Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Viva a discriminação! Esta deve ser a bebidofobia, talvez.

por Kruzes Kanhoto, em 03.07.16

Captura de ecrã de 2016-07-03 12-37-46.jpg

 

Já dizia a minha avó – essa sábia senhora – que isto mais vale cair em graça do que ser engraçado. Assim está a geringonça. Em estado de graça. Agora é o IVA da restauração. Montaram uma trapalhada monumental mas, apesar disso, ninguém se queixa. A receita fiscal diminuirá – terá de ser compensada com um aumento de outro imposto qualquer – e o IRS que nós, os parvos do costume, teremos a pagar irá aumentar. Mas anda tudo satisfeito. Se fosse o insensível governo de direita é que era uma chatice. Uma violência sobre quem menos pode e menos tem, até. Ou, se preferirem, um assalto descarado aos bolsos dos portugueses, para satisfazer o grande capital. Ou pequeno, não interessa.

Acredito que, mais mês menos menos mês, sairá um estudo sério e aprofundado, como convém, da autoria do João Galamba ou de outro economista igualmente sério, onde ficará demonstrada a bondade desta medida e onde serão evidenciados os magníficos resultados em termos de crescimento do emprego, do PIB ou do pirilau dos clientes. Por mim as contas estão feitas. Tomemos como exemplo o café. Se eu beber mil café por ano, a sessenta e cinco cêntimos cada um, pago exactamente o mesmo que pagava quando o iva era a 23%, mas deduzo menos sete euros de IRS. O vendedor, pelos mesmos mil cafés, entrega ao fisco menos quarenta e seis euros e setenta e sete cêntimos. Que ficam para o bolso dele.

Nem vale a pena questionar acerca de quem fica a perder. Isso, no entanto, não nos tira a fé na geringonça. Têm mesmo muita graça, eles. E nós também.

Compartilhar no WhatsApp

Estimulos ao repasto

por Kruzes Kanhoto, em 02.03.16

 

bontemps.jpg

Consumir constitui para a geringonça uma espécie de novo desígnio nacional. A solução para todos os males, acreditam. Agora é o ministro da economia. Acha a criatura que os portugueses devem voltar aos restaurantes. O que nem me parece mal. Nomeadamente se lhes, aos portugueses, apetecer. Mas para isso, acrescentou o governante, devem os empresários do sector tratar de criar condições para que esse regresso se efective. Criando, exemplificou, salas próprias para entreter as criancinhas que, enquanto os pais degustariam o repasto, estariam entregues ao cuidado de pessoal especializado no entretenimento infantil. O que contribuiria, também, para criar emprego, concluiu visivelmente entusiasmado. Ou, mas isso se calhar foi só impressão minha, manifestamente surpreendido com o brilhantismo da ideia que lhe tinha acabado de ocorrer.

Mas sim, a ideia é porreira. Podia ser melhor, mas, reconheço, é boa. Mas não é excelente. Nem sequer, menos ainda, visionária. Excelente seria se sugerisse que os restaurantes arranjassem uma sala para animais de estimação. Saberá, por acaso, o ministro quantas pessoas não vão ao restaurante por não poderem levar o cachorro? Eu também não. Mas, temos de concordar, é um nicho de mercado que não deve ser discriminado.

Já visionário seria ter sugerido, para além das outras duas, uma sala para as sogras. Quantos clientes perde o sector por ninguém estar disposto a aturar a progenitora do conjugue à mesa do restaurante? Nem desconfio. Mas, de certeza, é um segmento de clientela a ter em conta. Mesmo que má.

 

Compartilhar no WhatsApp

Esquerda para lamentar

por Kruzes Kanhoto, em 30.01.16

imagen_8492.jpg

A esquerdalha “descobriu” agora que, ao contrário do que tem andado a papaguear, a redução da taxa do iva na restauração abrirá um buraco descomunal nas contas públicas. Mas, ainda assim, acredita que pode avançar com mais essa loucura. Nada que os aflija. Nomeadamente quando a ideia daqueles malucos parece ser forçar a saída do euro. Entre quebra de receita fiscal, fuga ao fisco e tramóias diversas será só mais um Banif. Isto só à conta do sector da restauração. A única diferença é que este se repete todos os anos. Daí que, digo eu, é capaz de ser um bocadinho difícil convencer os gajos das Europas de que esta é apenas mais uma medida extraordinária. Ao contrário dos extraordinariamente parvos apoiantes do governo, que estão mais do que convencidos da genialidade de tudo o que brota da ala esquerda “para lamentar”...

 

Compartilhar no WhatsApp

Sim, claro. Toda a gente sabe que a culpa é do IVA...

por Kruzes Kanhoto, em 11.12.15

100_4443.jpg

 

Existe um estranho consenso acerca da culpa da taxa máxima do IVA na alegada crise do sector da restauração. Posso, admito, estar enganado mas não concordo mesmo nada. A proliferação de estabelecimentos do ramo é capaz de ser mais culpada. E, depois, há aquela coisa dos preços. Ainda que à beira-mar, cobrar um euro e vinte por um simples café quando à volta todos os outros vendem a pouco mais de metade não deve dar grande vida ao negócio. Como, de resto, anunciava a esplanada praticamente vazia onde um dos raros clientes garantia, para quem o queria ouvir, estar morto. Tal como todos nós, acrescentava. Só que, concluía, ainda não sabíamos. Nada o demovia da sua convicção. Por mais que o parceiro o tentasse convencer do contrário. Aquilo era o álcool da noite anterior a falar. Ou então – ao contrário de mim que não olhei para o precário antes – já sabia o preço. A boa noticia é que se lá voltar daqui por uns meses cada café vai custar “apenas” um euro e dez...

Compartilhar no WhatsApp

Iva da restauração. Alguém vai pagar a promessa do Costa...

por Kruzes Kanhoto, em 30.08.15

Continuo a achar que baixar a taxa de IVA na restauração é uma parvoíce. A acontecer, como o Costa anda a prometer, apenas servirá para transferir dinheiro dos bolsos dos contribuintes para os empresários sem que daí resulte qualquer beneficio. A não ser para os próprios, claro. Este sector, mesmo com isto das facturas deduzirem no IRS, continua a escapar à malha fiscal. Ou seja, anda a enganar-nos a todos. Mas isso é outra história da qual só nós temos a culpa.

Se, como ouço repetidamente afirmar, a restauração está assim tão mal é de estranhar, por exemplo, o verdadeiro “assalto” às promoções das grandes superfícies por parte dos empresários do ramo. Todo e qualquer produto da área de alimentação e bebidas desaparece das prateleiras, das peixarias e dos talhos dos supermercados cá do sitio mal estes abrem portas. É vê-los de carrinhos a transbordar de bens que, certamente, não serão para o banco alimentar. Sem, curiosamente, nunca se esquecerem de pedir factura com número de contribuinte. Para quem está em crise...

Compartilhar no WhatsApp