Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Decidam-se, porra!

por Kruzes Kanhoto, em 31.05.14
Até quase às vinte horas de ontem, a julgar por aquilo que se escrevia nas diversas redes sociais e se dizia na rua, o governo não passava de um grupo de bandalhos. Daqueles mesmo do piorio. Roubava ordenados, aumentava impostos e impunha austeridade sem demonstrar um pingo de sensibilidade social.
De ontem para hoje tudo mudou. Agora os malandros da pior espécie são os juízes do Constitucional. O governo esse, coitado, não tem outro remédio senão aumentar o IVA para poder pagar os brutos ordenados aos malandros dos funcionários públicos. Uma vergonha, portanto, essa decisão do Tribunal. Coisa, até, para colocar de novo em perigo o equilíbrio orçamental que o Passos Coelho - um santo homem, só falta acrescentar - tanto se esforçou para conseguir.
É bom que os portugueses se decidam acerca do que querem. Se é que conseguem. O mais provável é nem saberem ao certo o que desejam. Tirando aquela parte de acharem que devem ser os outros a pagar a crise.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:04

Garrafões muito irrequietos

por Kruzes Kanhoto, em 31.05.14
Ao contrário do que alguns preconceitos pretendem fazer crer, cá pelo Alentejo nada é mais lento do que em qualquer outro lugar, nem os seus habitantes revelam menor vontade de se mexer do que os restantes compatriotas. Quem disser o contrário é parvo e não conhece o Alentejo nem os alentejanos.
O mercado semanal de Estremoz - realiza-se todas as manhãs de Sábado - é disso um bom exemplo. Tanto assim é que chega a haver necessidade de acorrentar alguns produtos às bancas. Presumo que o procedimento se deverá à estonteante velocidade a que os ditos serão capazes de desaparecer. Ou de mudar de sitio.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:12

Vai por essa Internet fora uma chinfrineira desgraçada por causa das decisões do Tribunal Constitucional. A azia de uns, a maioria, é mais que muita e o regozijo dos restantes, muitos menos, não se fica atrás. Aos aziados, há que dizê-lo com toda a frontalidade, não passam de um bando de imbecis. Quanto aos que hoje estão felizes deixo um alerta. Esperem pela pancada.
Não dou para este peditório. Não vale a pena. Mas isso não me impede de ler as bacoradas que se vão escrevendo nos blogues, nas caixas de comentários dos jornais on-line ou no facecoiso. Entre outros. É um exercício interessante. Nomeadamente para quem quiser publicar uma enciclopédia de disparates. Já relativamente ao dinheiro que se vai esturrando em distribuição de empregos disfarçados de aquisições de serviços, em coisas tão importantes como centros de interpretação do mundo rural e outras obras faraónicas de interesse mais que duvidoso, disso, ninguém reclama. Por muitíssimos milhões que isso custe. A todos. Até aos que por esta altura destilam fel sobre as decisões do Tribunal Constitucional.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:06

Aumentozinho de impostos?!

por Kruzes Kanhoto, em 29.05.14
Voltar a aumentar a taxa máxima de IVA, agora para vinte cinco por cento, parece ser a carta que o governo tem na manga para minorar os estragos orçamentais causados pelo chumbo do Tribunal Constitucional aos cortes nos vencimentos da função pública.
Uma péssima ideia, vão achar a generalidade dos que trabalham no sector privado, os desempregados, os reformados com pensões de miséria e todos os que trabalham para o Estado mas que, por ganharem abaixo dos seiscentos e setenta e cinco euros, não viram os seus vencimentos sofrer qualquer quebra. Os funcionários públicos, por seu lado, vão ficar radiantes. Momentaneamente, pelo menos. Assim, argumentarão, os sacrifícios são distribuídos por todos.
Por mim desagrada-me tudo. Os cortes e o aumento de impostos. Não havia necessidade. Bastava pôr a pagar quem foge aos impostos e combater à séria a economia paralela. Mas isso, como está amplamente demonstrado, os portugueses não querem. Preferem andar, feitos parolos, a atirar culpas uns aos outros.
Uma sugestão que já deixei no email de vários deputados – ainda mais pertinente se o IVA subir de novo – seria tornar dedutível na sua totalidade, em sede de IRS, todo o IVA suportado na restauração. Teria duas inegáveis vantagens. Acabava-se a lamuria dos taberneiros e o rendimento por eles declarado subia em flecha...Com todas as consequências daí decorrentes.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:03

Coisas que m'atormentam

por Kruzes Kanhoto, em 28.05.14
Não é bem atormentar. É mais ter manifesta dificuldade em perceber. Problema meu, de certeza, mas não consigo vislumbrar a razão dos motivos de preocupação que por aí vão com o crescimento da votação nos partidos da extrema-direita. Principalmente quando, vá lá saber-se porquê, não existe idêntica inquietação quanto aos votos, que também aumentaram em alguns países, nas forças politicas identificadas com a extrema-esquerda. Deve ser por a esquerda ser uma coisa chique ou algo parecido. Assim tipo aquilo da superioridade moral. Só pode.
O entusiasmo suscitado pelo anúncio da disponibilidade de António Costa para se candidatar a líder do Partido Socialista, também me atormenta um bocadinho. Comove-me ligeiramente, até. Embora, de certa forma, me divirta ver tanta gente ingénua a depositar tanta esperança na criatura. Parece que já ninguém se recorda que o homem é um ex-ministro de Sócrates. Pior. Só deixou de o ser para ir para Presidente de Câmara. Características pouco conciliáveis com alguém que deve governar com rigor, convenhamos. Apesar disso não falta quem veja no fulano uma espécie de salvador da pátria. Um D. Sebastião dos tempos modernos, provavelmente. Ou, mas isso sou eu armado em velho do Restelo, alguém capaz de nos trazer a troika de volta mais depressa do que o diabo esfrega um olho.  
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:45

Coisas que m'atormentam

por Kruzes Kanhoto, em 28.05.14
Coisas que m'atormentam
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:45

Brigada do croquete.

por Kruzes Kanhoto, em 27.05.14

Percebo asdificuldades que os presidentes de junta de freguesia sentem nodesempenho do seu cargo. Nomeadamente daquelas terras onde oseleitores são quase todos idosos. Deve ser uma coisa lixada. Istoporque os velhos são uns chatos e as velhas umas gaiteiras. Queremé comezainas e passeatas. Tudo à borla. Os pobres autarcas não têmoutro remédio, mesmo sem dinheiro, senão fazer-lhes a vontade.Ainda que tenham outras ideias – geralmente melhores – para daruso aos parcos recursos de que dispõem. Ai deles que não ospasseiem e lhes encham a pança. Caso não o façam da próxima nãosão eleitos. E é assim que vamos cantando, pulando, comendo epasseando. Mesmo com isso da crise, ou lá o que é.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:30

Estas facturas têmapenas um dia de intervalo. Sensivelmente vinte e quatro horas dediferença. Foram emitidas por um espaço de restauração numamovimentada zona comercial, situada no centro de Albufeira, mas ondeos clientes são, maioritariamente, portugueses. E muitos.
Como se podeconstatar pela numeração dos documentos retratados na imagem acima,para além de mim apenas outro consumidor pediu factura com númerode contribuinte.
Somos um povo quese abstém de votar, que colabora com a fuga aos impostos e que, aindaassim, passa a vida a lamentar-se. De tudo. Temos o que merecemos. Ou quase. Porque, se calhar, ainda merecíamos pior. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:21

Realidade, ficção ou publicidade enganosa?!

por Kruzes Kanhoto, em 25.05.14

Nãoé que se trate de uma questão particularmente inquietante. Nadadisso. Será, quando muito, mais um daqueles casos em que a ficçãose confunde com a realidade. Ou nos confunde. Fica, no entanto, adúvida. Que, se calhar, pode nem ter razão de existir. Às tantasesta publicidade é tão real e paga os mesmos impostos a que estãosujeitos os papéis com o “vende-se”, nos automóveis, ou “dão-seexplicações”, nas montras das lojas. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:11

Nem vale a pena continuar a bater no ceguinho. Tudo, desde o primeiro dia, revela que nada aprendemos com os erros cometidos. Pelo contrário. Continuamos a achar que fizemos tudo certo, que estávamos no bom caminho e que, quanto antes, devemos voltar ao velho e bom modo de governação que nos desgraçou.
No entanto, simultaneamente, achamos muitíssimo bem que se cortem os vencimentos aos funcionários públicos. Esses malandros com mais privilégios que o resto da população. Também nos parece relativamente justo que se diminuam as reformas. Isso de haver velhos a auferirem milhares de euros de pensão à custa dos novos que nunca irão saber o que é a condição de reformado tem de acabar. É o que garantem os trabalhadores mais novos. E os sucessivos aumentos dos descontos para a ADSE? Bom, disso nem é bom falar… A tal ADSE que um destacado socialista já garantiu ser para extinguir.
Defendemos – enquanto povo, obviamente – a austeridade e o seu contrário. Que é como quem diz: Não sabemos o que queremos. Só isso pode explicar que nos preparemos para voltar a eleger aqueles que se orgulham de ter rebentado com o país e com as nossas vidas. As tais que pretendemos ter de volta.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:12

O Mau, o Vilão e o Palito

por Kruzes Kanhoto, em 22.05.14
Apesardas dificuldades financeiras que afectarão o município de Gaia –pelo menos a fazer fé nas notícias veiculadas pela comunicaçãosocial – aquela autarquia continua a “colaborar” com o clubesediado na outra margem doDouro. Ontem terá sido assinado mais um protocolo visando acooperação com a citada agremiação. O que, em linguagem comum,todos sabemos o que significa.
Curiosase simultaneamente enigmáticasforam as declarações alegadamente proferidas pelos intervenientesno final na cerimónia. Ao que parece terão estado de acordo quandoà necessidade da existência de ídolos a norte. E, também, contrao centralismo. Seja lá o que for que, na deles, isso queira dizer.Mas que, curiosamente, vem a terreiro sempre que a coisa corre mal aonível do futebol.
Quandoà parte dos ídolos, a solução poderá estar já encontrada. Ajulgar pela recepção que os populares nortenhos que se juntaram à porta do Tribunal dispensaram ao tal Palito. Aquelemaroto que andou fugido depois de ter disparadouns tiros certeiros e outros nem tanto. Opersonagem poderá dar umóptimo candidato ao lugar deídolo. Assim como assim é tão bom como outroqualquer. Até prova em contrário. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:03

Eu vi, eu vi...

por Kruzes Kanhoto, em 19.05.14


Pronto.Vá lá isso. Não é merda de cão mas serve na mesma. Acredito queos dois figurantes do desfile em fatiotas medievais não me estavam achamar a atenção para a cagadela de tamanho quase épico. Nemprecisavam. Era lá coisa que se me escapasse...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:26

A versão socialista das gorduras do Estado

por Kruzes Kanhoto, em 18.05.14

Ouviro mais que provável futuro primeiro ministro garantir que a despesanão constitui um problema é motivo para alarme social. No mínimo.Uma revolta popular, quase. Pelo menos para aqueles que têm estado apagar as consequências desse alegado não problema.
Admitoque o homem tenha dito umas coisas simpáticas. Daquelas que qualquereleitor gosta de ouvir. Até eu gostei. Nomeadamente aquela parte dovender património “não necessário”, apresentada como medidapara conseguir mais receita que compense o fim da chamada “TSU dospensionistas”. Deve ser uma espécie de gorduras do Estado emversão socialista. Ou seja, algo que ninguém sabe ao certo o que émas que fica bem anunciar por ser do agrado geral.
Sugirodesde já que entre o património desnecessário, a vender pelossocialistas, se inclua este imóvel abandonado situado bem no centrode Estremoz. Ou seja demolido, caso nenhuma entidade PRIVADAmanifeste interesse na suaaquisição. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:51

Não é um adeus. É um até já.

por Kruzes Kanhoto, em 17.05.14
Em consequência das loucuras que se seguiram ao 25 de Abril, nomeadamente com o governo do companheiro Vasco, o país teve de ser salvo da bancarrota em 1977. Como pouco ou nada se aprendeu com isso meia-dúzia de anos depois, em 1983, nova intervenção do FMI. Nos anos seguintes, com a adesão em 1986 à então CEE, chegaram ao país recursos financeiros nunca antes vistos. Os milhões foram tantos que nos anos seguintes não foi necessário pedir ajuda ao estrangeiro para pagar as contas. Até 2011. Quando a coisa rebentou pela terceira vez em trinta e sete anos. É obra.
Hoje a troika vai-se embora. Ou, pelo menos, acaba oficialmente o prazo estabelecido no memorando de entendimento que estabeleceu o plano de ajuda financeira. Mas, mais uma vez, nada aprendemos. Daí não serem precisos grandes dotes adivinhatórios para prever que mais uns cinco ou seis anitos temo-los cá outra vez. Só que, ao contrário de agora, vai ser à séria. Porque, por mais que o pessoal se queixe, isto não passou de um ajustamento insignificante em que os sacrifícios dos que mantiveram o emprego foram praticamente irrelevantes. Duvido que então, no final da próxima intervenção, uma reformada de setenta anos possa ir de férias para Punta Cana...Como vai agora, apesar do que para aí se diz que têm feito aos idosos.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:54

Não é um adeus. É um até já.

por Kruzes Kanhoto, em 17.05.14
Não é um adeus. É um até já.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:54

Depois vão chorar para o aeroporto...

por Kruzes Kanhoto, em 16.05.14
À segunda investida do governo Cavaco não resistiu e promulgou a lei que rouba mais um por cento ao vencimento dos funcionários públicos. Assim, a partir do próximo mês, centenas de milhares de portugueses vão ver o seu poder de compra e, consequentemente a sua qualidade de vida, ainda mais reduzidos. O irónico da coisa é que isso acontece enquanto o governo festeja a partida da troika e anuncia as maravilhas que aí vêm com a suposta recuperação da soberania nacional.
O aumento da contribuição dos trabalhadores do Estado para os sistemas de saúde terá sido das medidas mais fáceis de tomar pelo executivo. É popular. Tudo o que prejudique os funcionários públicos agrada à população em geral, mas no caso da ADSE é assim tipo a cereja em cima do bolo. A populaça delira. O pior é se os funcionários mais jovens, os que se achem mais saudáveis e os que ganham mais, resolverem deixar de descontar para aquele sistema de saúde. Afinal sempre têm o SNS como todos os outros portugueses. Claro que depois hão-de surgir os piegas do costume a chorar baba e ranho pela partida dos jovens profissionais de saúde altamente qualificados. Mas disso – as chamadas lágrimas de crocodilo – já estou mais que farto. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:21

Remate kruzado

por Kruzes Kanhoto, em 15.05.14
Tudo o que ontem podia correr mal ao Benfica, correu. A equipa terá feito, muito provavelmente, a pior exibição da época, o árbitro errou que nem o Pedro Proença quando apita o SLB, o Jorge Jesus parecia o Paulo Fonseca e alguns jogadores do Glorioso exibiram-se ao nível do que fizeram esta temporada a maioria dos seus congéneres do FC Porto. Foi essa estranha conjugação de factores que permitiu ao Sevilha - uma equipa sem classe onde são titulares jogadores que nem para o Sporting serviam - levar a taça para casa.
Foi apenas um jogo de futebol. Nada, convenhamos, de muito relevante. Coisa que pouco tem a ver com maldições, também. E que, sobretudo, dispensa hipocrisias. Daí achar deplorável e um atentado à inteligência as sucessivas e constantes referências a uma alegada maldição supostamente lançada, há mais de cinquenta anos, por um treinador que há muito tempo está a fazer tijolo. O mesmo que, recorde-se, afiançava que o Benfica não tinha cú para duas cadeiras, pretendendo justificar a incapacidade da equipa que liderava em lutar simultaneamente por uma prova europeia e pelo campeonato. Parece que afinal não é bem assim e as duas últimas épocas demonstraram-no. Assim como outras já muito depois do tal húngaro ter deixado o Glorioso. Mas isso parece importar pouco a quem tem por obrigação de, até por razões profissionais, contar a história toda e não apenas a parte que dá jeito.
Compreendo todos os que exultam com a derrota do Benfica. As muitas derrotas do Sporting e os recentes desaires do Porto também me deixam profundamente agradado. Tenho até, nesse âmbito, tido muitas alegrias. E para justificar a satisfação que me dão nem preciso de argumentar – como alguns totós andam por aí a fazer – com os portugueses que integram a equipa adversária. Gosto apenas que percam. Porque sim.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:41

Os populares são aqueles seres que as televisões descobrem, normalmente em ajuntamentos, e a quem gostam de estender o microfone para nos proporcionarem momentos de diversão. Emitem, por norma, opiniões que não interessam a ninguém mas a hilaridade que provocam compensa o desinteresse das mesmas.
Hoje, num telejornal qualquer, foi um popular já velhote a ter o seu momento de fama. Durante a acção de campanha do Bloco de Esquerda realizada em Évora manifestou, junto da jovem candidata, a sua indignação por “esses malandros”, entre os quais o Cavaco ao que me pareceu, terem “entregue as terras aos donos”.
Ora a intervenção deste popular contraria o que antes escrevi acerca da falta de interesse das conversas dos populares que se gostam de juntar aos magotes. Nomeadamente na parte em que lastima que tenham “entregue as terras aos donos”. Esta declaração, dita assim na televisão por um popular indignado, constitui, diria, um documento histórico que devia ser exibido sempre que se exaltam os tempos que se seguiram ao 25 de Abril. Só para alguns ficarem a saber que nem tudo foram cravos e que agora nem tudo são espinhos. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:28

Um dia destes ainda vão oferecer o cú...

por Kruzes Kanhoto, em 12.05.14
Um dia destes ainda vão oferecer o cú...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:19

Provavelmente com saudades do PREC o Bloco de Esquerda resolveu fazer uma espécie de viagem no tempo ocupando um edifício devoluto em Lisboa. Este regresso a um dos períodos mais trágicos da história recente portuguesa mereceu, sabe-se lá porquê, o entusiasmo de uns quantos ignorantes que, por diversas formas, têm manifestado o seu regozijo por esta acção ilegal e, talvez, até passível de ser considerada como criminosa.
As casas, por mais difícil que este conceito seja de entender para certa malta, são propriedade de pessoas. Que podem fazer delas o que entenderem. Desde que isso, como é óbvio, não colida com a lei. Acredito, no entanto, que manter um prédio devoluto não será uma opção comum entre os proprietários dado que manter um activo sem produzir riqueza é uma escolha manifestamente parva. Quase tão parva como a opinião que reproduzo acima e que recolhi entre as muitas que hoje se podem ler no facecoiso e nas caixas de comentários de alguns jornais onde o assunto é comentado.
Toda a gente concordará que a existência de inúmeros prédios vazios, nas cidades e não só, é hoje um dos maiores problemas que se coloca em termos urbanos. Mas, por muito que isso custe a aceitar a alguns, os proprietários são as maiores vitimas dessa situação.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:47

Couve da crise

por Kruzes Kanhoto, em 10.05.14


Estacouve nasceu por acaso entre as pedras do meu quintal. Um local poucoprovável, inapropriado até, para qualquer vegetal medrar. Apesardisso cresceu e ficou com o aspecto que a imagem mostra. Mas isso foium dia destes. Poucas horas depois estava na panela a fazer companhiaa outras couves suas irmãs. 
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:04

Meninos birrentos

por Kruzes Kanhoto, em 09.05.14
A ameaça de novo aumento de impostos caso o Constitucional declare inconstitucionais os cortes nos vencimentos dos funcionários públicos, feita hoje pelo Parvus Coelho, está a merecer um imenso coro de criticas. Por mim sinto-me dividido. Em várias partes, até. Por um lado aprecio a atitude do primeiro ministro, mesmo em vésperas de eleições, em deixar claro o que tenciona fazer caso veja a sua medida chumbada. Por outro considero deplorável que não se lembre de mais nada. Ele que esteja atento – como, aliás, lhe compete - ao que os diversos serviços públicos andam a esturrar e talvez lhe ocorra qualquer coisa. Por último desagrada-me a chantagem que se pretende exercer sobre o Tribunal. Coisa quase do tipo de uma birra de criança mimada.
Também os críticos – outras crianças igualmente mimadas - me merecem um reparo. Apresentem alternativas, porra. Insurjam-se contra os palhaços que não pedem factura e que, com esse comportamento, contribuem para que os impostos não parem de subir e que os vencimentos e reformas não deixem de cair. Ou então vão bardamerda.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:36

Pouco– nada, a bem dizer – tenho para acrescentar a tudo o que aolongo de todos estes anos de blogosfera publiquei acerca da javardiceda malta que se acha no direito de, através do seu bichinho deestimação, conspurcar o espaço comum. No entanto o bando dejavardolas não me dá descanso. Parece, até, que me perseguem. Paraonde quer que vá o que não falta é merda de cão e gente porca aatravessar-se no meu caminho.
Portudo isso é da mais elementar justiça deixar aqui um grandebem-haja aos que insistem em contribuir para arranjar matéria paraeste blogue. Considerem-se, todos, colaboradores do Kruzes Kanhoto.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:04

LCPA - Uma lei que só serve para aborrecer.

por Kruzes Kanhoto, em 07.05.14

A Lei dos Compromissos e dos Pagamentos em Atraso visava, no essencial, impedir que as entidades públicas – municípios incluídos – não assumissem encargos para os quais não tivessem fundos disponíveis. Que é como quem diz, meios financeiros para regularizar esses encargos no prazo máximo de noventa dias.
Dois anos depois ainda há instituições – autarquias, empresas publicas e administração central – que não cumprem a lei. Sem que, pelo menos de forma conhecida, nenhuma das sanções mais ou menos rigorosas nela prevista seja aplicada aos infractores. Até parece que essa coisa do rigor orçamental e do equilíbrio das contas públicas não é para todos.
O cumprimento rigoroso desta lei impediria, tenho a certeza, o esbanjamento de muitos milhões de euros. Os suficientes, talvez, para evitar o não aumento de impostos que nos vai entrar na algibeira já em Janeiro de 2015. Isto porque o mapa divulgado apenas se refere aos valores iniciais. Se, pelo contrário, fossem tidos em conta os resultados no fim do mês o número de incumpridores seria muito, mas mesmo muito, superior.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:06

A política internacional não é assunto que se inclua no top 100 das minhas preocupações. Daí que, confesso, não esteja particularmente bem informado acerca do conflito que envolve a Ucrânia e a Rússia. Mas, presumo, deve ser coisa importante. Isto a creditar no que se tem escrito em alguns blogues situados mais à esquerda do panorama blogosférico nacional. Nesses espaços é latente o entusiasmo com as actividades, alegadamente heróicase anti-fascistas, das forças pró-russas e, simultaneamente, um ódio visceral para com o lado ucraniano. Nazis da pior espécie, ao que relatam.

Por mais que me esforce não consigo descortinar motivos para qualquer destes sentimentos. Nomeadamente no que se refere ao apreço demonstrado perante o novo expansionismo russo. Acredito que queiram ver ali uma espécie de renascimento dos ideais comunistas de outros tempos. Esqueçam lá isso. A União Soviética não volta. Por mais difícil de aceitar que tal facto seja para uns quantos saudosistas do império do mal. O Putin pode estar ansioso por alargar as suas fronteiras, mas gosta tanto de comunistas como eu do Sócrates ou do Passos Coelho. Provavelmente um pouco menos, até. E os russos que habitam as ex-repúblicas soviéticas apenas querem uma vida - daquela ao estilo ocidental e capitalista - melhor do que que os países onde vivem têm para lhes oferecer. De comunismo ficou a imensa maioria mais que farta.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:39



Aentidade governamental responsável pela área autárquica acaba dedivulgar o prazo médio de pagamento, em 31 de Dezembro de 2013, dosmunicípios portugueses. Esta informação vale o que vale e, emminha opinião, vale pouco. Ainda assim a persistente permanência,em trimestres sucessivos, de alguns municípios nos lugares cimeirosda tabela quererá, forçosamente, dizer alguma coisa acerca dagestão que por lá se pratica. A lista completa pode ser consultadaaqui.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:22

Melões há muitos. E de todas as cores.

por Kruzes Kanhoto, em 03.05.14
Sou benfiquista e isso me envaidece. No entanto apenas muito raramente por aqui deixo uma ou outra manifestação da alegria ou da tristeza que me invade a alma por causa das vitórias ou das derrotas do glorioso. Isto porque falar ou escrever de forma racional sobre futebol está ao alcance de poucos. E eu, reconheço, não estou incluído nesse número.
Seria, porém, de esperar que quem não gosta do desporto-rei usasse de mais alguma racionalidade quando disserta sobre ele. Coisa que, frequentemente, não acontece. Veja-se tudo o que tem sido escrito e dito a propósito das comemorações do titulo de campeão pelos adeptos do Benfica. Nomeadamente os lamentos de certa malta pela massiva adesão popular a estes festejos quando, alegam, as pessoas que nelas participam se revelam incapazes de se juntar às manifestações de protesto contra o governo.
Parece difícil de perceber a essa gentinha – que discursa do alto da sua auto-proclamada superioridade intelectual - que uma coisa nada tem a ver com a outra. Daí ser, para mim, difícil de entender o incomodo. Até porque no Marquês, uma praça pequenita, não estariam mais, segundo as televisões, de vinte mil pessoas. Já no gigantesco largo frente à escadaria da Assembleia da Republica é costume a CGTP e o Partido Comunista contarem, pelo menos, sessenta mil manifestantes. Perante uma disparidade destas nem sei do que se queixam...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:22


Osesquemas da restauração não se ficarão - alegadamente, claro –pela questão fiscal. Haverá, ao que soa, igualmente algunsestratagemas manhosos destinados a reduzir custos. Para um deleschamaram-me recentemente a atenção e terá ver com as garrafas deágua vendidas e consumidas nos restaurantes. Embora tenha a maniaque sou bom a observar coisas nunca tinha reparado que quando pedimosuma agua, na esmagadora maioria das ocasiões, o empregado abre deimediato a garrafa. Isto para - alegadamente, porque eu nunca deipor nada - não nos darmos conta que o recipiente não estarádevidamente selado. Ao que se diz, o “negócio” será comprarembalagens de cinco litros - substancialmente mais baratas - e depoisencher as garrafitas que se vão vender ao cliente. Tudo istoalegadamente, reitero. Até porque destas hipotéticas falcatruasnunca dei conta. Mas se com a água poderá ser assim, nem queroimaginar o resto...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:44

Mais um javardola!

por Kruzes Kanhoto, em 01.05.14

Umcão a cagar na praia constitui um óptimo cartaz turístico. Nem entendo por que raio a entidade que tem a seu cargo a promoção do turismo nacional não a usa. Seria, de certeza, um sucesso e constituiria mais um motivo para trazer até nós turistas aos milhões. Deve ser isso que pensam alguns habitantes javardolas da localidade onde tirei esta fotografia. Ainda não devem ter percebido que o seu modo devida só será sustentável se souberem preservar o que de bom por lá existe. Será que custa assim tanto?!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:17



Mais sobre mim

foto do autor






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D