Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

A sério que ainda não perceberam?!

por Kruzes Kanhoto, em 29.06.16

cartoon-man-with-pointer.jpg

 

Não sou dos que acham que o Fundo Monetário Internacional, só por nos emprestar o dinheiro que andamos a esturrar para fazer a nossa vidinha de alarves, não se pode imiscuir nos nossos assuntos. Pode e, mais do que isso, deve. Mal comparado é como se eu emprestasse dinheiro a um cavalheiro em dificuldades financeiras e, depois, não o pudesse criticar por fazer uma vida faustosa com o dinheiro que lhe emprestei. O FMI não pode – nem, muito menos, deve – é dizer parvoíces. Coisa que, reconhecidamente, tem feito quase de cada vez que os seus representantes abrem a boca para se referir a Portugal.

O caso do horário de trabalho da função pública, por exemplo. Segundo a análise de um individuo qualquer daquela organização se em trinta e cinco horas é executado o mesmo serviço que em quarenta, então é porque existe gente a mais. Assim, de repente, o homem até parece ter razão. Mas contas dessas até os ciganos que vendem penicos rachados resgatados ao lixo sabem fazer.

Com o que a criatura se deve preocupar é com o significativo aumento das despesas com aquisições de serviços, nos anos em que o FMI nos mandou apertar o cinto. Aquilo que engloba os outsourcings, as empresas de trabalho temporário e aquelas aquisições de serviços a empresas e trabalhadores individuais para fazerem, nomeadamente, coisas. Só na administração local – presumo que no Estado central seja igual – este tipo de despesa aumentou, entre 2010 e 2014, a “insignificância” de 243 milhões de euros. Quase dezoito por cento. Face a números desta natureza, este e outros badamecos de certeza que querem falar do horário de trabalho? Se calhar querem, mas isso é porque “não conhecem o dinheiro”, como em tempos idos se dizia por cá daqueles que eram assim a atirar para o “poucochinho”...

Compartilhar no WhatsApp

Uiiiiiiiii......que medo!!!!!!

por Kruzes Kanhoto, em 28.06.16

vaca-em-um-telefone-celular-43681966.jpg

 

 

Não costumo dar palco aos anónimos que, por motivos que a psiquiatria explicará melhor do que eu, para aqui vêm marrar comigo. Ando há muitos anos nisto e, como é natural, não faltarão os que não apreciam aquilo que escrevo. Têm sempre a opção de não ler ou, lendo, manifestar de forma cordata uma opinião diferente. É o que fazem as pessoas normais.

Há, depois, as outras. Como aquela anónima que hoje, cerca das quinze e quarenta, me telefonou para o meu local de trabalho. “Se voltas a dizer mal dos animais estás fodido”, garantia uma mulher, com voz de bagaço e um timbre notoriamente labrego, enquanto desligava antes que a pudesse inquirir acerca da envolvência de tão estranha promessa. Apesar de, sabendo quem sou e onde trabalho, não necessitar de recorrer a este método para me oferecer os seus préstimos.

Não falta quem garanta que se trata de uma lunática cá da terra. Não creio. Será, apenas, mais uma idiota que por aí vai vegetando. Tão idiota que não sabe que isso do anonimato, seja ao telefone ou num computador, é apenas relativo. Mas, seja quem for, não possui capacidade intelectual para interpretar um texto. Por aqui não se diz mal dos bichos. Coitados, eles nem sabem ler. Diz-se, isso sim, de gentinha como ela. E continuará a dizer. Porque quero, porque me apetece e porque posso.

 

Compartilhar no WhatsApp

Eles "andem" aí...

por Kruzes Kanhoto, em 28.06.16

100_4667.JPG

 

Ao que consta, embora estas coisas não apareçam nas noticias e apenas se saibam por meios alternativos, têm sido avistados nos últimos dias – e nas ultimas noites, também – diversos objectos voadores não identificados nos céus de Portugal. Por todo o lado. Do norte ao Algarve, em Lisboa e em vários locais do interior do país. Os relatos de avistamentos são mais que muitos, as fotos e os vídeos a documenta-los são igualmente em número apreciável e quem, alegadamente, os avistou jura, pelas alminhas dos que já lá estão e dos que para lá hão-de ir, que aquilo não era coisa deste planeta.

Pois eu, um dia destes, também me deparei com algo a esvoaçar nos céus do Alentejo. Era um domingo. Que até nem é dia muito propicio a estes aparecimentos mais ou menos inopinados. Em plena luz do dia apareceu, vindo do nada, mesmo em frente ao meu nariz este objecto esvoaçante. Pode, ao contrário dos outros, ser perfeitamente identificado mas, também contrariamente aos demais avistamentos, neste caso as provas são irrefutáveis.

Compartilhar no WhatsApp

A "Vitória" é nossa e há-de ser! O PAN que se vá f****!

por Kruzes Kanhoto, em 27.06.16

farejador.jpg

 

Não me importo nada que os meus escritos provoquem manifesto desagrado aos defensores dos animais que visitam este espaço. Estou-me nas tintas. Nem, como já escrevi noutras circunstâncias, admito pressões no sentido de escrever ou deixar de escrever seja acerca de que assunto for. Pressões que, diga-se, nunca tive. Até porque, quem as fizer – seja lá quem for - vai ter o nome aqui escarrapachado, vai ler e, sobretudo, ouvir um sonoro “vai para o c******”. Sem asteriscos. Depois, se não ficar satisfeito, pode queixar-se nos locais próprios. Até porque, comigo, estas coisas costumam funcionar ao contrário. Quanto mais se sentirem incomodados, mais vezes o assunto aqui será abordado, a critica mais corrosiva e o humor mais jocoso. Apenas por dois motivos. O primeiro porque quero e o segundo porque posso.

Posto isto – e por me dar um especial gozo malhar nos amiguinhos dos animais – vejamos as últimas ideias do PAN. Trata-se de uma proposta de regulamento municipal do animal, apresentada por aquela agremiação na Assembleia municipal de Lisboa e, felizmente, rejeitada pela maioria dos membros daquele órgão autárquico da capital. A ser aplicado, ficaria proibido o uso de aves de rapina para fins de controlo de segurança no aeroporto ou, por exemplo, a exibição da águia “Vitória” no Estádio da Luz.

Mas há mais. E pior. O controlo dos pombos apenas podia ser feito com recurso a contraceptivos e, mesmo para os afugentar, apenas se poderia recorrer a meios que não fossem susceptíveis de os magoar. Estão a ver aquilo dos picos nos edifícios? Com este regulamento tal seria impossível. Proibido seria também a existência de coches, atrelados e jaulas de transporte de cães e gatos. Trela apenas se não prejudicar os movimentos do bicho e, no caso dos cães perigosos, as pessoas devem adoptar um comportamento que não os irrite. Mesmo o extermínio de pragas de insectos ou ratazanas ficaria condicionado à aplicação de métodos que não causassem sofrimento aos exterminados.

Por fim, tipo piece-de-resistance, os “donos” deixariam de o ser. Passariam a “detentores”. Ainda bem que já não tenho animais de estimação. Acho que o meu cão ia ficar confuso quando me ouvisse chama-lo “BENFICA! Anda cá ao detentor”.

Compartilhar no WhatsApp

Antes tinham fome...agora apenas sentem um ratinho!

por Kruzes Kanhoto, em 26.06.16

ng1489633_700x505.jpg

 

Ao contrário de anos lectivos anteriores, o que agora findou não nos trouxe noticias de criancinhas a chegar esfaimadas às salas de aula. Mesmo as informações acerca da necessidade de manter abertas as cantinas escolares durante os períodos de férias foram relativamente escassas, nomeadamente por comparação com os quatro anos precedentes. Deve ter ocorrido algum milagre, neste entretanto. Ou, então, sou eu que ando distraído.

Do que tenho ouvido falar, no âmbito dos alunos esfomeados, é de comida a mais. Parece – é o que decorre de uma proposta, sobre este tema, apresentada por um partido da geringonça - que um número significativo de alunos, maioritariamente carenciados, os que não pagam a refeição que lhes é fornecida na cantina escolar, não aparecem para o almoço nem avisam que não vão almoçar. Originando, assim, um enorme desperdício alimentar que a tal proposta pretende combater. Embora, como não há noticias de mortes por desnutrição, se presuma que continuem a dar ao dente. Coisa que, presumivelmente, não teriam condições para fazer sem ser na escola...


Compartilhar no WhatsApp

Uma chatice essa mania de pôr o povo a decidir...

por Kruzes Kanhoto, em 25.06.16

csm_6223-05-15-GB-Wahl-EU_F_04aabd2588.jpg

 

Não percebo a dificuldade evidenciada por todos aqueles que enchem a boca de democracia, vontade popular e sei lá mais o quê em aceitar os resultados do referendo no Reino Unido. Entre o alegado milhão de subscritores de uma alegada petição, que corre lá para a Grã-Bretanha, visando fazer nova consulta para decidir - de novo e desta vez é que vale -  a saída da União Europeia estarão, seguramente, muitos desses alegados democratas. Repetir votações até que estas dêem o resultado pretendido não constitui novidade, mas, bolas, custa assim tanto respeitar o resultado de uma votação?!

Isto da democracia é uma chatice. Principalmente quando a escolha popular não é a que nós gostamos. Ou, como se começa a pressentir por essa Europa fora, o povo se está nas tintas para o politicamente correcto, para a opinião publicada e para as ideias bacocas de alguns génios auto-proclamados. Habituem-se, que é capaz de vir aí mais...

Compartilhar no WhatsApp

Abram lá uns "gulags", vá...

por Kruzes Kanhoto, em 25.06.16

9278942_kUNZt.jpeg

Pois faz. Nomeadamente a quem precisa dela. Da saúde. Daquela que o Estado não tem condições de prestar mas que, por convicção ideológica, a geringonça pretende recusar aos portugueses. A partir do próximo ano, ao que se lê em alguma imprensa, os hospitais ficarão inibidos de emitir cheques-cirurgia para o sector convencionado. Voltarão as famosas listas de espera. Deve ser, outra vez, aquilo da opção. Quem não quiser morrer, ou não tiver paciência para aguardar a sua vez, que pague do seu bolso. E se não tiver dinheiro que peça um crédito. Ainda bem que temos um governo preocupados com os mais pobres e que não quer cá negociatas com a banca, as seguradoras, os privados e coiso...

 

Compartilhar no WhatsApp

Abandonar animais humanos não é crime

por Kruzes Kanhoto, em 24.06.16

IMG_20160603_084546.jpg

(imagem obtida um dia destes na minha rua) 

A imprensa deu-nos por estes dias a noticia da absolvição de um individuo que foi presente a tribunal por abandono e maus tratos a familiares. Daqueles humanos. O pai e uma tia, no caso. O mesmo sucederá a todos os outros animais humanos levados à justiça acusados de iguais práticas. Tudo mudará de figura se em causa estiver um cão, um gato, um pássaro ou um animal não humano de qualquer outra espécie. Aí o agressor está feito ao bife. Pode, até, ir malhar com os costados xelindró.

Esta altura de férias costuma ser fértil em abandono de animais. Presumo que este ano não vá ser diferente. Há é que escolher o animal certo para abandonar. Por isso, caros leitores, quando rumarem a sul e ao gozo das merecidas, certifiquem-se que é a sogra que fica na beira da estrada e não o Boby. E se a filha – da sogra – for amiguinha dos animais deixem-na lá também. Pode ser que descubra uma nova vocação…

Compartilhar no WhatsApp

Exactamente igual e simultaneamente completamente diferente

por Kruzes Kanhoto, em 23.06.16

bloco_de_esquerda.JPG

 

De tão entretidos que andamos com a selecção do Ronaldo, nem reparamos que os nossos bolsos continuam a ser atacados. Exactamente como eram antes. No tempo da malvada coligação de direita. Só que agora ninguém se importa. A finalidade, por acaso, até continua a ser a mesma. A tal que, anteriormente, toda a gente criticava. Salvar bancos. E investimentos ruinosos, também. Daqueles em que o lucro foi privado e o prejuízo é assumido pelo Estado. Mas isso foi noutros tempos. Hoje vamos todos, felizes e contentes, salvar a Caixa Geral de Depósitos e os “lesados” do BES. Não faz mal. Não nos importamos. Nós só não gostamos é de apoiar o grande capital. Nem os especuladores oportunistas. Ainda bem que não é o caso.

Compartilhar no WhatsApp

Não se deve generalizar...excepto quando dá jeito.

por Kruzes Kanhoto, em 22.06.16

The-answer-is-yes.jpeg

 

Uma reputada jornalista portuguesa garantia hoje, a propósito do referendo à permanência da Grã-Bretanha na União Europeia, que os apoiantes da continuação na UE eram jovens, urbanos, cultos e viajados. Os outros, os que defendem a saída, seriam o contrário. Pessoas com mais de cinquenta anos, rurais e com pouca instrução. Gente que nem com a ajuda da Cofidis lá do sitio teria dado uma voltinha pela estranja, talvez tenha acrescentado.

Oxalá a senhora em causa ainda esteja em condições de fazer reportagens quando igual questão for colocada aos portugueses. Se em terras de sua majestade os euro-cépticos são maioritariamente de direita, por cá é exactamente ao contrário. Daí que vou gostar de a ouvir chamar velhos, campónios, analfabetos – uns verdadeiros labregos, em suma – aos gajos do PCP, do Bloco e da ala mais esquerdista do PS. Receio é que não tenha coragem. Não vá algum deputado a sugerir que seja despedida...

Compartilhar no WhatsApp

Um pombo tem sentimentos?!

por Kruzes Kanhoto, em 21.06.16

IMG_20160530_135355.jpg

 

Esta gente dos amiguinhos dos animais não me dá descanso. Cada dia sua indignação. Ou, como se diria noutros tempos, cada tiro cada melro. Diria, porque agora já não se pode atirar aos melros. Ou torcer o pescoço a um pássaro qualquer. Nem, sequer, a esses que poluem as cidades, deterioram os edifícios e nos cagam em cima.

Mas, voltando à vaca fria, os amiguinhos da bicharada indignaram-se este fim de semana com um Município ribatejano que resolveu controlar a população de pombos lá da terra. Uma chatice. Não se faz. Atrair os bichinhos para uma gaiola, onde estava depositado milho, da qual já não conseguem voltar à liberdade, não é coisa que se faça àqueles seres. Sencientes, possivelmente. Pior, argumentavam, sabe-se lá que destino está reservado aos pobres animais não humanos tão cruelmente capturados. Se calhar, receavam algumas alminhas, nem os vão soltar longe. Assim, tipo um descampado, onde não façam mal a ninguém. Às tantas ainda os matam. Uma maçada.

Compartilhar no WhatsApp

E aquilo dos gostos não se discutirem? Deixou de ser assim e ninguém me avisou?!

por Kruzes Kanhoto, em 19.06.16

ArquivoExibir.jpg

Não sei quem é Rui Sinel de Cordes. Nunca, até um dias destes, tinha lido ou ouvido fosse o que fosse que me fizesse ter conhecimento da sua existência. É, ao que parece, um humorista. Que, tal como todos os outros, fará umas piadolas. Não conheço nenhuma, mas presumo que umas terão mais graça que outras e, de certo, algumas  não terão piada nenhuma na opinião de uns, enquanto para outros serão de rir até às lágrimas.

Isto a propósito de uns gracejos que o homem, alegadamente, terá feito acerca do atentado onde quinaram umas dezenas de gays e que causaram indignação aos alarves do costume. Não sei o que o humorista terá dito, ou escrito, acerca da ocorrência. Nem me interessa. Tem é todo o direito de o fazer. E toda a gente tem o direito de não apreciar. De ficar indignado, também. Como normalmente eu fico quando contam anedotas ou vomitam dichotes, geralmente parvos, acerca de alentejanos.

Parece que começam a existir novos tabus na sociedade ocidental. Assuntos sobre os quais, alegando essa coisa da discriminação, não se pode discordar, ser contra, nem – ai de quem o ousar – assumir publicamente uma posição diferente do pensamento único que nos está a ser imposto. Se isto não é ditadura...não sei o que lhe chame!

 

Compartilhar no WhatsApp

Liberdade. É disso que se trata, gajas!

por Kruzes Kanhoto, em 17.06.16

gajas.jpg

 

Por um acaso qualquer, que me esforçarei por não repetir, dei por mim a ler um blogue de gajas. Daqueles que, volta e meia e sabe-se lá porquê, estão em destaque no Sapo. Para meu espanto, quer a gaja autora quer as gajas comentadoras estavam manifestamente encantadas com a proibição – censura, é capaz de ser mais apropriado – imposta pelo autarca de Londres à exibição de publicidade, que envolva mulheres com pouca roupa, nos transportes públicos daquela cidade. Esta opinião escapa, confesso, ao meu entendimento. Provavelmente todas elas, as gajas do blogue, serão gordas, feias e mal-apessoadas. Uns camafeus, em suma. Embora isso não se afigure – excepto, quiçá, para as próprias – como um problema de especial importância. Não precisam é de ser invejosas.

Se calhar, um destes dias, por lá, terão de passar a andar na rua um pouco mais cobertas. Coisa que, de certo, também não vão achar mal. Talvez, até, mais dia menos dia, dar porrada na mulher deixe de ser considerado crime. Nessa altura, possivelmente, gajas como as do tal blogue de gajas poderão começar a pensar que talvez se esteja a ir um nadinha longe de mais. Então o mais certo é já ser demasiado tarde. Mas pedir a uma gaja – ou mais – que escreve para gajas, num blogue de gajas sobre coisas de gajas, para perceber que se trata de uma questão de liberdade e não de estética é, seguramente, pedir demais.

Compartilhar no WhatsApp

A hipocrisia fica-lhes tão bem...

por Kruzes Kanhoto, em 16.06.16

hotel1.jpg

Como já se esperava multaram o tal hotel que não aceita como hospedes gays, lésbicas, adeptos de futebol, festivaleiros e consumidores de drogas. É, mais uma vez, a ditadura do politicamente correcto no seu melhor.

Nem é preciso grande capacidade adivinhatória para prever a satisfação que muitos irão expressar nas redes sociais pela penalidade a que os proprietários foram sujeitos. Interessante seria, no entanto, saber quantos escolheriam o último quarto de uma unidade hoteleira, sabendo que todos os outros quartos estavam ocupados com pessoas destas características. Dentre quem não se dedica a nenhuma daquelas práticas, o gajo que mandou aplicar a multa seria, quase de certeza, o único. Ou, já agora que o tema está na moda, quantos levariam os filhos para um hotel onde metade dos alojamentos – sim, só metade – estivessem ocupados por gente daquela que o dito hotel não aceita.

Compartilhar no WhatsApp

E em casa, pode-se?!

por Kruzes Kanhoto, em 15.06.16

2016-02-26-naom_56cffe3ba240b.jpg

 

Os quatro leitores que seguem este blogue sabem que gosto de olhar para o outro lado da questão. Aquele que, normalmente, fica de fora na discussão mais acalorada dos diversos temas que vão constituindo a espuma dos dias. E, no caso do casal filmado a, alegadamente, ter relações sexuais na presença da filha menor, prefiro questionar outros aspectos que, a meu ver, são bastante mais inquietantes do que aquilo que, alegadamente, se vê no tal vídeo.

O primeiro é saber o que leva alguém, que visiona o vídeo no recato do seu lar, não conhece os intervenientes e não tem nada a ver com o assunto a telefonar para as autoridades da terra – a quatrocentos quilómetros do local de residência – onde, alegadamente, os factos terão ocorrido para denunciar os intervenientes. Gabo-lhe a paciência. Nomeadamente a que terá de arranjar para as muitas deslocações que fará até ao tribunal onde o assunto, se lá chegar, será julgado.

O segundo é o trauma da criança. Sabendo que os petizes tendem a imitar os adultos há, naturalmente, que existir da parte destes o cuidado necessário com o que fazem na presença dos mais pequenos. Seja na rua, seja em casa. Coisa a que, como está amplamente demonstrado, as autoridades competentes estão atentas. Portanto muito juizinho com o que se faz, também, no sofá. É que, embora isso pareça não constituir motivo de preocupação para as comissões todas modernaças que mandam nisto tudo, corremos o risco de, um dia destes, começar a ver meninos a apalpar as pilinhas dos outros meninos...

Compartilhar no WhatsApp

Deve ser aquilo da beira da estrada e coiso...

por Kruzes Kanhoto, em 14.06.16

homero-pensando.jpg

 

A seletividade da indignação nacional é algo que me diverte. Não me consegue surpreender mas lá que diverte, isso diverte. O caso do atentado contra a discoteca gay, por exemplo. Se todos usaram o “je suis Charlie” em perfis de facebook, blogs, jornais e onde a imaginação permitiu por que raio não fazem agora o mesmo em solidariedade com as vitimas deste último ataque? Devem ter escolhido outra forma de se indignarem. Ou então há aqui qualquer coisa ligeiramente homofóbica...

Ainda no âmbito da ausência de indignação temos os conselhos do Costa. Nomeadamente aquele que sugere aos professores que agarrem a oportunidade de emigrar para França. Parece que, desta vez e ao contrário de quando foi o outro a apontar o mesmo caminho, ninguém se ralou com a sugestão. Ensurdecedor o silêncio do Nogueira, esganiçadas e geringonços em geral. Nada de mais ou que surpreenda ao nível da coerência.

Por fim a última ideia de um autarca. O de Londres, no caso. Que até foi eleito com os votos da esquerda, amedrontada com as ideias de um perigoso direitista. O homem pretende proibir as imagens de mulheres esbeltas, mais ou menos desnudadas, em cartazes publicitários. Argumenta a criatura que isso causará problemas de índole diversa às senhoras que jamais conseguirão atingir igual patamar de beleza. Pois. Deve ser por isso, deve. Presumo que o facto do homem ser muçulmano seja alheio à decisão. Nada que aborreça os indignados profissionais. Ou, então, não querem dar parte de fraco das suas convicções multiculturalistas.

Compartilhar no WhatsApp

Já alguém se solidarizou com o animal não humano?!

por Kruzes Kanhoto, em 13.06.16

bulldog-brabo.jpg

 

Ontem deve ter nascido mais um herói nas redes sociais. O cão de raça perigosa que mordeu uma criança na face quando esta lhe fazia uma caricia. Não hão-de faltar amiguinhos, de dedo rápido e inteligência curta, ao animal não humano. Diz que é assim que, agora, se designam os bichos. O costume. Sempre que ocorre um incidente desta natureza, surgem mil vozes muito mais preocupadas com o bicho – processe-me mas vou continuar a chamar bicho aos bichos – do que com a vitima. Esta, por norma, estaria mesmo a pedi-las.

Com a aprovação recente de legislação nesse sentido, vai deixar de ser possível proceder ao abate destas feras. Se calhar, se isso não aborrecer os animais humanos defensores destas causas, cumprirão pena de prisão. Domiciliária, com pulseira electrónica e após um julgamento justo e imparcial. Com pena suspensa, se for a primeira dentada.

Compartilhar no WhatsApp

E agora, "suis" o quê?!

por Kruzes Kanhoto, em 12.06.16

Peace-Offering-600-LA.jpg

A culpa do atentado contra a discoteca gay lá nos States será, outra vez e de certeza, do imperialismo, do fácil acesso às armas, do capitalismo desenfreado, da invasão do Iraque, do Bush, da cimeira dos Açores, dos bombardeamentos na Síria ou dos ataques israelitas ao povo palestiniano. Talvez até - com um pouco de imaginação chegaremos lá - das politicas de direita do anterior governo. Mesmo que o atacante seja um afegão, membro ao que parece do Partido Democrático e seguidor do islão. Religião cujos seguidores, como se sabe, têm uma particular aversão a paneleirices e a quem as pratica. Ainda sim. Não tarda, os politicamente correcto detentores de toda a sapiência estarão aí para nos esclarecer acerca da bondade do atacante e da justeza das suas causas. Mesmo que elas incluam matar panilhas.

Compartilhar no WhatsApp

Decisão economicista?! Mas alguém acreditou que era?!

por Kruzes Kanhoto, em 12.06.16

Captura de ecrã de 2016-06-12 12:06:06.jpg

 

Claro que não é uma questão economicista. Nem de poupança do dinheiro dos contribuintes. É, apenas, uma questão ideológica segundo a qual o Estado deve prestar determinado serviço, mesmo que ele tenha um custo muito mais elevado do que prestado por privados. Para a geringonça não importa quanto o Estado gasta ou deixa de gastar. Quando não tiver dinheiro aumenta os impostos.

Depois da guerra da educação, virá a da saúde. Que, diga-se, já se anuncia. É, do ponto de vista dos geringonços, uma parvoíce que o Estado pague as minhas análises, feitas numa das cinco ou seis clínicas cá da terra, se tenho o Centro de Saúde ali mesmo à mão a prestar o mesmíssimo serviço.

E por falar em Centro de Saúde. Não se percebe igualmente a necessidade do recurso a uma empresa de segurança privada para vigiar as instalações quando, num raio de trezentos metros, existe uma esquadra da PSP, um posto da GNR e, se não chegar, um quartel do exército. 

Compartilhar no WhatsApp

Uma chatice, isso do nuclear. E da coerência, também.

por Kruzes Kanhoto, em 11.06.16

simp1.jpg

 

A central nuclear de Almaraz, que em linha recta ficará a cerca de duzentos quilómetros da minha casa, tem chamado por estes dias a atenção de alguma comunicação social e das forças politicas mais à esquerda. Parece que já passou do prazo de validade, as avarias serão frequentes e corre-se o sério risco daquilo rebentar levando-nos a todos para os anjinhos. Uma maçada.

Os espanhóis também não tinham nada de construir o mamarracho mesmo à nossa beira. São uns chatos. Tal como a minha vizinha, que também não gosta nada que eu asse as sardinhas ou grelhe uma febras mesmo junto ao muro que serve de fronteira aos nossos quintais.

Chatos são também os comunistas e outros esquerdistas que agora andam preocupados não vá aquilo estourar. Eu ainda sou do tempo em que essas coisas não tinham importância nenhuma. Lembro-me perfeitamente de, para essa malta, as preocupações que o ocidente manifestava relativamente ao desastre de Chernobyl serem, nos dias a seguir à tragédia, apenas propaganda que visava atacar a gloriosa União Soviética. Isto do nuclear bom e do nuclear mau tem muito que se lhe diga...

Compartilhar no WhatsApp

Pág. 1/2