos pontos de vista é muito mais apropriado ao que, por estes dias, vamos assistindo em todos os espaços onde cada um pode partilhar a sua opinião. Ou, supostamente, devia poder sem que, em consequência da exposição pública do seu pensamento, se visse insultado por gente que se diz tolerante, garante ser acérrima defensora de todas as formas de liberdade e, mas isso sou eu a concluir, quase capaz de dar a vida por todos esses nobres ideais.

Esta intolerância perante a opinião do outro constituiu algo de muito perigoso. Começa por afastar da discussão quem tem opiniões diferentes das maioritariamente publicadas, promove a constituição de maiorias silenciosas e acaba por, nas urnas de voto, ter os resultados que se conhecem. Depois admirem-se.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:06

foto-mochila-pesada.jpg

 

Contra todas as expectativas, o país está muito melhor. Damos conta disso quando olhamos para as causas que, hoje por contraponto ao que se passava antes, preocupam os portugueses. Nas escolas, por exemplo. Agora o problema são as mochilas que desengonçam os costados dos putos. Os mesmo pirralhos que antes, coitados, desmaiavam por causa da larica. Presumo que nessa altura arrastassem penosamente as mochilas de tão esfaimados que estavam e, por não terem força para as carregar no lombo, a ameaça de futuros de bicos de papagaio se não colocasse. Passámos assim, quase de um momento para o outro, da preocupação com a sobrevivência para a luta pela qualidade de vida. Ainda bem. São os pequenos milagres que só uma governação de esquerda consegue produzir.  

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:35

A sério?!

por Kruzes Kanhoto, em 17.02.17

images.jpg

 

A direita – esse bando de mal feitores e de gente ruim – quer matar a Caixa. Berram os garotos que, lá pelo parlamento, dão voz ao partidos que sustentam a geringonça. Que eles o façam, as pessoas normais até toleram. Coitados, são novos. Aquilo, um dia, há-de passar-lhes. Agora gente com idade para ter juízo achar que pretender saber até onde foram as pantominices – ou mesmo os erros de perceção, vá - é mais prejudicial à saúde da instituição do que as tropelias cometidas por lá ao longo de umas dezenas de anos, é que já parece uma coisa assim um bocadinho estranha. Não sei, digo eu que não percebo nada de finanças. Só desconfio - é cá uma ideia minha -  que o crédito malparado costuma ser ligeiramente pior para  o negócio da banca do que saber se o gajo que manda naquilo é ou não um pantomineiro. Mas isso é na vida real. Coisa que os tais garotos não sabem o que é.  

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:55

Cem Tino

por Kruzes Kanhoto, em 14.02.17

pin.jpg

 

Curiosa a campanha que os escribas de esquerda -  na sua maioria, porque ainda há um ou outro sério que não alinha nessas coisas – no sentido de branquear as pantominices do Centeno. Nomeadamente quando as mesmas encrencas disseram o que Maomé não disse do toucinho, a propósito de cenas parecidas protagonizadas por gente da direita. Ou mesmo de esquerda. Como o Sócrates, por exemplo. Isto, evidentemente, cingindo-nos apenas ao âmbito da aldrabice. 

Faz-me confusão, isso. Não entendo como é que o cidadão comum, que escreve em blogues, desabafa no Facebook ou atira umas larachas numa roda de amigos não consegue manter a lucidez suficiente – e nem é precisa muita – para perceber que patetices destas acontecem com todos os que estão envolvidos na politica. Sejam ou não da facção que mais nos agrada.  

Isto está cada vez mais parecido com o futebol. O nosso clube do coração joga sempre bem e merece sempre ganhar. O que, no meu caso, até é verdade. Mas isso sou eu, que sou do Benfica e isso me envaidece.  

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:35

Ainda bem que temos um governo que se preocupa com coisas importantes. Assim tipo criar novos conceitos. Daqueles que importam às pessoas em particular e aos militantes do politicamente correcto em geral. Tipo a multidiscriminação - alguém que é discriminado por ser gordo e maricas - e a discriminação por associação, que acontece, por exemplo, se um velhote que se desloca com duas jovens brasileiras a um serviço público é mal atendido por estar com elas.  

Mas há mais. Discriminações que se baseiam na ascendência ou no território de origem, ou seja, que digam respeito a afrodescendentes, passarão também a merecer uma especial atenção. Aqui não são dados exemplos mas, presumo, passará a estar incluído aquele dichote de mandar para a terra dele um negro que tenha nascido na Amadora. Ou, digo eu, contar anedotas e piadolas visando ridicularizar os protagonistas em função do local de onde são oriundos. Mas, quanto a esta última parte, apenas se envolver coxos ou marrecos, certamente. 

Por fim algo que se afigura potencialmente perigoso e que terá sido sugerido por um comité qualquer da ONU. O suposto agressor é que deve provar que não cometeu aquilo de que é acusado. Num país onde quem mata uma pessoa, ainda que perante várias testemunhas, é considerado inocente até a sentença transitar em julgado, parece-me ser qualquer coisa para nos deixar preocupados. Pelo menos àqueles que gostam da democracia. 

Voltarei, obviamente, ao assunto. 

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:09

Orçamento participativo

por Kruzes Kanhoto, em 09.02.17

4951555314_cb2f9b23c1_b.jpg

 

Essa cena do orçamento participativo é das ideias mais parvas, demagógicas e populistas que já vi ocorrerem aos políticos. Até ainda não há muito tempo afectava apenas a moleirinha de uns quantos autarcas. Este ano contagiou, também, o governo. Estão, ao que é anunciado oficialmente, reservados uns quantos milhões - poucos, felizmente – destinados a promover iniciativas propostas pela sociedade civil e que, depois de submetidas a sufrágio, mereçam a escolha do maior número de cidadãos. Isto, dito assim, até se afigura como uma coisa muito valorizável. O pior é que, ao contrário do que se pode depreender, o país não tem dinheiro. Nem estes milhões, nem outros. Tem é divida. Muita. Daí que esta gente, se tivesse o mínimo de juízo que se exige a um governante, tratava de, pelo menos, não promover ainda mais despesa e, consequentemente, mais calote. 

Nem vale a pena dizer que tenho esperança que, entre as propostas apresentadas ao governo para gastar os tais milhões, se encontre uma que sugira utilizar o dinheiro para pagar a divida. Não tenho. Mesmo que surgisse, duvido que recolhesse mais do que um voto. O meu. É por isso que, já que é para esturrar,  irei tratar de apresentar a minha ideia quanto à maneira de desbaratar o guito. É mais ou menos aquilo de "já que não os podes vencer junta-te a eles". Tratarei de propor, assim que descubra onde o posso fazer, a construção - até pode ser aqui, na minha terra – de um centro empresarial intergaláctico. Uma coisa em conta, sem luxos e que acolha condignamente os investidores oriundos dos confins do universo. Até pode ser o Sócrates a elaborar o projecto e uma qualquer das muitas empresas do amigo a fazer a obra. Por mim, desde que os custos não derrapem, tudo bem.  

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:22

Captura de ecrã de 2017-02-08 18-45-10.jpg

 

Diz a OCDE que os futuros pensionistas serão lesados nas reformas. Diz, mas não precisava. Toda a gente sabe. O problema é que poucos se importam. Anda tudo satisfeitinho da vida com as fantásticas reversões do Costa que quase ninguém quer saber disso.

A iliteracia financeira – e da outra, já agora – é a maior aliada do governo. Deste, do anterior e do próximo. Só assim se percebe que a população aceite pacificamente cortes brutais nas futuras pensões, enquanto as actuais permanecem intocáveis. Não que eu seja apologista de redução de rendimentos seja de quem fôr. Quem tiver dúvidas acerca disso leia, se tiver paciência, outros posts que por aqui fui publicando. Mas, a ter de se fazer alguma coisa para garantir a sobrevivência da Segurança Social – e pelos viste tem – então que o sacrifício se distribua por todos.

Para se perceber o que está em questão, nada melhor do que um exemplo. Os meus anteriores chefes aposentaram-se há vinte anos. Tinham, então, a idade que eu tenho hoje. O montante da pensão atribuída foi o equivalente ao valor do vencimento que auferiam na altura. Já eu, se me quiser reformar amanhã, ficarei com menos de um terço do que ganho agora. Ou, ninguém me manda ter pressa, espero mais uma dúzia de anos para, depois, ficar com cerca de oitenta por cento. Se tiver sorte. Deve ser a isto que chamam solidariedade intergeracional, ou lá o que é.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:33

Mais um corte...ah, espera, é só um adiamento.

por Kruzes Kanhoto, em 04.02.17

 

o-dinheiro-est-voando-longe-do-bolso-31055802.jpg

 

Outro corte no ordenado, este ano. Mais um. Já vou estando habituado. Tal como também me vou habituando a que todos achem muito bem o que antes achavam mal só por ser mais uma reversão à moda do Costa, esse santo milagreiro. Verdade que, desta vez, não será bem um corte. É mais um adiamento. Restituem-me daqui por dez meses o que me tiram hoje. Ainda assim surpreende-me que todos aqueles – e são mais que muitos – que passam a vida a reclamar que o vencimento só lhes chega até ao dia cinco – ou nem isso – não se queixem agora que, quase de certeza, ainda acaba mais cedo.

A ideia de pagar “por atacado” estará fundamentada na tal dinamização da economia através do consumo. O governo terá esperança que, quando o pessoal se deparar com muito mais dinheiro na conta, desate a consumir como se não houvesse amanhã. Por mim não lhe vou fazer a vontade. Se puder – e também para contrariar – ainda irei gastar menos. O mesmo deverá acontecer com o restante pagode que entende a medida como mais uma genialidade da geringonça. Ou muito me engano ou os cinquenta por cento do décimo terceiro mês nem para metade do cartão de crédito há-de chegar...

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:27

c4c8d0ab262e00e9d501d631c52109f6.jpg

 

Como sempre acontece de cada vez que é anunciada, num país ocidental, a proibição do uso de burka – ou outro adereço ridículo qualquer que apenas deixe os olhos de fora às mulheres que o vistam – levantam-se umas quantas vozes ofendidas com a falta de respeito pelas tradições das criaturas. Não percebo a condescendência. Nomeadamente quando não é reciproca.

Compreende-se que os imigrantes oriundos desses países forcem as respectivas esposas a usar aquele traje repugnante. Ou, pelo menos, que não as incentivem a deixar de usá-lo. Isto porque, ao que é confessado pela esmagadora maioria dos invasores que demandam a Europa, as mulheres são um dos principais motivos porque vêm para cá. Ora, sabendo das intenções dos seu patrícios, é natural que queiram esconder as deles.

Apesar disso é intolerável que gente disfarçada de sacos de batatas circule nas nossas cidades. Nisto faço minhas as palavras do xeique Munir, chefe dos muçulmanos portugueses, relativamente aos seus irmãos de fé que habitam na Europa. Se não gostam vão-se embora.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:01

Trumpofobia

por Kruzes Kanhoto, em 28.01.17

Captura de ecrã de 2017-01-28 13-33-16.jpg

 

O meu tio Alabaça, um velhote que por alturas do PREC rondava os oitenta anos, tinha, na época, uma visão muito critica do que então acontecia no país. Detestava comunistas, não apreciava o rumo que as coisas estavam a seguir e não via sustentabilidade nenhuma nas generosas medidas que os sucessivos governos iam tomando. O que, como seria de esperar, num Alentejo tomado de assalto por malucos e assolado numa onda de loucura colectiva, não o tornava numa figura muito popular entre a vizinhança. Infelizmente não viveu o suficiente para confirmar quanto a sua análise dos acontecimentos estava correcta. Teria dito aquilo que sempre dizia quando as suas previsões se revelavam certeiras. Um categórico “eu já sabia”.

Mesmo não tendo a veleidade de, sequer, me pretender aproximar do nível de saber de experiência feito daquele meu antepassado, também “eu já sabia” de que massa são feitos os que espalham aos quatro ventos conceitos como tolerância, respeito pela diversidade de opiniões, vontade popular e muitos outros chavões com que gostam de encher a boca. Bastou um idiota qualquer ganhar umas eleições do outro lado do mundo e é o que se vê. Veio ao de cima toda a intolerância, arrogância e falta de respeito relativamente a quem pensa diferente que, subtilmente, sempre evidenciaram. Quanto a essa gentalha insuportável não sei, mas, por mim, gosto da democracia e de poder dizer, se me apetecer, que gosto do Trump. Ou - e apetece-me mesmo - dizer que urge fazer qualquer coisa que impeça os fascistas islâmicos de tomar conta disto tudo. Mas isso sou eu que, ao contrário desses trumpofobicos, gosto da democracia. Ou lá o que é que chamam aquilo de termos direito a expressar publica e livremente a nossa opinião sem medo de represálias ou ameaças. E a vê-la respeitada, já agora.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:44

Está muito na moda criticar aquilo que chamam populismo. Um conceito a atirar para o parvo, que serve para quase tudo quando escasseiam os argumentos para justificar as opções políticas das elites ocidentais que nos estão a conduzir em direcção ao fim trágico da nossa civilização.

Está, também, muito em voga lamentar os perigos que corre a democracia. Concordo, quanto a isso. Embora pelas razões opostas às daqueles que culpam o Trump e a extrema-direita pelo Apocalipse que anunciam. A democracia está, de facto, em perigo. E quem está a fazer de tudo para acabar com ela é a esquerda e a intelectualidade bem pensante.

Veja-se o exemplo finlandês. Diz que a policia local está a instigar as crianças a denunciarem os pais que, em casa, lhes transmitam ideias politicamente incorrectas. Entre os casos denunciáveis estarão, segundo a fonte que adianta a noticia, queixas sobre o excesso de imigrantes, opiniões negativas sobre o feminismo, reprovar a homossexualidade, fazer comentários negativos sobre o islão ou associar os muçulmanos a atentados terroristas. Este plano para impedir opiniões contrárias às do ‘establishment’ conta, como não podia deixar de ser, com o apoio de partidos e organizações “progressistas”. Que é como esses velhacos gostam de ser conhecidos.

Aqui chegados, não é de admirar que a reacção do eleitorado seja aquela que se está a verificar um pouco por todo o lado. Só um idiota chapado pode ficar surpreendido com a ascensão meteórica de figurões que até há poucos anos todos odiariamos. Com democracias desta natureza ainda um destes dias vamos ter saudades de muitas ditaduras.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:54

Sempre preocupado com os grandes temas que preocupam os portugueses o governo prepara-se para produzir legislação que permita às crianças transexuais a possibilidade de escolherem, para usar na escola, o nome com que se identificam, independentemente da mudança no Registo Civil que, por enquanto, apenas pode ocorrer quando tiverem dezasseis anos. Por mim, ao contrário de uns quantos comentários que já li e ouvi acerca do assunto, não acho mal. Nem bem. Apenas parvo. Mas vindo de quem vem não é caso para estranhar. A malta já está habituada a que daquelas cabecitas só saiam ideias destas.

Mas, além dos sarilhos que vão arranjar aos professores, esta aberração legislativa, a contemplar apenas os casos das ditas crianças transexuais, pode configurar mais um caso de evidente discriminação. Que o Tomás e Constança, por serem portadores desse problema, queiram ser chamados, respectivamente, por Carlota ou Martim ainda é como o outro. Do mal o menos. Agora se a lei não permitir igual prerrogativa ao Eleutério, um futuro craque do pontapé na bola que gosta de ser chamado de Messi, então temos um problema.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:38

Trump e as badalhocas

por Kruzes Kanhoto, em 22.01.17

Islamski5-Rape-Europe.jpg

 

Também por cá umas quantas centenas de pessoas, principalmente mulheres, se manifestaram contra o Trump. Custa-lhes engolir a vontade popular. É quase sempre assim quando os resultados das eleições não são aquilo que os iluminados acham que deviam ser. É uma parvoíce, mas entendo. Estão no seu direito de expressar todo o azedume que lhes vai na alma por a democracia estar a funcionar.

O que tenho manifesta dificuldade em perceber é o tipo de ameaça que – enquanto mulheres - preocupa essa gente. Acharão as criaturinhas que a sua liberdade está em perigo? Pensarão realmente que os direitos das mulheres vão regredir cem anos? E que isso, apesar de termos um oceano pelo meio, vai acontecer igualmente em Portugal? Se sim, então são mesmo estúpidas, hipócritas ou, não sendo nada disso, foram pagas para se manifestarem. É que não me consta que estas pessoas – ou outras, não importa – já se tenham manifestado contra a maneira como o islão trata as mulheres. E, neste caso, não é do outro lado do mundo. É aqui, na Europa. Na nossa casa. E não é apenas o que impõe a quem professa essa religião. É também a imposição desses usos e costumes medievais, que já afecta mulheres de muitas regiões europeias. Mas isso não as preocupa. Badalhocas!

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:57

Frio?! Assustava-me era se estivesse calor...

por Kruzes Kanhoto, em 17.01.17

Os gajos das televisões e mais uns quantos maganos andam há uns dias a esforçar-se por me convencer que está frio. Decretaram, até, que vamos estar em alerta laranja por causa disso. Da frialdade. Não me parece caso para tanto. Frio, frio era quando a malta fazia uma espécie de derrapagem artística nas poças de água que tinham congelado durante a noite. Ou no tempo em que as torneiras amanheciam com uma estalactite. Agora não. Estará, quando muito, fresquinho. E, mesmo assim, só para o pessoal mais friorento. Ainda hoje o coveiro foi para o trabalho de manga curta a acelerar na sua mota, os ciganos do resort andavam de t-shirt no Continente e o puto ranhoso navegava na internet sentado no portado de mármore da biblioteca já era noite cerrada. Um dia perfeitamente normal, portanto.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:43

Investimentos e outras tolices.

por Kruzes Kanhoto, em 13.01.17

Há duas coisas – haverá mais, mas fiquemos pelas boas - que deixam qualquer autarca prestes a afogar-se na própria baba. Fundos comunitários e investidores dispostos a investir nos seus Concelhos. Dos primeiros já muito rezou a história. Nomeadamente para nos endividar. Quanto aos segundos é uma pena as “estórias” não serem mais conhecidas. Há de tudo. Deliciosas, a maioria. Como, por exemplo, a daquele príncipe da Transilvânia que estaria disposto a investir em fábricas de aviões e que levou à certa meia-dúzia de Presidentes de Câmara.

Percebo o voluntarismo dessa malta. Os eleitores gostam de ver obra. Mas, uma vez por outra, convinha ter juízo. Aceitar, por exemplo, a instalação de um centro internacional de realojamento de animais que, logo à partida, servirá para acolher seis centenas e meia de galgos vindos directamente de Macau, não me parece a mais feliz das ideias. Verdade que essa bicheza corre como o caraças mas, digo eu, podiam ficar lá pela zona. Na China, por exemplo. É que só para os trazer para o Alentejo deve ser preciso um grande monte de massa.

É por estas e por outras que ainda não perdi a esperança de, mais cedo do que tarde, ver surgir num qualquer Município alguém a propor-se construir um centro de acolhimento a visitantes de outros planetas. Ou, até, um pavilhão de negócios intergalácticos. Isso é que era uma ideia do outro mundo.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:12

O direito à queca.

por Kruzes Kanhoto, em 11.01.17

016xxx.JPG

 

Diz que na Alemanha há quem proponha que seja o Estado a providenciar gratuitamente serviços de índole sexual aos mais necessitados. Parece-me bem. Acho uma grande ideia. Não estou a ver é, assim de repente, o conceito de necessitado. Ou com base em que considerandos se pode incluir alguém – ou pior, excluir – no âmbito da necessidade sem tornar a coisa discriminatória. Quiçá inconstitucional, até.

Parece que, a avançar, será por prescrição médica e que a medida se destina a quem não consiga ter sexo de outra forma. O que, convenhamos, é muito relativo. Então se a patroa não estiver para aí virada? Ou, ao contrário, o marido estiver farto do camafeu que lhe calhou em sorte? Terão ambos, digo eu, o mesmo direito que o marreco meio amalucado que não arranja ninguém para dar uma queca. Podem é ter de lhe ceder a prioridade no atendimento, mas isso já é outra história.

 

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:18

O país parou? Não dei por nada…

por Kruzes Kanhoto, em 10.01.17

Captura de ecrã de 2017-01-10 19-37-24.jpg

Para alguns, Portugal é Lisboa e o resto é paisagem. Para os jornalistas da capital nem isso. O país resume-se à sua secretária ou, quando muito, à redacção onde trabalham. Não, Portugal não parou. Nem, sequer, Lisboa permaneceu quieta. Afirmá-lo, talvez ao contrário do que pretende a criatura que publicou o texto, não constitui nenhuma homenagem ao homem que foi hoje a enterrar. É apenas parvo. Coisa própria de ignorantes, diria.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:00

Candidatos de peso

por Kruzes Kanhoto, em 30.12.16

voto.jpg

 

Começam a ser conhecidos os candidatos às ainda relativamente distantes eleições autárquicas. Ou, nalguns casos, os candidatos a candidatos. Daqueles putativos, apenas. Outros, para além de reunirem as duas condições anteriormente enunciadas, são igualmente surpreendentes. Isaltino de Morais, por exemplo. Diz que o homem reunirá apoios que o tornam num sério candidato a reocupar a presidência do município de Oeiras. Por sinal o concelho com maior concentração de licenciados e doutorados do país. Curioso, isso. Nomeadamente quando se insiste tanto que um dos nossos maiores problemas é a baixa escolaridade da população...

Por cá a coisa promete. Ou muito me enganam – não me enganei, queria mesmo escrever isto - ou vamos ter vários candidatos de peso. O que é bom. O resultado também não parece difícil de adivinhar. Embora esta coisa das eleições se assemelhe cada vez mais com o Placard. Neste jogo nem sempre o que tem a “odd” mais baixa é o vencedor e nas contendas eleitorais o favorito nas sondagens às vezes não ganha. E depois há aquilo das influências externas, Assim tipo o Putin a meter o bedelho nas eleições americanas e isso. O que será um factor a ter em conta. Má ou boa. Por mim prefiro as boas. Contas.


Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:08

 

 

presepio1.jpg

 

presepio2.jpg

 

presepio3.jpg

 

presepio4.jpg

 

presepio5.jpg

 

presepio6.jpg

 

Presumo que o presépio que visitei um dia destes numa cidade vizinha tenha causado a ira dos amiguinhos dos animais. Que eles, por estas zonas, são poucos mas, como todos os que abraçam essa causa, chatos como o caraças. Aquilo há lá de tudo o que pode irritar essa malta. Ele é a matança do porco, uma cavalgadura espancada, um crocodilo prestes a ser espetado com uma lança, galinhas enxotadas à base de vassourada, um raposa açoitada ou um rato quase esmagado são algumas das cenas retratadas. Uma representação desnecessária de violência sobre sobre seres dotados de sensibilidade – ou anjos de quatro patas, como lhes chamam os que já estão num estado de putrefação cerebral - dirão uns quantos alarves. Talvez. Mas tem graça. E merece uma visita. Antes que os iluminados desta alegada democracia aprovem uma lei a proibir estas coisas.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:15

A seguir proíbem o quê? O peixe com espinhas?!

por Kruzes Kanhoto, em 27.12.16

bolo_rei.jpg

 

E aquilo do bolo-rei não trazer fava nem brinde?! Outra – mais uma - intromissão grosseira nas nossas liberdade individuais de que já ninguém reclama. Verdade que durante muitos anos, entre o Natal e o dia de reis, não fiz mais nada do que andar em funerais de gente que morreu engasgada por, inadvertidamente, ter engolido o brinde ou voluntariamente ter tragado a fava. Era um regabofe para as agências funerárias. Os gatos-pingados andavam numa lufa-lufa. E os dentes e placas que se escavacavam nesta quadra? Mais que muitos. Tantas que o meu vizinho dentista se despedia da família e só voltava a casa por altura do Carnaval, tal era a trabalheira. Mas, ainda assim, preferia os bolos-rei de outros tempos. Tinham mais piada. E muito mais frutos, também.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:38

Animais, coisas e...coiso!

por Kruzes Kanhoto, em 22.12.16

ransando-com-cachorro_thumb54483.jpg

No âmbito de mais uma iniciativa parva, das muitas em que os deputados se entretêm, os amiguinhos dos animais conseguiram finalmente que os animais deixem ser coisas. Não vejo, assim de repente, a vantagem que daí pode advir. Nem para as pessoas, nem para os animais. Presumo, isso sim, é que num futuro mais ou menos próximo estarão a tentar impedir-me de matar um “ser vivo dotado de sensibilidade” - parece que os bichos agora são isso - com o intuito de o degustar. Não me surpreenderá por aí além que o consigam. A paranoia em relação à bicharada é mais que muita, a subversão de valores ultrapassou toda a razoabilidade e já se perdeu a noção do lugar do animal na sociedade. Quando se considera adequado e normal ter cães e gatos – quando não pior - a partilhar a casa, a cama e a mesa está tudo dito acerca da sanidade mental desta gente. Mas não admira. De uma sociedade controlada por urbano-deprimidos não se pode esperar grande coisa.

 

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:01

thumb_21436.jpg

 

Os portugueses estão cada vez mais tolerantes. Mais moles, como diria essa santa senhora que era a minha avó. Alguns evidenciam até um grau de moleza que é manifestamente preocupante. Estou a lembrar-me, assim de repente porque podia citar muitos mais, o camarada Jerónimo e a Catarina de olhar alucinado. Nenhum deles manifestou com veemência – nem sem ela, que tenha dado conta – a sua indignação por, segundo a bastonária dos enfermeiros, durante dois dias os doentes internados num determinado hospital não terem sido alimentados ou medicados. Nem, sequer, pediram a demissão do ministro da saúde. Ou, pelo menos, o acusaram de ser o coveiro do SNS. Tudo coisas - e muitíssimo mais – que fariam até um ano atrás por problemas muito menos importantes. Deu-lhes a moleza, é o que é. E, bem assim, aos apoiantes da geringonça que, nestas e noutras em que a actual governação é perita, se calam que nem ratos. Ou, então, o seu grau de exigência limita-se a “desde que não estejam lá os outros”. Brilhante.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:27

sacudir_dos_impostos__8byvr_324.jpg

 

Como era de esperar a proposta de Rui Rio, no sentido de criar um novo imposto com a receita consignada ao pagamento dos juros da divida portuguesa, deixou os profissionais da indignação à beira de um ataque de nervos. Nem, diga-se, outra coisa seria de esperar. Por várias razões. Uns não percebem do que está o homem a falar. Embora, como se viu e leu, isso não os impeça de dar uso aos dedos para vilipendiar a ideia. Outros, mesmo não pagando impostos nem sabendo ao certo o que isso é, martelaram furiosamente o teclado só porque sim. Ou, relativamente à proposta, porque não.

Por mim não acho que a sugestão seja grande coisa. Ou, sequer, valha a pena perder tempo e criar burocracia com novos impostos que, parcialmete, substituam os existentes. A intenção seria fazer sentir a cada um de nós – aos poucos que pagam – quanto nos custa a divida. Talvez assim, pensará o aspirante a líder do PSD, percebamos melhor o esforço colectivo que estamos a fazer para pagar os desvarios dos governantes. Mas não. É escusado. Não queremos saber. Nem tão-pouco nos importamos com a forma como eles esturram aquilo que nos custa a ganhar. Veja-se o caso do IMI. A barbaridade de dinheiro que nos sacam é descaradamente esturrada nas nossas barbas sem que ninguém se irrite com isso. Ou, vá, gentilmente peça contas ao gastadores. Pelo contrário. Muitos até gostam de o ver a arder. Sem aspas. Propositadamente.

 

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:50

Cada coisa no seu lugar...

por Kruzes Kanhoto, em 12.12.16

feministas-vati.jpg

 

Há quem goste de dar aos objectos um uso diferente daquele para que foram inventados. Atitude que, reconheça-se, revela em muitas circunstâncias uma elevada capacidade de imaginação. Noutras, há também que reconhecer, é apenas parvoíce. Como, por exemplo, aquilo de introduzir coisas em determinados orifícios. O que pode causar graves transtornos quando os ditos orifícios não reúnem as características minimamente recomendáveis para aconchegar a coisa que se pretende introduzir. Nestes casos o resultado pode ser catastrófico.

Já o uso que estas senhoras, aparentemente encaloradas, estão a dar aos crucifixos constitui para mim um enigma. Assim de repente não estou a apanhar a mensagem que, suponho, pretendem transmitir. Se a ideia é manifestar o seu desprezo por aquilo que o objecto representa, insinuar que o vão enfiar rabo acima é um bocado estúpido. É mais auto-flagelação. O que, digo eu que sou pouco dado à religiosidade, parece mais cena de crentes. Mas, se a ideia é essa, acho que deviam ser radicais à séria. Metiam aquilo ao contrário. Se calhar até nem lhes fazia muita diferença.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:18

Eles que vão...

por Kruzes Kanhoto, em 11.12.16

Parece que os dados oficiais apontam para cerca de duas centenas os refugiados que, depois de trazidos para Portugal, já se puseram a andar. Há, no entanto, quem aponte para outros números. Bem mais elevados, ao que consta. Pese a preocupação de alguns partidos, que até já aborreceram a ministra da tutela por causa disso, ou o transtorno que isso possa provocar às instituições que os acolheram, não há como negar que a ida desta gente para outras paragens constitui uma boa noticia. Eles que vão. Desamparem a loja.

Diz que não gostam dos nossos hábitos. Como, por exemplo, trabalhar por pouco dinheiro e isso. Nomeadamente quando noutros países não precisam de bulir para obter subsídios várias vezes superiores ao que ganhariam aqui a trabalhar oito horas. E, melhor ainda, em grandes cidades onde se podem divertir, chatear os nativos e beneficiar das maravilhas de uma civilização que odeiam. Já por cá, coitados, são colocados nas terriolas três dias para lá do sol-posto. Ou, com sorte, naquelas onde Judas perdeu as botas. O que, convenhamos, desagradaria a qualquer um. Mais ainda a refugiado de guerra. Habituado à bombas, tanto sossego até lhe devia causar stress.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:32

charia.jpg

O que seria impensável estará agora a acontecer em várias cidades da Europa central e do norte. Tudo isto perante a passividade, o silêncio, a cumplicidade e não raras vezes o apoio dos governos, da justiça, da comunicação social e das múltiplas comissões, comités e associações de solidariedade com tudo e mais alguma coisa que envolva migrantes, minorias e multiculturalismo. Afinal, como dizia o outro, quando o dinheiro fala tudo o resto se cala... Depois admiram-se que a extrema-direita obtenha resultados eleitorais que a colocam às portas do poder em inúmeros países europeus ou eleja o Trump presidente nos EUA. Até eu, se visse porcos na minha rua, votava nessa malta.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:22

Vêm aí as obras publicas. Cuidado com a carteira!

por Kruzes Kanhoto, em 08.12.16

Obras.jpg

 

Há já membros do governo a anunciar o regresso para 2018 das obras públicas megalómanas ou, como eles preferem chamar-lhes, grandes projectos de infraestruturas. O grave da coisa não é o anúncio. Nem, tão pouco, a evidente vontade de voltar a esturrar dinheiro naquilo a que gostam de chamar de investimento público. Percebo que o queiram fazer. Afinal é isso que faz circular o guito de uns bolsos para os outros. É isso que faz uns quantos ficarem bastante mais ricos. Nomeadamente os que decidem investir. É sempre assim. Ao contrário de outros investimentos, em matéria de obras públicas o investidor ganha sempre. E os que perdem, invariavelmente, são sempre os mesmos. Os contribuintes. Ainda que com isso poucos se preocupem.

Mas, escrevia, mais alarmante nem é esta intenção. Preocupante é aquela gente não ter percebido nada do que aconteceu ao país nos últimos vinte cinco anos. Nem eles, nem a quantidade de tugas que aplaudem veementemente a ideia. Pior. Eles nem sequer percebem que não podem repetir a maluqueira. Desta vez já não há quem empreste dinheiro. Agora nem o Espírito Santo lhes vale.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:38

original.jpg

 

A propósito do estranho sentimento que sem se saber ao certo porquê se generalizou entre os portugueses, escreveu alguém que as pessoas não têm mais dinheiro na algibeira, acreditam é que têm mais dinheiro na algibeira. Tem, esta afirmação, uma certa piada. Já o sentimento, esse, não tem piada nenhuma. É, apenas e só, uma parvoíce. Mas, já dizia o outro, a economia é feita de expectativas. Ou como garantia a minha avó, essa sábia senhora, em terra de cegos quem tem um olho é rei. E, no caso vertente, quem manda nesta terra de ceguetas tem dois e bem abertos. Podia até acrescentar que tem mais olhos do que barriga mas, olhando para o figurão, não chego tão longe. Ainda assim, reconheça-se, o homem é esperto. Não só nos convenceu que estamos mais ricos – ou menos pobres, para quem vê o copo meio vazio – como conseguiu fazer transbordar de alegria os funcionários públicos por, no próximo ano, lhes pagar o subsidio de Natal por junto. Ainda que, em Janeiro e nos meses seguintes, o recibo do vencimento mostre que recebem um bocado menos. Há, mas isso não constitui novidade, gente que acredita em tudo. Até no Pai Natal. Ou no António Costa, o que é quase a mesma coisa.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:46

perola-comunistafeliz.jpg

Imagem obtida aqui

 

Percebo o embaraço do partido comunista quando confrontado com o apoio claro, inequívoco e empenhado que presta ao governo. É tramado estar de alma e coração com um executivo que gosta da união europeia, aprecia o euro e faz questão de, mesmo concordando pouco com elas, respeitar as regras europeias quanto à disciplina orçamental. Daí que os comunistas se esforcem por garantir o contrário. Tanto que até chega a ser ridículo. Não vale a pena. Não se cansem. A malta compreende o vosso drama. E, descansem, isto de estar de acordo e simultaneamente de opinião contrária em relação às políticas do Costa, não será coisa para colocar em causa a tão enaltecida coerência comunista. Se andar dezenas de anos a chamar “ilha da liberdade” a Cuba não colocou, não vai ser agora isso de fazerem parte da geringonça que manchará a reputação. 

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:42

Já vai tarde...

por Kruzes Kanhoto, em 26.11.16

caricatures-fidel_castro-cuba-lifeguards-swim-fide

 

Deixemos de merdas. Fidel Castro era um ditador. Pode ter sido um líder histórico, carismático e um revolucionário amoroso como hoje a generalidade da comunicação social o pinta. Franco, Salazar, Stalin e outros terão sido, também, isso tudo. Não merecem, vá lá saber-se porquê, é os mesmos encómios que o agora defunto déspota cubano. Uma ditadura é uma ditadura e todos os ditadores são uns filhos da puta. Por mais que a  pandilha do politicamente correcto se esforce por me convencer que umas ditaduras e uns ditadores sejam mais fofinhos que outros.

 

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:53

Da série comecem a despedir-se da geringonça

por Kruzes Kanhoto, em 25.11.16

sondagem.jpg

A acreditar na sondagem hoje divulgada o PS estará à beira da maioria absoluta. Assim de repente não me ocorre nenhuma razão para acreditar no resultado do estudo de opinião. Exemplos recentes de falhanços épicos de estudos análogos -  escuso de os citar de tão frescos que estarão na nossa memória colectiva - levam-me, pelo contrário, a não levar estas previsões a sério. Embora, caso se confirmasse o seu acerto, não constituisse de todo uma má noticia. Excepto, claro, para comunistas e bloquistas. O Partido Socialista com maioria absoluta seria o pior cenário para aquele pagode. Coitados. Divulgar uma noticia destas num dia particularmente triste para a esquerda radical portuguesa é mesmo lixado.   

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:54

A propósito da sexta-feira preta

por Kruzes Kanhoto, em 25.11.16

A minha relação com as lojas é pouco menos que inconciliável. Nomeadamente as de indumentária. Permanecer num desses antros por um período de tempo superior ao estritamente necessário para adquirir aquilo que me obrigou a entrar equivale a tortura.

Cada um é para o que nasce. Já garantia a minha avó, essa sábia senhora. Daí que considere muito respeitável - apesar de incompreensível, para mim - o entusiasmo com que a maioria das gajas se dedicam à actividade de passear em lojas de farpela. Ou, até mesmo, alguns gajos. Jovens, quase todos. Alguns praticamente em êxtase por remexerem nos trapinhos. Deve ser da textura.

 

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:23

Olívia patroa, Olívia costureira...

por Kruzes Kanhoto, em 20.11.16

O nível de coerência de comunistas e bloquistas é algo que não pára de me surpreender. Ou, a bem dizer, nem por isso. Daquela gente espera-se tudo. Até que deputados e destacados dirigentes do partido comunista e do bloco de esquerda declarem o seu entusiástico apoio aos manifestantes que protestam contra o governo que os seus partidos apoiam no parlamento. Devem ter-se inspirado naquela rábula da Olívia patroa, Olívia costureira...

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:46

As saudades que eu já tinha de uma greve!

por Kruzes Kanhoto, em 17.11.16

huelga1.jpg

Diz que amanhã vai haver greve da função pública. Daquelas com manifestação e tudo. Não era sem tempo. Já tinha, confesso, saudades destas coisas. Não sei ao certo o que está, desta vez, em causa. Nem, dada a falta de noticias sobre o assunto, se é mesmo a sério. Deve ser da falta de treino. É que dantes, quando governavam os maus, isto era noticia para ser repetida até conhecermos de cor e salteado todas as reivindicações. Mas, seja o que for que estiver a ser reivindicado, estou completamente de acordo. Presumo que a jornada, apesar dos fantásticos avanços conseguidos e das não menos maravilhosas medidas já tomadas por este espectacular governo de esquerda que entende os justos anseios dos trabalhadores, vise reivindicar qualquer coisa em prol da generalidade dos trabalhadores do Estado. Uma só que seja. É que para mim está exactamente igual ao que estava antes. Reitero, exactamente. Por mais que o sindicalista gordo e comuna que de vez em quando ciranda cá pela terra, enalteça os feitos da geringonça e se esforce ingloriamente por demonstrar o contrário.

 

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:02

Imigrantes, borlistas e caloteiros

por Kruzes Kanhoto, em 16.11.16

Apesar de nenhuma organização de apoio a imigrantes, refugiados ou outros desgraçados ter vindo a público defender o homem, parece que afinal o “Rei do Kebab” - aquele imigrante curdo que desbaratou um bando de meliantes que pretendiam assaltar o seu restaurante - vai, ao contrário que se chegou a temer, poder regressar a Portugal. A autorização de residência, ao que consta, será coisa para demorar poucos dias a ser concedida e, após isso acontecer, o senhor poderá voltar. Ainda bem. São, sem dúvida, boas noticias. É de pessoas assim que o país precisa, que isto de bananas há cá muitos.

Em sentido contrário foram, ao que dá conta alguma imprensa, cento e quarenta refugiados. Daqueles que o governo, organizações de caridade – solidariedade, em linguagem modernaça – ou outros patetas quaisquer insistiram em trazer para Portugal. Igualmente boas noticias. Eles que vão. E, principalmente, não voltem.

Outra boa noticia é aquilo do detector de borlistas que a Carris pretende instalar nos seus autocarros. Grande ideia. Mas que, duvido, passe disso mesmo. De ideia. Deve ser ilegal. Violar a privacidade, ou isso. Mesmo que daí não resultasse nada de mais, toda a gente ficava a saber quem viajava à borla. Ná, não pode ser. Logo agora que o governo até quer acabar com aquela cena do cobrador do fraque…

Por falar em caloteiros. São cada vez mais os alegados famosos a quem é “descoberta a careca”. Famosos, enfim, é como quem diz. Vagamente conhecidos, vá. Figurinhas sem importância, a maior parte deles. Gente que vive à custa de esquemas manhosos e que, quase sempre, não tem onde cair morta. Mas, como quase todos os desta laia, quem os ouve falar ou vê cuspir não os leva presos. E isso, de não irem presos, é que é pena...

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:43

Censurar a censura

por Kruzes Kanhoto, em 13.11.16

a40f6c869a603ac4070442f13f738dac.jpg

 

Parece que a culpa – desde a eleição do Trump à generalizada ascensão da direita na Europa – é das redes sociais. É o que dá qualquer um desatar a comentar noticias, publicar opiniões e escrever disparates diversos no Facebook, nos blogues, no Twitter, no Instagram e onde mais lhe aprouver. Coisa que, como sempre aconteceu, apenas devia estar reservada aos jornalistas e comentadores devidamente encartados. Eles é que sabem opinar sensatamente. Eles é que sabem o que é bom para povos, os países e o progresso civilizacional.

A discussão acerca do tema ainda mal começou mas, a julgar por aquilo que nos últimos dias se tem dito e escrito, não tardará a generalizar-se. A censura vem aí. Em nome da liberdade, dizem eles. Por enquanto têm-se limitado a controlar a informação. Filtram as noticias. Esforçam-se por moldar a opinião das massas à sua visão do mundo. Boicotam quem diverge. Escondem aquilo que não lhes convém que as pessoas saibam. Manipulam-nos, em suma. A chatice é que o mundo mudou. E o conhecimento que temos dele, também. Isso do “sol na terra” e dos “amanhãs que cantam” passou à história e não volta mais. Habituem-se!

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:21

É a democracia, estúpido...

por Kruzes Kanhoto, em 09.11.16

pensa-igual-a-mim-genio-diverge-estupido-que-democ

 

E pronto, ganhou o Trump. Uma chatice. Nomeadamente para jornaleiros, comentadores, gente das artes e intelectuais diversos que se acham dotados de uma inteligência superior ao comum dos mortais. Tudo culpa dos matarruanos rurais, velhos, analfabetos e extremistas vários que, pasme-se tamanho desplante, insistem em ter opinião e, pior, traduzi-la em voto. Coisa que, como parece cada vez mais óbvia, devia estar reservada somente a jovens, urbanos e licenciados. Uma maçada, isto da democracia.

Se não fossem tão arrogantes talvez percebessem a mensagem e aprendessem a lição. Mas não acredito que alguma vez a aprendam. Não querem entender que a maioria dos povos não aceitam esta coisa do politicamente correcto que está a destruir as sociedades ocidentais. Marine Le Pen ganhará as eleições em França. As próximas ou as seguintes. O mesmo acontecerá na maioria dos países europeus. A culpa, essa, nas cabecinhas intelectualoides dos que hoje lamentam a eleição do “Trampas”, nunca será deles nem das políticas que apoiam. Será sempre dos outros. Dos parvos, como eles gostam de considerar quem não pensa como eles.

Por mim, o vencedor das eleições americanas não podia ser mais indiferente. Cada povo escolhe quem quer para o governar. Mas, confesso, não consigo esconder um sorriso perante tamanha azia que insuspeitos democratas - daqueles que só o partido deles é que é bom – hoje têm exibido. Até parecem os comentadores desportivos dos canais televisivos quando o Benfica ganha...

 

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:26



Mais sobre mim

foto do autor






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D