Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Piquenique

por Kruzes Kanhoto, em 27.08.10
Mesmo não sendo um fervoroso adepto do piquenique não me esquivo a, muito de vez em quando,  saborear uma refeição ao ar livre. Quando o faço procuro não deixar vestígios da minha refeição e se não existe nas proximidades nenhum recipiente para o lixo carrego com os restos para casa. Prática normal que, certamente, quase todos seguem. Como em tudo na vida, há sempre excepções. E neste caso estamos perante uma delas. Alguém, dotado de pouco civismo, resolveu deixar os restos do seu lauto banquete em pleno centro da cidade. Pareceu-lhe bem, certamente. Achar-se-á muito importante e com certeza deve pensar que outros terão por obrigação limpar o que ele, javardo, deixou sujo. 
Apesar de muita gente ficar com urticária quando ouve falar em videovigilância, não me chocaria que todos os lugares públicos, de todas as cidades, tivessem cobertura de câmaras de vídeo através das quais fosse possível identificar criminosos e gente que tivesse este tipo de comportamento. Se calhar, para além do que se ganhava em segurança, umas multas por práticas deste género eram capazes de contribuir para poder baixar a carga fiscal. Tal como aconteceu com aquela senhora que deitou a gatinha para o caixote do lixo e acerca da qual se discute apenas a atitude parva da criatura e ninguém questiona, ao contrário do que acontece noutras circunstâncias, a legitimidade das filmagens ou o direito à privacidade da pessoa em causa.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:05

Piquenique

por Kruzes Kanhoto, em 27.08.10
Piquenique
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:05

Crise, dizem eles

por Kruzes Kanhoto, em 26.08.10
Muitas têm sido as vozes a fazer-se ouvir alertando para a crise que afectará de forma preocupante a região norte do país e, em particular, o chamado grande Porto. Há mesmo quem dramatize e garanta que podemos estar à beira de assistir a uma revolta popular das gentes do norte. Que, continuam, quase de certeza acontecerá se, segundo alegam, a região continuar a ser preterida em termos de investimento público em relação a Lisboa, o desemprego continuar a subir e não houver politicas que o combatam ou se o governo levar avante a sua intenção de cobrar portagens em algumas vias onde agora se circula à custa do contribuinte. Uma verdadeira catástrofe social que, profetizam, poderá ter consequências tenebrosas. 
Deve ser por isso – e provavelmente, também, por outras coisas – que os voos charteres com partida do Porto tiveram no mês que passou, comparativamente a idêntico período do ano anterior, um aumento bastante significativo de passageiros. O crescimento cifrou-se em dezoito por cento o que representa, em termos absolutos, mais três mil e setecentos viajantes. Palma de Maiorca, Tenerife, Fuerteventura, Ibiza, Lanzarote, Las Palmas, Menorca, Antalya, Punta Cana, Cancun, Tunísia e Cabo Verde foram os destinos de quase todos eles. 
Com o desemprego em alta e a região mergulhada em profunda crise não surpreende que assim seja. Historicamente é nestas épocas conturbadas que se verificam fenómenos de emigração em massa. E se os portugueses, sejam do norte ou do sul, não encontram na sua terra as condições de vida que julgam merecer é natural que as procurem noutro lugar. Digo eu que gosto muito de dizer coisas.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:01

Crise, dizem eles

por Kruzes Kanhoto, em 26.08.10
Crise, dizem eles
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:01

Remate kruzado

por Kruzes Kanhoto, em 25.08.10
Pouco escrevo acerca de futebol. E ainda tenho menos vontade de o fazer agora que o glorioso, longe do fulgor evidenciado na época passada, manifesta uma confrangedora incapacidade em me dar alegrias e os restantes clubezecos, por enquanto, parecem seguir-lhe as pisadas. No caso destes, perdendo. Como é óbvio.
Mas desta vez não resisto. É mais forte do que eu.Comove-me e enternece-me ao mesmo tempo a candura e a compreensão que os anti-Benfica – ou seja os apaniguados das restantes agremiações – manifestam relativamente aos sucessivos frangos consentidos pelo guarda-redes benfiquista. De repente cada golo sofrido pelo glorioso passou a ser analisado até ao mais ínfimo pormenor. O que não deixa de ser curioso, visto que o ano passado escrutinava-se até à exaustão cada lance que resultava em golo marcado pelo benfas à procura de algo que pudesse ser, ainda que vagamente, suspeito de indiciar uma qualquer ilegalidade. Agora analisa-se cada jogada ao detalhe e encontram-se sempre justificações para os inacreditáveis falhanços do homem, cada uma mais rebuscada que a outra e que nem ao Gabriel Alves ocorreriam, que terminam invariavelmente a ilibar de qualquer responsabilidade o guardião espanhol. 
Têm estes analistas de pacotilha, provavelmente, a esperança que o Roberto “Frango” Gimenez se mantenha na defesa da baliza encarnada e que, consequentemente, o Benfica continue a acumular maus resultados por muitos e, para eles, bons jogos. Duvido que assim possa ser. A sua posição é cada vez mais insustentável e só um louco, ou alguém com vontade de ser despedido, insistirá na sua continuidade na baliza dos campeões nacionais. 
Quanto àqueles que nutrem um ódio visceral pelo Glorioso, para quem estas primeiras jornadas da Liga tem proporcionado momentos de imenso gáudio, recordo que normalmente quem ri por último ri muito melhor. E eu acredito que ainda vou rir muito. Por exemplo – e apesar da vitória – aquele keeper da cidade da padralhada é gajo para ainda me proporcionar mais algumas gargalhadas. Ontem já começou a mostrar que é gajo para isso.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:23

Remate kruzado

por Kruzes Kanhoto, em 25.08.10
Remate kruzado
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:23

Melancia

por Kruzes Kanhoto, em 24.08.10
Segundo alguns estudiosos a melancia possuirá propriedades afrodisíacas. Desconheço se os autores dos alegados estudos serão especialistas em melancias ou se estarão mais ligados a outras áreas de estudo que envolvam o comportamento humano perante o consumo  de determinadas substâncias ou alimentos. Seja como for tenho sérias reservas que possa existir neste fruto alguma coisa capaz de despertar a libido aos seus apreciadores. Antes pelo contrário. A necessidade de verter águas, que normalmente se segue à sua ingestão, comprometerá irremediavelmente a sustentabilidade de qualquer tese que defenda a melancia como algo a incluir nos preliminares gastronómicos de uma queca. 
Não sei se os responsáveis por uma grande superfície comercial de Estremoz – que obviamente não vou aqui identificar nem, sequer, afirmar que é frequentada diariamente por centenas de cidadãos possuidores de características mentais que aconselham a sua permanência numa jaula - acreditam ou não nessas teorias disparatadas. Nem isso interessa muito. Nem pouco. Mas foi lá que um destes dias encontrei um exemplar do fruto em questão nestas condições deploráveis. Este, de certeza, não dá tusa a ninguém.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:53

Melancia

por Kruzes Kanhoto, em 24.08.10
Melancia
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:53

Eles "andem" aí...

por Kruzes Kanhoto, em 22.08.10
Um papel igual a este apareceu hoje de manhã colado à porta de muitas residências na cidade. Podem os seus autores ter a melhor das intenções, lá isso podem, agora que dá para desconfiar, também dá. Tudo, mas mesmo tudo, dá ares de um qualquer esquema manhoso. Cuidado, portanto.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:07

Eles "andem" aí...

por Kruzes Kanhoto, em 22.08.10
Eles "andem" aí...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:07

Os piores cegos...

por Kruzes Kanhoto, em 21.08.10
Desde dois mil e cinco que venho sistematicamente a reiterar a opinião que as opções seguidas pelo governo no combate ao défice não conduziriam a resultados palpáveis no sentido de recuperar as finanças do país e que, antes pelo contrário, conduziriam a resultados catastróficos a nível social, da economia e da qualidade de vida dos portugueses. Fi-lo em imensos posts que, desde então, publiquei aqui e na anterior versão do KK alojada no sapo, em numerosos comentários que fiz noutros blogs onde esta matéria era abordada e em inúmeras conversas onde este tema, por menos que se queira, acaba sempre por vir à baila. 
Nem sempre os meus argumentos foram bem aceites, reconhecidos como válidos e, por vezes, mereceram mesmo alguns comentários pouco abonatórios. Parvos, como o tempo se encarregou de demonstrar. Os apaniguados do engenheiro e os apoiantes deste PS – e sublinho deste PS – lembravam-me invariavelmente que pensava assim porque estariam a moralizar os injustificáveis privilégios de que tinha desfrutado até então. Alguns achavam até – se calhar são tão burros que ainda acham - que se devia ir mais longe e que o governo estaria a ser condescendente. Outros ainda que os meus argumentos não passam de conversa de taxista e que as opções tomadas nos últimos anos resultam de aprofundadas análises e aturados estudos, reflectindo a opinião de conceituados economistas e de outros especialistas de não menos reputado mérito. 
Reconheço que nestas matérias não passo de um ignorante que gosta de mandar uns bitaites. O pior é que, no caso, tenho razão. O que, em lugar de me deixar satisfeito, me deixa preocupado. Qualquer pessoa com o mínimo senso comum e alguma experiência de vida enxerga com relativa facilidade o que o futuro nos reserva em consequência das politicas sócretinas que vem sendo seguidas desde 2005. O que nos leva a outra conclusão preocupante. Somos governados por rapazolas loucos e ignorantes. Umas verdadeiras bestas que não conseguem prever aquilo que qualquer taxista dá como certo vários anos antes. 
Os indicadores recentemente divulgados confirmam amplamente tudo o que sobre a matéria tenho escrito. Apesar de todos os cortes, da redução de salários na função pública – no meu dicionário é o que significa receber menos ao fim do mês – dos encerramentos de tudo e mais alguma coisa e dos cortes onde já parecia impossível cortar mais, a despesa pública continua a subir, as contas do Estado não saem do vermelho, o desemprego não pára de aumentar e todos os dados continuam a apontar para um agravamento do nível de vida da esmagadora maioria da população. 
Não constituem, pelo menos para mim, nenhuma surpresa as previsões agora divulgadas dando conta do empobrecimento do país e da sua queda nos diversos rankings que medem o índice de desenvolvimento. Já falta pouco para sermos os mais pobres entre os vinte sete da União Europeia. Estou, no entanto, convicto que conseguiremos chegar a tão humilhante posição.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:06

Os piores cegos...

por Kruzes Kanhoto, em 21.08.10
Os piores cegos...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:06

Solidariedade hipócrita

por Kruzes Kanhoto, em 20.08.10
A indignação da intelectualidade europeia - e até da portuguesa - com a expulsão de ciganos romenos e búlgaros para os seus países de origem, decretada pelas autoridades francesas, é, entre outras coisas, despropositada e hipócrita. Embora esta ideia do governo gaulês, diga-se, seja tão estúpida quanto parece. Basta atentar no ar satisfeito que os alegadamente expulsos exibem quando são filmados pelas televisões seja à partida de França ou à chegada ao sitio de onde nunca deviam ter saído. O que não admira. Ganham uma viagem à borla para ir matar saudades dos parentes, receberam trezentos euros e antes que o Sarko dê duas quecas com a Carla Bruna já eles roubaram um automóvel e encetaram o caminho de regresso. Quem sabe, até, acompanhados de mais uns quantos primos que cresceram durante a sua ausência e já têm agora idade para praticar uns actos de solidariedade cá pelo ocidente. Como assaltar casas e isso. 
Mas esta aparente solidariedade revela também uma grande dose de hipocrisia. Sabe-se que são frequentes as rixas entre famílias ciganas. É prática comum entre esta comunidade que, quando as divergências se mostram inultrapassáveis, todos os elementos das famílias envolvidas sejam expulsos e obrigados a deslocar-se, cada uma para seu lado, para localidades bastante afastadas da residência habitual. Em poucas horas velhos, mulheres e crianças são obrigados a reunir todos os haveres e desaparecer para bem longe. Onde, provavelmente, não conhecerão ninguém nem serão bem recebidos. E, vá lá saber-se porquê, nenhum ousa colocar em causa a mudança forçada nem, ainda menos, desobedecer. 
Isso, no entanto, não incomoda as selectivas consciências dos que agora vociferam contra esta pretensa repatriação. O que só pode significar que se estão – tal como toda a gente, afinal - completamente nas tintas para os ciganos e que apenas aproveitam estas ocasiões para exibir publicamente o seu multiculturalismo. Só querem é aparecer, eles. Os multiculturalistas. Que até chateiam de tão multiculturalistas que são.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:58

Solidariedade hipócrita

por Kruzes Kanhoto, em 20.08.10
Solidariedade hipócrita
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:58

O que assusta a gaja da foto?

por Kruzes Kanhoto, em 19.08.10
Rolos de papel higiénico – camuflados em habilidosas peças bordadas ou simplesmente como foram retirados da embalagem – almofadas, cd's pendurados do retrovisor ou terços e imagens da senhora de Fátima para os mais religiosos, são objectos mais ou menos fáceis de encontrar a bordo de um automóvel que tenha um português como proprietário. Já a fotografia de alguém, com aspecto entre o tresloucado e o aterrorizado, estampada no pára-brisas não é coisa que se encontre todos os dias. De tal modo é estranho que leva-me a questionar os motivos que terão motivado o dono – ou dona, sabe-se lá – a fazê-lo. Se para os artigos mencionados em primeiro lugar é mais ou menos fácil arranjar uma explicação relativamente lógica, para isto não encontro uma resposta que se encaixe nos limites da razoabilidade. Provavelmente será apenas porque sim. Ou, para quem é do contra, porque não?!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:50

O que assusta a gaja da foto?

por Kruzes Kanhoto, em 19.08.10
O que assusta a gaja da foto?
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:50

Fumaças

por Kruzes Kanhoto, em 18.08.10
Há quem diga que é do calor. Outros garantem que está tudo doido. Por mim acho que é do fumo. Não daquele fumo que os muitos incêndios ocorridos nos últimos dias tem libertado para a atmosfera, mas o resultante das substâncias que muito boa gente – se calhar não tão boa assim – anda por aí a fumar. Refiro-me às declarações que, ultimamente, uns quantos figurões não se tem coibido de proferir acerca da vaga de fogos que assola o país. 
Comecemos pelas causas. Parece que a culpa é dos malandros dos proprietários - esses fascistas latifundiários - que não limpam as matas e os terrenos de que são donos. Talvez. Um espaço desabitado, coberto pelo matagal, situado num ermo e sem acessos fáceis, constitui de facto um potencial foco de incêndio. Nomeadamente por volta das três da madrugada. Hora a que, mais coisa menos coisa, ocorrem inúmeras ignições. O que se compreende. A natureza tem destas coisas e depois o matagal está ali mesmo a pedi-las. 
As soluções preconizadas revelam igualmente uma preocupante presença de alucinogéneos a influenciar o discurso daqueles que as emitem. A começar pelo Ministro da Agricultura. A ideia de nacionalizar os terrenos que os desleixados, mas legítimos - convém recordar – proprietários, não limparem vai ficar para a triste história das patetices protagonizadas pelo actual governo. 
Não menos hilariante – até um pouco mais, sejamos justos – é a proposta do Bloco de Esquerda. O que não constitui surpresa dada a propensão daquela maralha para fumar coisas esquisitas. Só alguém com uma imaginação delirante – parvo, pronto – imaginaria um banco de terras público para prevenir os incêndios. Assim uma espécie de reforma agrária dos tempos modernos em que a terra voltaria a ser de quem a limpasse. O Bando de Esquerda não adianta pormenores acerca de quem iria trabalhar os terrenos que passariam para o tal banco mas, conhecendo-se a sua posição acerca do assunto, desempregados e malta do RSI não seriam de certeza.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:33

Fumaças

por Kruzes Kanhoto, em 18.08.10
Fumaças
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:33

A anti-aérea

por Kruzes Kanhoto, em 16.08.10
Esta foto foi obtida, embora da sua apreciação não resulte claramente essa percepção, junto á estrada nacional dezoito, na entrada - ou saída para quem vai em sentido contrário - de Estremoz. O local é problemático e altamente propicio a investidas contra o património alheio feitas, normalmente, por terra. Mas nem sempre. Algumas aves - passarões, vá – atacam também pelo ar e deitam o bico a tudo o que podem. Para se defender, um morador da zona adoptou uma peculiar estratégia de defesa e montou uma verdadeira anti-aérea à base de garrafões de água. 
Desconheço se o estratagema funcionou e o objectivo de preservar os figos do ataque da passarada terá sido atingido. Acredito que sim. Os rapinantes de duas asas não terão ainda descoberto quanto inofensivo é o plástico. O mesmo não se pode dizer de outras aves, que há muito descobriram que sapos – usados noutro tipo de defesa de bens colocados mais próximos do solo – são manifestamente incapazes de evitar os avanços dos amigos do alheio. Nem mesmo os de uma certa e determinada espécie.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:37

A anti-aérea

por Kruzes Kanhoto, em 16.08.10
A anti-aérea
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:37

Pontapés na gramática

por Kruzes Kanhoto, em 15.08.10
Errar, já dizia o outro, é humano. Quando o erro é de ortografia podemos estar perante um caso de distracção ou, pior, de ignorância. Embora daí, reconheça-se, não venha grande mal ao mundo. Agora dois erros na mesma palavra e na mesma montra, o que revela uma elevada probabilidade de o autor ser o mesmo, ultrapassa o domínio do erro e entra no da burrice.
A legislação aplicável ao sector da restauração prevê coimas para quem não tenha ementas em português, como ainda há não muito tempo acontecia em alguns restaurantes algarvios. Mas, lamentavelmente, parece ter esquecido as calinadas e os maus tratos que são infligidos à nossa língua por parte dos diversos operadores, deste e de outros ramos, que expõem a sua burrice perante milhares de pessoas que diariamente passam diante dos seus estabelecimentos. Uma multazinha, se calhar, não ficava nada mal. Digo eu que gosto muito de dizer coisas.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:14

Pontapés na gramática

por Kruzes Kanhoto, em 15.08.10
Pontapés na gramática
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:14

Osgas e outros pitosgas

por Kruzes Kanhoto, em 13.08.10
Calculo que as osgas possuam sistema nervoso central. Tracção às quatro patas e ventosas de elevada aderência em piso seco – no molhado são um fracasso – têm de certeza e é isso que faz delas ágeis trepadoras capazes de se escapulir a quem, enojado com o seu aspecto asqueroso, de vassoura ou outro objecto contundente em punho as tenta esmagar. 
Já o airbag não constituirá equipamento de série deste bicharoco. Digo isto porque este magnifico exemplar, segundos depois de ter sido fotografado, deu uma aparatosa queda de consequências trágicas. Pressentindo a proximidade do utensílio doméstico acima mencionado mergulhou para o vazio e estatelou-se no solo. Atordoado, acho eu. De tal forma que bastou uma pisadela para o esborrachar e deixar de vísceras à mostra. Facto que apesar de documentado em termos de imagem e de me sentir tentado a partilhar para impressionar os amiguinhos dos animais que por aqui populam – populam muito mais que os defensores do Sócrates, diga-se – não vou fazer. Não que me incomode a susceptibilidade dessa malta mas porque é realmente nojento. 
Nem vale a pena recordarem-me quanto as osgas são importantes no controlo dos insectos. Que, esses sim, não vem equipados com sistema nervoso. Nem central nem lateral. São, digamos, uma espécie de insecticida natural. Mas são também uma praga que se reproduz a um ritmo alucinante. Anualmente extermino mais de uma vintena e nem quero pensar na multidão  de osgas que se acumulariam pelas paredes do quintal se não o fizesse. 

(Pronto, eu sei que as piadolas são fraquinhas mas pode ser que os amiguinhos dos animais, desta vez, percebam. Embora revelem uma gritante falta de sentido de humor e uma preocupante incapacidade em  reconhecer algo escrito em tom irónico. O que até nem me surpreende. Porque, há que dizê-lo com toda a frontalidade, são umas bestas).
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:34

Osgas e outros pitosgas

por Kruzes Kanhoto, em 13.08.10
Osgas e outros pitosgas
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:34

Outsorcing e outros privilégios

por Kruzes Kanhoto, em 11.08.10

José Sócrates construiu muita da sua popularidade à custa dos funcionários públicos. Desde que chegou ao poder tem usado reiteradamente a demagogia – coisa em que é especialista – para retirar direitos e, pior do que isso, fazer uma perseguição a estes profissionais como se toda a culpa do calamitoso estado do país fosse deles e não dos políticos – javardolas, a maioria - que nos tem governado desde o vinte cinco do A até hoje. 
Esta é, sem dúvida, uma prática popular. A gamela da intriga, da inveja e da instigação contra alegados privilégios é generosamente recheada pelo primeiro-ministro e seus sequazes e o bom povo, ignorante e imbecil, serve-se até à saciedade. Engole tudo o que lhe põem na boca e arrota a sua indignação porque os funcionários públicos, para além de malandros o que não constitui novidade, são uma cambada de privilegiados que urge meter na linha. Ganham mais que os privados, não podem ser despedidos e, até, pasme-se perante tamanho escândalo, tem um sistema de saúde muito melhor. Admito tudo isso. Até a parte dos malandros. O que não aceito é que os meus concidadãos não percebam o logro que lhes está a ser servido, nem percebam que se trata apenas de uma táctica de dividir para reinar. 
Noticias acerca de novos ataques aos funcionários públicos já começaram a surgir na imprensa. Outras mais se seguirão ao mesmo ritmo que o Zézito for caindo nas sondagens. Enquanto isso os portugueses continuarão a verberar os seus compatriotas que escolheram trabalhar na administração pública. Ninguém, excepto, talvez, os parolos ou os apaniguados deste governo – o que, bem visto, é mais ou menos a mesma coisa – acredita que as acções de verdadeiro terrorismo social perpetradas contra os trabalhadores da função pública visem, em primeiro lugar, a redução do défice, o controlo do despesa pública ou uma melhor gestão dos recursos do país. Exemplos como os que a imagem documenta não faltam e ilustram na perfeição a preocupação que esta gente tem em gerir eficazmente as finanças nacionais. Pena que aqueles parvos que nos mais variados palcos destilam o seu ódio contra os privilegiados funcionários não se manifestem com igual ira contra estes saques.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:59

Outsorcing e outros privilégios

por Kruzes Kanhoto, em 11.08.10
Outsorcing e outros privilégios
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:59

Cem palavras e sem caixotes

por Kruzes Kanhoto, em 10.08.10
A julgar pela quantidade de embalagens meticulosamente arrumadas, a venda não tem corrido mal aos que por aqui se dedicam ao comércio de fruta e outros vegetais. Ainda bem. Mesmo com a reconhecida ausência de condições de higiene, do calor a que estão expostos vendedores, compradores e bens, estes últimos quase todos rapidamente deterioráveis, o negócio vai fluindo, pelo menos aparentemente, com sucesso. Apesar de me ser difícil imaginar como será passar uma tarde de calor alentejano dentro de uma barraca de lata onde, desconfio, a temperatura não se ficará pelos amenos quarenta graus do exterior. Juízo teve o proprietário desta barraca – ou deverei dizer barricada?! - que em boa hora fechou o estaminé e pode agora aproveitar as tardes para passar pelas brasas...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:52

Cem palavras e sem caixotes

por Kruzes Kanhoto, em 10.08.10
Cem palavras e sem caixotes
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:52

Desemprego em queda...

por Kruzes Kanhoto, em 08.08.10
Não vivêssemos nós aquela época do ano a que se convencionou chamar selly-season e teríamos de certo o primeiro ministro, bem como os optimistas de serviço, a enaltecer o facto de no concelho alentejano de Alvito não existir um único desempregado. Graças à magnifica intervenção da Câmara local no apoio às populações assoladas por este flagelo, reivindica o edil lá do sitio, ou às medidas implementadas pelo governo no âmbito da criação de postos de trabalho e de apoio às empresas, garantirá o engenheiro no que será corroborado pelo apaniguados do regime.
Alvito é um pequeno concelho do Baixo Alentejo e tem pouco mais de dois mil e setecentos habitantes. Provavelmente muitos deles reformados. Apesar de ser um aspecto positivo não ter ninguém na condição de desempregado, o facto não tem grande relevância face ao diminuto número de residentes. Acredito até que esta será uma tendência que se irá acentuar nos próximos anos não apenas no Alentejo mas na maioria dos concelhos do interior. A crescente diminuição da população em idade activa e o aumento dos que, por razões de índole cultural, não são considerados pelas estatísticas como empregáveis encarregar-se-á de ir aproximando a taxa de desemprego para valores próximos do zero. É uma questão de tempo.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:02

Desemprego em queda...

por Kruzes Kanhoto, em 08.08.10
Desemprego em queda...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:02

O chumbo é inimigo do ambiente

por Kruzes Kanhoto, em 07.08.10
Como sabem todos os que tem filhos em idade escolar, pelo menos aqueles que não são fiscalmente pobres e não beneficiam por isso dos presentes generosamente distribuídos pelo Estado e autarquias, esta é altura do ano em que as carteiras sofrem um rombo assinalável graças à necessidade de adquirir toda uma panóplia de livros e tudo o resto que,  cada vez mais, nos é impingido por acréscimo como fazendo parte integrante do preço por que compramos os manuais escolares. 
Mas em breve felizmente tudo isso pertencerá, espera-se, ao passado e não constituirá mais do que uma longínqua recordação do tempo em que andar na escola implicava coisas chatas, desagradáveis e desinteressantes como estudar, ler ou até mesmo fazer cabulas. Assim a oposição se deixe de demagogias, populismos, campanhas negras, bota-abaixismos e resolva, de uma vez, puxar pelas energias do país, aceitando a sábia proposta, da não menos sábia Ministra da Educação, que visa acabar com os chumbos. Essa instituição decadente, que não motiva os alunos e através da qual ainda, todos os anos, se impede que meia dúzia de burros que mal sabem ler entrem na universidade. Há, de facto, que acabar com tão hedionda  prática. E quanto antes. 
Num futuro próximo, a ser assim, poucos comprarão livros. Só um parvo irá gastar duzentos e tal euros num monte de papel inútil de nula relevância para o percurso escolar do seu rebento. Que, como é óbvio, estará sempre condenado ao sucesso. Toda esta essa massa, que não é pouca, ficará disponível para emborcar umas bejecas, comprar aqueles trapinhos que ficam mesmo a matar ou para, finalmente, fazer aquelas férias na Tailândia. Tudo, como é fácil de perceber, coisas muito mais interessantes do que comprar livros para o fedelho.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:16

O chumbo é inimigo do ambiente

por Kruzes Kanhoto, em 07.08.10
O chumbo é inimigo do ambiente
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:16

Estacionamento tuga

por Kruzes Kanhoto, em 05.08.10
Longe vai o tempo em que se dizia, com alguma piada, que numa boa sombra se encontraria certamente um policia. Hoje infelizmente não é assim. Policias encontrar-se-ão, com certeza, na esquadra ou em locais de ambiente mais refrescante e nas sombras apenas será possível encontrar reformados ou automóveis. Nestas, como não há bancos, vão estando ocupadas pelos segundos. 
O automobilista tuga, desesperado por um lugar a escassos centímetros do ponto de destino e de preferência à sombra, está cada vez mais ousado. Acredito que dentro de pouco tempo também esta zona vai estar repleta de carros. Isto apesar de a cinquenta metros se situar um dos maiores espaços para estacionamento no centro de uma cidade e de essa cidade nem apresentar especiais dificuldades em matéria de arrumação automóvel. Mas o tuga gosta de prevaricar. De transgredir. Aprecia o conforto. Se interpelado pela policia alegará que é só um instantinho, que está com pressa ou que vai ali e já volta. 
Em muitas ocasiões tenho manifestado a opinião que este local da cidade ficaria catita com a instalação de uns quantos quiosques e esplanadas. Pensando bem é melhor não. Estou mesmo a ver que o número de carros estacionados seria multiplicado por muitos e que não faltariam tugas a querer beber o café dentro das suas viaturas.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:40

Estacionamento tuga

por Kruzes Kanhoto, em 05.08.10
Estacionamento tuga
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:40

Talibans

por Kruzes Kanhoto, em 04.08.10
Para quem não possui o carrinho equipado com um aparelho de GPS, o Google Street View constitui uma ajuda preciosa sempre que estão em causa deslocações a locais pouco conhecidos ou, até mesmo, desconhecidos de todo. Não entende assim a Comissão Nacional de Protecção de Dados, que resolveu proibir o anunciado regresso das viaturas do Google às nossas ruas por considerar estar em causa o anonimato de pessoas e veículos. Das pessoas que andam nas ruas, sublinhe-se, porque os carros ao serviço daquela empresa não fotografam o interior das residências. 
A seguir-se à letra a cartilha dos senhores que compõem a dita comissão, filmar ou fotografar na via pública será, mais dia menos dia, proibido. Ou até, quem sabe, será proibida a recolha de imagens de satélite sobre o território nacional, não vá o monte de sucata esvoaçante fotografar alguém importante a fazer o que não deve ou captar umas quantas imagens de gente a apanhar banhos de sol no terraço ou no quintal. Se depender deles, leis como as que se pretendem implementar noutros países visando proibir que as mulheres usem burka em lugares públicos, impedindo a sua identificação, nunca terão aplicabilidade por cá. 
Num tempo em que toda a gente, independentemente da idade, expõe a sua vida – muitas vezes até ao mais ínfimo, desinteressante e desnecessário pormenor - de livre e espontânea vontade, parece absolutamente ridículo que se impeça o desenvolvimento de uma importante ferramenta tecnológica. Até porque as questões de privacidade já estão mais que acauteladas, uma vez que matriculas e caras aparecem sempre desfocadas impossibilitando o seu reconhecimento.
O progresso, a evolução tecnológica e a colocação à disposição de todos de novas ferramentas que nos proporcionam mais conforto e conhecimento, parecem incomodar muita gente. Principalmente velhos do Restelo, ciosos vá lá saber-se do quê, que deviam fazer as malas e mudar-se para países onde reinam mullahs e ayatollahs. Seres intrigantes com quem revelam admiráveis semelhanças de pensamento.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:19

Talibans

por Kruzes Kanhoto, em 04.08.10
Talibans
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:19

Os bons malandros

por Kruzes Kanhoto, em 03.08.10
Diz que o Presidente da algarvia Câmara de Faro, Macário Correia, pretenderá despedir, pôr no olho da rua por assim dizer, uns quantos trabalhadores que não apresentam – alegadamente, como convém nestas ocasiões - um nível de produtividade do agrado do autarca. Parece, portanto, que a anunciada medida de reduzir as pausas para café não terá produzido os efeitos desejados e haverá que tomar medidas mais drásticas. 
Também a preocupante situação financeira da autarquia e a necessidade imperiosa de reduzir custos contribui para a vontade do edil em diminuir a folha salarial do Município que, segundo as suas declarações, contará com cerca de mil funcionários. É, de facto, um número assustador. Principalmente se acontecer como na generalidade dos municípios, em que, para executar as mesmíssimas tarefas, existem agora o triplo ou o quadruplo dos funcionários que há vinte anos atrás. Todos os que tem idade para isso facilmente identificarão dois ou três lugares onde, ainda não há tanto tempo, havia um ou dois trabalhadores e hoje estão oito ou dez sem que se vislumbre actividade que justifique tamanho acréscimo. 
É verdade que as autarquias do interior promovem o emprego como forma de combater a desertificação humana e, em muitos casos, na tentativa de adiar a morte do seu concelho. Uma opção legitima e, afinal, a única que podem tomar se querem manter alguma população na área da sua circunscrição. Ainda assim isso não justifica que quem é contratado para trabalhar não o faça. Pelo contrário. Deve contribuir para que a sua terra seja melhor, tenha futuro e, sobretudo, pensar que o seu ordenado não cai do céu mas que alguém pagou impostos para que o possam receber. 
Àqueles que alarvemente ainda dizem que “se quisessem trabalhar não iam para a Câmara” deve ser apontado o caminho da saída. Para esses não pode haver lugar na Câmara de Faro nem em nenhuma outra. Sem nunca perder de vista, no entanto, que o exemplo tem de vir de cima. Como dizia o outro.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:32

Os bons malandros

por Kruzes Kanhoto, em 03.08.10
Os bons malandros
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:32

Fim ao massacre dos insectos

por Kruzes Kanhoto, em 01.08.10
Os alegados defensores dos animais regozijam com a medida das autoridades regionais da Catalunha que proíbe a realização de touradas naquela província espanhola. É um anseio antigo de um grupo de gente, minoritário mas ruidoso, que defende um conjunto de ideias bastante originais e, no seu entender, muito avançadas que a serem adoptadas representariam um enorme progresso civilizacional. Acham, entre outras coisas, que aos animais devem ser reconhecidos um conjunto de direitos, maior ou menor conforme o grau de parvoíce do proponente, que a serem seguidos não defeririam muito daqueles que são os direitos das pessoas. 
Não gosto de touradas nem da maior parte dos espectáculos com animais. Apesar disso não posso estar mais em desacordo com aqueles que os contestam. Até porque, no caso dos espectáculos taurinos, os animais que eles tanto querem proteger nem existirão se deixar de haver touradas. Mas isso, provavelmente, pouco importará às bestas urbano depressivas ávidas de abraçar uma qualquer causa que dê sentido às suas vidas. 
Continua a surpreender-me a discriminação que essa cambada pratica em relação às diferentes espécies. Quase todas tem os seus protectores e defensores que as defendem e protegem dos malvados humanos que as torturam, matam ou ingerem. Mas, enquanto isso, milhões de mosquitos e insectos de diversas marcas e modelos continuam diariamente a ser massacrados sem que ninguém se importe. Atente-se nos pára-choques e zona frontal de qualquer automóvel e veja-se o morticínio a que estão a ser condenados esses seres alados que, inocentemente, por aí esvoaçam. É urgente acabar com a indiferença e pôr fim a esta matança. Ambientalistas, ecologistas, defensores dos animais e outra gente igualmente culta e de elevado QI, façam qualquer coisa, porra! Os insectos também têm direitos. Ou não?
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:56

Fim ao massacre dos insectos

por Kruzes Kanhoto, em 01.08.10
Fim ao massacre dos insectos
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:56



Mais sobre mim

foto do autor






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D