Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

E aquilo de não cobiçar a mulher do próximo?

por Kruzes Kanhoto, em 23.10.17

A indignaçãozinha do dia anda hoje à volta daquela cena de um tribunal qualquer achar legitimo que o marido encornado chegue a roupa ao pêlo à mulher adultera. Diz, ao que rezam as crónicas, que o acórdão onde é reconhecido esse direito marital até mete citação da bíblia e tudo.

Nada disto me parece bem. Logo a começar pelo enxerto de porrada que a vitima levou. Dos dois – o amante e o marido – segundo os relatos. Mesmo que a senhora chegue para ambos, não é coisa que se faça isso de ir à figura da criatura com aqueles modos.

Também a decisão judicial não merece apreço nenhum. Ainda que perceba tanto de direito como de cozinha polaca, desconfio que é capaz de existir ali algo de contraditório. Se o marido viu a sua pena atenuada com base nas sagradas escrituras, então, já que a bíblia terá sido a referência moral, o amante devia ter sido severamente punido. É que o tal best-seller recomenda vivamente que não se cobice a mulher do próximo. Mesmo que o próximo até nem se importe. O que, pelos vistos, não seria o caso.

Compartilhar no WhatsApp

4 comentários

Comentar post