Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



"O prémio"?!

por Kruzes Kanhoto, em 30.03.11
Mantive um destes dias - na qualidade de pacato cidadão, contribuinte preocupado com o destino dos meus impostos e de eleitor atento às decisões de quem me representa – uma breve conversa com um dirigente de uma conhecida agremiação cultural. O motivo da cavaqueira, não muito amena e ainda menos cordial, teve a ver com o financiamento por entidades públicas das associações culturais e do destino que a esse apoio é dado pelos seus dirigentes. 
A discordância instalou-se logo que o meu interlocutor defendeu – aberta, descarada e veementemente – que entre as componentes a financiar se devem incluir almoços, jantares, comes e bebes diversos ou festividades variadas. Mesmo quando isso não se inclua no âmbito de uma qualquer acção ou projecto do grupo – uma deslocação, por exemplo – mas em que o simples acto de dar ao dente constitua por si só uma actividade devidamente programada. Será, justificou, uma espécie de prémio e que, a não ser assim, ninguém quererá dar o corpo ao manifesto e perder o seu tempo no movimento associativo. 
Custa-me a crer que dirigentes, praticantes e outros que mantêm vivas as associações culturais e desportivas deste país, sejam uma troupe de esfomeados. Recuso-me a acreditar que a maioria dos que dão o seu melhor, quase sempre em prejuízo do seu tempo de lazer e de convívio com a família, o façam a troco de comida. Mas ainda que as entidades associativas resolvam promover banquetes todos os dias, para gáudio de quem muito bem entenderem, será lá com elas. Fazê-lo com o dinheiro obtido através do financiamento público é que entendo ser, pelo menos, imoral. Para não lhe chamar outra coisa. 
Ainda que a minha opinião tenha deixado o senhor em causa para lá de indignado, acredito que muitos pacatos cidadãos, contribuintes preocupados com o destino dos seus impostos e eleitores atentos às decisões de quem os representa, não terão grandes dúvidas em concordar comigo.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:48

"O prémio"?!

por Kruzes Kanhoto, em 30.03.11
"O prémio"?!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:48

iPad2, iVa e gente pouco séria

por Kruzes Kanhoto, em 29.03.11
Confesso – sem vergonha nenhuma, diga-se – a minha ignorância. Não sei o que é, nem para que serve, a porra de um tal iPad 2. Nem o facto de uma quantidade parva de alarves ter esgotado, em menos de meia-hora, o stock destes aparelhos, acabadinhos de ser postos à venda numa loja da especialidade, me desperta mais curiosidade em relação à traquitana.
O brinquedo que despertou este inusitado interesse custa, ao que parece, quase um salário mínimo, na sua versão mais rasca, e pode ir até vez e meia a remuneração miníma nacional na opção mais catita da gigajoga. Calculo que quem o adquiriu não esteja preocupado com o dinheiro que, depois da compra, lhe sobejou na carteira ou na conta bancária. Admito que se tratarão apenas de umas centenas de palermas exibicionistas que gostam de ter no bolso – se é que aquilo lá cabe – a ultima inutilidade tecnológica. Concedo que terão toda a liberdade que quiserem para esturrar o dinheiro que lhes custou – ou não - a ganhar. O que tenho manifesta dificuldade em aceitar é que um aparelho desta natureza não tenha uma taxa agravada de iva. Ou, em alternativa, esteja sujeito a outro imposto qualquer. Mas para isso era preciso que tivéssemos um governo a sério. Ou, apenas, sério.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:15

iPad2, iVa e gente pouco séria

por Kruzes Kanhoto, em 29.03.11
iPad2, iVa e gente pouco séria
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:15

Loucos!

por Kruzes Kanhoto, em 28.03.11
Os portugueses devem estar loucos. Só pode. Ou então ainda não perceberam o que lhes está a acontecer. O que não altera em nada a conclusão anterior, embora possa também configurar um estado de inconsciência ou de negação da realidade. Apenas algo do género pode explicar que o parque de estacionamento de uma zona comercial, que para além de calçado apenas vende roupa, possa estar praticamente lotado. 
Verdade que se tratam de bens essenciais. Com a diferença em relação, por exemplo, aos bens alimentares que têm um larguíssimo período de duração e, portanto, não sejam coisas que se comprem com com a mesma frequência. Exceptuando, claro, aquelas pessoas que têm o vicio de comprar trapos apenas para espairecer. Mas aí estamos perante alguém profundamente demente e visivelmente transtornado das ideias. 
São imagens como esta – e também as bichas nas caixas registadoras dos diversos estabelecimentos – que me mantêm na dúvida e fazem hesitar entre três opções: 
A - O país está em crise mas os portugueses continuam a viver bem e a ter dinheiro ou crédito disponível; 
B - Estamos a sofrer de uma espécie de alucinação colectiva, achamos que o fim do mundo está a chegar e o melhor é aproveitar. Está tudo doido, portanto;
C - Não existe crise nenhuma e tudo não passa de uma tramóia dos políticos para, como sempre, nos lixarem.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:12

Loucos!

por Kruzes Kanhoto, em 28.03.11
Loucos!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:12

Noticias da crise

por Kruzes Kanhoto, em 26.03.11
Deve ser para evitar coisas destas que os gajos lá da Europa querem a redução das compensações pela cessação dos contratos de trabalho em Portugal...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:23

Noticias da crise

por Kruzes Kanhoto, em 26.03.11
Noticias da crise
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:23

O descanso do lepidóptero

por Kruzes Kanhoto, em 26.03.11
Garantem alguns que quando uma borboleta bate as asas com mais força num local, provoca um ciclone do outro lado do mundo. É provável que assim seja. Este bicharoco – ou bicharoca – não será desses. Por mais violento que seja o seu esvoaçar não aparenta ter poderes para provocar nem, sequer, uma leve brisa. Mas isto sou eu a dizer, porque no âmbito dos vendavais nunca se sabe o que está para vir nem do que cada um é capaz. Mesmo que se trate de um ser esvoaçante como uma mariposa. Uma pousa-lousa, vá.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:36

O descanso do lepidóptero

por Kruzes Kanhoto, em 26.03.11
O descanso do lepidóptero
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:36

Penso que será suficientemente claro para quem me lê que sou contra o aumento de impostos. Pelo menos daqueles impostos que incidem sobre bens ou serviços essenciais e os que penalizam em demasia o trabalho ou o lucro. Daí que a alegada intenção do PSD de aumentar o valor da taxa máxima do IVA, para vinte e quatro ou vinte cinco por cento, me pareça um disparate. Contudo, ainda assim, um disparate bem mais pequeno que subir novamente o IRS – mesmo que pela via da limitação das deduções – como era pretendido pelo (des)governo do pretenso – e simultaneamente pretensioso – engenheiro diplomado ao sétimo dia. Da semana. Ou de curso, não sei ao certo. 
Uns quantos arautos e defensores dos pobres e oprimidos, curiosamente todos do PS ou apaniguados socretinos, já manifestaram publicamente a sua indignação por esta hipotética proposta. Para eles – e também para muita outra gente que não venera o reles líder – entre aumentar o IVA ou o IRS não têm dúvidas em optar pelo segundo porque, garantem, o primeiro é mais penalizador para quem menos tem. 
Por mim, que não percebo nada disto, parece-me que não será bem assim. Tomemos como exemplo um salário ou reforma de seiscentos euros. O aumento de 1% em sede de IRS representará um prejuízo de seis euros ou de doze, no caso da subida ser de 2%. Já na remota e muito afastada hipótese do pensionista ou trabalhador gastar os mesmos seiscentos euros em bens taxados actualmente a 23% de IVA, a subida de um ponto percentual representaria um acréscimo de despesas de 3,93 euros ou, se o aumento chegar aos 2%, de 7,81 euros. Não me parece difícil de perceber qual o imposto mais penalizador...Ou então sou eu que não sei fazer contas. 
Poderá argumentar-se que as pensões mais baixas e quem ganha o salário mínimo ou que anda lá perto, não pagará IRS. Será. Mas também não será menos verdade que quem ganha valores dessa ordem pouco mais poderá comprar do que  bens sujeitos à taxa miníma ou, quando muito, intermédia. O que inclui assistir a “espectáculos, provas e manifestações desportivas e outros divertimentos públicos” que, como se sabe, são taxados a seis por cento. Não é fantástico?
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:46

Mais vale 2% iva no supermercado que 1% irs no vencimento
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:46

Povo de esquerda?!

por Kruzes Kanhoto, em 23.03.11
Liguei agora o televisor. Discursa na Assembleia um gajo qualquer, de mau aspecto, evidente apaniguado do ainda divino líder, garantindo coisas e debitando certezas. O homem deve ter descoberto por estes dias o estado a que isto chegou e que, manifestamente, não é o mesmo que em tempos não muito distantes garantia com iguais certezas enquanto debitava coisas. 
Entre alarvidades várias julgo ter ouvido a criatura fazer uma espécie de apelo ao povo de esquerda. Seja lá isso o que for. Mas é bonito. E simultaneamente parvo. Mas também não é nada de espantar quando vem de alguém com responsabilidade no actual Partido Socialista. É ao ouvir gente desta que melhor se percebe a politica do Ministério da Saúde relativamente aos doentes do foro psiquiátrico, em que se pretenderá evitar o internamento das pessoas com problemas a esse nível. Eles podem ser malucos e ter muitos outros defeitos, agora de parvos não têm nada.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:52

Povo de esquerda?!

por Kruzes Kanhoto, em 23.03.11
Povo de esquerda?!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:52

Falidos mas sem vontade de andar a pé

por Kruzes Kanhoto, em 21.03.11
Não partilho da benevolência com que hoje têm sido tratados na comunicação social, nos blogues ou nas conversas de café, os tratantes que abastecem o carrinho nas estações de serviço e que se retiram estrategicamente sem efectuar o pagamento do bem que acabaram de adquirir. Nem mesmo aquele - velho e parvo - argumento do ladrão que rouba outro ladrão ter uns quantos anos de perdão me faz ter mais simpatia pelos cento e trinta gatunos que, diariamente, entendem ter direito a combustível à borla. 
Andar de popó, ao contrário de comer ou de qualquer outra coisa da qual dependa a sobrevivência, não é algo sem o qual se não possa viver. Embora, pela quantidade absolutamente estúpida de automóveis que circulam em qualquer cidadezinha, pareça exactamente o contrário. Por mais PEC's que o alegado engenheiro e sua camarilha tratem de aplicar aos portugueses, não adianta, do automóvel é que eles não prescindem. Nem que para isso tenham que roubar a gasolina. 
Viver de forma honesta com pouco dinheiro é uma realidade desconhecida para muita gente e que muito dificilmente entrará nos hábitos de vida de uma significativa faixa da população portuguesa. Foram – e para alguns vai continuar assim - muitos anos de vícios sem que tivéssemos os necessários recursos para os sustentar. Deve ser por isso que elegemos sempre os mesmos. Afinal, se calhar até sabemos escolher os melhores de nós para gerir o estilo de vida que nos dá jeito...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:48

Falidos mas sem vontade de andar a pé

por Kruzes Kanhoto, em 21.03.11
Falidos mas sem vontade de andar a pé
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:48

E haverá quem queira comprar?!

por Kruzes Kanhoto, em 20.03.11
Não sei se a privatização dos Correios estará ou não na agenda politica. Provavelmente sim. Talvez até o primeiro passo nesse sentido tenha sido dado quando, já lá vão uns anos, um esparveirado qualquer – nem vou dizer que foi o Sócrates porque eu não sou de intrigas – se lembrou de presentear cada português com uma caixa de correio electrónico. Medida que, como certamente todos se lembrarão – em especial os apaniguados da criatura – se enquadrava no âmbito de um dos muitos planos para modernizar e desenvolver o país. Anunciada com a habitual pompa e a adequada circunstância, foi mais uma daquelas trapalhadas que alia o emblemático ao inútil e serve para ilustrar a patetice institucional que vai cobrindo o país de ridículo. 
A maneira de comunicar entre as pessoas mudou assustadoramente nos últimos anos e hoje a importância dos Correios em nada se assemelha à que já deteve em tempos idos. Pouco daquilo que é feito pela empresa se revela como indispensável à vida dos portugueses e, num futuro que não tardará a chegar, os serviços que hoje alguns ainda consideram essenciais tornar-se-ão obsoletos. É a vida, como diria o outro.
Se, porventura, esta empresa pública chegar a ser privatizada tenho curiosidade em saber se quem a adquirir vai manter o mesmo número de administradores, as mesmas regalias e privilégios de que desfruta uma imensa panóplia de gente dentro de uma empresa que, embora não pareça, ainda é pública. Não me parece que o Belmiro, o Amorim ou outro badameco qualquer, esteja disposto a colocar uma viatura descaracterizada à disposição de um simples e pouco qualificado quadro intermédio, para que este se passeie pelo país – quiçá, até, pelo estrangeiro - ao fim de semana com a família.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:20

E haverá quem queira comprar?!

por Kruzes Kanhoto, em 20.03.11
E haverá quem queira comprar?!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:20

Más contas

por Kruzes Kanhoto, em 19.03.11
As opiniões acerca da actuação do governo deste – sublinho deste – Partido Socialista e dos políticos em geral que tenho aqui publicado, ao longo dos cinco anos de existência que já leva o Kruzes, são quase sempre cáusticas, corrosivas e bem reveladoras da má conta em que tenho a classe politica. No entanto, como é obvio não é coisa que desconheça, “eles” estão “lá” em primeiro lugar porque são portugueses e, em segundo, porque nós, seja de que forma for, contribuímos para a sua eleição. Portanto, por mais que me esforce, não encontro grandes diferenças entre nós e “eles”. 
O comportamento cívico de uns e outros, infelizmente, não difere por aí além. Veja-se, por exemplo, o caso de uma conhecida figura pública do mundo do espectáculo que, ao que tem sido noticiado, terá uma divida às Finanças na ordem dos muitos milhares de euros mas que, ainda assim, encara isso como um facto perfeitamente natural. Até porque, não se coibiu de afirmar, que todos devemos uns aos outros e que, um dia, se Deus quiser, há-de pagar. Tenho as mais sérias reservas que qualquer entidade divina dedique algum do seu tempo às questões fiscais ou, sequer, queira saber de caloteiros. Do que não tenho grandes dúvidas é que têm sido comportamentos destes que nos conduziram até este estado. Tal como não duvido que, caso se tratasse de um qualquer politico, seria uma escandaleira nacional. Assim, como anda por aí a dizer uma larachas, batem-lhe palmas.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:25

Más contas

por Kruzes Kanhoto, em 19.03.11
Más contas
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:25

Presidente do Municipio?! Valha-me eu....

por Kruzes Kanhoto, em 18.03.11
A propósito de um assunto que não vem ao caso tenho lido em vários locais a expressão “Presidente do Município”. Nem desconfio quem seja o autor de tão grande patacoada mas, sem pretender ferir susceptibilidades, manda o rigor terminológico que me debruce acerca do assunto e conteste tão disparatada afirmação. Esse é um cargo que não existe. Os orgãos do município são a Assembleia e a Câmara Municipal. O primeiro, com funções deliberativas, composto pelos presidentes de junta de freguesia e por um determinado número de membros eleitos directamente que elegem entre si aquele que lhe presidirá e o segundo, com funções executivas, composto pelos vereadores e pelo presidente que será o cabeça da lista mais votada pelos eleitores inscritos nos cadernos eleitorais lá do sitio. 
Não há, portanto, ninguém que seja “Presidente do Município”. O mais grave é que quem utilizou esta expressão no local onde a li será, presumo mas posso estar enganado, funcionário de uma autarquia. Posso, também quanto a isso, estar equivocado mas é o que dá terem acabado – já nem me lembro qual foi o governo – com os concursos em que era necessário estudar alguma legislação para ser admitido numa autarquia e, em vez disso, baste agora fazer parte da lista certa. Ou seja da que ganhou. Ainda sou do tempo em que até para coveiro se tinha de ter umas noções, rudimentares é certo, da Lei das autarquias locais. Mesmo que no fim fosse seleccionado na mesma, tal como agora, o filho do amante da amiga da vizinha. Pelo menos esse, por mais burro que se revelasse, não chamava uma coisa dessas a ninguém.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:03

Presidente do Municipio?! Valha-me eu....

por Kruzes Kanhoto, em 18.03.11
Presidente do Municipio?! Valha-me eu....
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:03

A tacada

por Kruzes Kanhoto, em 17.03.11
Incompreensivelmente reina uma imensa estupefacção por à pratica do golfe ser aplicada a taxa de reduzida de iva. Uma cambada de invejosos é o que é. E de insensíveis às causas sociais, também. Principalmente quando se sabe que a maior parte do pessoal que se dedica a essa actividade desportiva são reformados, pessoas que levaram uma vida inteira a pagar impostos ou a fugir deles. O que, como se sabe, dá igualmente muito trabalho. 
Ignoro como irão reagir os mercados – sabe-se como é importante a sua reacção - quando souberem da boa noticia, mas, calculo, exultarão com tamanha generosidade. Tal como eu, aliás, que entendo na perfeição o objectivo que se pretende atingir ao aplicar a mais reduzida das taxas à pratica deste popular e gratificante desporto. Estou, portanto, radiante. 
Até parece que já estou a ver aviões repletos de velhotes, oriundos da Europa do norte, aterrar no aeroporto de Beja – os mais medrosos virão de TGV – e a invadir os campos de golfe que, em breve, se multiplicarão pelas planícies alentejanas. Com todas as vantagens que daí advirão para a economia local. Desde o vinho, que inevitavelmente vão beberricar entre duas tacadas e que por sinal também tem uma taxa de iva simpática quando comparada com os bens essenciais, até às unidades hoteleiras que irão ver as suas taxas de ocupação aumentar significativamente.Vai, enfim, ser a salvação da economia do país. Assim a modos como o nosso petróleo.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:04

A tacada

por Kruzes Kanhoto, em 17.03.11
A tacada
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:04

Que parvos que eles são!

por Kruzes Kanhoto, em 16.03.11
Tenho manifesta dificuldade em perceber os economistas. O problema será, obviamente, meu. Longe de mim questionar as teorias económicas fantásticas que desenvolvem e que, supõe-se, um dia produzirão os efeitos desejados. Sejam eles – os desejos – quais forem. Isto, se calhar, tem mais a ver com a indómita vontade de dizer mal “de tudo e de todos apenas por dizer”, com que presenteio os leitores que têm o azar de aqui vir parar. 
Mas escrevia eu, não entendo os gajos que se dedicam a estudar essas coisas da economia. Em tempos não muito distantes, argumentava essa gente que para reduzir o défice era imprescindível, entre outras coisas, reduzir salários e aumentar impostos. Se assim não fosse os mercados, esses papões dos tempos modernos, exigiriam um preço cada vez mais alto pelo dinheiro que nos vendem e as agências de notação financeira baixariam o nosso rating. Ou seja, desceríamos na consideração deles. Coisa que, como se sabe, não deixou de acontecer apesar dos cortes nos vencimentos, da subida de quase todos os impostos e da retirada de apoios sociais instituídos ainda no tempo da outra senhora. A tal que, recorde-se, explorava e mal tratava o povo. 
Apesar de parecer evidente a gente – menos aos economistas, claro – que as consequências das medidas tomadas iam ser as que estão à vista, ainda há quem se surpreenda por, mais uma vez, a consideração que as tais agência têm por nós voltar a descer. O argumento para mais esta quebra de confiança, terá a ver com o facto de as medidas de contenção da despesa estarem a inviabilizar o crescimento da economia. 
Estou, confesso, sem palavras. Curvo-me, até, perante tão brilhante e inesperada conclusão. Acho que, só para chatear, vou ponderar a hipótese de ora em diante passar - lá muito de vez em quando que isto não convém exagerar – a dizer bem de alguma coisa. E talvez comece pelos economistas.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:15

Que parvos que eles são!

por Kruzes Kanhoto, em 16.03.11
Que parvos que eles são!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:15

Homem da luta

por Kruzes Kanhoto, em 15.03.11
Ao ouvir o cavalheiro que hoje foi entrevistado na SIC fiquei com a sensação - se calhar é apenas impressão minha - que, caso tivesse tido ocasião, o senhor em questão era gajo para ter ido à manifestação de sábado passado em Lisboa. Compreende-se. Afinal, também ele não passa de um precário. Notoriamente à rasca.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:07

Homem da luta

por Kruzes Kanhoto, em 15.03.11
Homem da luta
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:07

Já se iam embora...

por Kruzes Kanhoto, em 14.03.11
Ao saber da sua comunicação ao país admito que, por breves instantes, acreditei que aquele cujo nome não será aqui mencionado porque isto é um blogue sério ia, num raro momento de lucidez, reconhecer a própria inépcia e apresentar a demissão. Foi, reconheço, uma ideia parva. Mas também igualmente fugaz, porque depressa regressei à realidade e à convicção que a criatura fará de tudo para se manter no lugar de tão convencido que está da sua genialidade. 
No discurso desta camarilha aborrece-me profundamente que tenham a ousadia de pensar que são eles os únicos defensores do interesse nacional e que todos os outros, os que não concordam com as medidas que têm vindo a conduzir o país ao colapso, querem o pior para Portugal. Quando, o que salta à vista é precisamente o contrário. São mais que notórios os efeitos devastadores do que esta gente tem andado a fazer. Ainda assim acredito que não o façam por mal ou por detestar a maioria dos seus concidadãos. Será antes por incompetência. E também por gostarem muito de um reduzido número de portugueses. Daqueles que usam cartão rosa.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:22

Já se iam embora...

por Kruzes Kanhoto, em 14.03.11
Já se iam embora...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:22

Broncos

por Kruzes Kanhoto, em 13.03.11
O país poderá estar a horas de assistir a mais um bloqueio levado a efeito por uma dúzia de broncos que, por terem um veiculo de grandes dimensões e capaz de sozinho bloquear uma estrada, se arrogam no direito de achar que os restantes portugueses têm o dever de suportar parte dos custos de exploração da sua actividade empresarial. 
Apesar das suas pretensões não fazerem qualquer sentido, serem altamente lesivas para todos e poderem constituir um gravíssimo precedente que pode - deve, aliás - ser seguido por outros sectores igualmente afectados pela subida de preço das matérias primas, acredito que o governo acabará por lhes fazer a vontade e ceder às suas reivindicações. Tal como aconteceu da última vez que bloquearam o país e tornaram os portugueses reféns da sua causa. Recorde-se que então, durante os dias em que durou o acto criminoso que praticaram, o executivo do alegado engenheiro não deu sinais de vida. Esteve calado, escondido e com medo. O que não admira. Ser arrogante com os fracos e submisso com quem ostenta alguma espécie de poder é próprio dos cobardes. 
Não se pode confundir este tipo de acções com outras "lutas" agora - de novo - tão em voga. Nem, perante elas, reagir da mesma maneira. Impedir a circulação de pessoas e bens é ilegal, ilegítimo e merece ser punido severamente. Aquilo que espero é que o governo aja em conformidade e que mobilize a guarda, a policia e o exercito para desimpedir estradas enquanto, simultaneamente, ordene às Finanças fiscalizações aos escritórios das "empresas" que participem nos bloqueios. Se assim não fizer, então que se vá embora.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:29

Broncos

por Kruzes Kanhoto, em 13.03.11
Broncos
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:29

A nossa terrinha

por Kruzes Kanhoto, em 12.03.11
A imagem que acompanha este texto, retirada do blogue "A nossa terrinha", representa a evolução da população residente no concelho de Estremoz. Enquadra-se numa exaustiva análise, que pode ser lida no espaço mencionado, acerca da rede portuguesa de auto-estradas onde se questiona a bondade do investimento que o país fez nestas infraestruturas rodoviárias. 
Não se pode depreender - nem é isso que a autora conclui - que a construção da A6, esteja a contribuir para a quebra populacional que se verifica no concelho desde o ano de dois mil e cinco. As causas são outras, muitas têm de se procurar noutro lado, mas não devemos excluir desta responsabilidade quem continua a insistir em morar por cá. Principalmente quando se assiste a um egoísmo nunca visto, em que as pessoas optam por não ter filhos apenas para não ter chatices. Um descendente custa muito dinheiro, que pode, por exemplo, ser gasto em viagens ou num carro novo. E, se afinal um cachorro sai muito mais barato e pode ser posto no olho da rua quando aborrece, para quê complicar?! 
Também as politicas de investimento público no concelho e na região têm contribuído de maneira fundamental para o êxodo da população. Dos muitos milhões de euros, provenientes da União Europeia e do bolso dos contribuintes, que já foram enterrados no concelho, terão sido poucos os que contribuíram para a criação de postos de trabalho. E, pelos vistos, assim vai continuar a ser. Por mais que custe a muita gente, na apreciação de qualquer projecto, para além da legalidade, devia igualmente ser tido em conta o principio da utilidade ou rentabilidade do mesmo. Podendo ser chumbado caso determinados critérios não fossem preenchidos. Se calhar, digo eu assim de repente,  talvez não tivéssemos - pelo menos a este nível - alguns problemas como aqueles que hoje nos afectam. Como défices, corrupção, desemprego e outras coisas aborrecidas. 
Quanto à auto-estrada, apesar de estar ali ao virar da curva, continuo a preferir a velhinha nacional quatro para as minhas deslocações. Como diz o outro, não estou para engordar gulosos.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:47

A nossa terrinha

por Kruzes Kanhoto, em 12.03.11
A nossa terrinha
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:47

Afinal ainda há margem para mais sacrificios...

por Kruzes Kanhoto, em 11.03.11
Mais um PEC. Nem sei se este é o quarto ou o quinto. Também não é coisa que tenha importância por aí além. Até porque importa a cada vez menos gente. De tantos que são a malta já nem lhes liga. 
Calculo que, desta como das outras vezes, entre o leque de objectivos que se pretende atingir se volte a incluir a tentativa de acalmar os mercados. Seja lá isso, de mercados, o que for. Diz que esses chatos andam particularmente irritados desde o fim de semana. Motivos para isso não faltam, coitados. Primeiro porque não terá ganho o festival a canção da sua preferência e, em vez disso, vão ter que levar com uns irritantes "Homens da Luta". A seguir a derrota do Benfica e o consequente adeus definitivo à hipótese de chegar ao título que, como toda a gente sabe, constitui sempre um fortíssimo incentivo à economia. Finalmente o Cavaco com aquela conversa fiada a dizer que o pessoal já não aguentava mais e tal quando, afinal, já o outro cujo nome não será aqui mencionado, tinha no bolso mais um Peczinho. Não são coisas que se façam aos mercados, pá! 
Não sei se, como sempre tem acontecido, me incluo no reduzido número de vitimas de mais este plano. Provavelmente sim. Mas que se lixe. Estou-me cagando para isso. Na verdade estou farto dos javardolas que nos governam. Ou desgovernam, sei lá. Quase tanto como dos pedantes que os apoiam e dos bajuladores que se curvam perante a genialidade de cada uma das suas sábias decisões. E só não digo para irem levar no cú porque, se calhar, ainda eram fulanos para gostar da ideia.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:03

Afinal ainda há margem para mais sacrificios...

por Kruzes Kanhoto, em 11.03.11
Afinal ainda há margem para mais sacrificios...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:03

Puxar é preciso

por Kruzes Kanhoto, em 10.03.11
O outro - aquele cujo nome não será aqui mencionado, porque isto é um blogue sério - manifestou em diversas ocasiões o seu cansaço por, sozinho, puxar pelas energias do país. Ontem, mais uma vez, após o discurso contundente do Presidente da República, voltou a referir que se sente pouco acompanhado nessa tarefa. Pena que ainda não tenha pensado em descansar... 
À semelhança de muitas outras coisas, também em matéria de desenvolver esforços no sentido de mover alguma coisa de um lugar para o outro, a criatura demonstra estar completamente desfasado da realidade quotidiana do país que o atura. Como se pode ver pela imagem junta quando toca a puxar, seja lá por aquilo que for, não são muitos os que colaboram.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:52

Puxar é preciso

por Kruzes Kanhoto, em 10.03.11
Puxar é preciso
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:52

Cortar na conversa

por Kruzes Kanhoto, em 09.03.11
Estamos em maré de encolhas. De cortar. Vai daí parece que algum decisor com poder para o efeito se lembrou de cortar na despesa com telemóveis. O que nem se afigura como algo despropositado ou merecedor de criticas. Mesmo que o utilizador seja um conhecido e atarefado juiz. Acho até que o exemplo devia ser seguido por outras - senão mesmo por todas - instituições onde seja o dinheiro dos portugueses a financiar as conversas. Ainda que importantes. 
O que já não me convence da bondade da opção em causa - que terá levado o magistrado em questão a entregar o aparelho que lhe estava atribuído - é o valor do planfond que, alegadamente, foi estabelecido para o senhor comunicar. Que, segundo o noticiado, será inferior ao dos seguranças que estão encarregados de lhe guardar as costas e, segundo rezam as crónicas, não ultrapassará a dezena de euros mensais. É manifestamente pouco, convenhamos. 
Nem desconfio quanto se gasta, no conjunto de todos os organismos oficiais, em comunicações. Imagino que muito. Plafonar o seu uso será, portanto, uma medida do mais elementar bom-senso mas que deve ser posta em prática com regras que respeitem, pelo menos, o mais comum dos sensos. Ou então, um dia destes, ainda um alto dirigente de um qualquer instituto, terá de pedir o telemóvel à senhora da limpeza para telefonar à esposa a inquirir acerca da ementa para o jantar. Ou de outra coisa igualmente importante.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:07

Cortar na conversa

por Kruzes Kanhoto, em 09.03.11
Cortar na conversa
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:07

Azia...

por Kruzes Kanhoto, em 08.03.11
Se a internet constituir uma amostra representativa, pode dizer-se que anda meio país indisposto - nos casos mais graves a coisa roça a indignação - com a vitória dos "Homens da luta" naquilo a que chamam "Festival da canção" e que mais não é do que um espectáculo televisivo. Aborrecido, diga-se. 
Ao que parece, a acreditar nas opiniões emitidas pela maioria dos que ainda tem paciência para aturar estopadas daquelas, todas as cantigas a concurso eram más. Como, aliás, acontece desde tempos imemoriais. Assim sendo não vislumbro motivo para indisposições nem, menos ainda, indignações. 
A menos que - e aí quem fica indignado e indisposto sou eu - as razões para o estado de alma daqueles que não gostaram tenham alguma coisa a ver com a maneira como foi escolhida a canção vencedora. No caso, ao que consta, a votação dos telespectadores terá tido um peso determinante no desfecho. E isso é que é uma chatice. Essa coisa de dar voz à populaça é mesmo aborrecida. Principalmente quando esta é dissonante do politicamente correcto tão do agrado de uns quantos que se têm na conta de inteligentes e detentores da verdade absoluta. 
Por mim, que nada percebo de notas musicais, gostei da cançoneta e fiquei satisfeito que tenha sido escolhido o duo de humoristas - de quem sou fã há muito tempo - para representar a estação de televisão pública no festival que se há-de realizar no país da Merkel. Nomeadamente porque, signifique aquilo o que significar, ver uma certa malta chateada só porque desconfia que há por ali um cheirinho a contestação já me dá algum gozo.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:34

Azia...

por Kruzes Kanhoto, em 08.03.11
Azia...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:34

Estacionamento tuga

por Kruzes Kanhoto, em 07.03.11
Este é o cenário habitual nesta rua. Carros estacionados onde não devem e quem pretende passar a ter que trepar ao passeio. Ou então que espere. São assim os tugas - ou, neste local, as tugas - que, coitadas, não podem deixar o tugamóbil no Rossio, que fica a uns escassos cem metros, enquanto compram uma peça de roupa no pronto-a-vestir da rua ou fazem a depilação no centro de estética ali ao lado. Coisas contra as quais, diga-se, não tenho absolutamente nada a opor. Antes pelo contrário. Comprar no comércio local é uma opção que aplaudo. Da mesma forma manifesto o meu apreço por quem resolve tirar os pêlos do buço, das axilas ou das partes pudibundas. Agora quem estaciona assim merece toda a reprovação. Principalmente quando tem, bem no centro da cidade, muitos locais alternativos para deixar o carrito.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:51

Estacionamento tuga

por Kruzes Kanhoto, em 07.03.11
Estacionamento tuga
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:51

Provavelmente já a precaver-se para o que se adivinhava, este folião muniu-se de um disfarce mais ou menos adequado para se proteger da chuva que acabaria por ditar o fim prematuro do desfile de hoje do Carnaval de Estremoz. Nestas condições climatéricas, nem eu, que lamento todos os anos a sua ausência, me atrevo a reclamar de não haver gajas nuas. Afinal sobrou em chuva o que faltou em moçoilas desnudadas!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:19

E gajas nuas, pá?! Porque é que não há gajas nuas?
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:19

Prioridadezinhas

por Kruzes Kanhoto, em 05.03.11
Não conheço os argumentos que motivaram o voto contra do Partido Comunista ou a abstenção do Partido Socialista e do Bloco de Esquerda, relativamente a uma proposta do PSD que recomendava ao governo a criação de uma disciplina de "Educação Financeira" a integrar nos cursos do ensino secundário. Verdade se diga também não estou para procurar inteirar-me dos seus motivos. Até porque não me interessam. Saber que alguém coloca reservas a uma iniciativa deste género é, para mim, já bastante para aquilatar quanto aos seus desígnios. 
A politica portuguesa é, de facto, sui generis. Quanto da introdução no sistema de ensino da "Educação sexual" os comunistas não tiveram - e muito bem - qualquer objecção. Pelo contrário, foram uns verdadeiros entusiastas da causa. Mas educação financeira isso é que não. Prioridades.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:23

Prioridadezinhas

por Kruzes Kanhoto, em 05.03.11
Prioridadezinhas
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:23

"Ganda lata"!

por Kruzes Kanhoto, em 04.03.11
Um certo e determinado individuo, com responsabilidades acrescidas em relação ao comum dos papalvos dado os cargos relevantes que já desempenhou, manifestou numa recente intervenção proferida no âmbito de uma conferência qualquer das muitas por onde se vai entretendo, a sua convicção que o país está em apuros. Que estamos lixados, portanto. 
Curiosamente é o mesmo senhor que, no exercício das suas altas funções, proferiu a célebre frase "há mais vida para além do orçamento", menosprezando na altura os esforços que o governo da época fazia para, na ressaca da loucura guterrista, controlar as contas públicas. Convém também não esquecer que foi a mesma criatura que demitiu um executivo com maioria parlamentar - com uma argumentação risível se pensarmos nas trapalhadas actuais - e que permitiu a este Partido Socialista chegar ao poleiro. Com as consequências desastrosas que se conhecem e sobejamente se reconhecem. 
O homem não é, ao que se sabe, dado a religiosidades. O que é pena. Porque se fosse, para se penitenciar do mal que fez ao país, devia ir todos os anos a Fátima ao pé coxinho, com as mãos atadas atrás das costas, transportando um ovo numa colher que segurava com a boca. E sempre que o deixava cair voltava ao local de partida. Assim, o mínimo que devia fazer era andar de porta em porta a pedir desculpa aos portugueses pela desgraça colectiva em que nos atolou. Ou então calar-se.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:09

"Ganda lata"!

por Kruzes Kanhoto, em 04.03.11
"Ganda lata"!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:09


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D