Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



"Liberdade é também... quando uma gaja se vem!"

por Kruzes Kanhoto, em 18.04.14
Todos os anos por esta altura se fazem nas televisões, nas rádios, nos jornais e nos blogues grandes e pequenas dissertações sobre o antes e o depois do 25 de Abril. Por norma enaltece-se a liberdade que antes não havia, reafirma-se a infelicidade, a tristeza e o cinzentismo com que então se vivia e, no meio de uns quantos lugares comuns, salienta-se a beleza de uma “revolução” que, da noite para o dia tudo alterou. Pelo meio, como se fossem verdades absolutas, dizem-se e escrevem-se uns quantos disparates. Vindos, principalmente, daqueles que à época ainda não eram nascidos mas que por terem lido umas coisas sobre o assunto se acham donos da verdade histórica.
Pena que, por norma, se esqueçam dois temas marcantes. A guerra colonial, antes do 25 de Abril, e a tentativa de implementação de uma ditadura comunista logo a seguir ao golpe de Estado. O primeiro porque era, mais do que tudo o resto, a preocupação da esmagadora maioria das pessoas. Praticamente não havia ninguém que não tivesse um familiar ou amigo nas colónias. Por muito que isso custe a muita gente, na altura, qualquer mãe estava muito mais preocupada com a guerra do que por não poder ir a Badajoz comprar caramelos sem autorização do marido. Não admira, por isso, que o fim do conflito militar tenha sido considerado por quase todos como a principal conquista de Abril.
Não deixa, também, de ser estranho que ainda hoje se procure branquear a sucessão de acontecimentos, vulgarmente conhecida por PREC, que se seguiram à revolução dos cravos. Houve quem quisesse impor outra ditadura aos portugueses mas, vá lá saber-se porquê, parece que existe medo de tocar no assunto. Prenderam-se pessoas, roubaram-se bens, destruiu-se o tecido produtivo e descapitalizou-se o país. Se nos escapámos de pior podemos agradecer ao Mário Soares e ao Partido Socialista. Foi, ao que me lembro, a última coisa de jeito que fizeram pelos portugueses.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:28



18 comentários

De António Rosa-RECORDAÇÕES a 18.04.2014 às 16:04

Dou 9 pontos (10 é o meu valor máximo) ao artigo.
Ao titulo só dou 2 pontos. A parte final podia ter outras palavras.
Um abraço e boa Páscoa.

De Kruzes Kanhoto a 18.04.2014 às 16:14

O titulo apenas pretende salientar o ridículo de certas frases que, todos os anos por esta altura, se constroem à volta da palavra liberdade.

Obrigado e boa Páscoa também para si.

De formatted error free a 18.04.2014 às 16:41

ultima e...única?!

De maria madeira a 18.04.2014 às 17:16

Pronto, eu por mim prometo que não volto a falar destes assuntos. Sou apenas mulher e as mulheres não percebem nada destas coisas. São umas tontas, mas é...

Boa Páscoa.

PS: Concordo com o sr. António Rosa na parte do título, não havia necessidade (por mim nem 2 pontos, é muito baixo, caramba) como diz hermanito josé.

De Fatyly a 18.04.2014 às 21:52

Ai meu amigo, para mim o 25 de Abril valeu a pena por várias coisas, mas sobretudo pelo fim da guerra colonial...e nem imaginas como nós angolanos ficávamos imensamente tristes por ver tanto jovem "feijão verde" como eram apelidados devido à farda. Depois não se fala do que fazíamos em prol desses jovens que eram da minha idade e o horror dos horrores.
Longe da Cruz Vermelha, longe das famosas madrinhas de guerra...mas perto dos presos, dos hospitalizados, da morgue...e fico-me por aqui.
Em Luanda só soubemos oficialmente do 25 de Abril já no dia 26/27...(mas eu e o meu grupo ouvimos numa rádio clandestina). Ouvia-se bichanar por todo o lado, sempre com o TERROR da PIDE e já numa rocambolesca guerra civil e recolher obrigatório.
Depois em finais de 75, sai, estive um mês em Portugal, rumei ao Brasil e só voltei em Novembro de 1978. Portanto o logo após o 25 de Abril na Metrópole, pouco falo porque não vivi, li bastante...todo o bastante quer no antes quer no depois...há coisas em que a bota não dá com a perdigota.
Acredito no que dizes porque também li...e Mário Soares-PS fez alguma coisa sim senhora...mas fez muito mais erradas e trapaceadas com a péssima descolonização e mais tarde a dantesca crise de 80 a 86 foi por demais.
Para mim o verdadeiro símbolo de Abril foi Salgueiro Maia...e finalmente há bem pouco tempo soubemos e vimos quem era "o rapaz do tanque" que negou disparar contra ele e outros.

KK...lá está...o título que arranjaste que me fez rir à gargalhada...é caso para dizer...a bota não dá com a perdigota, certo?:):):)

Acalma-te rapaz...e continuação de uma boa-noite

De Kruzes Kanhoto a 18.04.2014 às 22:26

Mas, reconheço, valeu por muitas...

De Kruzes Kanhoto a 18.04.2014 às 22:39

Há muito tonto e muita gente a opinar acerca do que não sabe.

Por esta altura do ano fico sempre irritado quando certa malta insiste em esclarecer-me que a minha vida antes do 25 de Abril era uma miséria e eu um infeliz. E quando eu lhes digo que não, até era um miúdo feliz, satisfeito com a vida e que nem eu, a minha família ou os meus vizinhos vivíamos miseravelmente eles ficam chateados e chamam-me nomes. Acha isto normal?

Boa Páscoa também para si.

De Kruzes Kanhoto a 18.04.2014 às 22:48

O titulo é parvo - é verdade - mas por estes dias associam-se à ideia de liberdade as coisas mais estúpidas. Daqui que, parece-me, também tenho o direito de o fazer. Vê, por exemplo, o caso do Jornal de Noticias que publicou uma reportagem onde se escreveu que foi apenas com o 25 de Abril que as portuguesas descobriram a sexualidade...Esta gente deve pensar que o mundo começou nesse dia!

Claro que o 25 de Abril valeu a pena. E, recordo perfeitamente, por esses dias o que mais se celebrava era o fim que se adivinhava para a guerra colonial. Por mais que meia dúzia de inteligentes se esforcem imaginar coisas era isso que, de facto, preocupava o povo.

Boa Páscoa!


De Rafeiro Perfumado a 19.04.2014 às 11:29

Só não concordo com a última parte, a única coisa que o Mário Soares poderá fazer de bem pelo país é deixar de respirar. Abraço!

De Kruzes Kanhoto a 19.04.2014 às 11:51

Hesito. Acho que mesmo depois disso o gajo ainda vai continuar a custar-nos caro!

Comentar post


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D