Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kruzes Kanhoto

Ainda que todos, eu não!

Uma espécie de campanha negra

por Kruzes Kanhoto, em 31.03.09
Um livro recentemente publicado ou a publicar em breve, não sei ao certo, nos Estados Unidos dará conta de vários aspectos menos conhecidos da vida do Presidente Barack Obama. Entre eles estarão alegadas relações homossexuais que este terá mantido durante a sua juventude. Provavelmente tudo não passarão de calúnias visando desacreditar o homem que, como se sabe, tem tomado algumas medidas incomodativas para gente poderosa que não está habituada a prestar contas da utilização que faz do dinheiro dos outros nem suporta ser incomodada pelo poder político.
Embora mantenha que cada um com o respectivo cú faz o que muito bem entende e que mandar o “besugo” à merda é uma opção que só ao próprio diz respeito, espero que essas afirmações não passem de miseráveis atoardas. Ou de uma espécie de campanha negra. É que, finalmente, começava a acreditar que os eleitores americanos tinham feito uma boa escolha.
Compartilhar no WhatsApp

Uma espécie de campanha negra

por Kruzes Kanhoto, em 31.03.09
Uma espécie de campanha negra
Compartilhar no WhatsApp

Twitando

por Kruzes Kanhoto, em 30.03.09
Não consigo achar ponta de utilidade ao twitter. Criei lá uma conta, nem sei se é assim que se diz, mas continuo sem perceber para que raio serve aquilo ao cidadão apenas relativamente parvo. Salvo melhor opinião não passa de uma “invenção” patética destinada a verdadeiros patetas. Daqueles mesmo à séria.
Goza no entanto, ao que relatam os média, de grande popularidade entre os deputados que, com esta nova ferramenta informática, se podem assim ofender e mandar para os mais diversos sítios muito mais discretamente.
Compartilhar no WhatsApp

Twitando

por Kruzes Kanhoto, em 30.03.09
Twitando
Compartilhar no WhatsApp

A importância suprema do penalti

por Kruzes Kanhoto, em 30.03.09
Ficámos agora a saber, pela boca de Isaltino Morais, que afinal muitos e muitos – políticos entenda-se – não entregariam a declaração de património e rendimentos ao Tribunal Constitucional. Obrigatória, segundo a lei. Ao que parece não servia para nada e, portanto, ninguém ligava a isso.
Faltas deste género pouco importam aos portugueses. A prova disso é a eleição sucessiva de vários políticos que, apesar de não terem sido considerados culpados de qualquer crime ou sobre eles recaiam suspeitas fundamentadas de algum ilícito, não gozam de especial boa fama devido a diversas traquinices ciclicamente divulgadas pela comunicação social. Abuso de poder, apropriação de bens públicos em benefício próprio ou corrupção na classe política não é coisa que preocupe ou interesse por aí além na hora de decidir o sentido de voto. Deve ser do hábito.
Importante mesmo, determinante até, é punir severamente o sacana do árbitro que marca erradamente o penalti que não foi ou, descaradamente, fecha os olhos ao que foi. Malandro!
Compartilhar no WhatsApp

A importância suprema do penalti

por Kruzes Kanhoto, em 30.03.09
A importância suprema do penalti
Compartilhar no WhatsApp

Pesquisa da semana

por Kruzes Kanhoto, em 29.03.09
A semana que passou foi parca em pesquisas “fora do anormal”. A maior parte dos visitantes chegam até ao Kruzes directamente ou através de links de outros blogues que apontam para este espaço e, por isso, não são muitos os que vem ao engano de pesquisas feitas nos diversos motores de busca. A bem dizer nem são muitos os que perdem o seu tempo a vir até este blogue seja de que forma for. O que se compreende. Por cá não se publicam informações daquelas que não se encontram em mais lado nenhum, como a realização da “Festa do Ovo Estrelado” em Frigideira de Cima, nem tão pouco existem motivos para, por obrigação ou devoção, este blogue constituir motivo da reverencial visita obrigatória.
Considerandos à parte, até porque não é esse o tema do post, a pesquisa merecedora de destaque na semana que passou não é difícil de escolher. Foi feita por alguém que procurou saber mais acerca de "subida de categoria função pública 2009”. É uma busca tão estranha que, sinceramente, fiquei sem palavras. Parece-me um abuso, falta de respeito até, que alguém ainda pense em subidas de categoria, de índice remuneratório, de ordenado ou seja do que for. Vão mas é trabalhar, ó!
Compartilhar no WhatsApp

Pesquisa da semana

por Kruzes Kanhoto, em 29.03.09
Pesquisa da semana
Compartilhar no WhatsApp

Ruas do meu país

por Kruzes Kanhoto, em 29.03.09
Estas duas fotografias foram obtidas hoje na minha rua. Mas podiam ter sido tiradas ontem, anteontem, antes de anteontem, amanhã, depois de amanhã ou depois de depois de amanhã. Na minha rua ou em qualquer outra rua da minha cidade. Ou noutra rua de qualquer outra cidade.
Pode argumentar-se que não há nada a fazer e que os cães têm de cagar em algum lugar. Também é verdade que há muitíssima gente com animais em casa e que tomar medidas – por exemplo fazer cumprir a lei – relativamente a coisas destas é chato, desagradável e pode, em última instância, prejudicar eleitoralmente quem o fizer. Portanto o melhor é fazer como os canitos. Cagar para o problema. O que não sei se será a melhor opção, porque quem não tem cão também vota e pessoas indignadas com este tipo de situação são cada vez mais. Sou eu que vos digo.
Compartilhar no WhatsApp

Ruas do meu país

por Kruzes Kanhoto, em 29.03.09
Ruas do meu país
Compartilhar no WhatsApp

Sustos

por Kruzes Kanhoto, em 28.03.09
“É assustador jogar contra Portugal”. Quem o garante é Cristiano Ronaldo algumas horas antes do jogo de logo mais à noitinha com a Suécia. Talvez seja. Principalmente antes de o jogo começar. Essa é a altura em que somos mesmo bons e não há, no planeta, quem nos passe a perna.
Ainda assim, em matéria de sustos, as afirmações do craque do pontapé na bola não são completamente descabidas. É, de facto, assustador ver Portugal jogar.
Compartilhar no WhatsApp

Sustos

por Kruzes Kanhoto, em 28.03.09
Sustos
Compartilhar no WhatsApp

Gestores e outros ladrões

por Kruzes Kanhoto, em 28.03.09
São cada vez mais as vozes, todas de economistas, gestores e outros nababos bem instalados na vida, a defenderem a redução de salários em Portugal. Não a redução dos ordenados ultra-mega milionários de que por aí se ouve falar, mas sim a baixa generalizada dos vencimentos dos trabalhadores que, argumentam, recebem muito acima daquilo que é a produtividade do país.
Para defender esta tese são usados argumentos brilhantemente rebuscados dignos de uma classe que, não só não foi capaz de prever a crise que actualmente se vive como, pior, tem enormes responsabilidades na sua existência. Uma classe a que, recorde-se, pertence a corja de ladrões e vigaristas responsável por falências fraudulentas e desfalques de muitos e muitos milhões.
Defendia hoje uma besta qualquer desta área de actividade, que sim senhor os ordenados dos trabalhadores deviam ser reduzidos em virtude da sua produtividade não estar ao nível daquilo que lhe é pago. Questionado acerca da aplicação do mesmo princípio aos gestores, respondeu que não porque esses, num ápice, mudar-se-iam para outros países deixando as empresas portuguesas desprovidas de gestores qualificados.
Confesso-me atónito perante tamanha barbaridade e inusitada prova de estupidez. Milhões de portugueses saíram do país em busca de um emprego e de um ordenado digno, mas entre eles contar-se-ão, seguramente, bem poucos gestores. E se num futuro próximo esses bandalhos conseguirem levar a sua avante muitos outros irão embora, rumando a outras paragens e a outras economias geridas por gente menos tacanha. Quanto aos gestores também acredito que emigrem. Podem sempre ir lavar sanitas para a Suíça ou para a Alemanha porque, para outro cargo, duvido que alguém os queira.
Compartilhar no WhatsApp

Gestores e outros ladrões

por Kruzes Kanhoto, em 28.03.09
Gestores e outros ladrões
Compartilhar no WhatsApp

Arcebispo bem disposto

por Kruzes Kanhoto, em 27.03.09
Dotado de um sentido de humor fabuloso o Arcebispo de Cantuária constitui para mim um ponto de referência no panorama blogosférico nacional. É um daqueles blogues que visito praticamente todos os dias e que não me canso de recomendar. Simplesmente imperdível.
Compartilhar no WhatsApp

Arcebispo bem disposto

por Kruzes Kanhoto, em 27.03.09
Arcebispo bem disposto
Compartilhar no WhatsApp

Magalhães a dez euros!

por Kruzes Kanhoto, em 27.03.09
O pequeno Magalhães, computador destinado à miudagem do primeiro ciclo do ensino básico, constitui hoje uma fonte quase inesgotável de piadas. A culpa vai inteirinha para o seu principal promotor que se encarregou de transformar uma boa ideia num dos objectos mais ridicularizados de sempre em Portugal.
Como se não bastassem as mais variadas peripécias que tem envolvido a divulgação e a distribuição do minúsculo portátil, soube-se agora que os pais de alguns alunos a que o mesmo foi distribuído o estão a vender. Confesso que esta notícia, embora não me surpreenda, deixa-me chocado. Gente que beneficia de toda a espécie de apoios do Estado e que vive parasitando a sociedade em que não se quer inserir, impede desta forma nojenta e abjecta os seus filhos de acederem a um meio que, seguramente, os ajudaria a elevar os níveis de conhecimento e a aceder a informação que seria importante no seu desenvolvimento e formação.
Um destes dias venderão igualmente os manuais escolares e, quando encontrarem maneira de o fazer, até o almoço a que na escola os seus filhos têm direito irão vender.
Compartilhar no WhatsApp

Magalhães a dez euros!

por Kruzes Kanhoto, em 27.03.09
Magalhães a dez euros!
Compartilhar no WhatsApp

Exemplos de sucesso

por Kruzes Kanhoto, em 27.03.09
Fátima Felgueiras foi, com as consequências conhecidas, julgada por diversos crimes que era acusada de ter cometido na gestão do município a que preside.
Avelino Ferreira Torres foi hoje absolvido, pelo tribunal da terra onde foi presidente de Câmara um ror de anos, de todos os crimes que o acusavam de ter praticado no exercício das suas funções de autarca.
Isaltino Morais está, por estes dias, a ser julgado por alguns actos menos lícitos que alegadamente terá cometido ao longo dos muitos anos em que vem dirigindo os destinos do município de Oeiras.
Perante estes factos espanta-me que ainda haja em Portugal quem duvide da eficácia do sistema judicial. Direi mesmo que é uma injustiça pôr em causa o funcionamento da justiça.
Também a democracia funciona por cá de modo verdadeiramente exemplar. Tanto assim é que lá para Outubro, estas três figuras bem representativas do que é o “ser português”, conquistarão com relativa facilidade e por uma expressiva margem de votos o lugar de Presidente a que não deixarão de se candidatar.
Compartilhar no WhatsApp

Exemplos de sucesso

por Kruzes Kanhoto, em 27.03.09
Exemplos de sucesso
Compartilhar no WhatsApp

Pág. 1/5