Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Isaltinar

por Kruzes Kanhoto, em 30.09.11
Isaltino foi preso e libertado menos de vinte equatro horas depois. Não sei, nem isso me interessa muito, se a justiçaprocedeu mal quando o prendeu e bem quando o soltou ou vice-versa. O que me entristece,desgosta e repugna, tudo em simultâneo, é a opinião dos eleitores do seuconcelho. Independentemente do carinho, da estima pessoal ou do apreço em queaté possam ter a sua obra, tentar justificar as suas por enquanto alegadas acçõese aceitá-las como perfeitamente naturais é, pelo menos na minha maneira de veras coisas, algo de inaceitável e que me faz ter vergonha de ter nascido nomesmo planeta que aquela gentalha.
Compartilhar no WhatsApp

Isaltinar

por Kruzes Kanhoto, em 30.09.11
Isaltinar
Compartilhar no WhatsApp

Insensibilidade e falta de bom-senso (ou de senso, apenas)

por Kruzes Kanhoto, em 29.09.11

Não sei o que causa tanta indignação nasdeclarações proferidas por um corretor inglês - que afinal, sabe-se agora, não o era -  numa entrevista televisiva onde afirmou estar radiante com a actual crise porque, ao que garantiu, lhe está apermitir auferir elevados proveitos. Qualquer corretor dos verdadeiros, se quisesse ser sincero, diria exactamente a mesma coisa. Não é desonestidade nenhuma e, nesta como em noutras profissões em que tal é possível, ganhar muito dinheiro revela  elevada competênciaprofissional. Pena que a esmagadora maioria diabolize o lucro e dirija a suafúria na direcção errada.
Vejamos este pequeníssimo e quase insignificanteexemplo. Numa qualquer localidade, mesmo daquelas onde a maioria dos escassoshabitantes está com os pés para a cova, construiu-se uma piscina, um pavilhãodesportivo onde se podem praticar todas as modalidades e mais algumas, dotou-seo campo de futebol lá do sítio de um relvado todo janota, fizeram-se estradas que vão de nenhures a lado nenhum e edificaram-se duasou três escolas todas catitas e modernaças. Isto apesar de quase não nasceremcrianças lá na terra e de idênticos equipamentos existirem já em todas as localidades vizinhas. Tudo somado é coisa para vinte milhões de eurosfinanciados a oitenta por cento. O que, para os decisores, se afigura como umnegócio fantástico. Ou soberbo, na opinião dos eleitores inebriados com tantodinamismo. Claro que o insignificante pormenor de ainda faltarem quatro milhõesé apenas um miserável detalhe, só invocado pela falta de visão estratégica deuns quantos parvos. Até porque, como é óbvio, a banca estava mesmo desejosa definanciar a parte do investimento que os fundos europeus não cobriam. Apesar de,também ela tal como o país, não ter dinheiro e, por consequência, necessitar derecorrer aos mercados.
Ora, como é suposto saber-se, estas coisaspagam-se. E quando alguma coisa se paga alguém ganha alguma coisa. E é aqui queos tais corretores, insensíveis e gananciosos, entram em acção. Embora, que se saiba, nunca tenham posto os andantes na tal terriola perdida onde já não nascem crianças.Nem precisam. O melhor é mesmo não aparecerem por lá. Nessa terra – e nas outrastodas também – as pessoas não gostam de quem ganha dinheiro. Apreciam muitomais quem o gasta.
Compartilhar no WhatsApp

Insensibilidade e falta de bom-senso (ou de senso, apenas)

por Kruzes Kanhoto, em 29.09.11
Insensibilidade e falta de bom-senso (ou de senso, apenas)
Compartilhar no WhatsApp

Premiar a burrice

por Kruzes Kanhoto, em 28.09.11
Contrariandotodos os que já duvidavam da intenção do governo em cortar na despesa, oexecutivo anunciou finalmente medidas que visam inverter o caminho do inusitadodespesismo pelo qual o país enveredou nas últimas décadas. Foi hoje anunciadoque, afinal, o prémio de quinhentos euros a atribuir depois de amanhã aosmelhores alunos do ensino secundário já não seria atribuído. Em vez disso omontante global em causa será destinado ao apoio a alunos carenciados. Mesmoque burros e se estejam cagando para essa maçada das actividades lectivas. Parece-mebem. Essa ideia parva de premiar o mérito e a excelência é socialmente injusta,fascizante, despesista e elitista. Há, pelo contrário, que promover asolidariedade social, estimular o espírito de partilha e fazer ver aos alunosque se esforçaram e deram o melhor de si, que será para eles muito maisgratificante e enriquecedor apoiar, por exemplo, os filhos daquele comerciantede toda a espécie de coisas, que, coitado, não tem dinheiro para livros,material escolar e alimentação dos seus meninos. Isto apesar de se deslocar numveículo topo de gama e de, alegadamente, já ter sido visto mais do que uma veza depositar uma invulgar quantidade de notas numa instituição bancária.
Compartilhar no WhatsApp

Premiar a burrice

por Kruzes Kanhoto, em 28.09.11
Premiar a burrice
Compartilhar no WhatsApp

Vozes que não chegam muito alto

por Kruzes Kanhoto, em 26.09.11

A julgarpelas opiniões expressas nas caixas de comentários de alguns sítios onde oassunto tem vindo a ser abordado, a redução significativa do número defreguesia agrada claramente a uma imensa maioria de comentadores. São, até, emnúmero bastante considerável os que acreditam que se devia ter coragem e irmais além, aproveitando a ocasião para acabar igualmente com uma quantidadeapreciável de municípios.
Relativamentea esta temática já aqui deixei a minha opinião e, pelo menos nos tempos maispróximos, não voltarei ao assunto. Mas, confesso, desagradam-me a esmagadorados comentários que acabo de ler. Nomeadamente porque, tenho a certeza, nãohaverá igual consenso quando chegarmos à fase determinante do processo. Aquelaem que o legislador vai, preto no branco, escolher as freguesias que deixarãode o ser. Ou, se for o caso, os municípios a agregar. Aí, acredito, vou leropiniões tão convictas das suas certezas como as de agora. E a maioria, não medevo enganar muito, manifestando um grau de concordância bastante mais reduzido.
Compartilhar no WhatsApp

Vozes que não chegam muito alto

por Kruzes Kanhoto, em 26.09.11
Vozes que não chegam muito alto
Compartilhar no WhatsApp

Fitas

por Kruzes Kanhoto, em 25.09.11
É assim, semmais pormenores, que é anunciado o filme em exibição naquela sala de cinema. Ficamos,por isso, sem conhecer dados determinantes como os protagonistas ou orealizador. Embora, por outro lado, até seja boa esta ausência de detalhes.Podemos sempre dar largas à imaginação e tentar adivinhar o enredo, o elenco ouo figurão que dá as ordens.
Pode não sercoisa para ganhar um Óscar, um Leão de Ouro ou, sequer, merecer uma nomeaçãopara um qualquer prémio secundário. Não irá, na melhor das hipóteses, além deuma menção desonrosa. Mas lá que tem um nome sugestivo, isso tem.
Compartilhar no WhatsApp

Fitas

por Kruzes Kanhoto, em 25.09.11
Fitas
Compartilhar no WhatsApp

Uma fisga para cada um e não se fala mais nisso

por Kruzes Kanhoto, em 24.09.11
Garantemmuitos que o dinheiro gasto em guerras e armamento chegaria, e ainda sobejava,para acabar com a fome e a miséria no mundo. Terão, provavelmente, toda a razão.Acredito que países como o Iraque, Irão, Paquistão, Coreia do Norte ou Índiaestariam num patamar elevadíssimo de desenvolvimento humano se não desviassemparte significativa dos seus recursos para fins militares. Até mesmo o Afeganistão,o Sudão ou a Somália não seriam a bosta que se conhece caso o dinheiroinvestido na sua islamização e no combate religioso fosse aplicado em coisasrealmente úteis. Ou, aqui mais perto, a ETA aplicasse todos os meios de quedispõe para ajudar quem precisa – e calculo que haja gente no país basco apassar mal - em lugar de andar a pôr bombas que, por acaso, matam pessoas quenada têm a ver com as suas ideias parvas.
Não tenho acerteza – é, aliás, uma dúvida que me persegue – se será a este dinheiro que amaioria dos que usam este argumento se referem. Desconfio que não. Parece-meque estarão antes a pensar na massa que o ocidente rebenta em despesasmilitares e que, por qualquer espécie de obrigação moral, alguns consideram quedevia gastar a ajudar os pobrezinhos do resto do mundo. Como se esses pobrezinhos não estourassem em tralha militar, também eles, dinheiro mais do que suficiente para viverem muito melhor. Mas isso sou eu aespecular. É que, ainda sou desse tempo, de vez enquanto vem-me à memória ahistória dos mísseis bons e dos mísseis maus.
Compartilhar no WhatsApp

Uma fisga para cada um e não se fala mais nisso

por Kruzes Kanhoto, em 24.09.11
Uma fisga para cada um e não se fala mais nisso
Compartilhar no WhatsApp

Palavras para quê...

por Kruzes Kanhoto, em 23.09.11

Compartilhar no WhatsApp

Palavras para quê...

por Kruzes Kanhoto, em 23.09.11
Palavras para quê...
Compartilhar no WhatsApp

Noticias do país irreal onde a crise é imaginária

por Kruzes Kanhoto, em 22.09.11
Não fazparte do currículo do 1º ciclo, ao que julgo saber, nenhuma disciplina que,pelo menos ao de leve, aborde temas como a economia, gestão ou finanças. Eainda bem. Mas, pelo menos, quando este tipo de generosidade – e outros, também– são praticados, deviam vir sempre acompanhados de uma explicação acerca daorigem do dinheiro que permite adquirir os “presentes”, da necessidade de sesubstituir na compra de livros a eleitores encarregados de educação que ospodem comprar e, já agora, do prazo que o fornecedor vai ter de esperar parareceber a conta.
Compartilhar no WhatsApp

Noticias do país irreal onde a crise é imaginária

por Kruzes Kanhoto, em 22.09.11
Noticias do país irreal onde a crise é imaginária
Compartilhar no WhatsApp

As coisas que eu não sei...

por Kruzes Kanhoto, em 21.09.11
Fez hoje notíciaa alegada e já desmentida intenção do governo em nacionalizar a Santa Casa daMisericórdias de Lisboa. Apesar de estranho não seria coisa que mesurpreendesse. O que me deixou surpreso, principalmente com o meu nível deignorância, foi o facto de, entre os exemplos de equipamentos sociais, sermencionada uma tal Herdade do Monte de Cima, situada no concelho de Estremoz.Será, com toda a certeza, uma falha imperdoável para quem aqui viveu quase todaa sua vida, mas, verdade verdadinha, nunca ouvi falar da existência de qualquerequipamento de carácter social propriedade da SCML instalado por estas bandas.  Se até da Misericórdia local, assim derepente, é difícil lembrar a existência de  alguma instalação deste género,quando mais da de Lisboa…
Compartilhar no WhatsApp

As coisas que eu não sei...

por Kruzes Kanhoto, em 21.09.11
As coisas que eu não sei...
Compartilhar no WhatsApp

Cuidai-vos!

por Kruzes Kanhoto, em 19.09.11
Diz que umvelho satélite vai despenhar-se na Terra na próxima sexta-feira. Ou, talvez, umdia antes. Mas também pode ser um dia depois. Os cientistas ainda não sabem aocerto. Optam, por isso, pelo incerto. Quanto a mim, que destas coisas desatélites apenas sei mudar de canal, a culpa pela incerteza das previsões científicasrelativamente à hora – ou pior, ao dia – da sua entrada na atmosfera terrestreterá a ver com as dimensões do objecto. Mais ou menos as mesmas de umautocarro.
O local deaterragem do monte de sucata espacial está já identificado. Será, mais coisamenos coisa, algures entre o norte do Canadá e o sul do Chile. Nada depreocupante, portanto. Até porque o obsoleto aparelho irá fragmentar-se e ao soloapenas chegarão vinte e poucos pedaços de dimensão mais apreciável. Assim comoassim, espero que em termos longitudinais a possibilidade de queda do satélitese restrinja a uma área bem menor. Apesar de, como salientam os gajos da NASA,a probabilidade de aquilo cair em cima de alguém ser praticamente remota. Ou residual,vá. O que, atendendo às circunstâncias e às características do objecto emqueda, não me deixa particularmente tranquilo.
Compartilhar no WhatsApp

Cuidai-vos!

por Kruzes Kanhoto, em 19.09.11
Cuidai-vos!
Compartilhar no WhatsApp

Pág. 1/2