Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Voltámos ao tempo da censura...

por Kruzes Kanhoto, em 01.03.17

censura.jpg

 

Anda por aí, à solta, uma nova PIDE. Uma espécie de policia dos costumes. Uns disciplinadores da linguagem, digamos. Uns fulaninhos que tratam de perseguir todos aqueles que, por uma ou outra razão, ainda não estão a par das novas tendências da moda em matéria linguística. Cuidai-vos pois. Tudo o que disserdes constituirá certamente uma ofensa. Mesmo que esse não seja o propósito. E, mais dia menos dia, vós é que tereis de provar que não era vossa intenção ofender o ofendido e não, como agora, o ofendido a provar que o ofendestes. O melhor, antes que arranjais problemas, é contratar um interprete. Ou, no caso do fuçasbook e dos blogues, submeter os posts nao exame prévio dessa gentinha.

A este propósito, cito hoje o meu avô. Um sábio, também. Que, perante idiotices desta natureza, não hesitaria em os mandar ir “levar no cú ali para a muralha”. E, antes que alguém pense nisso, não estou a atentar contra a liberdade ou orientação sexual seja de quem fôr. Que se saiba o olho do cú não vê, nem tem sexo.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:23

É a ditadura, estúpido!

por Kruzes Kanhoto, em 05.01.17

"Esperem um minuto, agora tenho de ter cuidado com o que digo sobre Donald Trump?"

Esta inquietante questão, suscitada por um jornalista americano a que o Público deu voz, surge na sequência do facebook ter censurado uma publicação onde os apoiantes do Presidente eleito eram, entre outros mimos, apelidados de fascistas.

Deu-me graça, isto. O homem, uns quantos comentadores aparvalhados e, provavelmente, o jornal em questão ficaram visivelmente transtornados. Para eles a democracia, a liberdade de expressão e o direito a expressar o que vai na alma apenas se deve aplicar àquilo que coincida com a sua visão do mundo. Aplaudem o encerramento de sites e a censura imposta nas redes sociais a quem opina contra a invasão muçulmana da Europa ou critica determinados comportamentos, mas estranham que o mesmo aconteça quando usam as mesmas práticas contra pessoas que, no uso dos seus plenos direitos democráticos, se atrevem a pensar a escolher, no uso da sua liberdade individual e de pensamento, o candidato que muito bem entendem. Estranho conceito de democracia, este. Se calhar estamos é a viver numa corrupta ditadura mediática e ainda não demos por isso.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:59

Noticias da Eurábia

por Kruzes Kanhoto, em 19.12.16

CyLDPlpXAAAB0w6_jpglarge-vi-1.jpg

 

Está em curso um bloqueio informativo, promovido pelos principais meios de comunicação social, às tropelias cometidas nos mais diversos países europeus pelos migrantes – refugiados ou não – que estão a invadir a Europa. Presumo que seja para nosso bem. Se não soubermos somos mais felizes. Afinal aquilo que não sabemos não nos causa preocupação.

Não sou grande adepto de teorias da conspiração. Começo, contudo, a acreditar que elas – as conspirações – são como as bruxas. Que as há, há. Porque deve existir um motivo suficientemente forte para as televisões nos massacrarem com todos os detalhes da fatiota de uma gaja qualquer, conhecida apenas por quem se preocupa com futilidades, e ignorarem noticias como as que se seguem.

 

Centenares de musulmanes cortan una de las principales plazas de Londres para exigir un califato en el Reino Unido”

 

Una multitud de alemanes enfurecidos gritan repetidas veces a la Policía en Colonia “¿Dónde estabais en Nochevieja?” el 9 de enero de 2016, en alusión a los asaltos sexuales masivos perpetrados por inmigrantes ese día en la ciudad, del que fueron víctimas más de 450 mujeres.”

 

"Una dirigente del Partido Verde justifica el asesinato de una joven alemana por un afgano: “Es costumbre en Afganistán condenar a muerte a una mujer violada”

 

"La nueva secretaria del Senado alemán, hija de inmigrantes palestinos, declara ser favorable a la ley islámica (sharia)”

 

"Un colegio noruego prohíbe a sus alumnos cantar villancicos para no ofender a los no creyentes”

 

Zonas prohibidas a las mujeres en pleno París”

 

"La Justicia alemana permite las patrullas pro-sharia en las calles porque los uniformes no son sugestivamente militantes”

 

Daesh ordena “masacrar infieles” en Occidente con cuchillos y bombas caseras”

 

GERMAN Home Affairs Minister: “Our streets and squares are under MUSLIM MIGRANT control”

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:18

O porcos também têm direito a ir à praia...

por Kruzes Kanhoto, em 03.09.16

Captura de ecrã de 2016-09-02 22-37-47.jpg

Não será, de certeza, a melhor solução. Mas não importa. É por uma boa causa, tem piada e, acima de tudo, estará a cumprir os objectivos a que os autores da ideia se propuseram. Expulsar as gajas dos burkinis e os muçulmanos em geral das praias corsas. Pena que estas e outras coisas que se estão a passar na Europa – esfaqueamentos diários levados a cabo “pessoas com problemas mentais”, por exemplo - não constem do alinhamento noticioso dos mé(r)dia europeus. A censura instituída no ocidente, que faz parecer a do Estado novo uma brincadeira de meninos, não permite à população ter acesso a este tipo de informação. Mesmo sites, blogs e páginas de diversas redes sociais que se dedicam a denunciar as tropelias praticadas pelos invasores, estão a ser sistematicamente encerrados. Diz que é para não criar sentimentos de ódio em relação às pessoas que professam a religião da paz. Aquelas criaturas boas, simpáticas e tolerantes para quem a nossa forma de vida constitui uma ofensa. Culpa nossa, obviamente.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:10

Censura politicamente correcta

por Kruzes Kanhoto, em 07.01.16

Falta-de-Vergonha-300x303.jpg

 

Apenas uma semana depois as primeiras noticias da barbárie, praticada por milhares de árabes e africanos em diversas cidades europeias, começam a chegar à comunicação social. Estranha esta demora. Ou talvez não. Se vivemos na era da comunicação instantânea, vivemos igualmente um tempo de feroz censura a tudo o que divirja do pensamento único que a intelectualidade bacoca pretende impor. Uma censura que faz parecer uns meninos de coro a rapaziada da nossa “comissão de exame prévio” de tão má memória.

Entretanto a esquerdalha, os amiguinhos dos refugiados e outros apreciadores do multiculturalismo já começaram a desculpabilizar os agressores. Coitadinhos. O seu comportamento deve ser algo a que os europeus se terão de habituar. E sugerem, para minimizar a coisa, que as mulheres devem vestir-se mais recatadamente e manterem alguma distância desses cavalheiros. Daqui até sugerirem que fiquem em casa e usem véu quando saírem à rua não deve faltar muito.

A preocupação reinante não é com as vitimas. Nem, sequer, evitar novos ataques em massa como os verificados na noite de fim de ano. É, antes, que alastre entre a população europeia uma onda de xenofobia. Estamos, portanto, conversados acerca daquilo que será o futuro da Europa e das preocupações dos governos e das elites que controlam os diversos poderes.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:06



Mais sobre mim

foto do autor






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D