Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Um mártir dá sempre jeito...

por Kruzes Kanhoto, em 20.03.17

De repente ficou toda a gente com muita peninha do Sócrates. Coitadinho. Está, garantem, a ser vitima da incompetência da justiça que não ata nem desata nessa coisa da acusação, ou lá o que é. Um atentado aos direitos, liberdades e garantias de um cidadão que não pode ficar eternamente sob suspeita. Pois. Deve ser isso tudo, deve. E aquela parte do “cada tiro, cada melro”, também. Ou, então, é aquilo das barbas do vizinho. É que, não é por nada pois eu destas coisas só sei o que ouço dizer, se a investigação se prolongar por muito mais tempo isto ainda chega ao nível de “paróquia”...

Compartilhar no WhatsApp

Vêm aí as obras publicas. Cuidado com a carteira!

por Kruzes Kanhoto, em 08.12.16

Obras.jpg

 

Há já membros do governo a anunciar o regresso para 2018 das obras públicas megalómanas ou, como eles preferem chamar-lhes, grandes projectos de infraestruturas. O grave da coisa não é o anúncio. Nem, tão pouco, a evidente vontade de voltar a esturrar dinheiro naquilo a que gostam de chamar de investimento público. Percebo que o queiram fazer. Afinal é isso que faz circular o guito de uns bolsos para os outros. É isso que faz uns quantos ficarem bastante mais ricos. Nomeadamente os que decidem investir. É sempre assim. Ao contrário de outros investimentos, em matéria de obras públicas o investidor ganha sempre. E os que perdem, invariavelmente, são sempre os mesmos. Os contribuintes. Ainda que com isso poucos se preocupem.

Mas, escrevia, mais alarmante nem é esta intenção. Preocupante é aquela gente não ter percebido nada do que aconteceu ao país nos últimos vinte cinco anos. Nem eles, nem a quantidade de tugas que aplaudem veementemente a ideia. Pior. Eles nem sequer percebem que não podem repetir a maluqueira. Desta vez já não há quem empreste dinheiro. Agora nem o Espírito Santo lhes vale.

Compartilhar no WhatsApp

Ganham mal?! Vão dizer isso a quem ganha o salário mínimo!

por Kruzes Kanhoto, em 17.04.16

Comissário-gordo-frente.jpg

 

Primeiro foi  o gajo do sindicato dos trabalhadores dos impostos - parece que se chama assim, pelo menos enquanto a Catarina não impuser uma lei a acabar com esta denominação claramente discriminatória do género - a garantir que a culpa da corrupção era dos cortes salariais. Agora é a TVI a reportar que os agentes da PSP e os militares da GNR ganham tão pouco, mas mesmo tão pouco que alguns até passam fome. Admito que os vencimentos destes profissionais não sejam os desejáveis. Nomeadamente para o nivel de risco de enfrentam. Mas isso é mal geral. Todos ganhamos pouco. E, no caso em análise, estes senhores e estas senhoras ganham acima da média nacional e muito mais do que a maioria dos portugueses. Dizer que têm fome é, neste contexto, manifestamente exagerado. Poderão quando muito ter larica. Sentir um ratinho, vá. Caso andem a fazer dieta...

 

Compartilhar no WhatsApp

Serão as bruxas corruptas? Ou os corruptos é que parece que são bruxos?

por Kruzes Kanhoto, em 21.06.15

As bruxas e a corrupção têm muito em comum. Parece, até, que ambas estão intimamente ligadas. Das primeiras – as bruxas - costuma-se dizer que apesar de não acreditarmos nelas, lá que a há, há. Já a corrupção acreditamos que existe mas, por mais que nos esforcemos, nunca a conseguimos ver. Curiosamente não é raro depararmos com coisas que nos parecem apenas possíveis graças a uma qualquer bruxaria. Ou, menos raro ainda, a situações que levam, mesmo ao mais ingénuo, a desconfiar da impossibilidade da coisa sem a intervenção de uma mãozinha corrupta. Seja como fôr a existência de bruxas e de corruptos, salvo uma ou outra bruxa menos discreta ou um ou outro corrupto mais descuidado, está ainda por demonstrar.

O que já está mais do que demonstrado e diariamente reafirmado é o apelo de autarcas, ex-autarcas com vontade de ser novamente autarcas, opositores a quem já cheira a poder e patos bravos em geral ao “investimento público”, ao “fim da austeridade” e, em suma, à abertura das torneiras do pote. Toda esta malta não esconde a ansiedade de voltar a esturrar o dinheiro do contribuinte. Tudo, garantem, para o bem do povo. O mesmo povo que não acredita em bruxas, mas que crê piamente na existência de corruptos. Mesmo que uns e outros permaneçam invisíveis. Para alguns.

Compartilhar no WhatsApp

Ainda bem que alguns ficaram de fora...

por Kruzes Kanhoto, em 27.09.07

A corrupção, ao que demonstram os últimos estudos promovidos por uma organização não governamental, tem aumentado em Portugal. Especialmente no que aos funcionários públicos diz respeito. Entre os países analisados Portugal ocupa o 28º lugar de uma longa lista de 180, ordenada a partir do menos corrupto que é, sem surpresa, a Alemanha. Nada mau portanto. Embora tenhamos descido dois lugares no ranking relativamente aos dados de um anterior estudo.

Refira-se a propósito que para a realização desta análise não foram incluídos políticos nem dirigentes desportivos. E ainda bem.

Compartilhar no WhatsApp

Ainda bem que alguns ficaram de fora...

por Kruzes Kanhoto, em 27.09.07
Ainda bem que alguns ficaram de fora...
Compartilhar no WhatsApp