Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Ladrão no espeto

por Kruzes Kanhoto, em 29.11.17

Captura de ecrã de 2017-11-29 19-34-32.jpg

Acredito que a capa do Jornal E – um dos dois quinzenários que se publicam em Estremoz – dificilmente deixará alguém indiferente. Por mim acho-lhe piada. Mesmo não percebendo – ainda não li o jornal, confesso – as circunstâncias, rocambolescas na certa, que levaram o meliante a ficar em tão insólita posição. Se o jornal devia ou não publicar a foto, mais ainda na capa como hoje já vi e ouvi discutir, é coisa que pouco me importa. Pode o autor não ganhar nenhum prémio no âmbito do foto-jornalismo mas lá que o “boneco” está bem apanhado, isso está. E o ladrão, também. Ou alegado, sei lá.

Compartilhar no WhatsApp

E do politicamente correcto, quem nos protege?!

por Kruzes Kanhoto, em 28.11.17

Parece que em algumas cidades, nas zonas onde se aguarda uma elevada concentração de pessoas por ocasião da quadra natalícia, estarão a ser colocadas protecções contra os automóveis assassinos. Pois, isso mesmo. Automóveis assassinos.

Talvez por não ser um grande conhecedor do mundo motorizado, desconhecia em absoluto a existência de veículos com vontade própria. E logo com vontade de matar, os patifes. Boa ideia essa de colocar as tais protecções. Nada como estar atento e trocar as voltas a essas máquinas diabólicas que nos querem limpar o sebo.

Ainda não consegui confirmar se estarão igualmente a ser tomadas algumas medidas contra aquelas facas com a mania de perfurar pessoas. Diz que existem muitas com essa tendência. Também já ouvi falar de alguns machados, quiçá motivados pelo aborrecimento derivado do pouco uso nas funções para que foram fabricados, que se resolveram atirar contra quem lhes apareceu à frente. Espero que, nisso da proteção natalícia, não fiquem esquecidos. Esses e outros objectos que, de repente, nos passaram a odiar. Façamos votos para que as tais protecções não se juntem ao clube e não fiquem, também elas, com vontade de nos matar.

Compartilhar no WhatsApp

Reescrevam-se as histórias infantis!

por Kruzes Kanhoto, em 26.11.17

Uma inglesa doida varrida pretende banir a história da “Bela Adormecida” da escola do filho – desgraçada da criança que tal mãe tem – com o fantástico argumento que isso transmite às crianças que é legitimo a um homem beijar uma mulher enquanto esta dorme e, por consequência, sem o seu consentimento. Por incrível que possa parecer, a ideia suscita a simpatia de muita gente e merece um assustador número de comentários concordantes. Está tudo doido. Só pode. Ou, então, é um sinal dos tempos. Ou do fim deles.

Por cá, não há assim tanto tempo, já tivemos casos parecidos. Como aquela cena do “atirei o pau ao gato” e isso, que levou uns quantos patetas a argumentar que se tratava de promover a violência contra os bichanos. Só não percebo é porque não se indignam com o outro conto infantil em que a garota beija o sapo e o batráquio se transforma num príncipe. Oscular um bicho parece-me um acto repugnante e próprio de javardos.

Fico, também, à espera de um levantamento popular relativamente a outras histórias infantis. A Branca de Neve, por exemplo, que suspeito anda enrolada com sete gajos de baixa estatura. Comportamento que, convenhamos, não se afigura como o mais adequado para transmitir a criancinhas de tenra idade. E, pior ainda, nenhum desses baixinhos é negro, cigano ou muçulmano. Nem, mais grave, há entre eles qualquer homossexual. O que configura uma evidente promoção do racismo, homofobia e islamofobia. Só não vê quem não quer.

Compartilhar no WhatsApp

Paisagem

por Kruzes Kanhoto, em 25.11.17

A paisagem mais espectacular que fotografei?! Pode não ter sido esta. Depende do modo com se olha para essa coisa da espectacularidade. Ou para a foto. Ou, até mesmo, para quem a tira.

Vinhas3.JPG

 

Compartilhar no WhatsApp

Aeroporto de Estremoz

por Kruzes Kanhoto, em 25.11.17

Captura de ecrã de 2017-11-22 19-59-25.jpg

Isso da descentralização parece-me uma coisa catita. Já mudar a sede de um instituto publico ou outro organismo qualquer de Lisboa para o Porto é, apenas, uma coisa parva. Descentralizar seria transferir serviços para o interior. Para cá da A1 a norte ou da A2 a sul. O resto é politiquice - da cara, no caso - para entreter autarcas e espevitar regionalismos bacocos como aquele de que padecem os portuenses.

E se vai um instituto para o Porto, que tem quase tudo, porque não um aeroporto para Estremoz? A campanha publicitária a promover voos já está online. Agora só falta a vontade política.

Compartilhar no WhatsApp

"Adevidam-se", porra!

por Kruzes Kanhoto, em 24.11.17

São um pouco mais de treze mil as almas que habitam no território que constitui este Município. A maioria das quais, seja por reforma ou outro motivo qualquer, não trabalham. Para aí uns dois terços, diria, têm todo o dia livre para fazer aquilo que muito bem lhes apetece e, como dizia a minha avó, ainda lhes sobra tempo para mais. Não precisavam, por exemplo, de ir ao supermercado à hora de almoço. Nem registar o placard, totobola, euromilhões, totoloto, comprar raspadinhas e confirmar se todas essas apostas do dia anterior estão ou não premiadas quando podiam fazer tudo isso a outras horas do dia. Ou, indo, podiam ser simpáticos e dar a vez aos que têm de bulir. Vá lá que, justiça lhes seja feita, ainda não vi a essa hora nenhum velhote, cigano ou desocupado exigir aquela coisa da prioridade na fila do atendimento. Sinal que têm mais juízo do que os desmiolados que aprovaram a lei. O que, diga-se, não é difícil.

Compartilhar no WhatsApp

Avante camaradas com isso do imposto das batatas fritas!

por Kruzes Kanhoto, em 22.11.17

Vamos em breve ficar a saber se o imposto das batatas fritas, do sal ou lá do que é, vai ou não avante. Isso, diz, depende da vontade dos camaradas. Que, ao que parece, não estarão pelos ajustes. Sabe-se que, nessa coisa da relação entre o Estado e o cidadão, os comunistas consideram que cada um deve contribuir consoante as suas possibilidades e receber de acordo com as suas necessidades. Daí que, de verdade, não esteja a perceber a posição dos camaradas. Acharão eles que a batata frita é um bem essencial na alimentação dos trabalhadores e do povo?  

Por mim, acho bem este imposto. Desta vez estou de acordo com os radicais que assaltaram o PS e com a gaiatagem doida varrida do Bloco.  Só lamento é que o valor da colecta não sirva para continuar a reverter o enorme aumento de impostos do tempo do outro. Mas percebo que não sirva. Alguém tem de pagar aquilo dos professores.  

Compartilhar no WhatsApp

Vade retro, IRS!

por Kruzes Kanhoto, em 21.11.17

Faço parte de uma minoria que não consegue escapar ao pagamento de impostos. Não tenho como receber, por exemplo, parte do ordenado "sem ir à folha". Nem, tão-pouco, auferir rendimentos que não afectem a declaração de IRS. Mas, admito, tenho pena. Tal como começo também a admitir que tentar escapar ao pagamento de impostos, seja pelos meios legais ou quaisquer outros, deve constituir um desígnio nacional. Atendendo à maneira como o governo semi-comunista esturra o dinheiro que somos obrigados entregar-lhe constitui, até, quase uma espécie de dever. É por isso que, chegados a esta altura do ano, recomendo vivamente a quem me lê uma especial atenção às despesas dedutíveis em sede de IRS - às que já tem e as que ainda pode vir a fazer - e, sobretudo procurar um simulador de IRS de 2017 a entregar em 2018.  Cada euro que pouparmos é menos um euro mal-gasto! 

Compartilhar no WhatsApp

E do Pai Natal, ninguém reclama?!

por Kruzes Kanhoto, em 19.11.17

Agora que está quase a chegar mais uma quadra natalícia, é com manifesta expectativa e uma mal disfarçada ansiedade que aguardo pela nova causa fraturante do Bloco de esquerda e de outras forças minoritárias na sociedade mas amplamente dominantes no âmbito do mediatismo. Já me tarda uma campanha contra o Pai Natal. Não espero – e daí não digo nada - que desatem à porrada aos desempregados gordos com vestimenta vermelha e longa barba branca que, por estes dias, vão andar um pouco por todo o lado. Mas, tirando a parte da pancadaria, começo a achar estranha a ausência de uma campanha dirigida às criancinhas a esclarece-las que o Pai Natal não existe e que o anafado de vermelho é apenas mais um símbolo da sociedade capitalista, opressora e estereotipada de que urge libertá-las. Nem sei porque esperam, essas inteligências de perú. E por falar em perú, que tal outra campanha para salvar os perús deste planeta? É pá, vá lá, não me desiludam...

Compartilhar no WhatsApp

A igreja e os homossexuais

por Kruzes Kanhoto, em 17.11.17

Mesmo não sendo devoto de nenhuma causa religiosa – a minha religião é o Benfica, e isso me envaidece – tenho a vaga sensação de, em algum lado, ter lido ou ouvido que a igreja católica estaria a atravessar uma grave crise de vocações. Tanto assim seria que, ao que até agora era a minha crença, os candidatos a percorrer os caminhos da fé e a dedicarem a vida a Cristo seriam em número quase insignificante. Ou seja, ninguém queria ir para padre.

Parece que, também nisto, não podia estar mais enganado. Afinal existirá uma legião imensa de gente que aquilo porque mais anseia é vestir a sotaina. Bastou um clérigo qualquer afirmar que os homossexuais não reúnem as condições necessárias para o acesso à profissão – de fé, no caso – e que, portanto, não serão admitidos no sacerdócio para, quase de imediato, serem mais do que muitos os que, de repente, descobriram a vocação. Isto, claro, a julgar pelas reacções exacerbadas que as palavras do senhor – o vigário, não o Outro – motivaram entre, quero acreditar, os putativos candidatos a seminaristas. Ou, então, são apenas os cães raivosos do politicamente correcto a mostrarem os dentes quando alguém lhes “vai ao cú”.

Mas, a bem dizer, a posição da igreja quanto a esta temática não se me afigura muito católica. Podiam, digo eu, aceitar os homossexuais. Pelo menos os não praticantes.

 

Compartilhar no WhatsApp

E uma baixazinha no IRS?

por Kruzes Kanhoto, em 16.11.17

Segundo as contas do governo – ainda não desmentidas, ao que julgo saber – o descongelamento dos escalões dos professores custaria seiscentos e cinquenta milhões de euros. Coisa que, pelos vistos, pouco ou nada importa aos sindicatos. Mas – e não é por uma questão de inveja ou falta de respeito pela profissão – importa-me a mim. E muito. É que esta maçaroca toda representa um pouco mais de meio por cento do total do IRS que o governo prevê arrecadar em 2018.

A menos que me esteja a escapar alguma coisa deve existir uma qualquer espécie de discriminação nisso do descongelamento. Para os professores, ao que declararam alguns docentes às televisões, estarão em causa umas centenas de euros por mês. Mas, para a generalidade das carreiras da função pública, o tal descongelamento não dá mais do que umas três dezenas de euros mensais a cada funcionário. Logo, não me parece que a classe docente tenha assim tanta razão de queixa. Ou se há é apenas por estarem com dificuldade em recuperar parte dos privilégios perdidos.

Compartilhar no WhatsApp

Blogs do ano

por Kruzes Kanhoto, em 15.11.17

A sério que o blog do ano, na área do entretenimento, é uma coisa chamada “Bumba na fofinha”?!

E o “Poupadinhos e com vales” - graças ao qual ficaria elucidado acerca das diferenças entre a Bimby nova e a velha Bimby, se me desse ao incomodo de ler o post sobre o tema – foi o vencedor na categoria “negócios e empreendimento”?! De verdade, ou isso é só a reinar?!

Diz também que o “Emprego pelo Mundo” ganhou na categoria “Política e Economia”. Deve ser por não ter tido actualizações nos últimos seis meses…

Claro que nada disto tem importância. Nem, obviamente, serve para coisa alguma. A não ser para evidenciar a indigência mental que vai reinando por aí...

Compartilhar no WhatsApp

Cara comida para estudante...é coisa do passado.

por Kruzes Kanhoto, em 14.11.17

Captura de ecrã de 2017-11-14 19-18-32.jpg

Captura de ecrã de 2017-11-14 19-31-55.jpg

 

Uma das últimas indignações deste país de indignados teve a ver com as refeições servidas nas escolas e nas cadeias. Fraca qualidade, pouca quantidade e ingredientes indesejáveis reveladores de falta de higiene, foram os motivos que mais indignaram os profissionais da indignação. E são muitos, diga-se. Tantos que, seja na comunicação social ou no Facecoiso, conseguem ditar a agenda política. Mas isso, agora, não vem ao caso. O que vem ao caso é a desatenção, a ligeireza e a hipocrisia com que toda essa malta olha para estas coisas. E para outras, também.

Podiam, por exemplo, fazer a comparação entre o preço das refeições dos alunos e o das refeições servidas nas festas para os idosos. Podiam até, num rasgo de impertinência, questionar aqueles que elegem acerca do que tem a dizer sobre tão grande discrepância. É que isto de uma refeição para presos e estudantes ser tão mais barata do que a servida a velhinhos – que, na esmagadora maioria, até nem comem assim tanto – deve ter aqui uma marosca qualquer. Que, de certeza, nada terá a ver com aquela coisa dos votos, ou lá o que é, de que se alimentam os políticos.


Compartilhar no WhatsApp

Uma questão de anatomia

por Kruzes Kanhoto, em 13.11.17

Dizer que um dia destes não se pode manifestar uma opinião divergente do modelo de pensamento único que está a ser imposto à sociedade, não constitui nenhuma espécie de premonição. É, apenas, constatar o óbvio. E, em algumas circunstâncias, nem é necessário expressar opinião nenhuma. Basta distraidamente dizer qualquer coisa que ofenda os policias do politicamente correcto que, quais pides dos tempos modernos, se encontram ao virar da esquina. Ou da tecla, que agora é mais moderno.

Uma das muitas vitimas destas bestas foi, ao que é noticiado, um professor inglês que – por uma confusão qualquer – chamou menina a uma gaiata que tem a mania que é um gajo. “Aquilo simplesmente saiu-me”, ter-se-á desculpado o docente que – veja-se lá a ignorância do homem – acredita que o sexo de cada um é definido quando se nasce. As pessoas acreditam em cada coisa…

Mas, crenças à parte, o professor está metido em sarilhos. A pirralha levou aquilo a peito, fez queixinha e agora o mais certo é ser despedido. Por mim a coisa resolvia-se muito facilmente. Homem tem próstata. Portanto alguém que enfie o dedo no cú da catraia e ficam as dúvidas esclarecidas quanto ao que ela é ou não. O resto são ideias de merda.

Compartilhar no WhatsApp

O Estado serve, ao certo, para quê?!

por Kruzes Kanhoto, em 12.11.17

Que um policia seja malhado por um meliante não me parece nada de por aí além. É um dos riscos, talvez o principal, que consigo associar à profissão. Inquietante é a ausência de reacção à agressão. Quer o agente agredido quer o colega teriam, como todos os agentes da autoridade, uma arma à cintura. E, ambos, optaram por não a utilizar. Em cumprimento, presumo, de alguma lei ou regulamento que determina o protocolo a seguir numa daquelas situações. Ou, mais inquietante ainda, por receio do que viria a seguir se, por sorte, limpassem o sebo ao agressor. Ora é precisamente aqui que a coisa se torna extremamente preocupante. Se os policias agiram assim quando em causa estava o seu próprio coiro, nem quero imaginar o que fariam se fosse o meu.

Perante situações deste género, a pergunta “para que serve o Estado?” é cada vez mais pertinente. Se abandona o território, deixa as populações à sua sorte e não garante a segurança dos cidadãos não parece que sirva para grande coisa. Excepto, talvez, para aquilo de recolher impostos com vista a satisfazer pensionistas e sindicatos.

Compartilhar no WhatsApp

Constatações

por Kruzes Kanhoto, em 10.11.17

Segundo as poucas fontes que demonstram a coragem suficiente para escrever acerca do assunto, serão bastantes os alegados refugiados que aportam aos países ricos do norte da Europa – os únicos onde lhes interessa refugiar, diga-se – acolhidos ou adoptados por mulheres solteiras, viúvas ou divorciadas. A maioria delas, segundo os mesmos relatos, já com alguma idade. Será, por certo, por uma questão de disponibilidade. Ou – e isso não tem nada de mal – para receberem da segurança social local um subsidio que as compense por tão piedoso acto. Mesmo que a quase totalidade desses acolhidos sejam do sexo masculino, como dizem ser o caso, continuo a não descortinar nisso nada de reprovável.

Também em Portugal, nos trabalhos jornalísticos onde o tema é abordado, a maioria dos intervenientes na tentativas de importar alegados refugiados são mulheres. Tal como na estranja com uma idade ligeiramente avançada. E também, certamente por disponibilidade para a fotografia, a maior parte dos alegados refugiados são homens. Não vou estar para aqui a tirar conclusões. Estou apenas a constatar. Até porque, fosse o que fosse que concluísse, era coisa que importava tanto como a chuva que tem caído no Alentejo por estes dias. Mas lá que constato, constato...

Compartilhar no WhatsApp

Trump e bolcheviques. Malucos que chegaram ao poder.

por Kruzes Kanhoto, em 08.11.17

Reitero o que, aqui há atrasado, escrevi acerca do Trump. Uma desilusão, a criatura. Ao contrário do que garantia a intelectualidade, a malta de esquerda e todos aqueles que aspiram a serem considerados como pessoas sensatas ou, apenas, vagamente inteligentes o mundo continua a girar, o sol a nascer do mesmo lado e nada de especial ou de notória relevância ocorreu envolvendo o dito personagem. O homem é, tal como se esperava, um político igual aos demais. Pouco ou nada cumpre daquilo que promete. Até eu, um dos poucos incultos e iletrados políticos que vagueiam pelos blogs, percebi isso há um ano atrás.


Também por esta altura se assinala mais um aniversário da revolução bolchevique. Ocorrência da qual, ao que parece, os habitantes do antigo império onde os revolucionário governaram nem querem ouvir falar. Foi, para eles, uma página negra. Se há povo com a obrigação de perceber esse sentimento somos nós, os portugueses. Passámos pelo mesmo. Durante quarenta e oito anos também tivemos de aturar uns labregos que julgavam saber o que era melhor para os outros. Daí ter alguma dificuldade em perceber – eles, se calhar, também – a nostalgia com que os comunistas portugueses recordam a antiga União Soviética. Desiludam-se. Aquilo não volta. Agora existe um antídoto para aquela propaganda. Chama-se informação.

Compartilhar no WhatsApp

A perua como forma de reconhecimento

por Kruzes Kanhoto, em 07.11.17

Ainda sou do tempo em que, para cair nas boas graças de alguém ou como forma de reconhecimento, as pessoas ofereciam géneros de diversa ordem a quem lhes tinham feito alguma espécie de favor ou àqueles de quem esperavam obter algum tipo de favorecimento. Fosse a um médico, político, professor ou, até, um amanuense qualquer.

Como foi o caso, já lá devem ir uns bons trinta anos, de umas quantas senhoras que, gratas por o presidente da Câmara lhes ter arranjado emprego, decidiram ofertar uma perua ao filantropo autarca de então. O pior é que o bicho, pouco disposto a ser o actor principal da cerimónia de agradecimento, resolveu fugir. Claro que as tentativas de captura da ave transformaram a pacatez da praça principal da cidade num pandemónio e divertiram quem assistia ao espalhafato.

Para além da risota que provocou, a fuga da perua teve a inequívoca vantagem de tornar a oferenda do domínio público. Foi assim a modos que um acto de “transparência” involuntária. Embora isso, para a época, nem fosse necessário dada a naturalidade com que estas coisas eram aceites. Hoje não será assim. O que, de certa forma, é uma pena. Porque as “prendas” foram substituídas pela subserviência e isso é, manifestamente, pior. Muito pior.

Compartilhar no WhatsApp

Os amigos dos pulguentos

por Kruzes Kanhoto, em 06.11.17

pulguento.jpg

 

Ao que parece anda por aí – para os lados de Lisboa, mais concretamente – um grupo de indivíduos que, estilo “comandos”, tratam de defender os animais mal-tratados. Seja pelos donos ou em situação de abandono. Os método, a ser verdadeiro o relato feito num órgão de comunicação social online, é que não se afigura o mais adequado. O recurso à violência e à coação são condenáveis e, como dizem os entendidos nas coisas do pacifismo, geram sempre mais violência. Mas, admito, o principio é bom. Pena que outros não lhes sigam o exemplo. Podiam voluntariar-se para limpar as ruas, passeios, parques e jardins que estão repletos de merda de cão. Seria, igualmente, uma forma de demonstrar carinho pelos bichos. Tão válida como a outra e, seguramente, mais valorizável. A menos que aos donos fosse necessários dar uns murros nos cornos. E alguns bem merecem.


Sucedem-se os casos de pessoas atacadas por cães. Nada de muito surpreendente, dada a explosão demográfica verificada no âmbito da canzoada nas cidades e a consequente convivência forçada entre pessoas e canitos. Serão, portanto, normais os desaguisados entre uns e outros. Com tendência, diga-se, a acentuado agravamento. Por enquanto, salvo uma ou outra excepção, a maior parte desse convívio forçado ainda ocorre ao ar livre mas, um dia destes, passará também a dar-se em espaços fechados e de grande concentração de pessoas. E aí, desconfio, o nível de conflitualidade é capaz de fazer dos nossos brandos costumes uma boa recordação do passado. Porque agora, como se tem visto, não há quem intervenha se deparar com alguém a dar uma carga de porrada num desgraçado qualquer. Mas se num restaurante uma pessoa der um pontapé a um cão, quase aposto que não sai de lá inteira...

Compartilhar no WhatsApp

Manipulação informativa, misandria e xenofobia. Tudo em directo numa TV perto de si.

por Kruzes Kanhoto, em 04.11.17

A comunicação social insiste em manter na ordem do dia a cena de pancadaria em Lisboa. Como se isso fosse algo de importante para o país ou dali tivessem resultado consequências que constituíssem uma qualquer espécie de drama. Afinal, para quem terá sido agredido selvaticamente, os tais jovens até parecem não estar assim tão mal. Isto ou os seguranças batem como meninas ou alguém nos está a contar uma história alternativa. Entretanto não se vai falando no OE/2018. Realmente o que é que isso pode interessar aos portugueses quando comparado com um arraial de porrada entre meliantes? Nada, obviamente.


E aquilo do assédio sexual, ou lá o que é? Mais uma modernice. Outro filão a explorar até à exaustão pelo comité das noticias. Não tarda, também por cá, começarão a vir a terreiro umas quantas criaturas muito traumatizadas por terem sido apalpadas pelos colegas de carteira na escola primária. É nestas alturas que bem-digo ser pobre. Parece-me que é a única condição para se estar imune a esse tipo de acusações.


O elevado preço das casas em Lisboa é culpa, ao que alegam uns quantos, dos estrangeiros endinheirados que vêm para cá beneficiar da isenção de IRS, concedida em 2009 pelo governo do Sócrates e ainda hoje em vigor. Uma chatice, isso de essa estrangeirada vir para Portugal gastar o dinheiro deles quando o podiam fazer noutro país qualquer. Daí que ande a germinar a ideia de acabar com essa benesse. Eles que paguem como os demais, ameaçam umas criaturas que entendem tanto do que estão a falar como eu de cozinha uzebeque. Mas, se fazem assim tanto mal na capital, façam-nos pagar tudo e mais alguma coisa onde acham que a sua presença está a distorcer o mercado e isentem-nos, também de tudo e mais o resto, em todo o interior do país. Mas não. Isso não será feito. Preferem que continuemos orgulhosamente sós. Como o outro.

Compartilhar no WhatsApp

Pág. 1/2