Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Cagadela exemplar

por Kruzes Kanhoto, em 30.04.09
Desde o inicio deste blogue não tem conta as fotos e os textos que publiquei denunciando e condenando o comportamento dos responsáveis pelo triste cenário com que nos podemos deparar nas ruas das nossas cidades. Assim sendo, que mais posso eu escrever que demonstre a indignação que sinto sempre que deparo com gente a passear o canito, para que este possa aliviar a tripa, ou a abrir a porta do quintal para o animal ir cagar suficientemente longe da casa dos donos? Provavelmente nada. Mas não será por isso que deixarei, ainda que isso irrite uns quantos leitores ocasionais, de continuar a criticar esta atitude negligente e mal-educada de pessoas que têm, ou tiveram, uma posição relativamente importante no contexto social em que estão inseridas. Recordo que, na zona da cidade onde estas fotos foram obtidas, residem muitos professores – no activo e aposentados – que tem cães e que permitem que eles defequem onde muito bem lhes apetece. Destas pessoas seria de esperar um comportamento diferente e que servisse de exemplo para os outros cidadãos. O que, no caso e bem vistas as coisas, até estará a acontecer. Pela negativa, claro.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:15

Cagadela exemplar

por Kruzes Kanhoto, em 30.04.09
Cagadela exemplar
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:15

Ano do barroco

por Kruzes Kanhoto, em 29.04.09
Um dos primeiros sinais de velhice é quando se começa a pensar que não era má ideia escrever as nossas memórias. Talvez por isso, ou por outra coisa qualquer, lembrei-me um destes dias que devia fazer um desmentido. Ou melhor, um desmentido público. Melhor ainda, um importante desmentido público. Embora, convenhamos, pouco público porque este blogue não tem grande audiência e a importância da coisa a desmentir seja pouco menos que insignificante. Mas, como o blogue é meu e o desmentido também, chamo-lhe o que muito bem me apetecer. E, no caso, apetece-me chamar-lhe importante desmentido público.
Passemos aos factos. Como muitos se recordarão, pelo menos os que moram em Estremoz, em 2004 ou 2005, não sei ao certo, o Município local levou a efeito um conjunto de actividades culturais a que resolveu chamar o “Ano do Barroco”. Ora os alentejanos – pelo menos a maior parte – têm um apurado sentido de humor, gostam de trocadilhos e demonstram uma apetência natural para “rebaptizar” este tipo de coisas. Recorde-se a quantidade de alcunhas que existem por esse Alentejo fora e que não encontra paralelo em mais nenhuma região do país.
Não foi portanto de estranhar que o “Ano do Barroco” depressa passasse a ser conhecido, em Estremoz, como o “Ano do Bacoco”. De estranhar é que tal “baptismo” tenha sido atribuído, de imediato e convictamente, à minha pessoa. A tal ponto que, ainda hoje e apesar da veemência dos meus protestos, continua a haver quem esteja convencido que fui eu a inventar tal designação. É por isso que, mais uma vez, faço este importante desmentido público. E veemente, também. É uma piada engraçada, irreverente como quase todas as boas piadas, mas nada tenho a ver com a sua origem. Ainda assim, aproveito a ocasião para parabenizar o autor que, desconfio, é gajo para de vez em quando dar por aqui uma espreitadela.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:48

Ano do barroco

por Kruzes Kanhoto, em 29.04.09
Ano do barroco
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:48

As "mines"

por Kruzes Kanhoto, em 28.04.09
A malta das “mines” não é conhecida pelas preocupações ambientais ou outras causas que envolvam a preservação da paisagem. Nomeadamente a urbana. Mas tenhamos esperança porque já não falta tudo. Alguns já vão conseguindo deixar os restos de uma noite animada relativamente perto do ecoponto.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:39

As "mines"

por Kruzes Kanhoto, em 28.04.09
As "mines"
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:39

A pergunta que se impõe

por Kruzes Kanhoto, em 27.04.09
Prosseguindo a senda de modernização do país e de melhoria de condição de vida dos portugueses, o espectacular, fantástico, competente, extraordinário, sublime, esplêndido, o melhor entre os melhores e absolutamente genial governo presidido pelo não menos fabuloso, excelso, perfeitíssimo e quase mitológico José Socrates, prepara-se para adoptar mais uma medida essencial para o bem-estar geral e, diria mesmo, fundamental para o progresso do país. Trata-se da aplicação aos trabalhadores das autarquias da famosa lei dos disponíveis. A proposta de lei pode ser vista na integra aqui, deverá entrar em vigor no inicio do próximo ano e, ou muito me engano, vai contribuir para um acentuado aumento da qualidade de vida de muitas famílias.
Posto (mais) isto a pergunta impõe-se. Podíamos viver sem um governo socialista? Podíamos. Mas não era a mesma coisa.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:07

A pergunta que se impõe

por Kruzes Kanhoto, em 27.04.09
A pergunta que se impõe
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:07

Dia do engraxador

por Kruzes Kanhoto, em 26.04.09
Hoje, segundo alguns estudiosos destas coisas de “dias comemorativos”, ter-se-á assinalado o dia do engraxador. Não teve destaque na comunicação social nem consta que a data tenha merecido especiais comemorações. Uma injustiça, acho eu que tenho pelo trabalho destes profissionais – e de outros, também – o maior respeito. É, todos o sabemos, uma actividade difícil e que, apesar de muito praticada, não está ainda suficientemente valorizada perante grande parte da população que olha os engraxadores com algum desdém.
É, no entanto, justo que o engraxador tenha o seu dia próprio. Sabe-se que dar graxa nem sempre se revela uma tarefa fácil e que, por vezes, é difícil agradar ao engraxado. Uma mancha aqui, falta de brilho ali ou uma borradela acolá, são deslizes quase sempre fatais para o engraxador e que provocam, mesmo que de uma forma velada, a ira do cliente quase sempre desdenhoso de quem lhe puxa o lustro ao calçado.
Curiosamente as novas tecnologias não contribuíram aí além para melhorar esta actividade. Contudo alguns engraxadores desenvolvem, ainda assim, esforços assinaláveis no sentido de aplicar estes novos meios aos seus intentos, visando aperfeiçoar a técnica e promover de forma eficaz a resplandecência daqueles a quem servem. O pior é que embora possam ganhar eficácia perdem em discrição, pela exposição a que ficam sujeitos uns e outros. Mas, provavelmente, isso pouco lhes importa.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:22

Dia do engraxador

por Kruzes Kanhoto, em 26.04.09
Dia do engraxador
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:22

Espalhafato

por Kruzes Kanhoto, em 25.04.09
Os panos que, nas últimas semanas, têm “engalanado” várias janelas e varandas no centro da cidade, vão constituindo motivo de falatório e de interrogações, por parte da populaça desinformada e pouco dada a estas macacadas culturais, acerca do que significa tal espalhafato. São, ao que garantem alguns, peças artísticas que estão em exposição. Uma forma de arte, portanto. E da boa, afiançam outros mais entendidos no assunto. Ou apenas mais gozões, não sei ao certo.
Para mim, um trapo é isso mesmo. Um trapo. Por mais voltas que queiram dar ou enfeites manhosos que lhe acrescentem. Assim como assim, ainda prefiro o velho costume português de secar a roupa à janela. Apesar de tudo vejo mais arte numas cuecas, num soutien ou num par de ceroulas. Mesmo de gola alta.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:28

Espalhafato

por Kruzes Kanhoto, em 25.04.09
Espalhafato
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:28

"Bispo" tecnológico

por Kruzes Kanhoto, em 24.04.09
O “Bispo” Edir Macedo é um fulano que “orienta”, digamos assim, uma espécie de confissão religiosa. Pelo menos consideremo-la, benevolentemente, como tal. Há quem não partilhe desta opinião e ache que a Igreja Universal do Reino de Deus, é isso que o dito Edir comanda, é outra coisa muito pior. Opiniões, digo eu, que de religiões, seitas, confrarias e organizações de mal feitores não percebo nada.
Do que não restam grandes dúvidas é que o homem tem olho para o negócio. A prová-lo está o verdadeiro império que a organização detém em vários países, nomeadamente no Brasil, e também em Portugal onde nos últimos anos comprou diversos edifícios nas principais cidades do país, alguns deles simbólicos, para instalar locais de “culto”. Dizem, porque, como é manifesto, cultura não é o meu forte e do ramo imobiliário e negócios adjacentes só sei o que leio nos jornais.
Apesar de aparentemente a “coisa” movimentar muitíssimo dinheiro, nada parece ser suficiente para as ambições do autoproclamado bispo. Vai daí lançou no site que possui na internet uma nova campanha de angariação de fundos. Para o efeito disponibiliza a informação necessária para que os fiéis depositem nas contas indicadas as respectivas doações. É nestas alturas que lamento não ser um génio da informática, para poder substituir os números daquelas contas bancárias por outros que me são mais familiares…
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:43

"Bispo" tecnológico

por Kruzes Kanhoto, em 24.04.09
"Bispo" tecnológico
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:43

Anda por aí uma ladroagem…

por Kruzes Kanhoto, em 22.04.09
Podia muito bem ser o título desta foto que nos mostra como até uma simples cadeira pode ser objecto da cobiça dos amigos do alheio. Ou então trata-se apenas de alguém, muito preocupado com a possibilidade de perder o lugar, que resolveu prevenir-se prendendo o assento ao poste de iluminação.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:00

Anda por aí uma ladroagem…

por Kruzes Kanhoto, em 22.04.09
Anda por aí uma ladroagem…
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:00

Perseguições revolucionárias

por Kruzes Kanhoto, em 21.04.09
Tal como escrevi em posts anteriores, o período se seguiu ao vinte cinco de Abril foi um tempo estranho. A democracia foi posta em causa e iniciado um percurso que, se não tivesse sido travado a tempo, podia ter tido consequências trágicas. É normalmente isso que acontece quando o poder persegue alguém por ter opiniões diferentes. Seja antes ou depois de setenta e quatro, em ditadura ou em democracia.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:41

Perseguições revolucionárias

por Kruzes Kanhoto, em 21.04.09
Perseguições revolucionárias
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:41

Pilha galinhas

por Kruzes Kanhoto, em 20.04.09
Quiçá motivado pela ida a julgamento de um indivíduo que alegadamente terá roubado umas quantas galinhas, meio país acha hoje que esse tipo de crime não justifica o tempo nem os meios que a Justiça gasta para o julgar. O argumento utilizado é quase sempre o da comparação com outros crimes, cometidos por outro tipo de gente, com proveitos incomensuravelmente maiores. Por outras palavras, e em termos práticos que é o que realmente importa, há quem defenda que o roubo de galináceos devia ser despenalizado.
Obviamente não posso estar mais em desacordo com esta ideia absurda de despenalizar o roubo, furto ou lá o que lhe queiram chamar, só porque o objecto alvo dos amigos do alheio é de valor insignificante face aos custos do processo tendente a apurar os factos e, se for o caso, punir o prevaricador. Pior ainda quando se argumenta que a Justiça terá casos muito mais preocupantes para se entreter. Se aplicarmos este tipo de argumentação a outros serviços públicos, ainda um dia deixaremos de ser atendidos no serviço nacional de saúde se padecermos de uma gripe ou de uma unha encravada porque o custo do atendimento não se justificará no caso de maleitas tão ligeiras e os serviços terão pacientes com doenças mais preocupantes para tratar.
Defender a despenalização só porque outros que roubam quantias mais avultadas não são penalizados pelo sistema judicial é igualmente revoltante. A ser assim, ainda um destes dias alguém se lembraria de isentar um assassino de ser julgado face à impunidade de que gozaram muitos criminosos que mataram aos milhares e são hoje idolatrados por alguns.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:34

Pilha galinhas

por Kruzes Kanhoto, em 20.04.09
Pilha galinhas
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:34

Já noutras ocasiões que me desloquei à piscina municipal de Elvas fiz menção neste blogue das péssimas condições do espaço reservado ao público. Para além da inexistência de instalações sanitárias, os lugares destinados a quem quer assistir às competições são em número insuficiente nomeadamente quando, como hoje, se disputa uma prova como o Meeting internacional de natação daquela cidade, que por norma, dada a sua natureza, o número de equipas intervenientes e porque o clube da casa aproveita para “lançar” os seus mais jovens nadadores, regista uma afluência de público muito superior ao que o exíguo espaço é capaz de suportar.
Por isso, e também por uma grande falta de educação e de respeito por quem chega primeiro, durante uma parte significativa da prova a minha visão esteve limitada pela desagradável presença de três senhoras de cú bastante avantajado e repleto de adiposidades. Chegadas ao local, na ausência de outro lugar, as ditas criaturas não estiveram com mais aquelas. Encostaram-se ao gradeamento que protege a bancada tapando, com os seus traseiros avantajados, a visão das pessoas que já se encontravam sentadas nos escassos lugares aí existentes. Pelo menos vão ficar com o rabiosque um pouco mais conhecido. É que não resisto a partilhar a peida destas madames com os meus leitores. Salvo seja, claro.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:11

Se um já era suficientemente mau, imaginem três...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:11

Comprem! Comprem!

por Kruzes Kanhoto, em 17.04.09
É oficial, não há volta a dar e até os mais fervorosos apoiantes e apaniguados do regime vigente reconhecem que a crise é grave, bastante pior do que inicialmente se previa e iremos passar por dificuldades que, ainda há bem pouco tempo, estávamos longe de imaginar pudéssemos voltar a viver. A recessão da economia é evidente e a culpa, garantem agora os experts na matéria, é dos portugueses que de consumistas inveterados passaram a forretas desmedidos a quem ninguém convence a comprar seja o que for ou pelo menos que comprem o bastante para evitar o perigo de uma tal deflação que, dizem em tom de ameaça, anda por aí a rondar.
Ainda tenho alguma esperança de ouvir uma certa figurinha ridícula, aquela que de vez em quando vem divulgar umas previsões acerca do futuro próximo da economia nacional, apelar ao sentido patriótico dos tontinhos e tontinhas para quem comprar constituía uma espécie de terapia, para que voltem à sua actividade predilecta. Exortar os portugueses a vestir o fato de treino e voltar aos shopinhgs. Ou, até mesmo, a pedir encarecidamente aos mais pedantes que se empenhem, passem fome durante um ano inteiro mas não deixem de ir uma semana para a Tailândia. Façam qualquer coisa mas, por favor, não deixem os preços baixar ou o homem, como represália, ainda manda o Zézito baixar-nos o ordenado. É que, parece, agora ao contrário de antes, inflação a subir é que é bom, comprar é o máximo e poupar está completamente out.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:20

Comprem! Comprem!

por Kruzes Kanhoto, em 17.04.09
Comprem! Comprem!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:20

Mouro na costa

por Kruzes Kanhoto, em 16.04.09
A opção do governo pelo investimento em obras públicas de dimensão faraónica, como o novo aeroporto e o TGV, suscita inúmeras reservas junto de muitos sectores da sociedade. Em contradição aos argumentos avançados pelo executivo várias vozes, das mais diversas áreas de pensamento, têm evocado um sem número de razões pelas quais não se devia seguir este caminho. A este coro de dúvidas e de receios, juntou-se hoje um responsável do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras que manifestou a sua preocupação pela possibilidade de estas obras atraírem pessoas “com uma ideia mais radical do islão”. Ou seja - e sou eu a acrescentar - corremos o sério risco de recebermos no país mais uns milhares de muçulmanos, radicais ou não, que assim prosseguirão a ocupação do espaço europeu que há muito iniciaram.
Provavelmente daqui a pouco, nos telejornais, o Bloco de Esquerda, o SOS Racismo e os outros parvos do costume vão considerar estas declarações xenófobas, racistas e violadoras de uns quantos direitos humanos. Não será por isso que o homem deixa de ter razão. E nem vale a pena argumentar que essas pessoas apenas procuram uma vida melhor, tal como os portugueses fazem quando emigram, porque todos sabemos que infelizmente não é assim. Os portugueses e os outros povos civilizados, nessas circunstâncias, procuram integrar-se nas sociedades que os acolhem e adaptam-se com facilidade aos seus costumes ou, pelo menos, não os põem em causa.
Este tipo de gente, pelo contrário, não se quer integrar, pretende continuar a viver segundo as “leis” da sua religião mesmo quando estas colidem com a legislação nacional, não gosta da democracia, da liberdade, nem da igualmente entre os seres humanos e não vem para o Ocidente para ser como nós. Vem, isso sim, para que nós sejamos como eles.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:06

Mouro na costa

por Kruzes Kanhoto, em 16.04.09
Mouro na costa
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:06

O "ponto" é fascista!

por Kruzes Kanhoto, em 15.04.09
Para muitos “trabalhadores” o relógio de ponto constitui um inimigo visceral. Não admira por isso que, nos tempos que se seguiram ao 25 de Abril, aquele mecanismo de controlo da assiduidade fosse visto por muitos como um inimigo do proletariado, traidor da classe operária e aliado do capital. Grande ou pequeno, porque, então, isso era coisa que não interessava nada.
Ora, à época, ser conotado com estas tendências era quase um crime, como em próximos posts e imagens a publicar durante este mês – se tal me apetecer – poderemos constatar. Daí não surpreenderem atitudes e manifestações de desagrado contra o relógio de ponto, como as que a fotografia mostra, em que alguém se insurge contra a presença de tão vil instrumento ao serviço de um patronato retrógrado e que não tardaria a ser expulso das fábricas, das empresas e, algum, até do país. O que, diga-se, em certos casos foi muito bem feito ainda que as razões para o fazer tenham sido as piores.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:07

O "ponto" é fascista!

por Kruzes Kanhoto, em 15.04.09
O "ponto" é fascista!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:07

Vândalos, javardos e inúteis

por Kruzes Kanhoto, em 14.04.09
Pode haver quem “compreenda” o que leva certos meninos a conspurcar tudo o que é parede ou equipamento público. Chamem-lhe, como alguns se referem a este tipo de comportamento, forma de expressão de uma juventude sem perspectivas de futuro ou arranjem outro disparate qualquer para designar o vandalismo praticado contra bens públicos e privados. Para mim é apenas má educação de gente desocupada e a mais na sociedade.
Conheço relativamente bem Quarteira, onde me desloco com relativa frequência – em férias e não só – e não acho que a cidade sofra qualquer espécie de abandono. Antes pelo contrário. Aos olhos do visitante este tipo de lamúria mais parece de alguém que se queixa de barriga cheia. No entanto com aventesmas capazes de fazer este tipo de javardices não me admira que, pelo menos à noite, se vá assemelhando cada vez mais a uma cidade fantasma.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:47

Vândalos, javardos e inúteis

por Kruzes Kanhoto, em 14.04.09
Vândalos, javardos e inúteis
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:47

(In) tolerância de ponto

por Kruzes Kanhoto, em 13.04.09
Em praticamente todo o Alentejo a segunda feira de Pascoa é, desde que me lembro, o dia em que, tradicionalmente, se vai para o campo fazer um picnic e comer o não menos tradicional assado de borrego. O comércio encerra, muitos municípios celebram o feriado municipal e outros concedem tolerância de ponto, no que são imitados pela generalidade das empresas. Até mesmo cafés, pastelarias ou restaurantes são raros os que estão abertos ao público.
Não se compreende por isso a indignação de um casal de velhotes que hoje, precisamente hoje e não noutro dia qualquer dos trezentos e sessenta e cinco dias do ano que têm livres, pretendiam aceder a um serviço encerrado pelo motivo acima mencionado. Provavelmente a cabecita já não ajudará muito e, talvez, nem tivessem noção da data em que nos encontramos. O velhote, mais expansivo e indignado guinchava que são todos uma cambada de “malandros”, de "filhos da puta” e de “cabrões”. Já a velhota, de lenço na cabeça ao uso lá do monte e enrolada num xaile, que isto a Primavera anda envergonhada cá por estas bandas, era mais comedida nas críticas e limitava-se a assegurar que “já ninguém quer é trabalhar”.
O transtorno causado a este tipo de gente é, de facto, notável. Amanhã, ou noutro dia qualquer, terão de voltar à “vila” no seu mata-velhos manhoso e perder um tempo precioso que lhes fará imensa falta. Quase de certeza que deixarão de fazer coisa nenhuma para tratar de algo que, ou muito me engano, pode esperar pelo Dia de S. Nunca.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:07

(In) tolerância de ponto

por Kruzes Kanhoto, em 13.04.09
(In) tolerância de ponto
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:07

Velharias

por Kruzes Kanhoto, em 12.04.09
A feira das velharias que se realiza no Rossio Marquês de Pombal, em Estremoz, aos Sábados de manhã, nasceu de forma espontânea e cresceu ao longo dos últimos anos de forma mais ou menos anárquica. O seu crescimento ocorre mais ou menos ao mesmo ritmo do declínio do mercado da fruta e dos legumes e constitui um importante foco de interesse por parte dos que se deslocam a Estremoz nas manhãs de Sábado.
Embora nunca ali tenha comprado nada ou, sequer, alguma vez vislumbrado qualquer coisa que, mesmo só vagamente, me pudesse interessar, constitui um ponto de passagem obrigatória que não deixo de percorrer semanalmente. Vale a pena fazê-lo. Nem que seja apenas para ouvir os vendedores pedir larguíssimas dezenas de euros - ou centenas, dependendo da “velharia” - por verdadeiras inutilidades que muitos de nós colocaríamos sem hesitar no contentor mais próximo e para apreciar o ar de entendido na matéria de muitos compradores verdadeiramente extasiados com tanto objecto, passo a citar, “bem demonstrativos da cultura de um povo”. Cá para mim, com tanta cultura, estão é mesmo a pedi-las…
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:42

Velharias

por Kruzes Kanhoto, em 12.04.09
Velharias
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:42

Piratas desajeitados

por Kruzes Kanhoto, em 11.04.09
Não é apenas para os lados dos mares da Somália que a pirataria está activa. Pela internet anda igualmente muita gente a dedicar-se a essa actividade. Uns com mais jeito, outros com menos, alguns com sucesso e muitos que, coitados, de tão desastrados e tão nabos que são até metem dó. Neste último grupo inclui-se o autor, ou autores, deste e-mail que recebi há dias em que o suposto webmaster do sapo me pede, sob a ameaça de ficar sem a conta, que envie os meus dados pessoais para um determinado e-mail. Nem vou questionar que tipo de idiota, provavelmente só um principiante nestas coisas, pede estes dados seja a quem for mas interrogo-me que parvalhão usa para esse efeito uma conta do gmail e, ainda para mais, em castelhano.
Provavelmente estaremos em presença de algum infeliz que necessita ganhar a vida sem recorrer a esse método desagradável, cansativo e muitas vezes mal remunerado que se convencionou designar por “trabalho”. Esta atitude, embora revele um notável espírito de iniciativa, demonstra também que o seu autor não possui um jeito por aí além para o negócio e que como aldrabão é fraquinho. Uma verdadeira bosta, diga-se.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:50

Piratas desajeitados

por Kruzes Kanhoto, em 11.04.09
Piratas desajeitados
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:50

Que ecológico que ele é...

por Kruzes Kanhoto, em 11.04.09
O actual governo tem tomado medidas bastante audazes e inovadoras no domínio do ambiente e das energias renováveis, fazendo investimentos avultados nesta área e apoiando com incentivos fiscais os particulares e empresas que decidam apostar neste tipo de energia. O que só lhe fica bem e constitui, quanto a mim, um ponto forte da actividade governativa.
Esta preocupação é extensível aos membros do governo que terão optado por adquirir viaturas oficiais amigas do ambiente. Veja-se o magnífico carrinho da foto, sacada à sorrelfa ao Jornal O Mirante. É um Lexus GS 450H, transportava um secretário de estado que se deslocou a um município socialista para inaugurar qualquer coisa e está equipado com motor a gasolina auxiliado por dois motores eléctricos alimentados por uma bateria.
Claro que estas coisas têm custos, mas isso pouco importa quando em causa estão aspectos importantes como o aquecimento global ou o lince da Malcata. Se alguém quiser saber se a preocupação compensa, em termos de dinheiros públicos, é só fazer as contas, como diria o Engenheiro Guterres. O popó custa apenas oitenta e dois mil euros.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:51

Que ecológico que ele é...

por Kruzes Kanhoto, em 11.04.09
Que ecológico que ele é...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:51

A indumentária da "nossa" indignação

por Kruzes Kanhoto, em 10.04.09
Na falta de melhor a blogosfera nacional, nomeadamente a mais à esquerda e dada às liberalidades dos usos e costumes, está hoje indignada com as normas que supostamente são impostas às funcionárias da Loja do Cidadão no que concerne à indumentária que as mesmas devem ou não utilizar naquele serviço de atendimento ao público.
Mais do que a fatiota envergada pela funcionária de qualquer serviço, público ou privado, o que interessará ao cliente ou ao utente é forma, preferencialmente expedita e competente de quem o atende. No entanto não me parece que uma mini-saia reveladora ou um decote generoso constituam o traje mais adequado a quem trabalha em permanente contacto com o público. Assim de repente não me lembro de ter visto no Modelo, no Continente, no Pingo Doce, na Worten ou qualquer banco ou companhia de seguros, nenhuma empregada nesses preparos. E, até agora, ninguém se queixou por isso.
É absolutamente fantástico como futilidades deste género conseguem em Portugal fazer manchetes de jornais e ser notícia televisiva. Por estas e por outras é que o país não avança!
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:01

A indumentária da "nossa" indignação

por Kruzes Kanhoto, em 10.04.09
A indumentária da "nossa" indignação
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:01

Amadores...

por Kruzes Kanhoto, em 10.04.09
O presidente da Prevenção Rodoviária Portuguesa, José Miguel Trigoso, alerta que são curiosos e amadores que tomam as decisões relativas ao trânsito na maioria das câmaras municipais do país.
José Miguel Trigoso diz que, em muitas autarquias, quem decide, por exemplo, a localização dos sinais de trânsito são pessoas sem qualquer formação nesta área. O alerta foi feito, esta manhã, no espaço “Uma ideia para o País” do Rádio Clube Português.
Nada que eu não constate assim que abro a porta da minha casa.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:03

Amadores...

por Kruzes Kanhoto, em 10.04.09
Amadores...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:03

Monstrengo

por Kruzes Kanhoto, em 09.04.09
Nas férias do ano passado era nesta esplanada que a meio da manhã beberricava o meu cafezinho e me inteirava das notícias do país, do mundo e, principalmente, do Benfas. Local agradável, tranquilo, café de boa qualidade, uma vista privilegiada para o mar, a escassos metros da praia…sitio catita, portanto.
Este ano a esplanada continua lá, no mesmo local, igualmente perto da praia e, aparentemente, mantém intactas todas as características que fizeram com que a escolhesse como local de eleição para ingestão da dose diária de cafeína e de actualização da leitura. Tem, contudo um adereço novo. Um mamarracho de proporções gigantescas e gosto duvidoso plantado no meio.
Desconheço que função está atribuída ao monstrengo. Será que é algo parecido com o papel dos sapos de louça espalhados pelas lojas?! Custa-me a acreditar que assim seja porque, se exceptuarmos a minha presença, aquilo até era um espaço bem afreguesado.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:46

Monstrengo

por Kruzes Kanhoto, em 09.04.09
Monstrengo
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:46

Empregos mil

por Kruzes Kanhoto, em 09.04.09
Em consequência de politicas sociais pró-activas - seja lá isso o que for – e de protocolos diversos, a Câmara de Gaia anunciou que vai criar mil postos de trabalho. Parece-me uma excelente iniciativa. Principalmente se os outros trezentos e sete municípios lhe seguirem o exemplo e nada garante que, algumas, não o estejam já a fazer.
Graças a estes autarcas pró-activos o desemprego poderá passar a ser uma realidade desconhecida em Portugal. Pelo menos até ao final de Outubro.
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:21

Empregos mil

por Kruzes Kanhoto, em 09.04.09
Empregos mil
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:21

Súbita generosidade

por Kruzes Kanhoto, em 08.04.09
Com a aproximação das eleições e o agudizar da crise o governo parece ter sido atingido por um súbito sentimento de generosidade. Depois da apresentação de investimentos públicos de utilidade tão duvidosa quanto o seu financiamento e a sua rentabilidade, do anuncio de sucessivos “pacotes” de apoio a empresas e a familias - também conhecidos como eleitores - onde o executivo de José Sócrates se propõe gastar os milhões que antes não tinha, surge agora a ideia peregrina de atribuir o subsidio de desemprego a gestores e empresários.
Sabe-se da relação difícil, diria praticamente inconciliável, que estas classes mantêm com o rigor e a honestidade. São por demais conhecidas as artimanhas que usam na fuga aos impostos, à segurança social e a forma como não cumprem as suas obrigações para com os seus trabalhadores e fornecedores. É público que descapitalizam empresas com fins que envergonhariam qualquer gestor ou empresário digno desse nome, provocam falências fraudulentas e utilizam em proveito próprio – ou deverei dizer impróprio - dinheiros provenientes de subsídios estatais ou europeus.
Como bónus por tão notável comportamento deste tipo de gente, o governo equaciona a hipótese de atribuir uma prestação social quando uma destas criaturas resolve fechar a empresa de que é proprietário ou cessar a actividade que vem exercendo. Espero estar equivocado mas uma medida destas provocará uma vaga de encerramentos de pequenas empresas familiares. E logo para começar será, provavelmente, o fim dos mercados e feiras tal como os conhecemos…
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:18

Súbita generosidade

por Kruzes Kanhoto, em 08.04.09
Súbita generosidade
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:18

Soldados que queriam levar a cabo...

por Kruzes Kanhoto, em 07.04.09
O período que se seguiu ao Vinte cinco de Abril foi um dos mais agitados da história recente do país. Se exceptuarmos, talvez, aquele Verão em que no chamado defeso futebolístico, Sousa Cintra, o então Presidente do Sporting, todos os dias contratava um jogador do Benfica. Mas futebolices à parte, até porque não embarco em futebóis, principalmente desde que o glorioso deixou de ser tão glorioso como era antes, o Verão de mil novecentos e setenta e cinco foi um tempo de alucinação colectiva em que cada dia surgiam acontecimentos novos, mais estranhos que os do dia anterior, disparatados e desprovidos de qualquer senso comum.
Na imagem que hoje publico pode ler-se um manifesto dos SUV, Soldados Unidos Vencerão, uma “organização” que pretendia mobilizar a tropa para coisas que se proponha levar a cabo. Ou seja, já nessa altura, a causa que verdadeiramente motivava essa malta era a promoçãozinha…
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:46

Soldados que queriam levar a cabo...

por Kruzes Kanhoto, em 07.04.09
Soldados que queriam levar a cabo...
Compartilhar no WhatsApp

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:46


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D