Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Não há bruxas, mas devia haver...

por Kruzes Kanhoto, em 01.11.17

Isto do Halloween, dia das bruxas ou lá o que é, trata-se do quê, ao certo? Ou até mesmo ao incerto, vá. É que começo a desconfiar que é aquela altura do ano em que uns quantos pirralhos, mal-educados e que apenas recentemente largaram os cueiros, acham que podem fazer tudo o que lhes dê na real gana. Coisa a que, presumo, os progenitores acharão muita graça. Deve ser aquela coisa de estimular os meninos a “apanhar sol por dentro” e isso. Ou, então, é porque são mesmo umas bestas e não sabem educar os rebentos que puseram no mundo.


Entretanto, mais um atentado realizado por um seguidor da religião da paz. E em nome dela, também. Isto começam a ser demasiados os que não podemos tomar pelo todo. É que são já muitos os casos isolados que não representam a generalidade dos pacíficos militantes daquela pacifica doutrina. Um dia destes deixa de ser noticia. Por mim só retive aquela parte do atacante ter sido transportado para o hospital. Porquê?! Não havia necessidade…


E a Catalunha? Até posso entender o entusiasmo dos esquerdelhos com as intenções independentistas daquela região. O que me surpreende é o desprezo com que falam da Constituição espanhola relativamente a este assunto. Para quem, ainda há dois ou três anos, rasgava as vestes por causa dos alegados estupros à nossa Lei Fundamental cometidos pelo maléfico governo da direita, parece-me assim um bocadinho parvo...

Compartilhar no WhatsApp

Deve ser uma espécie de xenofobia...

por Kruzes Kanhoto, em 19.08.17

IMG-20170818-WA0001-670x636.jpg

(Foto Alerta digital)

Durante semanas os meios de comunicação social do ocidente fizeram questão de exibir a imagem do catraio sírio que faleceu afogado no Mediterrâneo. O objectivo – levar-nos a ter dó dos refugiados – exigia que a imagem, apesar da sua dureza, fosse mostrada até à exaustão. Já quanto às vitimas dos ataques daqueles gajos da religião da paz, o recato é muito maior. Aí existe um especial cuidado em não mostrar as imagens mais chocantes. Percebe-se a ideia. Não convém que fiquemos chocados em demasia. Seria uma chatice. A que eles, para nosso bem, nos querem poupar. Até porque era uma maçada se os invasores deixassem de ser bem-vindos.

Compartilhar no WhatsApp

Se os "jornaleiros" não noticiam, noticiemos nós!

por Kruzes Kanhoto, em 17.04.17

press_freedom_fists.jpg

 

Este fim de semana, numa cidade espanhola, um marroquino atirou a viatura que conduzia para cima de grupo de pessoas que se encontravam no passeio. Causou cinco feridos, um dos quais em estado critico. Claro que nada disto, apesar de se encaixar num certo padrão de acontecimentos, mereceu grande destaque nos meios de informação tradicionais. Por cá, tanto quanto sei, nem foi noticiado. O que não admira. Já constitui um hábito.

Mas, ao que a policia local se apressou a garantir, não se tratou de um acto deliberado. O jovem seguia em elevada velocidade pela rua fora, tinha a carta de condução há apenas dois meses e terá perdido o controlo da viatura. Normalíssimo. Está sempre a acontecer. Então com os mouros é um Deus nos acuda. Sem ofensa, nessa coisa do amigo imaginário. Ah, e o moço não estava bêbado nem nada, que os diligentes bófias fizeram-lhe logo o teste de alcoolemia. É apenas mais um aselha encartado.

O problema, ainda segundo as autoridades competentes, terá sido originado pela procissão que, horas antes, tinha percorrido aquela avenida. Os procissantes terão deixado o pavimento coberto de cera que, com o calor, derreteu e acabou por provocar o despiste do incauto magrebino. Culpa, portanto, dos católicos. Não tinham nada de procissar na via pública. Nem, muito menos, deixar por lá os resíduos da sua fé.

Pode, admito, ser tudo como a policia diz. O que me deixa com os poucos cabelos em pé é a pressa com que concluem pela não intencionalidade do acto e o conjunto tão alargado de hipóteses que arranjam para justificar a ocorrência. Isso e a ausência de noticias acerca deste e de dezenas de outros acontecimentos similares que, todos os dias, ocorrem em solo europeu envolvendo sempre intervenientes que professam as mesmas crenças. Desconfio que alguém nos anda a querer esconder qualquer coisa...

Compartilhar no WhatsApp

Isto anda tudo ligado

por Kruzes Kanhoto, em 07.04.17

Isto já nada é o que era. Nem os "Verdes", aquela agremiação esquisita com assento parlamentar apesar de nunca ter tido um único voto, são o que foram.  Até estes, agora, parecem gostar de produtos químicos. Pelos menos de alguns. Daqueles que são utilizados pelas pessoas certas, nomeadamente.  

 

Como escrevi na ocasião em que a coisa "me soou", o governo vai avançar com um programa municipal para, alegadamente, melhorar as condições de vida das pessoas de etnia cigana e promover a sua integração social. Por mim, apesar disso poder colidir com a liberdade que cada um tem de não se pretender integrar,  acho bem. Já vem tarde, tal medida. Daí não entender que a mesma, apesar de anunciada, apenas avance após a eleições autárquicas. Deve ser uma esperteza saloia qualquer. Espero é que os candidatos aos órgãos autárquicos, nos seus programas eleitorais, digam claramente se aderem ou não a este programa. Cá os da terra, caso o não façam, tenciono questioná-los quanto a isso.  

 

Mais um atentado. Na Suécia, desta vez. Nada de surpreendente. Nem as reações. Lamentações diversas, fingimentos vários e consternações patéticas como sempre. Tretas, em resumo. Amanhã continuará tudo na mesma. Mudança nos discursos e nas atitudes apenas e só quando as vitimas tiverem mais peso. E não, não estou a pensar numa carnificina de obesos.  

Compartilhar no WhatsApp

E agora, "suis" o quê?!

por Kruzes Kanhoto, em 12.06.16

Peace-Offering-600-LA.jpg

A culpa do atentado contra a discoteca gay lá nos States será, outra vez e de certeza, do imperialismo, do fácil acesso às armas, do capitalismo desenfreado, da invasão do Iraque, do Bush, da cimeira dos Açores, dos bombardeamentos na Síria ou dos ataques israelitas ao povo palestiniano. Talvez até - com um pouco de imaginação chegaremos lá - das politicas de direita do anterior governo. Mesmo que o atacante seja um afegão, membro ao que parece do Partido Democrático e seguidor do islão. Religião cujos seguidores, como se sabe, têm uma particular aversão a paneleirices e a quem as pratica. Ainda sim. Não tarda, os politicamente correcto detentores de toda a sapiência estarão aí para nos esclarecer acerca da bondade do atacante e da justeza das suas causas. Mesmo que elas incluam matar panilhas.

Compartilhar no WhatsApp