Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Demonstração dos resultados

por Kruzes Kanhoto, em 31.12.17

Não gosto de balanços. Prefiro a demonstração dos resultados. Manias. E os resultados a demonstrar relativamente ao ano que hoje finda não são grande coisa. Foi mais do mesmo. Ou, admitamos, o país está melhor os portugueses é que ainda não sentem nada na carteira. Excepto, vá, os reformados mais abastados, quem recebe o salário mínimo e os funcionários públicos com vencimentos mais elevados. Para todos os restantes alguém que me explique quais são as melhoras que eu não dou por nada. Tirando a continuação - imperdoável este meu esquecimento - deste refrescante odor a pinho que agora se respira em lugar daquele horrível bafio que antes tinhamos de suportar...

Compartilhar no WhatsApp

Erva em demasia...

por Kruzes Kanhoto, em 30.12.17

Aquele grupo de pessoas que só quer o nosso bem – governo ou lá como se convencionou chamar – já decidiu o que podemos ou não comer nos bares, cafetarias e similares dos estabelecimentos de saúde. Por enquanto ficam-se por aqui. Mas, não tarda, a obrigação há-de estender-se aos restaurantes e, um dia, às nossas casas. Tentativas disso são já conhecidas algumas. Outras, certamente, se seguirão.

Vá lá que ainda não foi desta que limitaram a oferta alimentar destes estabelecimentos à comida vegetariana. Fica, certamente, para a próxima. Por enquanto ficam-se pela recomendação do consumo de carnes brancas acompanhadas de uma salada de alface, tomate ou cenoura ralada. Para beber aconselham uma infusão de ervas. Sem açúcar. Só podia. Esta gente tem uma fixação pela erva...


Compartilhar no WhatsApp

O Maduro que estique o pernil

por Kruzes Kanhoto, em 28.12.17

Uma vergonha – ou pior, até – essa cena de boicotar o Natal dos outros. Não se faz. Como o camarada Maduro não se cansa de salientar, trata-se de mais um infame ataque, por parte do grande capital e das forças imperialistas, à revolução bolivariana e ao povo venezuelano. Não bastava destruírem toneladas de comida e medicamentos, só para chatear o povo e deixar mal vistos os lideres revolucionários, agora os fascistas ainda têm o descaramento de perseguir os navios gigantes que iam para a Venezuela atafulhados de pernil. Tudo, ao que se sabe, por causa de uns trocos miseráveis. E do lucro. E da ganância. E de mais umas quantas cenas capitalistas que agora não me ocorrem. 

Pena que ao camarada Maduro não lhe tenha dado para esticar o pernil. Refiro-me, obviamente, ao stock que ainda possa existir no país e que ele, assim tipo aquele truque da multiplicação dos pães ou lá o que era, tratasse de multiplicar por muitos. 

Nisto só duas coisas me surpreendem. A fraca indignação que o assunto suscitou e a ausência de um movimento de solidariedade para ofertar pernil aos venezuelanos. Os profissionais da indignação e dos movimentos solidários devem estar ocupados com outra indignação e com outra desgraça qualquer.

 

Compartilhar no WhatsApp

Rabos de palha

por Kruzes Kanhoto, em 27.12.17

Gosto da democracia. É cá uma mania minha. Aceito, por isso, de bom grado que parte dos meus impostos sirva para financiar os partidos. Por mim – mas, admito, posso estar errado – é preferível que seja o orçamento de Estado a financia-los do que ter um Santos Silva qualquer a meter lá dinheiro à sorrelfa. Parece-me óbvio que este último método nos fica muito mais caro e que se paga na mesma com os nossos impostos.

Infelizmente o actual sistema de financiamento partidário não é carne nem é peixe. Depois dá nisto. E um dia destes noutra coisa. São as consequências de legislar à socapa, ao sabor das indignações das redes sociais e de não ter políticos sem “rabos de palha”. Mas esses, nos países onde existem, são os que nós chamamos populistas, ou lá o que é.

Compartilhar no WhatsApp

Todos os ajuntamentos são criticáveis, mas alguns são mais criticáveis que outros...

por Kruzes Kanhoto, em 24.12.17

img_818x455$2017_11_15_22_04_00_684778.jpg

(Imagem obtida na internet) 

Acho alguma piada às criticas fáceis ao denominado consumismo desenfreado que se verifica nesta época do ano e que por norma são documentadas por fotografias de superfícies comerciais a abarrotar de gente. A comunicação social e as redes sociais em geral, por estes dias, repetem-nas sem parar. É lá com eles. Ou com quem define a linha editorial e determina aquilo com que nos devemos indignar. Pena que, pelo menos de vez em quanto, não mostrem imagens do Metro de Lisboa. Mas percebe-se que não o façam. Criticar um serviço concessionado ao Partido Comunista é capaz de não ser, nos tempos que vivemos, muito popular.

Compartilhar no WhatsApp

Caloteiros de olhos em bico

por Kruzes Kanhoto, em 21.12.17

Uma ou outra vez não me importo nada de concordar com os comunistas. É por isso que estou inteiramente de acordo com a medida do governo chinês que visa limitar a vida quotidiana dos caloteiros que não pagam as prestações dos empréstimos. Nomeadamente, entre outras coisas, impedindo-os de frequentar hotéis de luxo e viajar de avião ou comboio.

Por mim, reitero, acho bem. O mesmo, presumo, devem achar o PCP, o BE e aquela parte esquisita do PS. Bem que podiam, aproveitando a paixão assolapada que vivem entre eles, aprovar a aplicação de idêntico procedimento cá pelo rectângulo. Até porque, se não o fizerem, um dia destes estaremos todos a salvar mais um banco. Ah, não, espera. A esquerda, tirando o BPN e a Caixa Geral de Depósitos, não salva bancos nem perdoa dividas a grandes empresas que não se chamem Soares da Costa.

Compartilhar no WhatsApp

Injustiças

por Kruzes Kanhoto, em 20.12.17

Isto da justiça - aquela que é praticada nos tribunais por homens, mulheres e demais almas que não se revejam nesses estereótipos – tem muito que se lhe diga. Cada vez menos em seu abono, refira-se. Para isso muito têm contribuído inúmeras decisões que de justo pouco aparentam ter. Mesmo deixando de lado aquelas que atingem um grau de mediatismo que as torna impossíveis de ignorar. Podemos ficar por outras, longe do foco mediático, mas nem assim menos dignas de causar revolta e indignação. Principalmente, como é óbvio, entre as vitimas, os condenados ou, até, entre aqueles que nada têm a ver com o assunto mas que tendem a aborrecer-se com as injustiças.

Como, por exemplo, obrigar um cidadão que aufere o salário mínimo a pagar uma pensão de alimentos no valor de duzentos e cinquenta euros mensais. Cidadão esse que, mesmo assim, ainda se pode dar por feliz por a extorsão não ir a valores mais elevados. É que, segundo a legislação em vigor, quarenta e três por cento do IAS - cento e oitenta e um euros – chegariam muito bem para o infeliz espoliado viver com dignidade. Embora, pelas mesmas contas, igual quantia não chegue para a dignidade da criança. Nem, quiçá, da progenitora. Mas essa, se encontrar mais uns quantos alarves, terá uma vidinha descansada por muitos anos.

Compartilhar no WhatsApp

O diabo está nos conceitos

por Kruzes Kanhoto, em 18.12.17

Captura de ecrã de 2017-12-16 20-21-57.jpg

Captura de ecrã de 2017-12-16 20-22-46.jpg

 

 

Quando se fala de alegada má gestão no chamado terceiro sector é de bom tom, logo para inicio de conversa, afiançar que não se deve confundir a árvore com a floresta e que poucas serão as instituições que não possuem uma administração a pautar-se pelos mais estritos conceitos de bem gerir. Pois. Será.

É que o problema está precisamente nisso. Nos conceitos. Levar uma família a fazer uma doação – seja em dinheiro ou em espécie – a uma IPSS para que um idoso tenha lugar no lar da terceira idade – coisa que nem sei se acontece – pode, a suceder, ser considerado um excelente acto de gestão. Ou uma Organização Não Governamental, cansada de esperar por refugiados, ir buscá-los directamente aos portos líbios para garantir o apoio governamental por cada cabeça resgatada, também poderá – lá está, a acontecer – constituir uma boa estratégia de negócio.

Há, depois, o descaramento. Ou, como outros preferem, o deslumbramento. Daí que algumas entidades – neste caso em Espanha, mas estas coisas têm tendência a globalizarem-se – promovam campanhas de caça à herança com o alto patrocínio, imagine-se, das Nações Unidas. Que isto convém sempre dar um ar de seriedade à coisa. Por cá também se contam muitas histórias de heranças e de como elas terão, segundo a voz do povo, melhorado a vida de alguns. Ou não, dependendo do conceito.

 

Compartilhar no WhatsApp

O cone

por Kruzes Kanhoto, em 16.12.17

IMG_20171208_175404.jpg

 

Se eu fosse um gajo com queda para a dissertação desatava para aqui a tecer considerandos acerca da época natalícia. Mas não tenho esses dotes. Nem, a bem dizer, dissertar seja coisa que me apeteça por aí além. Fico-me pelo cone. Que, sem se saber ao certo como nem porquê, se tornou no mais recente símbolo de Natal. Deve ser para não ofender os amigos dos pinheiros, ou isso. Mas, seja lá qual for o motivo, agora todas as terras têm um. Nós, por cá, também. E está janota, o sacana do cone.

Compartilhar no WhatsApp

Justiça à moda da esquerda. Torta, portanto.

por Kruzes Kanhoto, em 15.12.17

Gosto dessa coisa da justiça social, ou lá o que é, que o fantástico governo das esquerdalhas associadas tratou de restabelecer depois daqueles maléficos governantes que os antecederam terem espalhado injustiças, miséria e sei lá que mais.

Gosto tanto que não posso deixar de me congratular com o anuncio de mais uma medida que visa repor um pouco de justiça na sociedade portuguesa. O aumento das reformas. É justo. Não podia estar mais de acordo. Assim como já estava em concordância com o bando quanto à decisão de aumentar o salário mínimo. Aliás só uma besta é não se regozijaria por os reformados – os que ganham mil e quinhentos euros, por exemplo – terem um aumento de vinte euros. Também só um idiota chapado não exultaria com o crescimento do SMN em vinte e três euros.

Ainda assim nada que se compare com o júbilo que sinto por, o mesmo bando, ter decidido que os funcionários públicos - misteriosamente são os seus principais lambe botas – que auferem, digamos, setecentos ou oitocentos euros não vão ter um cêntimo a mais no seu ordenado. Pelo sétimo ano consecutivo. A mim parece-me socialmente justo. É bem feito. Tanto que, se isto continua assim, ainda voto neles. Deixo é um apelo aos meus leitores. Nesse dia internem-me.

Compartilhar no WhatsApp

A culpa é do Passos, pá!

por Kruzes Kanhoto, em 13.12.17

Parece que aquela cena da Raríssimas já tem um culpado. Ou responsável, vá. E não, não é o actual ministro da Segurança Social que, para além de tutelar a instituição, até foi vice-presidente da assembleia geral daquela coisa, onde, pelos vistos, fazia como a Cristas enquanto ministra.

Desengane-se, também, quem esteja com ideias de culpabilizar os restantes membros de todos os outros corpos sociais da associação. Não viram nada, não sabiam de nada e coisa nenhuma lhes levantou suspeita. Livrem-se, igualmente, de suspeitar que os serviços públicos competentes – é, obviamente, uma força de expressão – possam ter no caso, ainda que ao de leve, alguma responsabilidade no assunto. Não tiveram. Nunca têm.

A culpa, como ando desde ontem a ler e a ouvir, foi do Passos Coelho. Nem podia ser de outro. E não vale a pena perguntar porquê. Os acusadores disparam, de rajada e à queima-roupa, um infindável rol de motivos que, todos juntos, me deixam convencido da sua razão. Desde aquilo de ter reduzido o Estado ao mínimo indispensável, à promoção da caridade, ao retirar o apoio que o Estado devia dar a tudo e mais alguma coisa para passar essa função para os privados, até apenas porque sim e porque Passos é Passos, tudo tem servido para culpar o ex-governante pelas alegadas tramóias que agora vieram a público.

Nada disto é surpreendente. A culpa, seja do que for, nunca pode ser de ninguém de esquerda. Nem, sequer, a solução que a canhota apresenta para que casos destes não se repitam causa grande espanto. Ponha-se o Estado a prestar todos esses serviços de assistência social, defendem. Assim estilo ex-União Soviética e outros paraísos felizmente extintos.

Compartilhar no WhatsApp

Piripiri na patareca

por Kruzes Kanhoto, em 11.12.17

 

Depois do rasgar de vestes a que assistimos na sequência daquele acórdão manhoso - que metia citações da bíblia e alarvidades diversas - relativamente a um caso de adultério, estou curioso quanto ao que se vai seguir quando for conhecida a sentença de um crime de carácter passional que está a ser julgado por estes dias. É o caso de uma senhora que, chateada com a traição do companheiro, entendeu vingar-se despejando piripiri na patareca da rival. Entre outras patifarias, ao que consta.

Admito que, para os anteriores indignados e nomeadamente para as militantes feministas, não se trate de um assunto fácil. Reconhecer a perversidade desta criatura quando descobriu o alegado encornanço e a violência da agressão cometida sobre a “outra”, era coisa que só ficaria bem a todos os que andaram por aí a largar postas de pescada acerca do machismo de que, afiançam, ainda padece a sociedade portuguesa. Mesmo que na sentença deste caso não conste nenhum provérbio.

Compartilhar no WhatsApp

Chapéus há muitos…

por Kruzes Kanhoto, em 10.12.17

Apesar da má conta em que tenho os jornalistas e o jornalismo de uma maneira geral, era gajo para tirar o meu chapéu – se usasse - à reportagem exibida pela TVI a propósito de umas quantas manhosices alegadamente praticadas pela presidenta de uma associação de solidariedade. Ainda que nada daquilo me soe a novidade. Com as devidas proporções, dependendo sempre da escala de cada associação, presumo – mais por precaução do que por ausência de certezas – que situações como a descrita, ou outras de uso em actividades de utilidade duvidosa dos dinheiros públicos que são atribuídos a associações, sejam comuns por esse país fora. Mesmo que os valores envolvidos ou a natureza das manigâncias alegadamente praticadas possam ser – caso ocorram – bastante diversos.

Desconfio que não será difícil encontrar associações onde a direcção pode reunir no quarto e a assembleia geral na sala de jantar. Nem se revestirá de grande dificuldade deparar com entidades associativas que só existem para justificar o emprego – ou negócio – dos seus “dirigentes”. Nada disso teria mal se não estivesse envolvido dinheiro público. Seja sob a forma de subsidio ou, eventualmente, fuga ao fisco.

E depois há aquelas que já nem se dão ao incomodo de disfarçar. São as que não se importam nada de justificar que gastaram o dinheiro dos contribuintes em festas e comezainas. Mas, confesso, as minhas preferidas são as que nem se envergonham de pedir – em modo de exigência, quase – apoio público para festas privadas. Assim tipo almoços ou jantares comemorativos de coisas.

Em todas as circunstâncias não é apenas a má consciência cívica dos “dirigentes associativos” que está em causa. Pior, muito pior, é acção dos detentores de cargos públicos que lhes “dão” o guito. O nosso guito, convém relembrar.

Compartilhar no WhatsApp

Outro a prever a vinda do Diabo...

por Kruzes Kanhoto, em 08.12.17

Captura de ecrã de 2017-12-08 15-23-17.jpg

 

Bom, se é o camarada Louçã a dizer, então, deve ser verdade. A menos que, de agora em diante, perca todas as qualidades que têm feito dele uma voz de referência para a esquerda e passe a ser considerado mais um “passista” qualquer. Daqueles que apenas desejam que os portugueses vivam na miséria.

Não é preciso ser “dótor”, ter uma inteligência por aí além ou possuir dotes adivinhatórios para concluir que, por este caminho, a coisa vai voltar a dar para o torto. E a culpa, lamento contrariar a generalidade das opiniões, não é maioritariamente dos políticos. É nossa. Dos portugueses. Daqueles que exigem que todos os dias sejam de festa e que haja festa todos os dias. À conta do Estado. Admito que tristezas não paguem dividas. Mas estas, as dividas, rapidamente tratam de nos tirar a alegria. Já devíamos saber isso.

Compartilhar no WhatsApp

Bonecos de Estremoz

por Kruzes Kanhoto, em 07.12.17

matancaporco.jpeg

 

O reconhecimento pela Unesco dos bonecos de Estremoz como património imaterial da humanidade será para a cidade, presumo, um dos acontecimentos mais marcantes de sempre. Constitui também, como muito bem salientaram os responsáveis pela iniciativa, uma responsabilidade acrescida para quem os cria e para quem os promove. Até porque, de ora em diante, muito mais gente vai estar de olho neles. Nos bonecos. E, quase aposto, não vão faltar as criticas. Nomeadamente daqueles que não entendem o contexto em que esta arte surgiu e se desenvolveu.

A cena da "matança do porco", por exemplo, calculo que deve incomodar os amiguinhos dos animais. Ou a inexistência - acho eu - de bonecos que representem ciganos, homossexuais, muçulmanos, coxos, marrecos e anões. Coisa que, provavelmente, não deixará de suscitar a indignação da policia do politicamente correcto por, à luz dos modernaços conceitos agora tão em voga, não promover a inclusão desses segmentos populacionais. O que, a acontecer e para além da risota que nos vai proporcionar, até poderá ajudar. Como oportunidade de negócio.

 

 

Compartilhar no WhatsApp

Muda-se mais depressa uma embaixada do que um instituto

por Kruzes Kanhoto, em 06.12.17

Não consigo descortinar motivos para a ênfase com que hoje as televisões noticiaram aquela cena da mudança das instalações da embaixada americana em Israel para a cidade de Jerusalém. Nem, ainda menos, o fervor com que o assunto tem vindo a ser discutido por cá. Nas redes sociais, nomeadamente. E – mas isso já nem estranho – com a maioria dos comentadores a tomarem as dores dos palestinianos e da mourama em geral. Como se nós, portugueses, tivéssemos alguma coisa a ver com isso ou partilhássemos com os árabes algo de relevante. Eles têm outros valores culturais, religiosos e políticos que nada, mas rigorosamente nada, têm a ver com os nossos. Em qualquer desses aspectos os israelitas estão muito mais, mas mesmo muito mais, perto de nós e do nosso modelo de sociedade. Mas, reitero, não me surpreende esta nossa posição. Somos assim. Por norma medimos o nosso sucesso pelo infortúnio do vizinho. O gajo que, mesmo sendo como nós, gostamos sempre de ver lixado por outro filho da puta qualquer. A quem, só por isso, admiramos.

Diz que houve por aí uma conversa - uma trapalhada, como se dizia noutros tempos - acerca da mudança da sede de um instituto público. Também de uma cidade para outra. Cá, em Portugal. Coisa pouco importante, pelos vistos. 

Compartilhar no WhatsApp

Desconfio das súbitas valorizações...

por Kruzes Kanhoto, em 04.12.17

Tenho a maior consideração por aqueles que perdem os seus haveres em consequência da seca, dos incêndios ou de outro cataclismo qualquer. Há no entanto, nisto das calamidades que afectam negócios, algo que escapa à minha compreensão. Nomeadamente quando em causa estão colheitas ou explorações agrícolas. Não consigo deixar de me surpreender com a estranha valorização de animais, árvores ou culturas de qualquer espécie quando dizimados pelo infortúnio. Agora, com a seca mas também antes com os incêndios, por qualquer animal falecido e árvore que tenha secado ou ardido é reclamada uma fortuna quando chega a hora de recorrer ao apoio público. As mesmas árvores ou animais que antes – basta estar atento à actualidade para conhecer a retórica – não rendiam nem para o tabaco. Parecem, assim mal comparado, as acções do BPN. Ou, então, acham que o Estado é uma espécie de Carlos Santos Silva dos agricultores. E se calhar até é e nem a comparação com o banco salvo pelos socialistas será tão despropositada quanto isso. Pelo menos no que diz respeito ao pagante.

Compartilhar no WhatsApp

Colaboradoro?! Suspeito, muito suspeito...

por Kruzes Kanhoto, em 03.12.17

Captura de ecrã de 2017-12-03 12-56-51.jpg

 

Há coisas a que nunca me vou habituar. Aquela de chamar colaboradores aos empregados/funcionários/trabalhadores/criados/lacaios/servos/escravos, é uma das que me tira do sério. Outra é obrigatoriedade legal, não vá um pateta qualquer sentir-se discriminado, da neutralidade do anúncio de recrutamento. Por mim, se tivesse uma empresa e necessitasse de recrutar pessoal, limitar-me-ia a um lacónico “preciso de alguém para trabalhar em troca de remuneração”. Talvez assim ninguém ficasse ofendido. Nem mesmo nenhum militante das outras, para além das normais, trezentas e vinte cinco opções sexuais conhecidas.

Neste caso não parece muito evidente o perfil da pessoa a admitir. Assim de repente quase se pode garantir que a opção será por “uma” colaboradora. Ou, vá, “colaboradoro”. Já “um” candidato a colaborador não se afigura que tenha grande hipótese de conseguir o lugar.

Compartilhar no WhatsApp

Tirem as patas da minha reforma, patifes!

por Kruzes Kanhoto, em 01.12.17

Pareceu-me ler, na capa de um jornal, que o governo voltou a cortar nas reformas. Naquelas que dizem ser antecipadas. Deve ser mais uma pantominice dos jornalistas a soldo da direita bafienta. Um governo da esquerda com um refrescante odor a pinho, jamais atacaria dessa maneira os direitos dos trabalhadores e do povo. Pelo contrário. Tem até, como todos sabemos, reposto os direitos roubados pelos maléficos governantes troikistas que o antecedeu. Ou, então, devo ter lido mal. O mais certo é não ter razão para me preocupar. Os meus trinta e sete anos de desconto devem garantirar-me os mesmos direitos que os meus colegas, já reformados, que se aposentaram mais novos do que eu sou hoje e a quem o governo já repôs cortes e prometeu aumentos. Até já me arrependi de ter pensado que são os cortes na minha reforma que garantem a deles. Um governo de esquerda com um saudável aroma a alfazema - ou será a outra erva? - ia lá fazer uma discriminação dessas!

Compartilhar no WhatsApp