Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Ainda sou livre de discordar?!

por Kruzes Kanhoto, em 03.03.17

ScreenHunter_5470-Jan.-18-09.21.jpg

 

De repente toda a gente começou a discutir política. Bom, discutir é uma maneira de dizer. Insultar quem não comunga dos mesmos pontos de vista é muito mais apropriado ao que, por estes dias, vamos assistindo em todos os espaços onde cada um pode partilhar a sua opinião. Ou, supostamente, devia poder sem que, em consequência da exposição pública do seu pensamento, se visse insultado por gente que se diz tolerante, garante ser acérrima defensora de todas as formas de liberdade e, mas isso sou eu a concluir, quase capaz de dar a vida por todos esses nobres ideais.

Esta intolerância perante a opinião do outro constituiu algo de muito perigoso. Começa por afastar da discussão quem tem opiniões diferentes das maioritariamente publicadas, promove a constituição de maiorias silenciosas e acaba por, nas urnas de voto, ter os resultados que se conhecem. Depois admirem-se.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:06

Velhinha terrorista

por Kruzes Kanhoto, em 20.02.17

terrorismo.jpg

 

Concordo que o mundo é um lugar perigoso. Muita gente começou a reparar nisso há coisa de um ou dois meses. Ainda que pelos motivos errados, pois a ameaça vem de outro lado. Reconheço que a liberdade está ameaçada e que, um destes dias, aquilo que consideramos como adquirido, nomeadamente em matéria de direitos, poderá não ser algo tão garantido como supúnhamos.  

Esse dia já chegou para muitos. Aqui, na Europa dita democrática. Que o diga uma senhora inglesa, de setenta e oito anos, que foi detida pela policia local depois de ter escrito no seu blogue pessoal que o país está a ser invadido por uma "maré de guerreiros islâmicos". Apesar de libertada pouco depois, ficou sem o telemóvel e o computador pessoal - confiscados pelas autoridades policiais -  e, provavelmente, enfrentará a acusação de promover o ódio racial.  

E é a isto que, cada vez mais, iremos assistir. A criminalização da liberdade de expressão. Algo particularmente sinistro que julgávamos completamente erradicado da sociedade ocidental. Parece que, afinal, os europeus não têm o direito a expressar, no seu próprio país e em público, opiniões contrárias à ditadura do pensamento único estabelecida pelos imbecilóides do politicamente correcto. Depois admiram-se que Trumps, LePens e outros figurões ganhem eleições ou estejam cada vez mais perto disso... 

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:11

Ainda bem que temos um governo que se preocupa com coisas importantes. Assim tipo criar novos conceitos. Daqueles que importam às pessoas em particular e aos militantes do politicamente correcto em geral. Tipo a multidiscriminação - alguém que é discriminado por ser gordo e maricas - e a discriminação por associação, que acontece, por exemplo, se um velhote que se desloca com duas jovens brasileiras a um serviço público é mal atendido por estar com elas.  

Mas há mais. Discriminações que se baseiam na ascendência ou no território de origem, ou seja, que digam respeito a afrodescendentes, passarão também a merecer uma especial atenção. Aqui não são dados exemplos mas, presumo, passará a estar incluído aquele dichote de mandar para a terra dele um negro que tenha nascido na Amadora. Ou, digo eu, contar anedotas e piadolas visando ridicularizar os protagonistas em função do local de onde são oriundos. Mas, quanto a esta última parte, apenas se envolver coxos ou marrecos, certamente. 

Por fim algo que se afigura potencialmente perigoso e que terá sido sugerido por um comité qualquer da ONU. O suposto agressor é que deve provar que não cometeu aquilo de que é acusado. Num país onde quem mata uma pessoa, ainda que perante várias testemunhas, é considerado inocente até a sentença transitar em julgado, parece-me ser qualquer coisa para nos deixar preocupados. Pelo menos àqueles que gostam da democracia. 

Voltarei, obviamente, ao assunto. 

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:09

A liberdade de expressão, como dizia o outro acerca do fair-play no futebol, é uma treta. Compreendo, por isso, as extremas cautelas dos jornalistas quando noticiam casos como os que envolveram os bombeiros de Campo Maior. Os intelectualoides impuseram as suas ideias, a sua visão do mundo e quem divergir do pensamento único vigente sofre as consequências. Tal como numa ditadura. Mas, como quase sempre, a emenda é pior que o soneto. E, pelo menos por cá que não temos bandos de outra natureza, sempre que surgem relatos de desacatos envolvendo grupos mais ou menos numerosos ninguém tem dúvidas acerca da sua origem. Mesmo que, uma ou outra rara vez, as suspeitas se revelem infundadas.

Bem lixado estará o comentador televisivo que teve a honestidade de dizer, em directo e sem possibilidade de ser censurado, o que toda a gente normal pensa mas que não diz por receio das consequências. Vindas não dos visados que, na maioria das circunstâncias, até são os primeiros a reconhecer a veracidade das declarações. O medo que todos sentem é da polícia dos costumes, das milícias do politicamente correcto e dos terroristas que nos querem impor o pensamento único e estandardizado.

Mas, há que reconhecer, o homem foi parvo. Bastava-lhe ter dito que o quartel tinha sido invadido por alentejanos, avessos ao trabalho, que acordaram mal-dispostos após a longa e habitual sesta. Evitava uma série de chatices e teria sido uma risota.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:44

O que é isso de "paneleiro dos olhos"?!

por Kruzes Kanhoto, em 24.01.16

IMG_20160124_131329.jpg

 

Será, certamente, legitimo concluir pela frase inscrita nas traseiras desta viatura que existirão paneleiros de diversas espécies. De duas, pelo menos. A paneleirice ocular e a outra. A clássica. Ou, se calhar, até haverá muitas mais, sabe-se lá.

Admira-me que o dono da máquina ainda não tenha tido aborrecimentos com a malta do “politiquês correctus”. Ou, se teve, que ainda não tenham ido ao ponto de o levar a tirar aquilo dali. É que hoje em dia paneleiro é uma palavra que quase já não se pode pronunciar em voz alta sem que tal suscite olhares reprovadores de quem está ao redor. Nem – eu que o diga – escrever. Aparecem logo uns censores a pretender limitar a minha liberdade de expressão. Curiosamente, ou então não, gente que enche a boca de democracia, defesa da liberdade e muitos outros conceitos que gostam de usar. Nomeadamente na defesa dos seus interesses.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:08



Mais sobre mim

foto do autor






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D