Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

É o que dá terem esgotado as causas fracturantes...

por Kruzes Kanhoto, em 23.08.17

Há duas espécies de opinião. A pública e a publicada. A segunda parece um hospício. Daqueles do piorio. Estão lá reunidos os mais malucos de entre os destrambelhados. São uma minoria a quem, fora do circulo restrito das redes sociais e do governo, ninguém liga. Mas, infelizmente para todos, são esses loucos que ditam a agenda política, que têm o poder de ir alterando a legislação, de impôr novos costumes, determinando novas regras e, em suma, ir destruindo o modo de vida que nos trouxe até aqui.

Quanto à primeira, a opinião pública, por enquanto vai-se rindo e gozando com a segunda. Tem-se, até agora, limitado a chamar nomes – cada um melhor do que o outro, diga-se – aos doentes mentais que estão a escavacar as bases da nossa sociedade. Sou adepto do escárnio e da zombaria aplicada a essa malta e tenho por eles um profundo desprezo. Sentimento que, não duvido, é comum à imensa maioria dos portugueses, dos europeus e dos ocidentais. Mas, receio, já não chega. Eles não se importam de serem gozados. Há que, em relação a essa gente, passar a outro patamar. Seja ele qual for.

A ironia da coisa é que isto a médio prazo resolve-se. Umas, poucas, dezenas de anos. Quando muito. O processo de islamização tratará de acalmar todas essas minorias modernaças que por aí andam e de lhes explicar, entre muitas outras coisas, as diferenças entre meninos e meninas. E a história recente diz-nos que não será com bons modos.

 

Compartilhar no WhatsApp

E se os levassem para casa?

por Kruzes Kanhoto, em 16.07.15

ng4450282.JPG

(Imagem JN online)

 

Sabe-se do desprezo que os defensores de certas causas manifestam pelos interesses das populações. Temos, por estes dias, assistido a isso mesmo aqui na terrinha. Mas o mal é geral. Hoje foi a vez dos defensores dos animais levarem dezenas de cães para a porta de uma câmara municipal onde, ao que é relatado, os amarraram. Foi a forma de protesto que lhes pareceu mais adequada por o executivo lá do sitio ter recuado na intenção de autorizar a construção de um canil. Parece que os moradores da zona onde o mesmo ia ser construído não gostaram da ideia. Coisa de difícil entendimento para os amiguinhos da bicharada que, suponho, deverão morar longe.

Procedeu bem a autarquia ao levar em consideração as preocupações dos seus munícipes. Uma minoria de activistas – seja lá do que for - não pode impor a sua vontade à generalidade da população. Isso é o que tem acontecido a nível nacional e os resultados estão à vista com a tragédia social a que estamos a assistir. A todos os níveis. Não apenas nisso da crise.

Compartilhar no WhatsApp