Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Obviamente que nem todos os ciganos são meliantes, mal-educados ou incapazes de viver em sociedade. Um ou outro não será. No entanto a tendência para a generalização torna-se mais ou menos inevitável. Manias de quem tem o azar de os ter por perto, que os outros, aqueles que insistem em imaginar realidades, não compreendem.
Quase diariamente vão-se ouvindo relatos de mau comportamento – chamemos-lhe assim – que estas comunidades, alegadamente, irão praticando nos locais que frequentam. O curioso é que todas estas “estórias” terminam no dia em a polícia passa a estar em permanência no local. Não que passem a comportar-se melhor, mas porque simplesmente deixam de lá pôr os pés.
Foi assim na piscina cá do sítio. Até à presença em permanência da PSP muito frequentada pela comunidade cigana e, amiúde, palco de conflito com os restantes utentes. O mesmo numa grande superfície comercial que há pouco tempo se mudou para as imediações do resort. Em ambos os casos a probabilidade de lá encontrar um cigano é agora pouco menos que remota. Não devem gostar de fardas, presumo. Mas, seja como for, enalteça-se a solução encontrada. Discreta, eficaz e sensata.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:30

São supersticiosos ou as fardas dão-lhes azar...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:30

Faz-me espécie a ausência de preocupação, no ocidente em geral e em Portugal em particular, com o crescente expansionismo islâmico e as suas ameaças de conquista de território. Incluindo, por mais que os média o escondam, a península Ibérica. Este propósito constitui uma ameaça à paz mundial, ao nosso estilo de vida e às liberdades individuais como a actual geração de portugueses nunca viu. Nem, provavelmente, todas as que nos precederam.
A inclusão do seu país na lista de conquistas de uma entidade terrorista internacional, que dispõe de uma força militar muito superior à das forças armadas portuguesas, não parece constituir ameaça que preocupe o cidadão comum. Pelo contrário. Mostra, até, alguma simpatia e compreensão pelas causas dos terroristas. Mesmo que estes se proponham cometer as maiores barbaridades em nome de um Deus qualquer.
Preocupante para a generalidade da opinião pública são os comportamentos bélicos de americanos e israelitas. Nomeadamente, por estes dias, dos últimos. Coitados. Não percebem que isto é como os ciganos. Só quem tem a sorte de morar longe deles é que os defende…
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:44

Os malucos devem ser levados a sério. Não por eles, mas por nós.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:44

E o sol brilhará para todos nós...

por Kruzes Kanhoto, em 29.07.14
Promessas, promessas e mais promessas. Ele é aumento do salário mínimo - já vai em quinhentos e vinte e dois euros e a coisa promete não ficar por aqui - ele é redução de impostos, reposição das pensões entretanto reduzidas, incentivos à natalidade, investimento a fazer lembrar outros tempos, reabertura de serviços que foram encerrados e garantia de crescimento como antes nunca visto. Só coisinhas boas, portanto. O que é bom e a malta aprecia. A começar por mim, que exulto de tanta esperança pelos amanhas que cantam aos meus ouvidos.
Por outro lado, nem uma referência, por mais breve que seja, a explicar de onde virá tanta abundância. Que é como que diz, o dinheiro que irá pagar tudo isso. Ou, em alternativa e quanto a mim de preferência, quem é que dentro do aparelho do Estado será metido na ordem. Presumo que não o fazem porque a escolha seria difícil. Só mesmo escolhendo alguém que não vote…
Entretanto, no país das promessas fáceis e de outras irresponsabilidades, a divida continua crescer. Só por conta das empresas municipais o aumento nos primeiros meses do ano foi de oitenta milhões. Uma bagatela. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:03

E o sol brilhará para todos nós...

por Kruzes Kanhoto, em 29.07.14
E o sol brilhará para todos nós...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:03


Caso já tivesse sido publicada em Diário da República, a lei que criminaliza os maus tratos a animais teria feito a sua primeira vitima. E, mesmo assim, não sei se o homem se safará de boa. Refiro-me ao policia que abateu a tiro um cão de raça perigosa, na sequência de uma intervenção policial motivada pela denuncia de um assalto que estaria a ocorrer à residência dos donos do mastim.
A corja do costume já deu inicio ao cerco e não faltam imbecis a pretender que o agente da autoridade seja punido. O coitado do homem, ou muito me engano, está feito ao bife. Nem sequer vai poder alegar legitima defesa, pois ao que consta o animal não estava armado. Por outro lado a reacção ao ataque foi claramente desproporcionada. Quando muito devia ter-se defendido à dentada. E, mesmo assim, apenas com a força necessária para imobilizar o atacante. Que, diga-se, nem precisaria ser grande porque, ao que os donos garantem, o cão era manso. Menos para quem entrava no quintal... Logo, por azar, precisamente o sitio onde o policia teve de entrar.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:11

Contentormobil

por Kruzes Kanhoto, em 26.07.14


Tal como na história do ovo e da galinha jamais saberemos, relativamente a esta viatura, o que terá acontecido primeiro. Se foi abandonada já com o lixo dentro ou se, depois de ter sido votada ao abandono, os resíduos lá foram sendo depositados. Seja como for pode sempre constituir uma boa alternativa ao contentor. Nomeadamente se este estiver cheio ou demasiado longe. A menos que se trate de uma experiência cientifica em curso. Hipótese a não descurar, dado o local onde está estacionada há larguíssimos meses. Anos, arriscaria. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:58

Contentormobil

por Kruzes Kanhoto, em 26.07.14
Contentormobil
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:58

Haja imaginação...

por Kruzes Kanhoto, em 25.07.14

É provável que existam na região algumas dezenas de pedreiras abandonadas. Como esta. Pena que ninguém invente um desporto radical qualquer para lhes dar uso. Ou aproveite para uma coisa cultural. Ou turística, até. Dessas que estão na moda. Desde que a partir de um encontro entre um antigo guarda fiscal e um contrabandista reformado fazem uma espécie de actividade de âmbito turístico, tudo o resto se afigura possível...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:47

Haja imaginação...

por Kruzes Kanhoto, em 25.07.14
Haja imaginação...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:47

Jardins verticais

por Kruzes Kanhoto, em 24.07.14
Imagens como esta são cada vez mais frequentes nos centros das cidades. Ainda assim, não parecem suficientemente deprimentes para demover uns quantos totós que insistem na ideia estúpida de aumentar o IMI, como forma de financiar o despesismo avassalador que impunemente continua a fazer escola no poder local alegadamente democrático.
Era capaz – digo eu, que gosto muito de dizer coisas – ser mais razoável isentar de IMI e de outros impostos os proprietários que recuperassem os imóveis e os colocassem no mercado. De venda ou arrendamento. E se, mesmo assim, não resultasse, então, que se demolissem os prédios. Sempre dava melhor aspecto. Ah, é verdade, não pode ser. Depois deixava de pagar IMI e lá se ia a verba para o Tony Carreira...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:30

Jardins verticais

por Kruzes Kanhoto, em 24.07.14
Jardins verticais
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:30

Multiplicai-vos e pagareis menos impostos...

por Kruzes Kanhoto, em 23.07.14
Muito se tem falado e escrito ultimamente sobre a reforma do IRS. Nomeadamente acerca daquela coisa da natalidade e de como é urgente e necessário estimular os portugueses a procriar. Admito que a via fiscal possa constituir um incentivo a que os portugueses se reproduzam. Mas, por si só, não chega. Não passa de preliminares. Isto se, em simultâneo, não criar um sistema de fiscalidade ainda mais injusto do que o existente.
Se beneficiar fiscalmente quem tem filhos parece consensual, já não se afigura tão merecedor de concordância tratar, em sede de IRS, por igual um contribuinte que nunca teve descendentes e outro que, tendo tido porventura até uma extensa prole, já não inclui a descendência na sua declaração fiscal. A menos que se pretenda pôr o pessoal a fazer filhos durante toda a vida. Mas isso já depende, chamemos-lhe assim, do incentivo...
Embora acredite nas bondosas intenções de quem teve as ideias agora em discussão, creio – para não dizer que tenho a certeza – que nada disto contribuirá para os portugueses se reproduzirem em número razoável. As pessoas têm, actualmente, outros valores – se é que se podem chamar isso - de que não abdicam. São opções que, mais cedo do que tarde, vão pagar. E muito mais caras do que hoje podemos supor. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:01

Multiplicai-vos e pagareis menos impostos...

por Kruzes Kanhoto, em 23.07.14
Multiplicai-vos e pagareis menos impostos...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:01

Só há estas. São para mim!

por Kruzes Kanhoto, em 22.07.14

Diz que a melancia, para além de outras igualmente benéficas, possui propriedades afrodisíacas. Poderá ser essa a explicação para o açambarcamento que este freguês tratou de fazer do, alegadamente, miraculoso fruto. Ou isso ou a despensa lá de casa estava mesmo a precisar de reabastecimento no âmbito da melancia. Seja como for, o certo é que o gajo levou o stock todo. Assim do género: “Só há estas. São para mim!”. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:01

Só há estas. São para mim!

por Kruzes Kanhoto, em 22.07.14
Só há estas. São para mim!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:01

Ponto prévio, declaração de interesses ou o que lhe queiram chamar. Durante os mais de vinte e cinco anos que vivi no campo, mesmo à beira de uma movimentada estrada nacional, foram mais que muitos os cães e gatos abandonados que adoptei. Perdi-lhes a conta de tantos que foram. Não admito, por isso, lições de moral de ninguém acerca de como se tratam os animais. Muito menos da escória urbano depressiva, auto proclamada amiguinha da bicharada.
Isto para dizer que considero completamente estúpida, abjecta e de manifesto mau gosto a actual campanha contra o abandono de animais. Desejar a outrem a morte ou uma série de tragédias qual delas a pior, mesmo que esse outrem tenha cometido um crime - e abandonar um animal é disso que se trata, de um crime - não é digno de quem se proclama civilizado ou inteligente. Gente, diga-se, quase sempre tão tolerante relativamente a outros crimes que por aí se vão praticando.
Curiosamente ninguém reclama da dita campanha, continuando a mesma, despudoradamente, a ser emitida. O que, convenhamos, constitui um precedente deveras preocupante. Um destes dias será perfeitamente legitima a emissão de uma campanha nestes moldes – ou noutros muito piores, por serem crimes mais graves - contra a violência doméstica, a pedofilia, os homicídios ou o abandono de idosos.
Não pode valer tudo. Apesar de os animais terem voltado a falar, isto ainda não é a selva!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:40

Rondão de Almeida, seja lá qual for o papel que desempenha na Câmara de Elvas, tem uma longuíssima legião de admiradores naquela cidade. O resultado está à vista. Reeleições sucessivas, maiorias esmagadoras e, como sempre sucede relativamente a estas pessoas, gente capaz de por ele, como dizia a minha avó, dar o cú e mais cinco tostões. Entre os quais alguns eleitores de localidades vizinhas, manifestamente impressionados com a obra que o fulano ergueu na cidade raiana. Onde – prova da evidente modéstia do senhor – tudo se chama “Rondão de Almeida”. Desde faraónicos “coliseus” a parques de estacionamento. Passando, talvez, por algum sanitário mais catita.
Quando a lei travou a sua eternização no poder, inconformado com tamanha injustiça, o homem tratou de arranjar um delfim. Que agora, ao que rezam as crónicas, se aborreceu do seu papel. Secundário, ao que parece, pois o principal continua, alegadamente, a pertencer ao outro. Mas a busca de maior protagonismo por parte do presidente eleito não foi pacifica. Zangaram-se com ele por não se limitar a desempenhar o lugar sem aborrecer quem trabalha. Realmente não se compreende que um presidente eleito tenha o desplante de pretender mandar alguma coisa.
O que também não se compreende é o silêncio do líder do Partido Socialista relativamente a esta questão. Nem um pio do Tozé. Quando, acho eu, muito havia para explicar. A começar pelo facto de ter permitido a inclusão do antigo presidente – impossibilitado de se candidatar ao lugar – na lista de candidatos à Câmara. Só um cego não viu que o resultado, mais cedo do que tarde, ia ser este.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:26

Tuning rural

por Kruzes Kanhoto, em 20.07.14

Algum motivo, que nem me atrevo a questionar, terá o dono desta carrinha de caixa aberta para assim a ornamentar. Achará que lhe fica bem, que chama a atenção ou, até, a torna mais bonita. Deve ser uma espécie de tuning, ou lá o que é que chamam a essa coisa de transformar veículos normais em aberrações com rodas. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:03

Tuning rural

por Kruzes Kanhoto, em 20.07.14
Tuning rural
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:03

Quem te avisa...

por Kruzes Kanhoto, em 18.07.14


Há quem considere que as lojas dos chineses não vendem artigos de qualidade. Eles, os chinocas, também. Fazem, até, questão de nos informar disso mesmo nas embalagens. Ainda bem. Assim, se acontecer algum acidente doméstico relacionado com a cortina da banheira ou do chuveiro, ninguém pode alegar que eles não avisaram que o produto era uma peva. A cem por cento.  
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:44

Quem te avisa...

por Kruzes Kanhoto, em 18.07.14
Quem te avisa...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:44

Se é para indignar tem de ser a sério.

por Kruzes Kanhoto, em 17.07.14
Tenho visto nos últimos dias muitas reacções indignadas por, num hospital publico, terem morrido dois doentes alegadamente por causas que – ao que tem sido noticiado - terão a ver com procedimentos médicos que não terá sido possível realizar em consequência das restrições orçamentais a que o estabelecimento hospitalar está sujeito. Á semelhança, como se sabe, de todo o serviço nacional de saúde e de, como será suposto, toda a administração pública.
A ser assim é, de facto, revoltante. Principalmente quando, no mesmo país, não há restrições de carácter orçamental, financeiro ou, sequer, de bom senso que travem os espectáculos, a construção de centros culturais ou a instalação de relvados sintéticos. A mim, para além da indignação que me causam as mortes pelo alegado motivo, indigna-me muitíssimo mais que ninguém se indigne – mas daquela indignação mesmo à séria – de cada vez que o dinheiro público, que podia servir para salvar vidas, seja esturrado em coisas que, comparadas com a vida humana, valem zero. Quantos, de entre os que se indignam com as mortes em questão, já se indignaram por o Toino Carreira ir repetidas vezes cantar às festas da terrinha?! Ou pela construção do décimo quinto espaço cultural do seu concelho?! Ou pela instalação do relvado sintético na aldeia cuja equipa joga na quinta divisão distrital?!
Pode-se sempre argumentar que isso são “peanuts”. Que o BPN, as PPP's ou os juros da divida é que nos levam o couro e o cabelo. Será. Mas, quando me começaram a cortar o ordenado, a primeira coisa onde cortei foi no segundo café do dia...Quero eu dizer na minha, para quem não me entende, que se deve começar sempre pelas coisas mais pequenas. Se não for assim nunca chegaremos às maiores. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:32

Se é para indignar tem de ser a sério.

por Kruzes Kanhoto, em 17.07.14
Se é para indignar tem de ser a sério.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:32

Há uma espécie de paranóia qualquer em relação aos animais. Não se lhes pode tocar. Um dia destes esmagar uma lesma constituirá um crime de gravidade quase ao nível de um homicídio. Vivi metade da minha vida no campo e, por isso, não admito que uns quantos urbano-depressivos me dêem lições acerca da maneira como tratar a bicharada.
A passarada, por exemplo. Nem um estúpido pardal se pode matar. Ou melro, que até há pouco tempo era – e bem – uma espécie protegida por estar quase em vias de extinção mas que hoje constitui uma verdadeira praga. Agora, pasme-se, nem os ratos – acham algumas bestas – se devem matar. A solução que propõem é apanhá-los de forma que não lhes cause sofrimento e libertá-los no campo... Como um dia destes – garanto que é verdade – exemplificavam num programa televisivo.
A minha tolerância para este tipo de gente é muito limitada. Que é como quem diz, não tenho paciência para os aturar. Daí que, só para os aborrecer, deixe uma sugestão de combate a invasores de pequeno porte. Esta cola, uma vez pisada por uma osga, um rato ou um pardal, vai deixá-los bem colados ao chão. E nem precisamos de os matar. Eles morrem de exaustão a tentarem libertar-se.  
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:51

Eu apoio Israel!

por Kruzes Kanhoto, em 15.07.14
Estar do lado dos árabes no conflito que estes mantém com Israel deve ser coisa de bom tom. Aquilo a que se chama de politicamente correcto. Talvez, até, sinal de inteligência superior, elevados conhecimentos de politica internacional e de uma invulgar capacidade de análise da estratégia de combate e da luta dos povos contra os opressores. Seja lá o que for que tudo isso signifique.
Sem esquecer, claro, os direitos humanos. Postos em causa, invariavelmente, pelos israelitas. Uns malandros que se fartam de matar civis indefesos. Civis esses que, diga-se, até são avisados uns minutos antes para evacuarem a área a limpar. Já os cobardes que se escondem, a eles e às armas, entre a população e que impedem os habitantes de dar frosques antes que os misseis caiam, não merecem nenhuma espécie de culpa e são, para muitos, uns heróis.
Respeito quem assim pensa. Se são felizes assim, é lá com eles. Apesar de a achar a ideia do mais parvo que há. Mas respeitava muito mais se, tal como fazem os talibans ocidentais, fossem para lá lutar aos lado dos que defendem. Servir de escudos humanos a terroristas ansiosos por lhes rebentar o canastro. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:39

Eu apoio Israel!

por Kruzes Kanhoto, em 15.07.14
Eu apoio Israel!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:39

A sério que ainda não aprenderam?!

por Kruzes Kanhoto, em 14.07.14
Acho deveras curioso que, quando se fala de edifícios degradados ou em risco disso, surja sempre alguém a sugerir, quase à laia de obrigação, que o dito prédio seja comprado pelo Município. O país, autarquias incluídas, não tem dinheiro para mandar cantar um cego. Os portugueses não se cansam de reclamar – e com toda a razão – do enorme saque fiscal a que estão sujeitos. O Estado – logo, também, as autarquias – são financiadas com o produto do enorme rombo que as finanças provocam nas nossas algibeiras. Mas, ainda assim, há quem insista na tese que cabe aos municípios comprar tudo o que está a cair. Pois que caia. Ou, como sabiamente diz o povo, que se vão os anéis e fiquem os dedos. No caso, que caiam essas “relíquias” mas fiquem as pessoas.
Há, ainda, quem acene com fundos comunitários para que, mesmo sem dinheiro, as câmaras desatem a comprar e restaurar tudo o que é ruína urbana. Não sei se sabem, mas o financiamento europeu ao desbarato já foi chão que deu uvas. E, mesmo que seja obtido, resta sempre a componente nacional. Para a qual não há graveto. Nem quem o empreste. Em boa hora a banca nacional foi impedida de financiar as autarquias...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:01

Perdão?!

por Kruzes Kanhoto, em 13.07.14
Anda por aí meio mundo – talvez mesmo mais – a exigir a renegociação da divida do país. Não sendo especialmente entendido nesta questão, nem nos assuntos dela derivados – sou tão ignorante, aliás, como a maioria dos que sobre ela opinam - há, no entanto, duas ou três questões que quando ouço falar no perdão do calote da república me deixam ligeiramente inquieto.
Uma delas – a principal, diga-se – é saber quem vai ficar a arder. Ao que parece parte significativa da divida portuguesa estará nas mãos dos bancos nacionais, da segurança social e dos portugueses que nela investiram com a esperança de rentabilizar as suas poupanças. Muitos talvez nem sejam gananciosos capitalistas. Quiçá apenas reformados ou funcionários públicos a quem o governo roubou, entre cortes e aumentos de impostos, três ou quatro meses de reforma ou ordenado por ano.
Nada que preocupe os iluminados que, despudoradamente, sugerem que o país não cumpra as suas obrigações perante os que emprestaram o dinheiro que manteve esta merda a funcionar. O deles, provavelmente, estará na Suíça ou num offshore qualquer, daí que não se importem de perdoar tudo e mais um par de botas. O que me admira é haver quem, entre os cidadãos mais ou menos normais, vá na conversa. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:28

Perdão?!

por Kruzes Kanhoto, em 13.07.14
Perdão?!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:28

Estacionamento tuga

por Kruzes Kanhoto, em 12.07.14

Palavraspara quê... É um estacionamento tuga e está tudo dito. No caso emversão duas rodas, mas com o dobro da petulância.  
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:14

Estacionamento tuga

por Kruzes Kanhoto, em 12.07.14
Estacionamento tuga
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:14

Impostos verdinhos

por Kruzes Kanhoto, em 11.07.14
Hesito quanto a isso da fiscalidade verde. Ainda que me agrade a ideia de aumentar os impostos onde a possibilidade de fuga seja menor, visando – supostamente, é claro – reduzir o IRS. Que, como se sabe, é aquele imposto que apenas é pago pelos que a ele não podem fugir. E hesito porque duvido que à criação de novas taxas e ao aumento das que já existem – para proteger o ambiente, dizem eles – corresponda uma redução de qualquer outro imposto.
Daquilo que se tem dito e escrito sobre o assunto retive, essencialmente, a ideia de cobrar, a título de imposto verde, dez cêntimos por cada saco plástico. Compreendo a intenção. Pelo menos faço um esforço nesse sentido. Se não aplaudo a iniciativa é, apenas, porque de fora ficarão, a julgar por aquilo que foi noticiado, uma série de situações que, em minha opinião, deviam ser igualmente taxadas. Porquê os sacos e não os copos, as garrafas ou as “pancartas” que, tanto ou mais que os sacos de plástico, poluem as nossas cidades? Ou, ainda no âmbito de coisas poluentes que demorarão uma eternidade a decompor-se, porque não taxar igualmente os pensos higiénicos, as fraldas e os preservativos?
Mas o que mais lamento e me decepciona nesta deriva ambiento-fiscal-esverdeada, é a ausência de referência à poluição causada pelos canídeos na via pública. São muitas as toneladas de merda de cão espalhadas por aí, cuja remoção custa muito dinheiro e que colocam em causa a saúde pública. Contudo ninguém se lembrou de agravar substancialmente as taxas sobre a posse de cães. Pelo contrário. O parlamento está até, por estes dias, a discutir uma petição visando tornar dedutível em sede de IRS as despesas de saúde dos bichos de estimação!!! Coisas de gente doida, é o que é. Ou, então, o louco sou eu. Mas se for, perante uma realidade destas, tanto melhor.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:51

Impostos verdinhos

por Kruzes Kanhoto, em 11.07.14
Impostos verdinhos
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:51

O rebanho

por Kruzes Kanhoto, em 10.07.14

Não sou muito dado à observação das incidências da vida campestre. Mas, ainda assim, estou em crer que não deverei andar muito longe da verdade se considerar a ovelha como um dos animais mais estúpidos que podemos encontrar nas nossas deambulações campesinas. Deve ser pelas náuseas que me causam os comportamentos de rebanho. Coisa que nós, cá pela tugolândia, somos especialistas em adoptar. O que faz um, fazem todos. Ou quase. E, normalmente, só muito tarde damos conta que fizemos mal. Exemplos? Ora, ora...são tantos que ia passar aqui mais tempo a enumerá-los do que as viúvas e divorciadas no facebook.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:04

O rebanho

por Kruzes Kanhoto, em 10.07.14
O rebanho
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:04

Pagar?! A dividir por todos custa muito menos...

por Kruzes Kanhoto, em 09.07.14
Diz que nunca se deveu tanto ao banco. Consequência, presumo eu que não sou de intrigas, de nunca se ter pedido tanto dinheiro emprestado à banca como nos anos mais recentes. Nomeadamente os que antecederam aquilo a que chamamos crise. Ou seja: fomos – os que foram, claro – pedir empréstimos como se não houvesse amanhã e hoje não temos dinheiro para pagar os desvarios que cometemos ontem. Mas não tem mal nenhum. Agora andemos de Audi e semos uns verdadeiros trota-mundos. E um dia, quando a tal politica de crescimento for decretada, vamos lá sacar mais uns trocos. Qu'isto a vida são dois dias e temos de nos adevartir. Samos mesmo espertos...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:26

Pagar?! A dividir por todos custa muito menos...

por Kruzes Kanhoto, em 09.07.14
Pagar?! A dividir por todos custa muito menos...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:26

Alguém que os tem no sitio...

por Kruzes Kanhoto, em 08.07.14
Só não tiro o meu chapéu ao Presidente da Câmara da Vidigueira por que não uso. Mas talvez passe a usar só para o poder tirar. O ilustre autarca merece. Não é qualquer um que tem coragem de correr com os habitantes indesejáveis, párias e causadores de conflitos permanentes com a restante população. Por mais popular junto do seu eleitorado que a iniciativa se revele. Tanto não é fácil que o seu exemplo não frutifica. Infelizmente.
Claro que afastar esta malta provoca uma imensa comichão na intelectualidade bem pensante e naqueles, que não sendo propriamente intelectuais nem bem pensantes, têm a mania que o são. Aquele tipo de gente que aprecia imenso as qualidades da minoria em causa e que não hesita em tecer uma quantidade de comentários banais acerca dos sentimentos racistas de quem, vivendo por perto ou sendo obrigado a conviver, não gosta de ser ofendido, roubado, agredido ou simplesmente incomodado por essa espécie.
A solução para a urticária desses alarves é muito simples. Levem-nos para casa. Deixem-nos montar as “barrecas” no quintal. Ou melhor, cedam-lhes os montes, que alguns desses moralistas têm no Alentejo, para eles viverem. E, já agora, ponham os filhos nas mesmas escolas. Depois disso, então, falem ou escrevam sobre as maravilhas da convivência com esse pagode. Até lá o melhor é não mandarem bacoradas sobre o que desconhecem, nem fazerem juízos de valor acerca de quem tem a fatalidade de ser obrigado a aturar aqueles energúmenos.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:34

Alguém que os tem no sitio...

por Kruzes Kanhoto, em 08.07.14
Alguém que os tem no sitio...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:34

Coisas que m’atormentam

por Kruzes Kanhoto, em 07.07.14
Relativamente ao resort cá do sítio há coisas que me deixam inquieto. A começar pelo número inusitado de jovens grávidas e/ou com uma prole extremamente numerosa. São mais que muitas. Todas miúdas que aparentam não ter mais de dezassete ou dezoito anos. Algumas, mesmo sem lhes ver os dentes, quase sou capaz de garantir que não terão mais do que treze ou catorze. Embora a quebra da natalidade constitua um problema sério, não acredito que isso seja motivo de preocupação para aquele pagode. Deve ser mais trabalhar para o rendimento.
Ainda que a comunidade residente no resort seja constituída por várias centenas de elementos, raramente se dá conta da morte de algum deles. Mesmo com o aumento da esperança média de vida, da estadia forçada que alguns entre os mais velhos farão em locais mais recatados, não deixa de ser estranho que apenas muito esporadicamente – tão esporadicamente que ninguém, entre aqueles a quem perguntei, se lembra do último - se dê conta da realização de funerais de pessoas ali residentes. Coisa que, dada a exuberância que caracteriza da cerimónia fúnebre, dificilmente passaria despercebida. Estranhíssimo, sem dúvida…
Não menos estranho, também, o modo anormalmente calmo e pacifico com que umas quantas habitações do dito resort foram demolidas. Nem um protestozinho acompanhado das lamurias habituais nestas circunstâncias… Será que têm a promessa de ir para um sítio melhor?! 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:16

Coisas que m’atormentam

por Kruzes Kanhoto, em 07.07.14
Coisas que m’atormentam
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:16

Tralha!

por Kruzes Kanhoto, em 05.07.14

Desta manchete do Correio da Manhã podem ser tiradas várias ilações. De natureza diversa, também. As positivas é que o homem se está a esforçar por combater o desemprego. Ou, se quisermos ver o copo meio cheio, que em vez de trinta podiam ser ainda mais os bois socialistas na autarquia lisboeta. A bem-dizer até são poucos.
Olhando a coisa pelo lado negativo facilmente concluímos que este é igualzinho aos outros. O que contraria o messianismo que para aí vai em redor da criatura. É mais um que faz exactamente a mesma merda que os demais. Na Câmara agora, no governo depois. 
Finalmente a justificação para as nomeações:“Filiação partidária não pode lesar pessoas”. Dificilmente se encontra explicação mais estúpida. Podiam ter argumentado que para os lugares a desempenhar são, aqueles, os mais competentes ou que dão melhores garantias quanto ao desempenho do lugar e que o facto de serem socialistas é apenas mera coincidência. Até podiam justificar que escolheram aquelas pessoas apenas porque sim. Porque lhes apeteceu. Ou, simplesmente, porque todos fazem o mesmo. Mas não. Tinham de se armar em espertos. Estamos bem entregues, estamos. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:46

Tralha!

por Kruzes Kanhoto, em 05.07.14
Tralha!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:46

Vêm aí os mouros…outra vez!

por Kruzes Kanhoto, em 04.07.14
Umbando de criminosos organizados, quese autointitulamEstadoIslâmico doIraque e doLevante,divulgou um mapa com osseus desejos deconquistas para os próximos cinco anos. Nele, para além de vastasáreas do norte de África e do leste europeu, estabelece-se comoobjectivo a ocupação da península ibérica.
Aoassunto, tanto quanto me apercebi, não foi dada grande importância.Excepto um pequeno apontamento num telejornal do segundo canal da RTPe uma ou outra breve referência nos jornais, o tema não suscitouinteresse à comunicação social lusa. Fossem os protagonistasPutin, Le Pen ou Berlusconni e teríamos caso para abertura detelejornais durante dias seguidos e garantidas horas de debate com osmais variados especialistas em coisas. Critérios. Ou medo de ferir asusceptibilidade da malta da toalha enrolada aos cornos. Que, como sesabe, é um pessoal muito sensível.
Acreditoque, mais ano menos ano, tudo isto vai ficar entregue a essesbichos. Mas,seaquela escumalha for paciente, não será necessário disparar umúnico tiro. Nem precisam de para cá mandar javordolas todosarmadilhados. A demografia fará o seu trabalho. Ainda bem que atélá temos tempo suficiente para destruir o que resta do país…



Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:28

Vêm aí os mouros…outra vez!

por Kruzes Kanhoto, em 04.07.14
Vêm aí os mouros…outra vez!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:28

Cuidado com as carteiras!

por Kruzes Kanhoto, em 03.07.14
Culpar os municípios pelo incumprimento do défice parece-me manifestamente abusivo. Verdade que os autarcas são, por natureza e de uma forma geral, gastadores compulsivos que adoram distribuir dinheiro pelos eleitores esturrando dinheiro como se não houvesse amanhã. Mas há excepções. Ainda que possam não ser muitos, há municípios que têm as contas equilibradas graças a uma gestão, do ponto de vista financeiro, mais ou menos previdente.
Quanto aos outros – aos gastadores - não vale a pena. São um caso perdido. Ninguém, mas mesmo ninguém, os consegue controlar. Por mais legislação que se produza arranjam sempre maneira de lhe dar a volta. E se agora é assim, imagine-se o dia, não muito distante, em que um actual autarca, por sinal de uma das mais endividadas Câmaras do país, for o primeiro-ministro. Preparemos, pois, as carteiras. Comparado com o que, então, vai ser preciso, o actual saque fiscal não passa de coisa de meninos.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:13

Cuidado com as carteiras!

por Kruzes Kanhoto, em 03.07.14
Cuidado com as carteiras!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:13

Barata de sangue azul

por Kruzes Kanhoto, em 01.07.14
Barata de sangue azul
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:14


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D