Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

O cone

por Kruzes Kanhoto, em 16.12.17

IMG_20171208_175404.jpg

 

Se eu fosse um gajo com queda para a dissertação desatava para aqui a tecer considerandos acerca da época natalícia. Mas não tenho esses dotes. Nem, a bem dizer, dissertar seja coisa que me apeteça por aí além. Fico-me pelo cone. Que, sem se saber ao certo como nem porquê, se tornou no mais recente símbolo de Natal. Deve ser para não ofender os amigos dos pinheiros, ou isso. Mas, seja lá qual for o motivo, agora todas as terras têm um. Nós, por cá, também. E está janota, o sacana do cone.

Compartilhar no WhatsApp

Justiça à moda da esquerda. Torta, portanto.

por Kruzes Kanhoto, em 15.12.17

Gosto dessa coisa da justiça social, ou lá o que é, que o fantástico governo das esquerdalhas associadas tratou de restabelecer depois daqueles maléficos governantes que os antecederam terem espalhado injustiças, miséria e sei lá que mais.

Gosto tanto que não posso deixar de me congratular com o anuncio de mais uma medida que visa repor um pouco de justiça na sociedade portuguesa. O aumento das reformas. É justo. Não podia estar mais de acordo. Assim como já estava em concordância com o bando quanto à decisão de aumentar o salário mínimo. Aliás só uma besta é não se regozijaria por os reformados – os que ganham mil e quinhentos euros, por exemplo – terem um aumento de vinte euros. Também só um idiota chapado não exultaria com o crescimento do SMN em vinte e três euros.

Ainda assim nada que se compare com o júbilo que sinto por, o mesmo bando, ter decidido que os funcionários públicos - misteriosamente são os seus principais lambe botas – que auferem, digamos, setecentos ou oitocentos euros não vão ter um cêntimo a mais no seu ordenado. Pelo sétimo ano consecutivo. A mim parece-me socialmente justo. É bem feito. Tanto que, se isto continua assim, ainda voto neles. Deixo é um apelo aos meus leitores. Nesse dia internem-me.

Compartilhar no WhatsApp

A culpa é do Passos, pá!

por Kruzes Kanhoto, em 13.12.17

Parece que aquela cena da Raríssimas já tem um culpado. Ou responsável, vá. E não, não é o actual ministro da Segurança Social que, para além de tutelar a instituição, até foi vice-presidente da assembleia geral daquela coisa, onde, pelos vistos, fazia como a Cristas enquanto ministra.

Desengane-se, também, quem esteja com ideias de culpabilizar os restantes membros de todos os outros corpos sociais da associação. Não viram nada, não sabiam de nada e coisa nenhuma lhes levantou suspeita. Livrem-se, igualmente, de suspeitar que os serviços públicos competentes – é, obviamente, uma força de expressão – possam ter no caso, ainda que ao de leve, alguma responsabilidade no assunto. Não tiveram. Nunca têm.

A culpa, como ando desde ontem a ler e a ouvir, foi do Passos Coelho. Nem podia ser de outro. E não vale a pena perguntar porquê. Os acusadores disparam, de rajada e à queima-roupa, um infindável rol de motivos que, todos juntos, me deixam convencido da sua razão. Desde aquilo de ter reduzido o Estado ao mínimo indispensável, à promoção da caridade, ao retirar o apoio que o Estado devia dar a tudo e mais alguma coisa para passar essa função para os privados, até apenas porque sim e porque Passos é Passos, tudo tem servido para culpar o ex-governante pelas alegadas tramóias que agora vieram a público.

Nada disto é surpreendente. A culpa, seja do que for, nunca pode ser de ninguém de esquerda. Nem, sequer, a solução que a canhota apresenta para que casos destes não se repitam causa grande espanto. Ponha-se o Estado a prestar todos esses serviços de assistência social, defendem. Assim estilo ex-União Soviética e outros paraísos felizmente extintos.

Compartilhar no WhatsApp

Piripiri na patareca

por Kruzes Kanhoto, em 11.12.17

 

Depois do rasgar de vestes a que assistimos na sequência daquele acórdão manhoso - que metia citações da bíblia e alarvidades diversas - relativamente a um caso de adultério, estou curioso quanto ao que se vai seguir quando for conhecida a sentença de um crime de carácter passional que está a ser julgado por estes dias. É o caso de uma senhora que, chateada com a traição do companheiro, entendeu vingar-se despejando piripiri na patareca da rival. Entre outras patifarias, ao que consta.

Admito que, para os anteriores indignados e nomeadamente para as militantes feministas, não se trate de um assunto fácil. Reconhecer a perversidade desta criatura quando descobriu o alegado encornanço e a violência da agressão cometida sobre a “outra”, era coisa que só ficaria bem a todos os que andaram por aí a largar postas de pescada acerca do machismo de que, afiançam, ainda padece a sociedade portuguesa. Mesmo que na sentença deste caso não conste nenhum provérbio.

Compartilhar no WhatsApp

Chapéus há muitos…

por Kruzes Kanhoto, em 10.12.17

Apesar da má conta em que tenho os jornalistas e o jornalismo de uma maneira geral, era gajo para tirar o meu chapéu – se usasse - à reportagem exibida pela TVI a propósito de umas quantas manhosices alegadamente praticadas pela presidenta de uma associação de solidariedade. Ainda que nada daquilo me soe a novidade. Com as devidas proporções, dependendo sempre da escala de cada associação, presumo – mais por precaução do que por ausência de certezas – que situações como a descrita, ou outras de uso em actividades de utilidade duvidosa dos dinheiros públicos que são atribuídos a associações, sejam comuns por esse país fora. Mesmo que os valores envolvidos ou a natureza das manigâncias alegadamente praticadas possam ser – caso ocorram – bastante diversos.

Desconfio que não será difícil encontrar associações onde a direcção pode reunir no quarto e a assembleia geral na sala de jantar. Nem se revestirá de grande dificuldade deparar com entidades associativas que só existem para justificar o emprego – ou negócio – dos seus “dirigentes”. Nada disso teria mal se não estivesse envolvido dinheiro público. Seja sob a forma de subsidio ou, eventualmente, fuga ao fisco.

E depois há aquelas que já nem se dão ao incomodo de disfarçar. São as que não se importam nada de justificar que gastaram o dinheiro dos contribuintes em festas e comezainas. Mas, confesso, as minhas preferidas são as que nem se envergonham de pedir – em modo de exigência, quase – apoio público para festas privadas. Assim tipo almoços ou jantares comemorativos de coisas.

Em todas as circunstâncias não é apenas a má consciência cívica dos “dirigentes associativos” que está em causa. Pior, muito pior, é acção dos detentores de cargos públicos que lhes “dão” o guito. O nosso guito, convém relembrar.

Compartilhar no WhatsApp

Outro a prever a vinda do Diabo...

por Kruzes Kanhoto, em 08.12.17

Captura de ecrã de 2017-12-08 15-23-17.jpg

 

Bom, se é o camarada Louçã a dizer, então, deve ser verdade. A menos que, de agora em diante, perca todas as qualidades que têm feito dele uma voz de referência para a esquerda e passe a ser considerado mais um “passista” qualquer. Daqueles que apenas desejam que os portugueses vivam na miséria.

Não é preciso ser “dótor”, ter uma inteligência por aí além ou possuir dotes adivinhatórios para concluir que, por este caminho, a coisa vai voltar a dar para o torto. E a culpa, lamento contrariar a generalidade das opiniões, não é maioritariamente dos políticos. É nossa. Dos portugueses. Daqueles que exigem que todos os dias sejam de festa e que haja festa todos os dias. À conta do Estado. Admito que tristezas não paguem dividas. Mas estas, as dividas, rapidamente tratam de nos tirar a alegria. Já devíamos saber isso.

Compartilhar no WhatsApp

Bonecos de Estremoz

por Kruzes Kanhoto, em 07.12.17

matancaporco.jpeg

 

O reconhecimento pela Unesco dos bonecos de Estremoz como património imaterial da humanidade será para a cidade, presumo, um dos acontecimentos mais marcantes de sempre. Constitui também, como muito bem salientaram os responsáveis pela iniciativa, uma responsabilidade acrescida para quem os cria e para quem os promove. Até porque, de ora em diante, muito mais gente vai estar de olho neles. Nos bonecos. E, quase aposto, não vão faltar as criticas. Nomeadamente daqueles que não entendem o contexto em que esta arte surgiu e se desenvolveu.

A cena da "matança do porco", por exemplo, calculo que deve incomodar os amiguinhos dos animais. Ou a inexistência - acho eu - de bonecos que representem ciganos, homossexuais, muçulmanos, coxos, marrecos e anões. Coisa que, provavelmente, não deixará de suscitar a indignação da policia do politicamente correcto por, à luz dos modernaços conceitos agora tão em voga, não promover a inclusão desses segmentos populacionais. O que, a acontecer e para além da risota que nos vai proporcionar, até poderá ajudar. Como oportunidade de negócio.

 

 

Compartilhar no WhatsApp

Muda-se mais depressa uma embaixada do que um instituto

por Kruzes Kanhoto, em 06.12.17

Não consigo descortinar motivos para a ênfase com que hoje as televisões noticiaram aquela cena da mudança das instalações da embaixada americana em Israel para a cidade de Jerusalém. Nem, ainda menos, o fervor com que o assunto tem vindo a ser discutido por cá. Nas redes sociais, nomeadamente. E – mas isso já nem estranho – com a maioria dos comentadores a tomarem as dores dos palestinianos e da mourama em geral. Como se nós, portugueses, tivéssemos alguma coisa a ver com isso ou partilhássemos com os árabes algo de relevante. Eles têm outros valores culturais, religiosos e políticos que nada, mas rigorosamente nada, têm a ver com os nossos. Em qualquer desses aspectos os israelitas estão muito mais, mas mesmo muito mais, perto de nós e do nosso modelo de sociedade. Mas, reitero, não me surpreende esta nossa posição. Somos assim. Por norma medimos o nosso sucesso pelo infortúnio do vizinho. O gajo que, mesmo sendo como nós, gostamos sempre de ver lixado por outro filho da puta qualquer. A quem, só por isso, admiramos.

Diz que houve por aí uma conversa - uma trapalhada, como se dizia noutros tempos - acerca da mudança da sede de um instituto público. Também de uma cidade para outra. Cá, em Portugal. Coisa pouco importante, pelos vistos. 

Compartilhar no WhatsApp

Tirem as patas da minha reforma, patifes!

por Kruzes Kanhoto, em 01.12.17

Pareceu-me ler, na capa de um jornal, que o governo voltou a cortar nas reformas. Naquelas que dizem ser antecipadas. Deve ser mais uma pantominice dos jornalistas a soldo da direita bafienta. Um governo da esquerda com um refrescante odor a pinho, jamais atacaria dessa maneira os direitos dos trabalhadores e do povo. Pelo contrário. Tem até, como todos sabemos, reposto os direitos roubados pelos maléficos governantes troikistas que o antecedeu. Ou, então, devo ter lido mal. O mais certo é não ter razão para me preocupar. Os meus trinta e sete anos de desconto devem garantirar-me os mesmos direitos que os meus colegas, já reformados, que se aposentaram mais novos do que eu sou hoje e a quem o governo já repôs cortes e prometeu aumentos. Até já me arrependi de ter pensado que são os cortes na minha reforma que garantem a deles. Um governo de esquerda com um saudável aroma a alfazema - ou será a outra erva? - ia lá fazer uma discriminação dessas!

Compartilhar no WhatsApp

E do politicamente correcto, quem nos protege?!

por Kruzes Kanhoto, em 28.11.17

Parece que em algumas cidades, nas zonas onde se aguarda uma elevada concentração de pessoas por ocasião da quadra natalícia, estarão a ser colocadas protecções contra os automóveis assassinos. Pois, isso mesmo. Automóveis assassinos.

Talvez por não ser um grande conhecedor do mundo motorizado, desconhecia em absoluto a existência de veículos com vontade própria. E logo com vontade de matar, os patifes. Boa ideia essa de colocar as tais protecções. Nada como estar atento e trocar as voltas a essas máquinas diabólicas que nos querem limpar o sebo.

Ainda não consegui confirmar se estarão igualmente a ser tomadas algumas medidas contra aquelas facas com a mania de perfurar pessoas. Diz que existem muitas com essa tendência. Também já ouvi falar de alguns machados, quiçá motivados pelo aborrecimento derivado do pouco uso nas funções para que foram fabricados, que se resolveram atirar contra quem lhes apareceu à frente. Espero que, nisso da proteção natalícia, não fiquem esquecidos. Esses e outros objectos que, de repente, nos passaram a odiar. Façamos votos para que as tais protecções não se juntem ao clube e não fiquem, também elas, com vontade de nos matar.

Compartilhar no WhatsApp

"Adevidam-se", porra!

por Kruzes Kanhoto, em 24.11.17

São um pouco mais de treze mil as almas que habitam no território que constitui este Município. A maioria das quais, seja por reforma ou outro motivo qualquer, não trabalham. Para aí uns dois terços, diria, têm todo o dia livre para fazer aquilo que muito bem lhes apetece e, como dizia a minha avó, ainda lhes sobra tempo para mais. Não precisavam, por exemplo, de ir ao supermercado à hora de almoço. Nem registar o placard, totobola, euromilhões, totoloto, comprar raspadinhas e confirmar se todas essas apostas do dia anterior estão ou não premiadas quando podiam fazer tudo isso a outras horas do dia. Ou, indo, podiam ser simpáticos e dar a vez aos que têm de bulir. Vá lá que, justiça lhes seja feita, ainda não vi a essa hora nenhum velhote, cigano ou desocupado exigir aquela coisa da prioridade na fila do atendimento. Sinal que têm mais juízo do que os desmiolados que aprovaram a lei. O que, diga-se, não é difícil.

Compartilhar no WhatsApp

Avante camaradas com isso do imposto das batatas fritas!

por Kruzes Kanhoto, em 22.11.17

Vamos em breve ficar a saber se o imposto das batatas fritas, do sal ou lá do que é, vai ou não avante. Isso, diz, depende da vontade dos camaradas. Que, ao que parece, não estarão pelos ajustes. Sabe-se que, nessa coisa da relação entre o Estado e o cidadão, os comunistas consideram que cada um deve contribuir consoante as suas possibilidades e receber de acordo com as suas necessidades. Daí que, de verdade, não esteja a perceber a posição dos camaradas. Acharão eles que a batata frita é um bem essencial na alimentação dos trabalhadores e do povo?  

Por mim, acho bem este imposto. Desta vez estou de acordo com os radicais que assaltaram o PS e com a gaiatagem doida varrida do Bloco.  Só lamento é que o valor da colecta não sirva para continuar a reverter o enorme aumento de impostos do tempo do outro. Mas percebo que não sirva. Alguém tem de pagar aquilo dos professores.  

Compartilhar no WhatsApp

E do Pai Natal, ninguém reclama?!

por Kruzes Kanhoto, em 19.11.17

Agora que está quase a chegar mais uma quadra natalícia, é com manifesta expectativa e uma mal disfarçada ansiedade que aguardo pela nova causa fraturante do Bloco de esquerda e de outras forças minoritárias na sociedade mas amplamente dominantes no âmbito do mediatismo. Já me tarda uma campanha contra o Pai Natal. Não espero – e daí não digo nada - que desatem à porrada aos desempregados gordos com vestimenta vermelha e longa barba branca que, por estes dias, vão andar um pouco por todo o lado. Mas, tirando a parte da pancadaria, começo a achar estranha a ausência de uma campanha dirigida às criancinhas a esclarece-las que o Pai Natal não existe e que o anafado de vermelho é apenas mais um símbolo da sociedade capitalista, opressora e estereotipada de que urge libertá-las. Nem sei porque esperam, essas inteligências de perú. E por falar em perú, que tal outra campanha para salvar os perús deste planeta? É pá, vá lá, não me desiludam...

Compartilhar no WhatsApp

A igreja e os homossexuais

por Kruzes Kanhoto, em 17.11.17

Mesmo não sendo devoto de nenhuma causa religiosa – a minha religião é o Benfica, e isso me envaidece – tenho a vaga sensação de, em algum lado, ter lido ou ouvido que a igreja católica estaria a atravessar uma grave crise de vocações. Tanto assim seria que, ao que até agora era a minha crença, os candidatos a percorrer os caminhos da fé e a dedicarem a vida a Cristo seriam em número quase insignificante. Ou seja, ninguém queria ir para padre.

Parece que, também nisto, não podia estar mais enganado. Afinal existirá uma legião imensa de gente que aquilo porque mais anseia é vestir a sotaina. Bastou um clérigo qualquer afirmar que os homossexuais não reúnem as condições necessárias para o acesso à profissão – de fé, no caso – e que, portanto, não serão admitidos no sacerdócio para, quase de imediato, serem mais do que muitos os que, de repente, descobriram a vocação. Isto, claro, a julgar pelas reacções exacerbadas que as palavras do senhor – o vigário, não o Outro – motivaram entre, quero acreditar, os putativos candidatos a seminaristas. Ou, então, são apenas os cães raivosos do politicamente correcto a mostrarem os dentes quando alguém lhes “vai ao cú”.

Mas, a bem dizer, a posição da igreja quanto a esta temática não se me afigura muito católica. Podiam, digo eu, aceitar os homossexuais. Pelo menos os não praticantes.

 

Compartilhar no WhatsApp

E uma baixazinha no IRS?

por Kruzes Kanhoto, em 16.11.17

Segundo as contas do governo – ainda não desmentidas, ao que julgo saber – o descongelamento dos escalões dos professores custaria seiscentos e cinquenta milhões de euros. Coisa que, pelos vistos, pouco ou nada importa aos sindicatos. Mas – e não é por uma questão de inveja ou falta de respeito pela profissão – importa-me a mim. E muito. É que esta maçaroca toda representa um pouco mais de meio por cento do total do IRS que o governo prevê arrecadar em 2018.

A menos que me esteja a escapar alguma coisa deve existir uma qualquer espécie de discriminação nisso do descongelamento. Para os professores, ao que declararam alguns docentes às televisões, estarão em causa umas centenas de euros por mês. Mas, para a generalidade das carreiras da função pública, o tal descongelamento não dá mais do que umas três dezenas de euros mensais a cada funcionário. Logo, não me parece que a classe docente tenha assim tanta razão de queixa. Ou se há é apenas por estarem com dificuldade em recuperar parte dos privilégios perdidos.

Compartilhar no WhatsApp

Blogs do ano

por Kruzes Kanhoto, em 15.11.17

A sério que o blog do ano, na área do entretenimento, é uma coisa chamada “Bumba na fofinha”?!

E o “Poupadinhos e com vales” - graças ao qual ficaria elucidado acerca das diferenças entre a Bimby nova e a velha Bimby, se me desse ao incomodo de ler o post sobre o tema – foi o vencedor na categoria “negócios e empreendimento”?! De verdade, ou isso é só a reinar?!

Diz também que o “Emprego pelo Mundo” ganhou na categoria “Política e Economia”. Deve ser por não ter tido actualizações nos últimos seis meses…

Claro que nada disto tem importância. Nem, obviamente, serve para coisa alguma. A não ser para evidenciar a indigência mental que vai reinando por aí...

Compartilhar no WhatsApp

Uma questão de anatomia

por Kruzes Kanhoto, em 13.11.17

Dizer que um dia destes não se pode manifestar uma opinião divergente do modelo de pensamento único que está a ser imposto à sociedade, não constitui nenhuma espécie de premonição. É, apenas, constatar o óbvio. E, em algumas circunstâncias, nem é necessário expressar opinião nenhuma. Basta distraidamente dizer qualquer coisa que ofenda os policias do politicamente correcto que, quais pides dos tempos modernos, se encontram ao virar da esquina. Ou da tecla, que agora é mais moderno.

Uma das muitas vitimas destas bestas foi, ao que é noticiado, um professor inglês que – por uma confusão qualquer – chamou menina a uma gaiata que tem a mania que é um gajo. “Aquilo simplesmente saiu-me”, ter-se-á desculpado o docente que – veja-se lá a ignorância do homem – acredita que o sexo de cada um é definido quando se nasce. As pessoas acreditam em cada coisa…

Mas, crenças à parte, o professor está metido em sarilhos. A pirralha levou aquilo a peito, fez queixinha e agora o mais certo é ser despedido. Por mim a coisa resolvia-se muito facilmente. Homem tem próstata. Portanto alguém que enfie o dedo no cú da catraia e ficam as dúvidas esclarecidas quanto ao que ela é ou não. O resto são ideias de merda.

Compartilhar no WhatsApp

O Estado serve, ao certo, para quê?!

por Kruzes Kanhoto, em 12.11.17

Que um policia seja malhado por um meliante não me parece nada de por aí além. É um dos riscos, talvez o principal, que consigo associar à profissão. Inquietante é a ausência de reacção à agressão. Quer o agente agredido quer o colega teriam, como todos os agentes da autoridade, uma arma à cintura. E, ambos, optaram por não a utilizar. Em cumprimento, presumo, de alguma lei ou regulamento que determina o protocolo a seguir numa daquelas situações. Ou, mais inquietante ainda, por receio do que viria a seguir se, por sorte, limpassem o sebo ao agressor. Ora é precisamente aqui que a coisa se torna extremamente preocupante. Se os policias agiram assim quando em causa estava o seu próprio coiro, nem quero imaginar o que fariam se fosse o meu.

Perante situações deste género, a pergunta “para que serve o Estado?” é cada vez mais pertinente. Se abandona o território, deixa as populações à sua sorte e não garante a segurança dos cidadãos não parece que sirva para grande coisa. Excepto, talvez, para aquilo de recolher impostos com vista a satisfazer pensionistas e sindicatos.

Compartilhar no WhatsApp

Constatações

por Kruzes Kanhoto, em 10.11.17

Segundo as poucas fontes que demonstram a coragem suficiente para escrever acerca do assunto, serão bastantes os alegados refugiados que aportam aos países ricos do norte da Europa – os únicos onde lhes interessa refugiar, diga-se – acolhidos ou adoptados por mulheres solteiras, viúvas ou divorciadas. A maioria delas, segundo os mesmos relatos, já com alguma idade. Será, por certo, por uma questão de disponibilidade. Ou – e isso não tem nada de mal – para receberem da segurança social local um subsidio que as compense por tão piedoso acto. Mesmo que a quase totalidade desses acolhidos sejam do sexo masculino, como dizem ser o caso, continuo a não descortinar nisso nada de reprovável.

Também em Portugal, nos trabalhos jornalísticos onde o tema é abordado, a maioria dos intervenientes na tentativas de importar alegados refugiados são mulheres. Tal como na estranja com uma idade ligeiramente avançada. E também, certamente por disponibilidade para a fotografia, a maior parte dos alegados refugiados são homens. Não vou estar para aqui a tirar conclusões. Estou apenas a constatar. Até porque, fosse o que fosse que concluísse, era coisa que importava tanto como a chuva que tem caído no Alentejo por estes dias. Mas lá que constato, constato...

Compartilhar no WhatsApp

A perua como forma de reconhecimento

por Kruzes Kanhoto, em 07.11.17

Ainda sou do tempo em que, para cair nas boas graças de alguém ou como forma de reconhecimento, as pessoas ofereciam géneros de diversa ordem a quem lhes tinham feito alguma espécie de favor ou àqueles de quem esperavam obter algum tipo de favorecimento. Fosse a um médico, político, professor ou, até, um amanuense qualquer.

Como foi o caso, já lá devem ir uns bons trinta anos, de umas quantas senhoras que, gratas por o presidente da Câmara lhes ter arranjado emprego, decidiram ofertar uma perua ao filantropo autarca de então. O pior é que o bicho, pouco disposto a ser o actor principal da cerimónia de agradecimento, resolveu fugir. Claro que as tentativas de captura da ave transformaram a pacatez da praça principal da cidade num pandemónio e divertiram quem assistia ao espalhafato.

Para além da risota que provocou, a fuga da perua teve a inequívoca vantagem de tornar a oferenda do domínio público. Foi assim a modos que um acto de “transparência” involuntária. Embora isso, para a época, nem fosse necessário dada a naturalidade com que estas coisas eram aceites. Hoje não será assim. O que, de certa forma, é uma pena. Porque as “prendas” foram substituídas pela subserviência e isso é, manifestamente, pior. Muito pior.

Compartilhar no WhatsApp