Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Estacionamento tuga

por Kruzes Kanhoto, em 31.07.15

IMG_20150731_084104.jpg

Perfeito. Melhor é impossível. Não fora o pequeno pormenor – coisa sem importância, diga-se – daquilo ser o passeio. Local por onde os peões têm a absurda mania de circular. Ou, pelo menos, tentar fazê-lo. Neste caso só se mudarem para o outro lado. Isto se nenhum outro pacóvio se lembrar de fazer o mesmo no sentido contrário...

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:54

IMG_20150730_084222.jpg

 

Não é que pretenda chocar os amiguinhos dos animais. Nada disso. Mas as coisas são como são. E ainda bem. Neste caso não se tratam de perus de estimação a fazer a sua ronda higiénica matinal. São mesmo perús à séria. Daqueles que lá para o Natal - uns quantos, a julgar pelo porte, mais cedo até - se transformarão num magnifico assado. Ou noutra iguaria igualmente deliciosa. A menos que alguns desses patetas que agora por aí abundam façam uma campanha para os salvar. Teria a sua piada, admito.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:38

Depois do ministro Crato achar que era capaz de ser boa ideia que os alunos fossem de bicicleta para a escola, parece ter chegado a vez de alguém, no governo, pretender alargar o conceito aos funcionários públicos nas suas deslocações para o trabalho.

Conclui-se daqui que temos um governo formado por gente preocupada com o ambiente. Embora isso já o soubéssemos desde aquela ideia parva de taxar os sacos de plástico. Ou, então, que aquilo não é bem um governo. É mais um grupo de galhofeiros que se juntam uma vez por semana para mandar umas piadolas.

Como a minha atenção não tem estado muito virada para a actualidade noticiosa desconheço se António Costa já reagiu. Mas se não o fez, não deve tardar. É gajo para, no mínimo, prometer que, se ganhar as eleições, atribui a cada português um subsidio para aquisição de uma bicicleta. Medida que, obviamente, potenciará o crescimento do PIB em, pelo menos, 5%. Ou mais. Já quanto ao Jerónimo pareceu-me ouvi-lo a protestar contra o descaramento do goverrrrrrrrrno que, com isto das bicicletas, vai favorecer descaradamente as grandes empresas do ramo velocipédico. A coisa promete..

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:24

100_4318.JPG

Partilho da opinião dos que garantem que os cortes no serviço nacional de saúde tiveram um efeito nefasto na saúde – principalmente na falta dela – dos portugueses. Salta à vista que assim foi. E continua a ser. Há excêntricos à solta por todo o lado. E não. Não me estou a referir ao pessoal do Bloco de Esquerda, dos apoiantes do Sócrates, dos gajos do SOS Racismo, dos defensores dos caracóis ou dos que acreditam nas promessas do António Costa. Refiro-me apenas aos senhores da fotografia.

 

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:38

A estupidez devia ser taxada...

por Kruzes Kanhoto, em 26.07.15

Captura de ecrã - 26-07-2015 - 21:43:52.jpg

 

Apreciamos a rebaldaria, admiramos o chico esperto e detestamos o rigor. Somos assim, enquanto povo. Não há nada a fazer. Por mim gosto de ser o labrego da barraca que o imbecil que escreveu este comentário retrata. Com uma pequena nuance. Estou-me nas tintas para o Audi. Não gosto é de pagar impostos. Coisa que o javardola que se diz de férias na Grécia, provavelmente, nem sabe o que é. Que fique por lá. Patetas destes não fazem cá falta nenhuma.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:09

Gaba-te cesto...

por Kruzes Kanhoto, em 23.07.15

Captura de ecrã - 22-07-2015 - 22-41-37.jpg

 

Não me surpreende que seja mais ou menos esta a ideia que os comunistas têm de si próprios. São, como sabemos, seres perfeitos, dotados de inteligência superior, sensíveis, amantes da paz, da democracia, respeitadores da opinião alheia e conhecedores de todas as soluções para tornar a humanidade feliz.

Gosto especialmente daquela parte do “comunista está disposto a dar a vida pelos outros”. Não fosse aquilo dos muitos milhões de mortos às mãos de regimes comunistas e até era coisa para dar vontade de rir. Mas, desconfio, que na versão comunista da história, todas essas vitimas – ainda que não soubessem - eram comunistas que deram a sua vida pelos outros...

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:40

Estacionamento tuga

por Kruzes Kanhoto, em 22.07.15

100_4288.JPG

...Ou o tuga que não cabe no estacionamento!

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:16

Repugna-me a ideia – com muitos seguidores, diga-se – de o Estado ser o paizinho de todos nós. Aquela entidade de que não gostamos nada quando toca a pagar impostos, mas que adoramos quando se lembra de regulamentar todos os aspectos da nossa vidinha. Por mais comezinhos que sejam. Ou parvos, por assim dizer.

Hoje chegou a vez do Estado, através do seu braço judicial, determinar que os pais não podem colocar fotografias dos filhos nas redes sociais. Não é que o assunto me importe. Não quero saber. O que me inquieta é a quase unanimidade no apoio a esta ideia. Abana-se o chocalho sem que se questione o alcance da decisão. Que será nulo porque, obviamente, ninguém vai ligar. Se fosse levada a sério, teríamos, por exemplo, um pai babado impedido de partilhar com o mundo uma foto do filho que, qual Messi em ponto ainda mais pequeno, acabou de marcar um grande golo num jogo do campeonato de benjamins aqui do distrito. Já, em contrapartida, o clube e eventualmente toda a comunicação social ou os adeptos presentes podiam fazê-lo.

Não discuto essa coisa da privacidade. Não existe, por mais que haja quem pense o contrário, portanto nem vale a pena perder tempo com ela. É por isso que decisões destas servem de pouco. Só para fazer ruído. Ou para nos fazer rir.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:54

Yo no soy perezoso...

por Kruzes Kanhoto, em 20.07.15

Captura de ecrã .jpg

 

Considero-me um gajo com razoável sentido de humor. Não gosto é de anedotas de alentejanos nem de outros dichotes que, enquanto alentejano, me catalogam como preguiçoso inveterado e outros atributos ainda piores. Não tenho grandes dúvidas que, em muitas circunstâncias, se em lugar de “alentejano” se escrevesse “preto”, “cigano” ou “homossexual” o SOS Racismo e todas as comissões de defesa dos direitos das minorias que por aí existem não teriam mãos para instaurar tantos processos. Assim, como por enquanto ainda não é politicamente incorrecto gozar com os alentejanos, o pagode vai rindo alarvemente.

É por isso que esta “conversa”, numa caixa de comentários de um jornal, me parece profundamente racista. A ironia da coisa é que o gajo que se esfalfa a defender os ciganos não hesita em recorrer ao mesmo nível de argumentos do que aqueles que considera racistas...Parece-me ser urgente uma campanha com alentejanos fofinhos a garantirem que não são preguiçosos! Talvez ajude a mudar mentalidades tacanhas.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:49

Também sou muito mentiroso...

por Kruzes Kanhoto, em 19.07.15

100_4287.JPG

 

Admiro a paciência daqueles gajos que passam horas de volta do automóvel. Lavam, limpam o pó, aspiram, dão-lhe brilho e sei lá que mais. Coisas típicas de gajo. Que nisso elas, as gajas, não alinham. E fazem muito bem. A mim também é cena que não me assiste. Embora, salvo numa ou noutra rara ocasião, nunca chegue ao ponto de deixar o meio de transporte ficar “bronzeado”...

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:56

O inimigo generoso. Bonzinho, até.

por Kruzes Kanhoto, em 18.07.15

O semanário Expresso dedica esta semana uma página inteira ao tema do momento cá na terrinha. Os ciganos das Quintinhas. O titulo da noticia, puxado para a primeira página, não podia ser mais infeliz. Ao contrário do sugerido os ciganos não estão em guerra com a autarquia. Pelo menos ninguém parece ter dado por isso. Nem faria, aliás, qualquer sentido que estivessem a guerrear com quem generosamente lhes fornece água e electricidade à descrição – gastam toda a que conseguirem e, presumo, deve ser muita – e os deixa ocupar, gratuita e ilegalmente, um terreno que é propriedade do Município.

O que faltou na dita reportagem, provavelmente por condicionalismos de espaço e de tempo, foi ouvir os vizinhos daquela comunidade. Aqueles que vêm os seus quintais assaltados, os animais maltratados, os bens vandalizados, as casas apedrejadas, os dejectos projectados para dentro dos seus muros, os que são vitimas de agressões e, enfim, aqueles que vivem prisioneiros dentro das suas casas sem, sequer, poder abrir uma janela. Todos eles serão, quiçá, uns racistas e xenófobos da pior espécie mas, ainda assim, as suas experiências de vida eram capazes de ter algum interesse. Mais que não fosse pela fantástica imaginação que parecem possuir e a invulgar capacidade de inventar histórias...

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:02

Facekini, ou lá o que é...

por Kruzes Kanhoto, em 17.07.15

images.jpg

 

E o facekini? Diz que ainda não chegou às nossas praias e piscinas mas, desconfio, não tardará. É uma coisa assim a atirar para o esquisito, que se enfia pelos cornos abaixo e que tapa as trombas por completo protegendo-as do sol. Dizem que serve para isso. E, se calhar, terá outras utilidades, também. Assim do tipo passar mais ou menos incógnito ou ter mais espaço no areal só para si. Aquilo, realmente, afasta qualquer um.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:58

E se os levassem para casa?

por Kruzes Kanhoto, em 16.07.15

ng4450282.JPG

(Imagem JN online)

 

Sabe-se do desprezo que os defensores de certas causas manifestam pelos interesses das populações. Temos, por estes dias, assistido a isso mesmo aqui na terrinha. Mas o mal é geral. Hoje foi a vez dos defensores dos animais levarem dezenas de cães para a porta de uma câmara municipal onde, ao que é relatado, os amarraram. Foi a forma de protesto que lhes pareceu mais adequada por o executivo lá do sitio ter recuado na intenção de autorizar a construção de um canil. Parece que os moradores da zona onde o mesmo ia ser construído não gostaram da ideia. Coisa de difícil entendimento para os amiguinhos da bicharada que, suponho, deverão morar longe.

Procedeu bem a autarquia ao levar em consideração as preocupações dos seus munícipes. Uma minoria de activistas – seja lá do que for - não pode impor a sua vontade à generalidade da população. Isso é o que tem acontecido a nível nacional e os resultados estão à vista com a tragédia social a que estamos a assistir. A todos os níveis. Não apenas nisso da crise.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:36

Racista?! Quem diz é quem é.

por Kruzes Kanhoto, em 15.07.15

 

Balancho.jpg

 

 

(Imagem recebida por email) 

Lamentáveis os comentários que alguns patetas – felizmente poucos – têm arrotado acerca dos incidentes na piscina de Estremoz. Não sabem o que se passou e desconhecem em absoluto a realidade local mas, ainda assim, não se coíbem de tecer comentários alarves atacando os habitantes e autoridades locais. Melhor seria que apresentassem soluções. Para a piscina, para os moradores da envolvente das Quintinhas, para os clientes do Continente, para as crianças que frequentam as escolas e, em suma, para os que têm sido vitimas das criaturas em causa.

Há também um ou outro que, tendo conhecimento do problema, insiste em manifestar uma espécie de superioridade moral. Que ninguém lhe reconhece, diga-se. Lembram, antes, aquele soldado todo garboso que acredita ser o único a marchar com o passo certo.

E não. Não há cá eles e nós. Mas que não somos TODOS iguais, lá isso não somos.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:53

A courgette da crise

por Kruzes Kanhoto, em 14.07.15

100_4286.JPG

 

Há muito que não tenho noticias dos “novos agricultores”. Aqueles que, cheios de entusiasmo, abraçaram a moda de cultivar espaços cedidos pelas autarquias em nome de um alegado combate à crise. Presumo que a esmagadora tenha encerrado a actividade.

Por mim nunca fui de alinhar em modas. Nem, tão pouco, apreciador de lides agrícolas. Reconheço, até, que é das coisas que mais urticaria me causa. Fico-me, portanto, pelo quintal da crise. Uma coisa em ponto pequeno. Pouco mais, digamos, que agricultura de vaso. A produção essa, como não podia deixar de ser, é igualmente diminuta. É o caso das courgettes. Ou, melhor escrevendo, “da” courgete. Da crise. Que, já agora, não entre em recessão!

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:09

Anda um filosofo à solta na cidade

por Kruzes Kanhoto, em 13.07.15

100_4282.JPG

 

Pois que haja. E para os desalmados, também.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:52

7896007543755.jpg

Entre alguma intelectualidade mais esquerdalha está a fazer imensa comichão o facto da entrada nas piscinas cá do sitio ter sido vedada aos moradores do resort na sequência de, alegadamente, lá terem arreado o calhau. “Ah e tal por um não podem pagar todos” tem sido o argumento mais utilizado pelos defensores da liberdade de uns quantos continuarem a cagar na mesma água onde outros se banham.

Admito que têm alguma razão. Nas piscinas cobertas – em todas – nomeadamente quando os utentes são petizes de tenra idade, sucede de vez em quando o mesmo problema e, nem por isso, a criançada é proibida de usufruir dos benefícios da natação. Daí que me surpreenda que esses intelectuais, dotados como se sabe de um nível de inteligência imensamente superior ao comum dos mortais e capazes de produzir ideias como ninguém, não se tenham lembrado de uma solução que a todos agrade e que é usada nestas circunstâncias.

Em lugar de fazer queixinhas ou embirrar com quem tem coragem de tomar decisões, podiam propor medidas alternativas. Como, por exemplo, sugerir que aos ditos frequentadores incontinentes fecais fossem – como às crianças pequenas, pois o grau de desenvolvimento intelectual é mais ou menos o mesmo - distribuídas fraldas. Ou, às gajas que vão para a água vestidas para não lhes verem as carnes, fatos de banho islâmicos. Tudo gratuitamente, claro. Por causa dos trocos. Não vão os pobrezinhos pagar com notas de cem ou quinhentos euros...

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:43

E por falar em rebentar com isto de vez...

por Kruzes Kanhoto, em 11.07.15

A PAF – belo nome, sem dúvida, para um coligação que pretende gerir os destinos do país – quer aumentar as pensões o salário mínimo e alargar a atribuição do abono de família a mais contribuintes. Não é que ache mal. A questão é saber se há – ou não, como nos têm garantido – dinheiro para isso. É que pedir empréstimos para fazer face a este tipo de encargos não me parece boa politica. Mas isso sou eu, que jamais pediria um empréstimo ao banco para pagar o ordenado da empregada doméstica ou ir molhar o rabo à Republicana Dominicana.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:07

O ovo nem sempre está no cú da galinha

por Kruzes Kanhoto, em 11.07.15

As SAD's de Porto, Sporting e Benfica lançaram recentemente no mercado – esse malvado – mais um empréstimo obrigacionista com juros bastante simpáticos. A ideia, a julgar por aquilo que se tem lido e ouvido neste defeso futebolístico, é comprar jogadores e treinadores para as suas principais equipas. Ou seja, investir e promover uma politica de “crescimento”. À semelhança, aliás, do que muitos defendem como essencial para o país.

Estão, portanto, os principais emblemas desportivos a trilhar o caminho certo. Aquele que sábios e, a julgar pelo que ouço e vejo por escrito por aí, a maioria da população consideram ser a alternativa a seguir.

O problema, desconfio, vai ser se a bola teimar em não entrar na baliza adversária, se o árbitro não marcar aquele penalty que toda a gente viu ou se os jogadores não renderem aquilo que se esperava deles. Sem vitórias os adeptos não vão ao estádio, os craques não se valorizam e, em suma, o investimento não gera retorno. Que é como quem diz, não há “crescimento” para ninguém.

Presumo que não sejam bancos franceses e alemães, nem os tais “fundos-abutre” a comprar toda a emissão. O mais certo é a maioria do capital emitido ficar nas mãos de aforradores que pretendem rentabilizar as suas poupanças. Se, no final, não houver graveto para reembolsar os investidores podem as SAD's fazer uma espécie de renegociação da divida. Assim do tipo só pagar cinquenta por cento do capital investido. Todos, certamente, aplaudiríamos a ideia. É, afinal, o que andamos a defender há anos.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:48

Promessas, promessas e mais promessas. A isso se resumiu a presença de António Costa na TVI. Conta, para concretizar tudo o que promete, com uma taxa de crescimento como há muito não se vê por estas paragens nem, actualmente, em mais nenhum país da zona euro. É, presumo, uma questão de fé. Dele e de quem nele acredita. Quanto a isso pouco há a fazer, cada um acredita no que quer. Por mim, que acredito mais em factos do que em promessas, fiquei ainda mais convicto de que com o Costa no poder o povo vai-se fo***.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:18

Coisas do Zézinho...

por Kruzes Kanhoto, em 09.07.15

100_4280.JPG

Nada há pior que penar. Logo, pinar terá de ser, forçosamente, melhor. Ainda que difícil, reconheça-se. Há quem passe por um autêntico penadouro antes de o conseguir fazer de uma maneira relativamente aceitável. Outros, por mais que tentem, nunca conseguem. Sim, que essa coisa de fazer o pino não é para todos.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:09

Brados.jpg

 Imagem do jornal "Brados do Alentejo"

 

Acredito que a noticia de capa do “Brados” desta semana é coisa para fazer sair a terreiro uns quantos paladinos de outras tantas causas. Pena que, a acontecer, apenas o façam nestas circunstâncias em que, a ser inteiramente verdadeira a informação veiculada pelo jornal, seja necessário recorrer a este tipo de medida. Que, saliente-se, só peca por tardia.

O comportamento das criaturas em causa, nos supermercados da cidade, nas escolas ou perante os que têm a infelicidade de serem seus vizinhos, é relatado por quem o presencia como deixando muito a desejar em termos de civismo, convivência pacifica e de respeito pelo próximo. É natural que nas piscinas não seja muito diferente. Conta-se – provavelmente será verdade – que cagam na água da piscina, que as mulheres vão completamente vestidas para dentro da mesma e, como se isso não fosse pouco, ainda ameaçam quem, por dever de oficio ou por se incomodar com tão excêntrico comportamento, lhes chama a atenção. Tudo alegadamente, claro. Pois eu não estava lá para ver. Ao contrário das dezenas pessoas a quem, em diversos locais, ouvi relatar estas e outras peripécias.

Independentemente do que certos patetas possam argumentar, a medida é muitíssimo bem tomada. Está em causa a saúde pública. E essa, sempre me ensinaram, é uma das três coisas com que não se brinca.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:28

Propaganda pobrezinha

por Kruzes Kanhoto, em 07.07.15

Estamos todos enganados. Ou, melhor escrevendo, andamos todos a ser enganados acerca do que se está a passar na Grécia. Que é como quem escreve, daquilo que “eles” - os porcos capitalistas que nos querem aterrorizar, não vá ocorrer-nos a ideia de colocar no poleiro um Syriza qualquer à escala nacional – pretendem que nós pensemos que está a acontecer.

Afinal não há por lá bichas – filas, vá, como se diz agora - nenhumas para levantar dinheiro dos multibancos. É tudo uma encenação dos jornalistas estrangeiros a soldo do grande capital. Segundo afiança a imprensa livre, séria e independente são os próprios jornalistas que se filmam uns aos outros nessas actividades para nos fazerem acreditar que os gregos estão mesmo em pânico e que querem retirar o máximo de dinheiro possível do sistema bancário antes que o mesmo colapse.

E depois há aquilo dos sessenta euros. Uma balela, garantem-nos os mais esclarecidos. E uma fortuna também. Esclarecem-nos, piedosamente, todos aqueles cuja inteligência já lhes permitiu ver a “luz”. É que isso é coisa apenas reservada a quem aufere, pelo menos, mil oitocentos e sessenta euros líquidos por mês. Logo, como é óbvio, não afecta rigorosamente nada a população grega.

É necessária de facto muita inteligência para discorrer tudo isto. Conclusões dotadas deste brilhantismo não estão ao alcance de qualquer um. Só, como se tem visto em sucessivas eleições, aí de uns dez por cento dos eleitores. Mais ou menos os mesmos que, em mil novecentos e oitenta e seis, acreditaram convictamente que a noticia da explosão do reactor de Chernobyl era uma manobra de propaganda anti-comunista.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:14

Estou comovido com tanta generosidade

por Kruzes Kanhoto, em 06.07.15

Os portugueses estão uns mãos largas. A generosidade demonstrada para com os gregos e a veemência com que defendem o perdão da divida daquele país – do qual, recorde-se, nós somos credores – faz-me pensar que tenho andado todos estes anos enganado acerca das virtudes dos meus compatriotas. São, afinal, uns filantropos. Embora essa coisa da filantropia seja apenas em relação aos estrangeiros.

Insurgem-se, por exemplo, com o quanto o Estado gasta com os funcionários públicos e reclamam dos elevados impostos que o Tesouro nacional é obrigado a lançar mas, por outro lado, não se importam que Portugal perca uns quantos milhões a favor dos gregos. Entre os quais, suspeito, estão os funcionários públicos lá do sitio. Nem, pelos vistos, se aborrecem se tiverem de suportar mais um imposto para ajudar o Tsipras a cumprir o que prometeu e isso faça com que os de cá, mais uma vez, não cumpram o que prometem.

Por mim quero um referendo. Que isto a democracia e a vontade popular deve ser como o Sol. Para todos. Faça-se um plebiscito que permita ao governo saber se deve perdoar ou não a divida aos gregos. E, já agora, aos países africanos a quem também adiantámos "algum" e, desconfio, merecem muito mais.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:27

Estão a comemorar o quê, ao certo?!

por Kruzes Kanhoto, em 05.07.15

A solidariedade internacional – ou será que se diz internacionalista? - é uma coisa muito bonita. Ou ridícula, dependendo do ponto de vista. Dois alentejanos num carro, às voltas pela cidade, a buzinar freneticamente e com algo parecido com uma bandeira grega numa das janelas da viatura puxa-me mais para a segunda hipótese.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:05

Onde pára a ASAE?!

por Kruzes Kanhoto, em 05.07.15

100_4254.JPG

 

100_4255.JPG

 

Nem sei o que ache pior. Se a negligência de quem gere as instituições públicas responsáveis pela higiene e saúde pública, se a tolerância manifestada pelos clientes das esplanadas perante a praga de pombos que assola esses locais. Até quem reclama desta javardice é olhado de soslaio pela generalidade da restante clientela. Desconfio que se um dia, num acesso de fúria, torcer o pescoço a um destes pássaros que tente debicar o meu pastel de nata ainda sou capaz de ter a justiça à perna.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:06

Jornaleiros tendenciosos

por Kruzes Kanhoto, em 03.07.15

Ignoro o que pode levar um jornalista, no exercício da sua actividade profissional, a tomar partido por uma das partes nesta coisa do referendo na Grécia. Pior ainda quando não é apenas um a fazê-lo. São praticamente todos. É impressionante a maneira como a comunicação social se baba com a expectativa de o “Não” vencer, como faz a cobertura da crise grega e o constante elogio dos governantes gregos. Há apenas um pequeno problema que, parece-me, está a escapar aos junta-letras e pés de microfone. Os portugueses não votam para aquilo e os gregos, pelo menos na sua imensa maioria, não vêem a televisão portuguesa.

Escrevi nestas e noutras páginas logo a seguir à vitória do Syriza, quando António Costa e Catarina Martins e o povo de esquerda em geral exultavam, que aquela aventura ia acabar mal. Desta vez arrisco afirmar que o “Sim” vai ter mais votos. Isso, contudo, não muda nada. Acaba mal na mesma.

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:58

Eu é que devo estar a ver o filme ao contrário...

por Kruzes Kanhoto, em 02.07.15

A morte tem sempre uma desculpa. Costuma garantir o povo na sua imensa sabedoria. Ou seja, arranja-se sempre uma justificação para tudo e para todos. O Estado Islâmico anda a decapitar pessoas? A culpa é dos americanos e do ocidente em geral que não tinham nada de fazer não sei o quê não sei onde. O facínora decapitador esse, coitado, é apenas mais uma vitima. Um fulano fartou-se de pedir créditos que agora não consegue pagar? A culpa é dos bancos e das financeiras que lhe atafulhavam a caixa de correio de ofertas de empréstimos. O caloteiro esbanjador, obviamente, é do mais inocente que há.

Li hoje, para lá de incrédulo, um comentário acerca de um assalto seguido de esfaqueamento ocorrido num bairro problemático de uma cidade vizinha, onde se afirmava que a culpa do crime é do governo. Faltam empregos, perspectivas de vida e depois dá nisto. Afiançava o comentador. Culpar o filho da puta do assaltante é que não. Nem o próprio se desculpabilizava melhor...

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:46

sombra1.JPG

 

Caminhar, para mim, tem muito mais a ver com actividades – físicas mas não só, podem ter outra natureza qualquer – que se praticam na caminha. Daí que tenha resistido estoicamente até um dia destes - melhor, uma noite - a todos os apelos para me dedicar à prática de caminhar no sentido de me locomover por aí com o intuito de, alegadamente, aprimorar a forma, manter a linha ou, simplesmente, desenferrujar as articulações. Como se precisasse disso. Ou não fosse “elegante” o meu nome do meio... 

Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:22



Mais sobre mim

foto do autor






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D