Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Liberdade para não vacinar?! A sério?!

por Kruzes Kanhoto, em 20.04.17

Acho assaz curiosa esta cena da discussão acerca da vacinação dever ou não ser obrigatória. Ah, e tal, eu não quero o Estado a meter-se na minha vida, argumentam uns quantos alarves. Era o que faltava eu não ter liberdade para optar acerca do que é melhor para o meu filho, espumam outros idiotas. Assim, à primeira vista e se o assunto for outro qualquer, até posso concordar com uns e com outros. Também considero que o Estado não tem nada de se meter na minha vida. Nomeadamente naquela parte do sal, do açúcar ou do tabaco. Já quanto a eu conduzir bêbado ou adoptar outro qualquer comportamento que possa prejudicar terceiros – assim tipo não me vacinar e depois andar a contagiar pessoas que, não estando vacinadas, até podem falecer – já é capaz de não ser má ideia o Estado arranjar uma maneira de impor o bom senso onde ele não existe.

Também o argumento da liberdade me é especialmente caro. Mas, neste caso, evocá-lo é do mais estúpido que se pode imaginar. Eu não me importo que eles faleçam. Não quero é que eles tenham a liberdade de me matar. Não tarda ainda estamos a admitir que, em nome da liberdade religiosa, um pateta - tão pateta como os anti-vacinas - trepe a uma montanha e asse o próprio filho, alegando que uma divindade qualquer lho terá ordenado, tal como ao outro da bíblia.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:42



3 comentários

De Fatyly a 20.04.2017 às 18:38

Com esta história do surto de sarampo fiquei a saber que, pelo menos na entrada no pré-escolar as vacinas não são obrigatórias, daí não perceber a razão porque pedem o livro das vacinas e uma carta do médico.

No tempo das minhas filhas eram obrigatórias e se alguém tinha alguma em atraso só aceitavam após apanharem.

Quando criança e jovem apanhei todas incluindo outras por ser de um país tropical.

Quanto à jovem de 17 anos não apanhou a vacina porque teve um choque anafilático com as primeiras e como tal os pais foram aconselhados a não dar mais nenhuma e até ponderam processar a médica o que a meu ver não irá dar em nada, porque quem padece de anafilaxia (julgo ser este o nome) tem de ter alguns cuidados.

De resto concordo totalmente contigo e a irresponsabilidade do povo português irá ser resolvida com mais leis para além das que já existem? Bom senso precisamos sim...para ontem!

Beijocas

De Kruzes Kanhoto a 20.04.2017 às 22:13

Nem consigo perceber como é que alguém opta por não vacinar os filhos. É a negação da ciência por parte de gente que, pela conversa que apresenta, se julga intelectualmente muito avançada. São iguais a outros que desencantam não sei quantas teorias que comprovam que o homem nunca pôs os pés na Lua...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D