Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Rotos

por Kruzes Kanhoto, em 31.05.10
Não faço ideia de quantos contentores do lixo são, por ano, destruídos no Concelho. Acredito que sejam muitos. A sua substituição é cara, exige recursos que poucos percebem ser escassos e que podiam ser aplicados noutras áreas – muitas certamente - não fosse a despreocupação com que olhamos para o bem público e a indiferença com que assistimos à destruição daquilo que, também, é nosso.
Mesmo sendo hoje um dia histórico para a malta esquisita, a coisa até meteu almoçarada com o não menos esquisito pseudo-engenheiro, parece-me completamente desnecessário fazer isto aos recipientes destinados à recolha de resíduos sólidos da nossa cidade. Para rotos já chegam esses javardolas que daqui por uns dias se vão poder divorciar.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:13

Rotos

por Kruzes Kanhoto, em 31.05.10
Rotos
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:13

A contradição já não é o que era

por Kruzes Kanhoto, em 30.05.10
Na anterior crise o importante era gastar. Criar incentivos às empresas, distribuir generosamente dinheiro pelas famílias mais carenciadas e fomentar o crescimento económico mesmo que isso significasse fazer disparar o deficit para valores estratosféricos. Isso, na altura, era visto como algo de necessário e apresentado até como um acto de boa gestão. Dizia-se, à época, que tinha acabado a era dos economistas e que de então em diante prevaleceria a lógica da política. 
Esta teoria disparatada foi rapidamente seguida por muitas autarquias. De um dia para o outro desatámos a ter notícias de planos anti-crise que iam surgindo um pouco por todo o lado. De resto neste campo as autarquias estavam como peixe na água, porque distribuir de maneira generosa e magnânima o dinheiro dos contribuintes está-lhes na génese. 
De repente – em três semanas, diz o outro pantomineiro – o mundo mudou, a crise também e onde antes se punha dinheiro é agora urgente tirá-lo. Assiste-se agora a idêntico frenesim autárquico, mas de sentido contrário, e são às dúzias as Câmaras a anunciar a tomada de medidas visando a contenção de despesas. De resto não é difícil escolher onde cortar. Ao longo dos anos as autarquias habituaram-se a gastar, investir dizem eles, como se não houve amanhã ou se o dia seguinte fosse de uma radiosa prosperidade. 
É bom que seja este o caminho a seguir. Mais tarde ou mais cedo será inevitável extinguir municípios e freguesias e se os gregos optaram por extinguir os que têm menor número de habitantes – dez mil no caso – nada nos garante que, por cá, alguém não possa ter a ideia de acabar com os mais endividados…
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:50

A contradição já não é o que era

por Kruzes Kanhoto, em 30.05.10
A contradição já não é o que era
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:50

Da mesma forma que a divulgação de escutas, ainda que alegadamente reveladoras de potenciais crimes, não é autorizada sendo até punida criminalmente, também a exibição de imagens de um assalto a uma estação do CTT, pelos vários canais televisivos nos seus espaços noticiosos, não devia ter sucedido. Ocorrem-me razões de vária índole para sustentar o que afirmo. A saber:
 - A falta de autorização dos jovens – é assim que agora são conhecidos os meliantes – para a divulgação da sua imagem. Este procedimento, altamente condenável, pode constituir uma violação da sua privacidade e dar azo a que estes interponham uma acção contra quem autorizou a divulgação do filme. De estranhar até que não tenham interposto uma providência cautelar ou, melhor ainda, se tenham apoderado das câmaras antes de abandonar o edifício. Uma coisa assim do tipo acção directa;
 - A relativa facilidade com que o trabalhinho foi feito e o êxito da operação podem suscitar o interesse de outros pacatos cidadãos que, por uma ou outra razão, têm ficado privados dos seus meios de subsistência. Sabe-se que, por enquanto, na actividade dita criminal ainda não existe desemprego, embora a existência de cada vez mais pessoas a procurarem esta carreira possa alterar radicalmente esta realidade;
 - A tentativa de agressão de que foi alvo um dos intervenientes na operação. Como é perfeitamente visível nas imagens foi atirado um objecto que, a atingi-lo, podia ter colocado em causa a sua integridade física. Este mau exemplo, se seguido por futuras vítimas, pode influenciar o actual equilíbrio de forças e vir a condicionar o desempenho dos técnicos de angariação de bens alheios. O que, principalmente numa altura de crise, não é nada bom. Injustamente esta é ainda uma profissão não reconhecida, com poucos direitos laborais e como os profissionais do sector nem sempre cumprem com as suas obrigações com a segurança social, qualquer acidente em serviço é susceptível de causar sérios prejuízos no rendimento mensal obtido pelo técnico atingido.
Temos, felizmente, uma Justiça sensível a estas questões. Estou, por isso, em crer que em breve serão tomadas medidas sérias que evitem a exposição inqualificável dos "jovens" que, abnegadamente, se dedicam a estas causas. E, já agora, que se identifique o patife que atirou o balde, ou lá o que era, na direcção do profissional que, de forma honesta e briosa, fazia o seu trabalho. Coisas destas não podem ficar impunes sob pena de a justiça cair na rua.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:10

Se "escutados" e "filmados" trabalham todos no mesmo ramo porquê proceder de maneira diferente?!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:10

A falta de fair-play da paneleiragem

por Kruzes Kanhoto, em 26.05.10
Não me canso de afirmar que o verdadeiro ataque à liberdade de expressão não vem, como nos últimos anos muitos nos têm feito crer, dos políticos que ocupam os mais variados cargos aos diversos níveis do poder. Nem mesmo José Sócrates, apesar de todas as manigâncias em que é acusado de estar envolvido, conseguiu calar ninguém. Mesmo quando circunstancialmente levou a sua avante e obteve o afastamento de uma ou outra voz mais incómoda, muitas outras se levantaram e as consequências das suas tentativas – a terem existido - revelaram sempre que não é possível silenciar as vozes discordantes nem calar aqueles que se opõem ao poder.
Entendo, já o referi vezes sem conta, que a verdadeira censura que se vive hoje em Portugal tem muito mais a ver com o pensamento politicamente correcto, padronizado por uma esquerda pedante e em muitos casos rabeta, que impede a maioria das pessoas de exprimir livremente a sua opinião sobre assuntos,acerca dos quais está instituído uma linha de pensamento oficial da qual não se pode divergir sem ser vítima de uma adjectivação insultuosa que, já me tem acontecido, apenas se entende o significado com um dicionário por perto.
Veja-se, a este propósito, as reacções da paneleiragem e actividades correlativas ao último trabalho discográfico de Quim Barreiros. Denotando uma falta de fair-play e poder de encaixe – característica que não posso deixar de estranhar nessa malta – os insultos ao cantor não se fizeram esperar. Por mim não aprecio - detesto é capaz de ser mais apropriado - as músicas do dito cantor. Mas detesto ainda mais aqueles que o  criticam, não por o homem cantar mal ou aparentar um estilo a atirar para o javardola mas porque ousa parodiar o casamento gay no seu último trabalho. E, imaginem a ousadia, atreve-se a tratar por paneleiros, larilas ou maricas aquela rapaziada que fez a opção – legitima, evidentemente – de o ser.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:38

A falta de fair-play da paneleiragem

por Kruzes Kanhoto, em 26.05.10
A falta de fair-play da paneleiragem
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:38

Orçamento para lamentar

por Kruzes Kanhoto, em 25.05.10
Mesmo correndo o risco de ser acusado de populismo, ou de estar a enveredar por um perigoso caminho que é geralmente percorrido por aqueles que atacam a democracia e as suas instituições, não posso deixar de me indignar – poder até podia, mas não quero – com o agravamento dos custos que o país tem suportar com os seus representantes, vulgo deputados, na chamada casa da democracia. Pior ainda quando em simultâneo o restante país está sob fogo cerrado de medidas altamente restritivas que, não raras vezes, raiam o ridículo e visam apenas poupar uns míseros trocos sem significado. 
Não consigo vislumbrar argumentos que justifiquem a absoluta necessidade democrática de pagar subsídios de reintegração, viagens ou de melhorar significativamente as ajudas de custo dos deputados. Nem, sequer, que se gaste uma pequena fortuna a proporcionar-lhes um ambiente de trabalho ainda mais agradável. Podem os apreciadores desta democracia argumentar que tudo isso contribuirá para elevar a qualidade das nossas leis e, por consequência, das nossas vidas e que, no fundo, os beneficiários de todas estas pequenas extravagâncias não são eles, somos nós. Podem, mas é melhor que não o façam perto de quem vai ser espoliado de centenas de euros que, entre outras coisas, vão servir para melhorar a qualidade de vida de um certo surripiador de dispositivos de gravação.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:54

Orçamento para lamentar

por Kruzes Kanhoto, em 25.05.10
Orçamento para lamentar
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:54

Sai um pastel de...qualquer coisa!

por Kruzes Kanhoto, em 24.05.10
A Deco andou por aí a investigar pastéis de bacalhau e rissóis de camarão. Daqueles ultra-congelados que se vendem nos supermercados, e outras superfícies comerciais, que constituem um dos alimentos preferidos das donas de casa pouco dotadas na arte de bem confeccionar refeições decentes. Fez, aquela associação de defesa dos consumidores, muito bem. Afinal, segundo o que os resultados da investigação acabaram por revelar, os ditos pastéis do fiel amigo tinham muito pouco e os rissóis de camarão quase nada. As surpresas não ficaram, no entanto, por aqui. Pior do que aquilo que não tinham e deviam ter é que tinham aquilo que não deviam ter. Terá sido, a serem verdadeiras as conclusões, encontrada em algumas embalagens uma quantidade significativa de bactérias de nome esquisito que também habitam, entre outros locais, no nariz de um vulgar – não necessariamente pouco asseado – ser humano. Macacos, portanto. 
Não sei se a segurança alimentar dos portugueses está ou não garantida, mas noticias como esta não são de maneira nenhuma tranquilizadoras. Até porque o mundo mudou – e não foi apenas nas últimas três semanas – pelo que hoje poucos concordarão com aquela velha máxima de outros tempos que garante que tudo “o que não mata engorda”.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:37

Sai um pastel de...qualquer coisa!

por Kruzes Kanhoto, em 24.05.10
Sai um pastel de...qualquer coisa!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:37

O mercado das festas

por Kruzes Kanhoto, em 23.05.10
Não vale a pena tentar encontrar desculpas para o falhanço de certos eventos. Muito menos recriminar os habitantes de uma determinada localidade pela fraca adesão a esta ou àquela iniciativa. Não vale a pena argumentar com essa vaga desculpa das mentalidades, nem disparar um sem número de chavões sem qualquer significado, para tentar justificar o injustificável. A cultura, a arte, o espectáculo ou até mesmo o desporto e todos aqueles que os promovem – ou se querem prover à sua conta - tem que compreender primeiro, e aceitar depois, as regras do mercado. É inútil querer dar ao mercado aquilo que ele não quer, não precisa ou para que se está nas tintas. Arranjar outros argumentos faz lembrar a velha história do soldado que aos olhos da família era o único com o passo certo.
Parece-me ser esta a altura apropriada para que o país pondere se deve continuar a financiar realizadores de cinema, produtores de eventos ditos culturais, clubes de futebol e toda uma panóplia de “organizações” que apenas têm lugar graças ao financiamento público. Ou seja ao dinheiro de todos os contribuintes.  Os mesmos que agora são chamados a "salvar a pátria". É tempo de toda essa gente perceber o que o mercado quer e, com os seus meios ou com aqueles que o mercado estiver disposto a conceder-lhes, mostrarem o que valem. Porque isto de fazer festas e festinhas com o dinheiro dos outros é coisa que não parece muito complicada. Mesmo que o público não apareça.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:57

O mercado das festas

por Kruzes Kanhoto, em 23.05.10
O mercado das festas
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:57

O "comprimento" do dever...

por Kruzes Kanhoto, em 22.05.10
Não conheço Fornos de Algodres. Nunca lá fui. E se até ontem não lamentava esse facto, depois de ver as notícias num dos telejornais da noite tudo mudou e passei a ter uma enorme vontade de conhecer essa terra. Ao que parece, a serem verdadeiras as informações veiculadas pela SIC, aquela autarquia é das mais endividadas do país. A confirmarem-se as notícias, terá uma divida de trinta e cinco milhões de euros! O que, para um município com uma área de cento e trinta e um quilómetros quadrados e uma população de cinco mil e trezentos habitantes, menos catorze quilómetros quadrados e dois mil e cem residentes do que – por exemplo - Borba, é algo de absolutamente surreal. Nomeadamente se tivermos em conta que se trata de uma Câmara que, a título de Fundos Municipais, recebe pouco mais de quatro milhões e trezentos mil euros e que as receitas próprias andarão pouco acima dos dois milhões. 
Terão feito, com certeza, muitas obras. Todas importantes, acredito. Com um tal volume de divida é provável que tudo esteja revestido a ouro, ou então que a cada passo se tropece em infra-estruturas de fazer inveja a qualquer eleitor de uma qualquer cidade de um qualquer país rico. Terão, também, atribuído subsídios de forma mais ou menos generosa que se revelaram determinantes para o progresso, bem-estar e qualidade de vida dos residentes no concelho. O pior é pagar a conta. E parece que chegou a altura de o fazer. 
A reportagem televisiva terminou sem que nos tenha sido dado conta se os responsáveis por esta situação calamitosa estarão ou não presos. Num país decente, habitado por gente honesta, regulado por leis elaboradas por pessoas sérias e aplicadas por profissionais competentes, não tenho grandes dúvidas que “políticos” deste calibre seriam responsabilizados por tamanho descalabro. Por cá ainda lhes fazem uma estátua…
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:39

O "comprimento" do dever...

por Kruzes Kanhoto, em 22.05.10
O "comprimento" do dever...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:39

Coisas (pouco) sérias

por Kruzes Kanhoto, em 20.05.10
Esforço-me por acreditar naqueles que as televisões e outros órgãos de comunicação social escolhem para nos manter informados acerca das incidências da actual crise e das possíveis soluções para a ultrapassar. Acredito que, na sua maioria, são pessoas sensatas e, quase todos, saberão daquilo que falam. Torna-se, no entanto, cada vez mais difícil levá-los a sério e, à semelhança dos membros do governo ou do pessoal ligado ao PS, é crescente o número de supostos analistas políticos, económicos e financeiros a dizer alarvidades. Ora esse era um papel que tinha como reservado para gajos que escrevem em blogues parvos. Como este, por exemplo.
Cito apenas dois casos. O presidente da Confederação da Indústria Portuguesa sugeriu que os funcionários públicos recebessem os subsídios de férias e de natal em certificados de aforro. Medida que, defende, constituiria um incentivo à poupança. E nada melhor que começar pelos trabalhadores do Estado que, à semelhança do patrão, são uns esbanjadores pouco dados a essa coisa de manter um pé-de-meia. A proposta, principalmente vinda de onde vem, é no mínimo suicida. Até porque representaria uma quebra dramática no consumo e acabaria por se virar contra quem a propõe. 
Também Belmiro de Azevedo se saiu, um destes dias, com uma tirada genial. As dificuldades que se avizinham legitimam, segundo o patrão da Sonae, que os pobres roubem para se alimentar. Uma afirmação destas na boca do dono de uma cadeia de supermercados que vendem, nomeadamente, bens alimentares não me parece lá muito sensata…Mas pode ser um bom argumento a usar em Tribunal por um qualquer larápio apanhado a gamar uns “morfes” para o pic-nic. 
A maior evidência dos tempos estranhos que vivemos não veio, quanto a mim, da área económico-financeira. O Presidente da República falou ao país acerca de paneleiros, fufas e actividades correlativas. Quando o mais alto magistrado da nação ocupa uma parte do seu tempo, por mais ínfima que seja, com assuntos de merda – literalmente – como esse, é porque estamos realmente em crise.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:45

Coisas (pouco) sérias

por Kruzes Kanhoto, em 20.05.10
Coisas (pouco) sérias
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:45

Ainda os plátanos da Fonte do Imperador

por Kruzes Kanhoto, em 18.05.10
Como já escrevi noutro post todas estas árvores, de ambos os lados da antiga estrada nacional quatro junto à Fonte do Imperador, foram podadas, de uma forma radical e absolutamente despropositada, na mesma altura. As do lado esquerdo da fotografia recuperaram, enquanto as do lado direito estão num estado deplorável e apresentam apenas tímidos sinais de recuperação. Coisa que, naturalmente, não acontece por acaso e que apenas se verifica porque enquanto umas crescem livremente, sobre as outras têm sido exercidas, ao longo dos últimos anos, várias acções com o evidente propósito de as matar. 
Obviamente não sei quem é o criminoso que assim procede. Sei apenas que estas acções ocorrem desde que, no terreno mesmo ao lado, foi plantado um nogueiral. Será também consensual que os plátanos não se auto-mutilam, e se aparecem sistematicamente cortados é porque alguém o fará. Pensa-se, mas isso são as más-línguas a sugerir porque eu dessas coisas nada sei, que se tratará de um passarão que estará por detrás desta manigância. Uma espécie de pato-bravo que por aqui tenta esvoaçar de rosa no bico e motosserra debaixo da asa…
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:38

Ainda os plátanos da Fonte do Imperador

por Kruzes Kanhoto, em 18.05.10
Ainda os plátanos da Fonte do Imperador
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:38

Que dizem os rotos à nua?! Nada, ao que parece.

por Kruzes Kanhoto, em 17.05.10
Surpreende-me que, por estes dias, não se tenha ainda levantado uma onda nacional de indignação pela atitude da Câmara de Mirandela relativamente à professora daquela localidade que entendeu por bem deixar-se fotografar, tal e qual veio ao mundo, para a revista “Playboy”. Nem mesmo a intelectualidade bem pensante, sempre tão empenhada em manifestar-se contra qualquer coisa que lhe cheire a discriminação, esboçou o mais leve protesto. Nem, ao menos, uma obscura organização de direitos humanos, um sindicato pró-comunista ou uma associação que ninguém conhece, mas que garante defender intransigentemente o direito a qualquer um, ou uma, se despir quando muito bem lhe apetece, surgiu a defender a esbelta senhora. Incrivelmente nem os tresloucados do Bloco de Esquerda vieram a público insurgir-se contra a decisão da autarquia e protestar pela atitude alegadamente discriminatória de que a docente estará a ser vítima. 
Este é um caso que me parece extremamente grave, atentatório da liberdade individual e revelador, da parte daqueles que assim decidiram, de uma mentalidade que até mete dó. Provavelmente para todo o alheamento que se tem verificado em relação a esta situação contribuirá o facto de a senhora não ser – digo eu que não a conheço de lado nenhum – fufa. Porque se o fosse o caso mudaria imediatamente de figura e, desde há dias, assistiríamos a intermináveis telejornais transmitidos directamente de Mirandela, debates onde a Câmara e população local seriam tratados abaixo de energúmenos e, quase de certeza, existiriam já algumas dúzias de processos em tribunal. Assim, sendo ao que parece uma cidadã perfeitamente normal, que se lixe.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:46

Que dizem os rotos à nua?! Nada, ao que parece.

por Kruzes Kanhoto, em 17.05.10
Que dizem os rotos à nua?! Nada, ao que parece.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:46

Produtividade

por Kruzes Kanhoto, em 16.05.10
Um dos nossos problemas enquanto país é a produtividade. Ou, no caso, a falta dela. Argumenta-se quase sempre que o Estado possui uma máquina pesada, desadequada à realidade actual, pouco produtiva e, em consequência disso, constitui um sorvedouro de recursos essenciais que deviam ser colocados à disposição do tecido empresarial que, ele sim, é o verdadeiro motor da economia e o único capaz de gerar riqueza  por possuir uma capacidade de optimizar os meios que tem à sua disposição de uma forma muito melhor do que o Estado alguma vez fará.
Acredito em tudo isso. Ou quase. Apenas me faz confusão, quando no sector público isso é absolutamente banal, que muitas empresas não tenham ainda um site na internet. Ou, sequer, um contacto de correio electrónico. Já nem refiro a relutância que muitos ainda demonstram em fornecer o número de identificação bancária, mesmo que isso signifique uma forma de agilizar procedimentos e antecipar recebimentos de clientes.
Elejo, no entanto, como símbolo máximo da falta de produtividade aquelas empresas – e não são poucas – que, apesar de facilmente o poderem fazer, continuam a enviar toda a sua facturação ou outro tipo de correspondência, nomeadamente para organismos públicos e para outras empresas, por via postal. Cada carta custa trinta e dois cêntimos mas, ainda assim, este continua a ser o meio preferido de os nossos empresários comunicarem. Ainda que o façam para a mesma cidade e que, provavelmente, até passem à porta do destinatário antes de chegarem à estação dos correios…
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:26

Produtividade

por Kruzes Kanhoto, em 16.05.10
Produtividade
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:26

As medidinhas

por Kruzes Kanhoto, em 15.05.10
Ao contrário do que muitos reclamam, não considero desajustado o conjunto de medidas de combate ao défice anunciadas pelo governo. Se não vejamos:
- Considero preferível subir impostos a baixar salários. O IRS baixará na próxima oportunidade, que é como quem diz quando as eleições se aproximarem. Já os vencimentos, caso tivessem sido reduzidos, só muito dificilmente voltariam a subir. Para além da inegável vantagem de, pelo facto de outros países terem seguido essa via, nos estarmos a aproximar da média europeia em termos salariais;
- A diminuição do montante das transferências para as autarquias locais afigura-se também acertada e dotada da mais elementar justiça. Os municípios estão há muitos anos a passar ao lado da crise, continuam a gastar como se não houvesse amanhã e estão a endividar-se a um ritmo alucinante. Pode a medida não representar uma poupança orçamental por aí além mas é, pelo menos, um abanar de consciências para eleitos e eleitores. Talvez de agora em diante todos comecem a pensar que afinal nas tesourarias municipais não existe nenhuma máquina de fazer dinheiro;
- O aumento do IVA, embora seja um imposto cego e socialmente pouco justo, constituía uma daquelas inevitabilidades…inevitáveis.

Por fim a pergunta que se impõe. E aquele pessoal que em certos dias do mês enche as estações de correio, em que medida é afectado por esta crise e de que forma é chamado a dar o seu contributo?! Assim de repente lembrei-me que o IVA das cervejas também aumenta mas, de imediato, veio-me à memória que os pack´s de seis latas à venda no Modelo são frequentemente constituídos apenas por cinco…
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:48

As medidinhas

por Kruzes Kanhoto, em 15.05.10
As medidinhas
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:48

Ainda a (in)tolerância de ponto

por Kruzes Kanhoto, em 14.05.10
A tolerância de ponto concedida por ocasião da visita papal provocou reacções que, simpaticamente, classifico apenas de surpreendentes. A mais original foi-nos proporcionada pelo Presidente da Câmara de Castelo de Vide que entendeu não seguir a orientação governativa – nada o obrigava a isso, é bom que se saliente – e, no uso dos seus poderes, resolveu manter os serviços do município a funcionar. Uma decisão inteiramente legitima e que, muito naturalmente, não poderá ser objecto de qualquer contestação.
Argumenta o dito autarca que na actual conjuntura não é aceitável a concessão de tolerâncias de ponto e que o país em geral e a autarquia a que preside em particular precisam é que se trabalhe. Coisa que, obviamente, não se lhe afigura compatível com a Câmara fechada e o pessoal em casa a ver o Papa. No entanto, assegurou, os trabalhadores não vão ficar prejudicados relativamente aos seus colegas de outras autarquias que puderam usufruir de um dia sem trabalhar. Promete, numa tirada que nem a mim – que também gosto de dizer parvoíces – me ocorreria, que vai compensar a rapaziada com tolerâncias a cinquenta por cento para os feriados de Junho. Bem visto, sim senhor! Ou a crise está quase a passar e dentro de um mês já não faz mal a malta ficar um dia sem bulir ou então a produtividade é muito maior quando o chefe da Igreja católica está entre nós. Existe, claro, ainda a hipótese de o homem gostar de ser do contra, ou ter, digamos, algum problemazito…mas isso é lá com ele e com quem o elegeu.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:24

Ainda a (in)tolerância de ponto

por Kruzes Kanhoto, em 14.05.10
Ainda a (in)tolerância de ponto
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:24

E agora, gostam?!

por Kruzes Kanhoto, em 10.05.10
José Sócrates garante não ter medo de uma eventual onda de contestação social caso o governo tenha mesmo de tomar as medidas que, ao longo do dia de hoje, foram sendo anunciadas como possíveis, por uns, e inevitáveis segundo outros. O primeiro-ministro vai mais longe e relembra que na anterior legislatura teve igualmente de equilibrar as contas públicas e que nem por isso deixou de contar com o apoio da opinião pública.
O problema do engenheiro – e dos portugueses, principalmente – é que a coisa, agora, chia muito mais fino. Ao contrário da outra vez, em que o alvo das decisões mais drásticas foram os funcionários públicos, prevê-se que seja necessário tomar medidas que tocarão a todos. Mesmo aos que se regozijaram com a perda de direitos dos servidores do Estado e com o congelamento das suas remunerações. Agora, caso se confirme o pior cenário, também eles vão ser chamados a dar o seu contributo aos cofres do Estado. Aguardo, com alguma expectativa, a reacção dessa malta que, quando o combate ao défice era problema de outros, aplaudia entusiasticamente a genialidade governativa do Zézito.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:34

E agora, gostam?!

por Kruzes Kanhoto, em 10.05.10
E agora, gostam?!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:34

Quem toma a última?

por Kruzes Kanhoto, em 09.05.10

Não posso, por esta hora, adivinhar qual o resultado dos jogos de futebol que definirão o campeão da presente época futebolística. Espero que seja aquele que eu desejo e esse é um sentimento que, seguramente, partilho com a esmagadora maioria dos portugueses.
Já vivi muitas vezes a sensação de ver o Benfica campeão. Esta, contudo, não será, a confirmar-se, apenas mais uma. Nunca, nas anteriores conquistas, houve tanta gente a torcer por fora e a fazer de tudo – acredito que façam mesmo de tudo – para que o título rume a outras paragens que não o Estádio da Luz. Tal atitude, para além de revelar uma ingratidão inqualificável para com quem lhes encheu os estádios de gente e as tesourarias de dinheiro, é reveladora de um comportamento que até agora julgava apenas exclusivo dos grunhos do norte. O ódio que têm ao Glorioso, a Lisboa e de uma maneira geral ao sul, é uma coisa doentia, própria de gente debilitada intelectualmente de que é símbolo máximo o velhinho careca e caquéctico, que se faz rodear de gaijas boas convencido que elas o seguem pelas suas aptidões físicas e não pelo conteúdo da sua carteira. 
Desde há muitos anos que exulto – quase todos os benfiquistas o fazem, mais ou menos exuberantemente – com as cada vez mais frequentes derrotas da equipa de Campanhã. De igual modo procederei, de ora em diante, com todas os outros clubes. Nomeadamente quando, lá para Setembro, começar a sua mais que previsível miserável participação nas competições europeias. Não tenho dúvidas que, com o actual comportamento, essas agremiações conquistaram em cada adepto do Benfica um potencial adversário.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:07

Quem toma a última?

por Kruzes Kanhoto, em 09.05.10
Quem toma a última?
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:07

Lamentações lamentáveis

por Kruzes Kanhoto, em 08.05.10

Não foram poucas as ocasiões em que me expressei, aqui no Kruzes ou noutros locais, a favor de ordenados dignos. Dão-me estas circunstâncias o direito de me indignar perante um excerto de uma entrevista a uma professora do ensino secundário, já com bastantes anos de profissão e perto da aposentação, que hoje encontrei por acaso ao folhear uma revista antiga. Antiga mas apenas com alguns meses, saliente-se.
O que mais me revolta é que o vencimento não é mesmo nada compatível com a função que exerço”, lamentava-se a docente quando inquirida acerca dos aspectos menos positivos da sua função. Admito que a carreira docente tenha sido muito atacada nos últimos anos. Admito com facilidade que o papel do professor tem sido substancialmente desvalorizado, a sua autoridade colocada em causa, as escolas estejam repletas de alunos mal-educados e negligenciados pelos pais ou que o sistema de ensino tende a beneficiar os burros e a não valorizar os bons alunos. Deve ser, tudo isso, a que chamam a tal escola inclusiva. Agora o que não admito – no sentido de discordar, obviamente – é que esta classe profissional, nomeadamente aqueles que estão na faixa etária da professora que proferiu as declarações que reproduzi, se queixem do vencimento que auferem. Podem, os professores, ter muitas razões de queixa, mas no que diz respeito à retribuição mensal não é coisa de que se possam lamentar.

Imagem obtida daqui (Lista de aposentações da Caixa Geral de Aposentações – Junho 2010)
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:33

Lamentações lamentáveis

por Kruzes Kanhoto, em 08.05.10
Lamentações lamentáveis
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:33


A fraude hoje divulgada pela comunicação social envolvendo, alegadamente, alguns funcionários públicos de um hospital portuense que, segundo as fontes difusoras da notícia, burlaram a ADSE em cerca de cem mil euros não me causa a mais pequena surpresa. Quanto muito apenas me espantam os pequenos montantes envolvidos e, face ao número de supostos intervenientes, ao valores irrisórios que terão cabido a cada um deles.
Recordar-se-ão com certeza os meus leitores de ter escrito num post, ou até mesmo em mais, que este tipo de actuação é uma consequência dos baixos salários, da inexistência de expectativas de carreira, dos congelamentos salariais e, em suma, da forma como os funcionários públicos tem sido tratados nestes últimos anos. E, também, como é evidente da ganância, da má formação moral dos intervenientes e dos maus exemplos que a cada dia lhes são transmitidos por outros muitíssimo melhor colocados na hierarquia profissional, social e outras. 
Obviamente que, apuradas as responsabilidades, as pessoas envolvidas no esquema deverão ser punidas. Não se brinca assim com o dinheiro público. Para mais numa altura em que todos os cêntimos são importantes para o nosso engenheiro brincar aos comboios. De resto a este tipo de comportamento - altamente condenável, é bom sublinhar – chama-se roubar e merece ser severamente castigado. Escusam, no entanto, de vir para aqui – ou para outro lado qualquer – argumentar que fulano, sicrano ou beltrano roubaram milhões e nada lhes aconteceu. Isso não passa de populismo. 
É por essas e por outras que temo pelas consequências que certamente advirão para o deputado que irreflectidamente se terá apoderado de dois gravadores pertença dos jornalistas que o entrevistavam. Vão ver o homem ainda se trama. É que com coisas deste valor nunca se sabe…
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:52

Malta que, irreflectidamente, se apodera de coisas...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:52

Ideias parvas

por Kruzes Kanhoto, em 04.05.10

O país enlouqueceu. Só pode. Pelo menos aquele país que na televisão, nos jornais e nos blogues sugere soluções para essa tal crise que alguns insistem em garantir que anda por aí. A cada dia surgem as ideias mais ousadas – foi a maneira mais simpática que encontrei para não lhes chamar disparates – e chegaram já ao ponto de sugerir a redução do número de feriados para quatro e de acabar com os subsídios de férias e de Natal. 
Por mim acho que podem ir ainda mais longe. Acho até lamentavelmente pouco aquilo que propõem estes malucos. Bom, mas mesmo bom, era terminar com essa invenção – desconfio que foram os comunistas, esses malandros – das férias, que só servem para prejudicar as empresas. E a mesma coisa para o Natal. Vai sendo tempo de pôr fim a essa festa cristã ridícula que discrimina de forma provocatória as restantes confissões religiosas. Com a vantagem da malta poupar uma pipa de massa em presentes e, no caso das férias, as praias algarvias não estarem repletas de bimbos a dizerem palavrões. 
Ainda bem que este pessoal só pensa em cortar na despesa e não tem ideias para aumentar a receita. Ou muito me engano eram gajos para defender de forma intransigente um imposto sobre a queca. O que, pensando bem, não estaria mal visto. Afinal não são os que mais podem que devem pagar a crise?!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:53

Ideias parvas

por Kruzes Kanhoto, em 04.05.10
Ideias parvas
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:53

Não havia necessidade...

por Kruzes Kanhoto, em 03.05.10
...O contentor está mesmo ali ao lado! Ou será isto uma nova forma de arte urbana?!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:46

Não havia necessidade...

por Kruzes Kanhoto, em 03.05.10
Não havia necessidade...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:46

A má moeda (ou a falta de memória)

por Kruzes Kanhoto, em 02.05.10
Numa altura em que se procuram explicações para a situação que vivemos, são já muitos os que não hesitam em apontar a nossa adesão à moeda única como um dos principais factores que contribuiu para chegarmos a este estado de coisas. Há mesmo quem sugira a nossa saída do euro e o regresso ao velhinho escudo. Voltar a ter controlo sobre a política monetária será, garantem alguns teóricos, a única forma de ultrapassar a crise em que nos encontramos.
O retorno à antiga moeda nacional era capaz, digo eu, de ser coisa para ter a sua piada. Ao contrário do que aconteceu com os “réis”, que noventa anos depois da sua extinção ainda eram recordados - sou do tempo em que vinte mil réis, que é como quem diz vinte escudos ou, hoje, dez cêntimos, tinham direito a nota – actualmente já quase ninguém se lembra do escudo nem, muito menos, da sua valia. Com a entrada em vigor do euro perdeu-se por completo a noção do valor do dinheiro e gasta-se de uma maneira desregrada e sem a percepção de quanto estamos realmente a gastar. Daí que o regresso ao escudo tivesse, pelo menos, a grande vantagem de nos trazer de volta à realidade e de nos fazer acordar de um sonho. Que poderá estar muito perto de se tornar o maior pesadelo que a minha e as gerações mais novas viveram. 
Só por curiosidade vejamos quanto nos custariam hoje em escudos, ou poderão vir a custar amanhã se a equivalência à entrada se mantiver à saída, alguns bens ou serviços pelos quais pagamos sem nos apercebermos bem do valor que estamos a despender: 
Café – 110$00;
Pastel de nata – 160$00;
Cerveja (numa espelunca) – 190$00;
Moeda para o arrumador – 200$00;
Litro de gasolina – 288$50;
Entrada na Fiape – 400$00;
Bilhete para o futebol (2ª divisão distrital) – 800$00;
Maço de cigarros – 900$00;
Viagem de autocarro Estremoz-Lisboa e volta – 4.972$00;
Bilhete de um dia para o Festival Optimus Alive – 10.000$00 (Dez contos!!!).
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:41

A má moeda (ou a falta de memória)

por Kruzes Kanhoto, em 02.05.10
A má moeda (ou a falta de memória)
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:41



Mais sobre mim

foto do autor






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D