Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Consensos sem senso nenhum

por Kruzes Kanhoto, em 30.09.14
Assim à primeira vista Fernando Santos e António Costa pouco terão em comum. A não ser a estranha e inusitada fé que, de repente e vá lá entender-se porquê, os portugueses depositaram neles.
O seleccionador nacional, acreditam os portugueses, vai operar a necessária e tão reclamada renovação da selecção. Para isso, já pré-anunciou, conta com jogadores como Hélder Postiga, Tiago, Orlando Sá e Ricardo Carvalho. Não descartando, ainda assim, gente como Hugo Almeida, Manuel Fernandes ou Raul Meireles.
Por seu turno António Costa, o homem que os portugueses acreditam piamente ser capaz de mudar Portugal para melhor, garantiu já o apoio entusiástico de Mário Soares, Jorge Sampaio, Manuel Alegre, Ferro Rodrigues, José Sócrates e de outros ilustres políticos da mesma estirpe.
Estamos, num e noutro caso, no bom caminho. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:22

Consensos sem senso nenhum

por Kruzes Kanhoto, em 30.09.14
Consensos sem senso nenhum
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:22

O incauto investidor

por Kruzes Kanhoto, em 28.09.14

Pinto da Costa entendeu partilhar connosco a informação que terá investido uns cobres no BES. Em má-hora o fez. O investimento, claro. Embora isso da clareza, quando aplicado ao banco em apreço e em tudo o que se lhe relaciona, seja mera coincidência. Ou sorte do investidor. O que manifestamente não foi o caso. O homem, coitado, está descorçoado. Sente-se, ironia das ironias, vigarizado porque, garantiu, confiou nas afirmações do Presidente da República e do Primeiro-Ministro quando estes nos descansavam quanto à solidez do banco onde o incauto investidor arriscou as suas poupanças. Ninguém o mandou ser crédulo. Ou meter-se em assuntos que não domina. É que essa coisa de comprar acções é ligeiramente mais complicada do que comprar árbitros. Não estou, como é óbvio, a dizer que o senhor em causa adquira os favores dos homens do apito. Nada disso. Até porque, como sabemos, não há disso por cá. Mas, como igualmente também sabemos, acontece com muita frequência naqueles países da fruta tropical, do chocolate e onde as noites têm mais calor. Lá muito longe, portanto.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:38

O incauto investidor

por Kruzes Kanhoto, em 28.09.14
O incauto investidor
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:38

Uma maçada, isso de cumprir a lei...

por Kruzes Kanhoto, em 27.09.14
Está por demonstrar que o aumento do horário de trabalho na função pública, de trinta e cinco para quarenta horas, constitua uma mais-valia para o país. Talvez por isso, ou apenas porque o cumprimento da lei – da que regula este assunto, saliente-se - não seja uma prioridade para muitos municípios, a esmagadora maioria das câmaras municipais não o está a aplicar.
Agora, ao que consta, na sequência de um misterioso parecer da PGR, o governo prepara-se para assinar acordos com os municípios no sentido de viabilizar o regresso às trinta e cinco horas semanais. No entanto, ao que noticia a imprensa de hoje, fazendo depender a assinatura de tal acordo da boa situação financeira de cada autarquia.
Acredito que penalizar os trabalhadores pela má gestão de quem dirige – ou dirigiu – as Câmaras possa ser visto como uma injustiça e vá acender mais umas quantas polémicas. O assunto estará longe de ser consensual mas, pela minha parte, concordo com a ideia de diferenciar quem cumpre de quem não cumpre. Esta discriminação podia – e devia – ser aplicada a outras matérias que não a duração do tempo de trabalho. Nomeadamente remuneratórias. Afinal – e escrevo sem a mais pequena ponta de ironia – a situação catastrófica que em termos financeiros está a ser vivida em muitas autarquias é também da responsabilidade de quem lá trabalha. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:42

Uma maçada, isso de cumprir a lei...

por Kruzes Kanhoto, em 27.09.14
Uma maçada, isso de cumprir a lei...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:42

Porque não te calas?!

por Kruzes Kanhoto, em 25.09.14

Afinal,descobriu o ainda secretário-geral do PS, o aumento do saláriomínimo nacional é uma coisa má. Muito má. Pelo menos para algunstrabalhadores. Nomeadamente para aqueles que, além do SMN, recebemtambém diuturnidades. Isto porque assim, com a actualizaçãosalarial, atingem uma remuneração mensal que já será objecto deretenção mensal de IRS. O homem ensandeceu. Só pode. Esta,obviamente, é uma situação normal, que ocorre quase sempre quandoexistem mexidas nos vencimentos e que produz efeitos diferentes emcada trabalhador em função da composição do seu agregado familiare do facto de ser, ou não único titular de rendimentos. Alguém, láno partido, que lhe explique. Ou, de preferência, que o mande calar.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:50

Totós

por Kruzes Kanhoto, em 23.09.14
Não vi nem ouvi o debate este os dois socialistas candidatos a candidato a primeiro-ministro. Não devo, presumo, ter perdido grande coisa. Ao que parece ambos prometeram coisas, atacaram-se um ao outro e cada um garantiu ser melhor que o adversário. O normal, portanto.
O pior é que será de entre estes dois figurões que sairá o próximo chefe do governo. Ou seja: A escolha vai ser entre um choninhas e um autarca. E depois ainda há quem ache que Portugal tem futuro...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:29

Totós

por Kruzes Kanhoto, em 23.09.14
Totós
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:29

Esta é uma daquelas leis com que ninguém concorda. Excepção feita, naturalmente, aos seus autores e aos que dela beneficiam. O objectivo da legislação, assumido descaradamente por alguns e reconhecido em surdina por quase todos, é apenas compensar financeiramente um sector de actividade que viu os seus rendimentos reduzidos nos últimos anos. Como, de resto, aconteceu com quase todos os portugueses.
Pena que o governo não tenha pensado, também, em ressarcir todo o resto da sociedade portuguesa afectada pela alegada crise. Talvez, se assim fosse, a dita lei conseguisse reunir mais simpatias. E o que podia o governo fazer? Muita coisa. Veja-se, por exemplo, os clubes e associações desportivas. Tal como os cantantes se queixam das câmaras já não comprarem tantos espectáculos, também os clubes viram os apoios municipais drasticamente cortados. Ora o que espera o governo para criar uma taxa sobre as bolas e todo o restante material desportivo, cuja receita reverta para as entidades que, de norte a sul, promovem o desporto?
Mas isto é apenas um exemplo. Com imaginação conseguia-se satisfazer quase toda a gente. E no fim, para os poucos a quem não fosse possível acudir pela via da taxa, podia sempre arranjar-se um imposto social. Assim tipo fiscalidade verde. Depois diminuía-se a sobretaxa de irs e ficávamos todos felizes.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:47

Ainda essa coisa da lei da cópia privada, ou lá o que é.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:47

Acelerai ó gentes, que quem vem atrás tem pressa!

por Kruzes Kanhoto, em 20.09.14
Como alguém disse – se calhar até fui eu e se não fui podia ter sido - o Facebook é a parede da casa de banho pública dos tempos modernos. Serve para tudo e mais um par de botas. Vem isto a propósito de comentários à noticia de mais um acidente numa passadeira cá da cidade.
A culpa desta vez, ao que deduzo da apreciação dos comentadores, terá a ver com a lentidão com que, alegadamente se conduz por cá. Não sei se assim foi nem isso, para o caso, importa grande coisa. Prefiro centrar a questão nos lamentos de uns quantos que querem andar mais depressa e o automobilista da frente não anda nem desanda. E pior, queixam-se, ninguém dá uso à buzina.
É, de facto, exasperante a velocidade – nem sei se lhe deva chamar assim – a que muita gente circula. Cá, em Lisboa, Vladivostok ou Nova Deli. Sítios onde, presumo, se buzinará à farta, para gáudio e inveja de alguns residentes aqui do burgo. Há, no entanto, um pequeno pormenor – uma coisa de nada, digamos – que esta gente parece olvidar. A utilização de sinais sonoros só pode ser feita estando reunidas as condições previstas no artigo 21º do Código da Estrada. Ide, ide ver e pode ser que poupeis no mínimo sessenta euros, que é o valor da coima aplicável.
Há, ainda, aquilo do civismo ou lá o que é. Acreditava eu, mas isso deve ser a minha falta de mundo como agora se diz, que o coro de buzinadelas era uma característica do trânsito nos países que consideramos atrasados. Mas, lá está, ninguém tem culpa que a minhas viagens não vão além do Vimieiro. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:24

Acelerai ó gentes, que quem vem atrás tem pressa!

por Kruzes Kanhoto, em 20.09.14
Acelerai ó gentes, que quem vem atrás tem pressa!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:24

Ideias parvas

por Kruzes Kanhoto, em 19.09.14
Vendem-nos insistentemente a ideia que não é possível equilibrar as contas do Estado sem cortar os vencimentos dos funcionários públicos. Já António Costa, enquanto número dois do governo de Sócrates, nos impingia esta teoria. Ainda que agora diga o contrário e, pasme-se, até teorize quanto aos benefícios dos aumentos salariais.
Por mim nunca comprei tal ideia, rejeito-a liminarmente e, até prova em contrário, estou convencido da minha razão. Do que percebo de politicas orçamentais, acredito que existem alternativas. Veja-se, por os números me soarem mais familiares, o caso dos municípios. Em 2012 a despesa com a aquisição de bens e serviços, da totalidade das trezentas e oito Câmaras, representou apenas menos 3,1% do que a totalidade dos encargos com pessoal. Logo, se há margem para cortar em 27,5% da despesa, terá também de haver nos 24,4% do lado.
Mas isto sou eu, que gosto de estar do contra, de dizer mal e de me armar em esperto. Os gajos que têm os livros é que sabem. Mesmo que nunca os tenham lido e o curso tenha sido tirado à base de cábulas.


Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:26

Ideias parvas

por Kruzes Kanhoto, em 19.09.14
Ideias parvas
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:26

O ano lectivo ainda mal começou e – ao que se ouve dizer por aí - uma cidadã de etnia cigana, possivelmente descontente com o funcionamento do sistema de ensino, já terá invadido um estabelecimento escolar e tratado de chegar a roupa ao pêlo de uma docente. Isto, reitero, a ser verdadeira a história que ouvi relatar na fila do supermercado. Ou noutro lugar qualquer, já não sei ao certo.
Deve ser isto a escola inclusiva. A tal que pretende incluir toda a gente. Mesmo os que não querem ser incluídos. Uma ideia, admito, generosa. Mas que, como a realidade amplamente se encarrega de demonstrar, com evidentes desvantagens para toda a gente. A começar pelos que se pretende incluir que, coitados, manifestamente preferem não o ser, mas que continuam a ser chateados por aqueles que, à viva força, os querem integrar. O que, diga-se, consubstancia uma visão profundamente racista. Sim, porque não se lhes reconhece a liberdade de não se inserirem numa sociedade a que não querem pertencer. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:06

Também posso começar a distribuir bofetadas por aí? Não?! Racistas!!!!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:06

Remoke kruzado

por Kruzes Kanhoto, em 16.09.14

Nãosão precisas grandes explicações para a derrota do Benfica. Acoisa explica-se facilmente e resume-se a isto: O Glorioso perdeu porque o Garay estava dolado errado. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:11

Remoke kruzado

por Kruzes Kanhoto, em 16.09.14
Remoke kruzado
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:11

A igualdade é uma coisa muito bonita!

por Kruzes Kanhoto, em 15.09.14

Pormim acho bem que os funcionários públicos, atentas asespecificidades de cada função, tenham os mesmos direitos que osrestantes cidadãos. Principio que, igualmente, se deve aplicar aosdeveres. Em matéria de saúde também – ou principalmente emmatéria de saúde – todos devemos ter os mesmos direitos. Edeveres. Por isso, tirando aquela coisa de os funcionários públicosdescontarem 3,5% para a saúde e os privados não descontarem nada,até que nem discordo desta ideia do governo. E, já agora, estranhoque a notícia não faça referência ao fim da possibilidade dasempresas declararem como custo – o que lhes permite pagar menosimpostos constituindo, na prática, um estímulo fiscal à conta dodinheiro de todos nós - os seguros de saúde que fazem para os seuscolaboradores. Deve ter sido o jornalista que não achou relevante,pois não acredito que o Parvus Coelho vá discriminar ostrabalhadores da administração pública. Nem ele, como todossabemos, é gajo para isso.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:16

A igualdade é uma coisa muito bonita!

por Kruzes Kanhoto, em 15.09.14
A igualdade é uma coisa muito bonita!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:16

Custa muito deixar o bicho cagar no quintal?!

por Kruzes Kanhoto, em 13.09.14

Estevistoso monte de merda pode ser apreciado, in loco, na Urbanizaçãoda Quinta das Oliveiras. Cá pelo burgo, para quem não sabe.Atendendo às suas proporções épicas será, de certo, obra de umcão de tamanho avantajado. O que, por exclusão de partes, nãodeixa muitas dúvidas quanto ao responsável pela proeza. E não, nãovou defender o abate do pobre animal nem chamar-lhe javardão. Osjavardos são os donos e quem merece um par de açoites são, também,eles. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:38

Custa muito deixar o bicho cagar no quintal?!

por Kruzes Kanhoto, em 13.09.14
Custa muito deixar o bicho cagar no quintal?!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:38

Se bem entendi o que foi dito numa reportagem acabada de emitir num canal televisivo, uma senhora terá doado uma avultada quantia em dinheiro e um apartamento para, alegadamente, ser admitida num lar de idosos. Gerido, ao que me pareceu perceber, por uma instituição religiosa. Dádiva essa que, ao que a idosa ouvida durante a peça jornalística garantia, não a isentava de pagar a mensalidade correspondente à sua estadia no dito lar. Oitocentos euros, ao que dizia.
Esta, diz-se, parece ser uma prática corrente. Soa-se – ao certo nunca ninguém sabe nada – que quem pretende entrar para um estabelecimento desta natureza terá - em muitas circunstâncias, porque isto dependerá sempre da instituição e, principalmente, de quem a governa – de fazer uma doação. Em dinheiro ou em espécie. Caso em que o doador terá vaga assegurada, ultrapassando essa coisa da imensa lista de espera sempre enfaticamente referida a quem não tem posses ou não está na disposição de alinhar nesses esquemas.
A ser verdade este tipo de actuação, tratar-se-á de corrupção da mais descarada. Não constituirá crime, por não envolver agente ou funcionário público, mas que se tratará de uma actuação vergonhosa disso não tenho dúvidas. Isto, claro, a ser verdade tudo o que se diz mas que, a existir, ninguém tem coragem de denunciar.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:26

Quantas caixas de robalos serão precisas para entrar num lar de idosos?
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:26

Cuidado com as cadelas convertidas!

por Kruzes Kanhoto, em 11.09.14
Desde há anos que manifesto a convicção de que em meio século a Europa viverá uma nova ditadura. Desta vez estará sob o jugo do islão. E, previa eu, sem guerras nem conflitos de maior. A demografia por um lado, a tolerância, o multiculturalismo e a inversão de valores das sociedades europeias, por outro, permitirão que se instale no continente europeu, pelos menos na parte ocidental, um regime que fará dos nazis uns meninos de coro.
Mas isso era o que eu pensava até um tempo atrás. Hoje, face ao que se está a passar no oriente médio, acredito que esse horizonte temporal será significativamente encurtado e que a transição para o fascismo islâmico será tudo menos pacifica. Isto porque a mourama parece ter perdido a paciência e resolveu começar a queimar etapas. Enquanto isso os europeus – por mais absurdo que pareça – continuam a preocupar-se mais com o avanço da “extrema-direita” do que com o assalto ao poder, já em curso, pelos criminosos islâmicos.
Por cá, felizmente, o nosso regime de protecção social ainda não é – por sorte nunca o será – tão apelativo como o britânico ou, mesmo, o francês e o alemão. Daí que as hordas invasoras prefiram essas paragens onde, para os seus padrões, podem viver principescamente. Ainda assim, como já foi amplamente demonstrado, estamos no mapa de conquistas daquelas bestas. É, portanto, bom que os comecemos a levar a sério.
Entretanto, para os que têm cadelinhas, fica a sugestão...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:39

Cuidado com as cadelas convertidas!

por Kruzes Kanhoto, em 11.09.14
Cuidado com as cadelas convertidas!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:39

Iupi! Viva! Já temos um coiso!

por Kruzes Kanhoto, em 10.09.14
Estamos, de há uns dias a esta parte, muito mais modernaços. Já temos um painel informativo como qualquer cidade que se preze. Daqueles, todos catitas, ligados à electricidade e à Internet onde ficamos a saber coisas importantes.
O objecto, parece, foi financiado pelos contribuintes europeus - fica sempre bem salientar o quanto nós sacamos a esses gajos – e constitui um justificado motivo de orgulho para as gentes locais. E de esperança, também. Não a da Pila, porque essa – diz – morava nos Arcos e já terá falecido, mas sim nas capacidades que alguns jovens cá da terra possam revelar no âmbito, portanto, da coisa. Vá lá pessoal, se os de Ponte de Lima conseguiram vocês também conseguem... 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:23

Iupi! Viva! Já temos um coiso!

por Kruzes Kanhoto, em 10.09.14
Iupi! Viva! Já temos um coiso!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:23

Arrumador racista

por Kruzes Kanhoto, em 09.09.14
Na ausência de alternativas vi-me forçado um destes dias a estacionar num parque controlado por um daqueles meliantes que esbracejam assim que avistam um automóvel e que, mal saímos da viatura, nos solicitam uma moedinha pelos alegados serviços prestados. Sejam lá eles quais forem. Mas que, por norma, têm a ver com o nosso medo de, no regresso, ver um pneu furado ou mais um risco no carrinho.
Como é óbvio não lhe dei moeda nenhuma. Era o que mais faltava. Mas, assim como assim, achei melhor não abandonar as redondezas. Daí que, enquanto a famelga ia onde tinha de ir fazer o que havia para fazer, matei o tempo de espera a observar o comportamento do auto-proclamado guarda do parque e dos automobilistas que chegaram depois de mim.
Verifiquei com alguma surpresa que, apesar do homem garantir a importância do seu mister, vários condutores não cederam à pressão do fulano e tratavam de o ignorar liminarmente. Não foram - nem de perto - a maioria mas, ainda assim, fiquei satisfeito por não ser o único “desmancha prazeres”.
A conclusão mais surpreendente da quase uma hora de observação foi, no entanto, outra. Completamente inesperada, diga-se. Conclui que, sem margem para dúvidas, aquele arrumador é racista. Durante esse período de tempo, três carros conduzidos por respeitáveis – nada me leva a suspeitar do contrário - cidadãos de etnia cigana pararam por ali e o homem nem uma palavrinha lhes deu. A nenhum deles. Nem se lhes dirigiu a oferecer os seus préstimos, não pediu moeda e não fez sinais a indicar a manobra. Nada. Racismo é o que é. Então o carro de um cigano não merece ser protegido de eventuais ameaças como o de outro cidadão qualquer?!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00

Arrumador racista

por Kruzes Kanhoto, em 09.09.14
Arrumador racista
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00

Final "inteligente"?! Presunção e água benta...

por Kruzes Kanhoto, em 08.09.14

Não percebo nada de novelas. Desde a “Gabriela”, na sua primeira passagem na televisão, que não via telenovelas. “Belmonte”, por ter sido parcialmente filmada em Estremoz, constituiu, mesmo sem ser um espectador fiel, a excepção. Daí que não tenha opinião acerca da sua qualidade. Ou da falta dela, na opinião de muita gente. Sei, no entanto, daquilo que gosto. E não gostei do final que arranjaram para a coisa. Chamar inteligente aquilo, como parece que chamaram, é manifestamente exagerado e quase considerar que quem não gostou é burro. Ora vão mas é passear!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00

Final "inteligente"?! Presunção e água benta...

por Kruzes Kanhoto, em 08.09.14
Final "inteligente"?! Presunção e água benta...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00

A suposta crise terá supostamente acabado

por Kruzes Kanhoto, em 07.09.14
Tendo a concordar com a ministra das finanças quando ela garante que isso da crise é coisa do passado. Ou então, mesmo que a crise ainda por cá ande e a governante esteja equivocada, quem terá razão é o gajo do BPI quando afiança que o pagode aguenta mais austeridade.
Os sinais que sustentam uma ou outra tese estão por aí à vista de todos. São mais que muitos. O Algarve por exemplo. Estava, na semana que ora findou e ao que parece nas outras também, cheio como poucas vezes terá estado antes. Por mim, que já para lá vou há muitos e muitos anos, nunca o vi como agora. Restaurantes à cunha, esplanadas repletas de gente, praias onde quase não cabia mais ninguém, hotéis esgotados e ruas onde os passeantes tropeçavam uns nos outros. E isto com uma percentagem elevadíssima de portugueses. Para quem estará em crise, ou com manifesta dificuldade em suportar um maior aperto orçamental, até nem parece assim tão mau...
Provavelmente revelador de qualquer coisa é o facto de, para além do inglês, quase só ter ouvido a “pronuncia do norte”. Verdade que eles falam muito e quase aos gritos e, por isso, ouvem-se a uma distância considerável. Mas não explica tudo. Pode é constituir um sinal, nomeadamente pelo facto de grande parte do tecido empresarial estar instalado a norte do Mondego, de que alguma coisa estará a mudar em relação aos últimos anos no que diz respeito à confiança que as pessoas terão quanto ao futuro. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:08

A suposta crise terá supostamente acabado

por Kruzes Kanhoto, em 07.09.14
A suposta crise terá supostamente acabado
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:08



Mais sobre mim

foto do autor






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D